1. Spirit Fanfics >
  2. Hostages of Love >
  3. Departed Los Angeles

História Hostages of Love - Capítulo 17


Escrita por: e nihfrag


Notas do Autor


Hey my friends!
Hey angels!

Voltamos com mais um cap para vocês em, espero que curtam bastante.
Boa leitura!

Capítulo 17 - Departed Los Angeles


-Ai.-falei enquanto Chaz terminava de fechar meus pontos no braço.-Não dava pra colocar um anestésico não?

-Agora que já terminei?-ele ergueu uma sobrancelha.

Olhei como havia ficado e nem estava tão feio assim. Ele limpou e colocou um curativo para não infeccionar.

-Sorte sua que conseguiu desviar ou o tiro teria pego seu coração.-Chaz falou guardando suas coisas.

-É.-olhei para ele pensativa.

Eu ainda não estou entendendo o porquê deles me quererem morta, qual o motivo para isso tudo? Eu preciso ficar cara a cara com eles para saber.

Chaz e eu fomos para o escritório de Justin encontrando todos já reunidos. Depois daquilo tudo viemos pra mansão de Justin resolver tudo de uma vez com esse celular que conseguimos e nem nos trocamos. Sentei no sofá ao lado de Nash e o mesmo envolveu seu braço em meus ombros.

-Como você está?-ele me olhou meigo.

-Bem na medida do possível.-suspirei.

-Dessa vez iremos acha-los.-ele me olhou convicto.

-Eu sei.-sorri.

-Consegui algo.-Chris falou enquanto mexia em seu notebook.

Justin foi até ele vendo o que estava acontecendo.

-Esse número não parece ser descartável e ele trocou bastante mensagens e ligações.-Chris falou.

-Tenta rastrear de onde essas ligações vieram.-Justin falou e Chris rapidamente fez.

-Que estranho.-Chris franziu a testa.

-O que?-perguntei.

-Essas ligações foram feitas em Los Angeles.-Chris falou.

-E o que tem de mais?-franzi a testa.

-É que a localização fica onde nosso inimigo número um mora.-ele me olhou sério.

-Austin Oliver.-Justin falou indo para sua mesa.-Por que não fico surpreso em saber que ele tem um dedo nisso?-ele riu sem humor.

-Quem é Austin Oliver?-Nash perguntou.

-Há muito tempo atrás quando Pattie ainda comandava esse império, Austin Oliver era seu braço direito que sempre estava com ela em tudo e quando Pattie mencionou que colocaria um sucessor em seu lugar, assim que ela foi presa Austin pensou que ele seria o escolhido, mas na verdade ela escolheu seu próprio filho e quando Justin completou dezoito anos ele passou a comandar a máfia do Canadá e Austin surtou.-Ryan falou.

-Ele chamou Justin de moleque imaturo e não concordou com isso e Pattie o expulsou da sua equipe e o demitiu.-Chaz falou.

-E ele não fez nada com Pattie por respeito pois ela que o acolheu quando ele estava no fim do poço e o tornou grande nesse mundo.-Caitlin falou.-Mas por outro lado ele preferiu se vingar de outro jeito.-ela olhou para Justin.

-Depois de um tempo Austin construiu seu império e se fortaleceu com algumas máfias inimigas só para roubar meu posto, e se vingar da minha mãe.-Justin falou me fitando.

-Caramba.-falei chocada.

-Mas isso não explica o do porquê ele está envolvido com os seus pais.-ele coçou o queixo.

-Eu nunca o vi então não faço ideia.-ergui os ombros.

-Então teremos que ir até Los Angeles e descobrir.-ele falou.-Se as ligações vieram de lá então com certeza será lá que encontraremos respostas para suas perguntas.-ele me fitou.

Depois de quase dois meses procurando por eles eu finalmente vou poder olha-los cara a cara e ver se eles terão coragem de me dizer a verdade. Meu coração até chegava a errar as batidas de tão ansiosa que eu estava. Nunca quis tanto algo como eu queria encontrar eles dois. 

-Façam as malas por que iremos amanhã, quanto mais cedo melhor.-Justin falou.

-Eles não podem escapar de nós dessa vez.-falei convicta.

Na manhã seguinte

-Nash me ajuda com as malas aqui por favor.-gritei alto do meu quarto para Nash escutar e o mesmo apareceu em segundos todo style.

Ele vestia uma regata preta com uma calça jeans clara toda rasgada e um boné branco. Se eu não o considerasse como irmão eu com toda certeza o pegaria sem pensar duas vezes.

-Cheguei.-ele falou afobado.-Estava colocando minha mala e a mala da Stella no carro.-ele me olhou e franziu a testa.-PJ?-ele estalou o dedo em frente ao meu rosto.

-Entendi.-balancei a cabeça dispersa.

-Uma foto dura mais.-ele ergueu uma sobrancelha.

-Não preciso de foto quando tenho ao vivo e de graça.-ri.-Olha, se eu não te considerasse como um irmão com certeza eu te pegaria e não adianta negar que eu sei que você me pegaria também, já que sou uma puta gostosona dos olhos azuis.-dei volta fazendo pose no final me gabando.

-Tão convencida.-ele riu negando com a cabeça.-Vamos logo ou o Bieber vai sem a gente.-ele pegou minhas malas saindo do meu quarto comigo atrás.-Por que duas malas?-ele falou com dificuldade enquanto descia as escadas.

-Vai saber o que pode acontecer lá, tem roupas para todos os tipos de ocasião.-dei de ombros rindo.

-Mulheres.-ele revirou os olhos e balançou a cabeça negativamente.

Chegamos do lado de fora e Nash guardou minhas malas no porta mala do carro. Senti uma ardência no braço e olhei para meu curativo para ter certeza de que não havia aberto os pontos. Vi Stella se aproximar e a olhei da cabeça aos pés.

-Você e Nash combinaram de se produziram e não me avisaram?-cruzei os braços inconformada.

Ela estava com um vestido rodado florido curto na frete e maior atrás e no pé uma rasteirinha bem bonitinha.

-Estamos indo para L.A querida, quer o que?-ela riu.

-Justin mandou mensagem dizendo para estarmos no aeroporto em vinte minutos.-Nash veio até nós com o celular na mão.

-Vamos então.-falei indo até o carro.

Entramos no carro e dei partida indo para o aeroporto.

-PJ, se encontramos com eles lá quero que mantenha o controle o máximo que puder, não quero que nada aconteça com você como aconteceu ontem.-ele me olhou sério.-Sei que o tiro pegou de raspão mas por pouco pega no seu coração, então tenha cuidado.-ele falou preocupado.

Ele tinha razão nisso, o tiro poderia ter me matado se que não tivesse desviado dele a tempo. Mas em relação aos meus pais eu não poderia garantir nada. Eu precisava de respostas e será isso que eu irei procurar assim que chegarmos lá.

-Não se preocupe comigo Nash, nada vai acontecer comigo.-sorri para ele.

-Assim espero.-ele suspirou.

Chegamos no aeroporto e eu estacionei o carro na vaga do estacionamento.

-Justin vai nos dar uma bronca por termos nos atrasados cinco minutos.-falei enquanto pegava minhas malas.

-Conhecendo ele já sabemos que vai.-Nash riu.

-O Justin é aquele mais bonitinho com cara de ser o chefão da porra toda?-Stella perguntou confusa.

Stella já os viu mas não sabia os nomes de cada um e os confundia.

-Ele mesmo.-ri.-Mas não fala isso perto dele pois ele gosta de se gabar bastante.-a alertei.

Entramos no aeroporto e nos encontramos com a equipe e Justin estava com uma cara nada boa.

-Eu dei vinte minutos para chegarem aqui sendo que vocês moram quase ao lado do aeroporto e mesmo assim conseguem se atrasar?-Justin nos olhou bravo e eu olhei para Nash.

-Eu não disse?-sorri convencida.-Chegaríamos aqui antes dos vinte minutos se não fosse o trânsito.-olhei para Justin.

-Que desculpa esfarrapada.-ele revirou os olhos.

-Não é desculpa.-falei indignada.

-É verdade dude. Da casa da PJ até aqui estava com um pequeno trânsito.-Chris falou me ajudando e eu mandei um beijo para ele.

-Tá que seja, só vamos logo que não estou com saco pra isso.-Justin falou ignorante virando as costas e indo para o jatinho. 

-Credo, que bicho mordeu ele?-franzi a testa caminhando também.

-Se acostuma com isso que esse é o eu dele mal humorado de manhã.-Chris riu indo na minha frente.

Entramos no jato e fiquei impressionada com tamanho luxo daquilo. Bieber não negava dinheiro para o luxo e isso era bem óbvio. Me acomodei em uma das poltronas de preferência na janela e estava pronta para por meus airpods até um ser sentar ao meu lado para me encher o saco.

-Você não vai se isolar até chegarmos em Los Angeles não.-Nash falou.-Bora se enturmar com o pessoal.-ele pegou meus fones da minha mão me fazendo bufar.

Tentei pegá-los de volta e o mesmo não deixou.

-Qual é Nash me devolve vai.-estendi a mão impaciente.

-Atenção passageiros, apertem o cinto pois iremos decolar.-o piloto avisou e eu rapidamente apertei meu cinto.

O jato começou a decolar e eu rapidamente segurei nos braço do assento apavorada.

Eu não gostava muito de voar pois me sentia sem chão, literalmente e o fato de estar a milhas de distância do chão me incomodava muito. Eu escutava músicas para me acalmar durante os vôos e sempre me ajudavam a me distrair.

-Espera um pouco aí.-Nash semicerrou os olhos me olhando.-Você tem medo de voar, PJ?-ele franziu a testa.

Que droga, ele sacou isso.

-Que? Eu? Medo de voar?-ri disfarçando.

Ele cruzou os braços e ergueu uma sobrancelha me fitando.

-Tá bom.-bufei rendida.-Talvez eu tenha um pouco de medo de voar, mas é pouco.-desviei os olhos dele.

Não queria dizer mas conhecendo o Nash eu sabia que ele iria insistir até me arrancar isso.

-Ainda bem que eu não sou o único.-ele agarrou meu braço me fazendo rir.-É brincadeira.-ele riu.-Mas isso é para você não se sentir envergonhada por ter medo de voar, todo mundo tem medo de algo por mais besta que seja, então fica tranquila.-ele me olhou meigo e devolveu meus fones.-Não vou te obrigar a nada que não queira, se quiser ficar ouvindo música pode ficar.-ele se levantou e me deixou sozinha.

Respirei aliviada com isso e coloquei os fones nos ouvidos e quando ia soltar a música ele voltou.

-Porém você vai ter que deixar isso pra outra hora, porquê agora iremos ter uma pequena reunião.-ele riu me fazendo bufar.

Levantei indo para perto do pessoal que já estavam reunidos e esperei.

-Podemos começar.-Justin falou.-Chris já está vendo algumas casas para alugar mas até lá ficaremos na casa da minha mãe e nesse tempo não faremos nada para chamar a atenção.-ele nos olhou.

-Por que não ficamos de vez na casa da sua mãe?-franzi a testa.

Seria mais pratico ficar na casa da mãe dele e assim ele não gastaria dinheiro alugando um casa.

-Porque é perigoso para ela ficarmos lá e por isso que eu falei para não fazermos nada enquanto estivermos lá pois isso pode chamar a atenção de inimigos e colocaria ela em risco.-ele me olhou.-E mesmo que a mansão dela seja mais protegida que a minha não podemos arriscar.-ele foi arrogante.

Justin realmente era outra pessoa quando acordava cedo e eu tenho dó de quem escolher acordar com ele para o resto da vida.

-Então depois que nos realocar iremos atrás do Oliver?-Chaz perguntou.

-Com toda certeza! Estou louco para vê-lo cara a cara só para debochar dele com o poder que tenho em mãos.-Justin riu debochado.-Mas conversaremos isso mais detalhado assim que chegarmos.-ele ficou sério.-Chris ainda está analisando o galpão dele então não é seguro ir agora.

Galpão? Como Justin sabia do galpão dele? Pensava que eram coisas secretas para ninguém achar.

-Como sabe do galpão dele?-franzi a testa o olhando.

-Como eu sei?-ele baixou a cabeça rindo.-Você ainda precisa de uma aula para aprender sobre mim.-ele ergueu uma sobrancelha.-Eu sou Justin Bieber! Eu sei de tudo e vejo tudo, não há nada que todos aqui façam que eu não fique sabendo.-ele ficou sério.

-Eu fiz o primeiro teste do olho de Chris para ver se pegava bem a distância e procurei pelo Austin como teste e deu certo.-Chris cortou Justin total.

-Porra Chris.-Justin o olhou com raiva.

 Dei risada disso e Justin me olhou sério me fazendo para de rir.

-Então é só isso?-Caitlin perguntou.

-É.-Justin falou irritado.-Vou voltar para o quarto e dormir mais.-ele se levantou.

-E eu irei voltar a escutar minha música.-me levantei também voltando para a minha poltrona.

Coloquei meus airpods e analisei o pessoal. Stella se deu super bem com todos e isso era bom, mas afinal com quem essa garota não se da bem? Ela que fala mais que a matraca sabe fazer amizade bem rápido.

Fiquei olhando a vista da janela enquanto uma música relaxante tocava e isso acabou me fazendo pegar no sono.

***

Estava de volta a escola de Sophie no mesmo lugar onde tudo aconteceu. Senti um vulto passar por mim e quando dei por mim vi Sophie.

-JULI!-Sophie gritou enquanto era levada por Ramon.

-NÃO.-comecei a correr atrás dela.

Ela olhou para algo atrás de mim e eu já sabia muito bem o que era. Me virei para meu pai que apontava sua arma para mim e dei um tiro certeiro em suas pernas o fazendo cair no chão agoniado.

-Hoje não Robert.-sorri de canto voltando a correr atrás de Sophie.

Ramon passou por uma porta e eu fui atrás. Entramos no corredor da escola e o mesmo estava longe de mim. Mirei a arma em sua direção e atirei e suas costas o fazendo jogar o corpo para frente e cair. Corri até Sophie que ficou em baixo dele e o tirei de cima dela.

-Juli.-ela me abraçou forte e chorou.

-Está tudo bem Sophie, acabou.-afaguei seu cabelo.

-Eles eram os malvados desde o começo.-ela me olhou com os olhos molhados.-Eles estão me maltratando Juli, vem me salvar.

-Eu já estou aqui minha pequena.-toquei seu rosto delicadamente.

-Não, você não está.-ela secou os olhos.-Me encontre rápido Juli, eles querem me matar.-ela segurou minhas mãos desesperadamente.

-Sophie do que está falando?-franzi a testa.

Ouvi uma som alto atrás de mim e uma dor percorrer por todo o meu corpo. Olhei para baixo vendo minha blusa ficar cada vez mais escura com meu sangue.

-Não.-coloquei a mão desesperada.

-JULI.-Sophie gritou e assim que a olhei a mesma estava sendo levada novamente.

-NÃO! SOPHIE.-estendi minha mão para ela e senti meu corpo se petrificar.

-ME ENCONTRE RÁPIDO OU ELES IRÃO ME MATAR.-ela estendeu sua mão para mim.-RÁPIDO.-foi tudo o que ela falou antes de desaparecer.

-Sophie, não.-comecei a chorar tentando me mover.

Acordei no pulo olhando tudo ao redor e vendo que não passou de um pesadelo. Senti minhas bochechas molhadas e coloquei a mão percebendo que eu havia chorado. Sequei meu rosto rapidamente e tirei meus fones. Levantei do meu assento e caminhei até o banheiro.

-Olha que acordou.-Nash falou me olhando junto de todos.

Apenas passei sem dizer nada e me tranquei no banheiro. Abri a torneira enchendo minhas mãos de água e joguei em meu rosto. Me olhei no espelho e o choro me tomou por completo. Sentei na privada e passei a mão pelo meu cabelo enquanto a outra tapava minha boca para não fazer barulho. Fazia tempo que eu não chorava desse jeito e era tão ruim relembrar tudo isso. Claro que me vinha a mente sempre esses momentos mas eu sempre ocupava minha mente com outra coisa para esquecer disso, mas aquele sonho, aquele sonho me destruiu muito.

-PJ está tudo bem?-Nash bateu na porta do banheiro.

Levantei rapidamente do vaso e abri a porta para ele e o puxei para dentro do banheiro fechando a porta novamente. O abracei forte e o mesmo ficou surpreso com isso mas me abraçou de volta.

-Eu sonhei com ela Nash, sonhei que tinha conseguido salvá-la mas ela foi embora novamente e pediu para mim encontrá-la ou eles iriam matá-la.-falei entre o choro.

-Faz tempo que você não tem esses sonhos.-ele fez carinho em mim.

-Eu não sei o porquê mas isso me destruiu.-o olhei ainda chorando.-Parecia tão real, eu achei que tinha conseguido salvar ela e tudo tinha acabado.-apoiei minhas mãos no balcão da pia.

-Você vai conseguir salvar ela PJ, não precisa se preocupar.-ele colocou sua mão em minhas costas.-Viemos para L.A e não sairemos daqui sem ela.

-Eu juro que farei eles pagarem por tudo isso.-olhei para Nash com raiva.-Eu não quero saber se foram eles que me deram a vida, eu quero acabar com eles.-me olhei no espelho.

-Estamos juntos nessa.-ele sorriu para mim.

Lavei meu rosto novamente e deixamos o banheiro. Nash era o único que eu compartilhava minhas intimidades mesmo nos conhecendo apenas um mês e meio eu sentia que o conhecia desde que nasci. O bom disso era que nos considerávamos como irmãos e nunca teve malícia entre nós então podíamos fazer qualquer coisa que iríamos achar normal.

Sentamos em nossos bancos pois o jato ia pousar e fiquei impressionada que já havíamos chegado. Eu dormi por sete horas sem acordar uma vez se quer? Meu recorde desde que tudo isso virou um inferno.

-Finalmente.-Ryan disse se espreguiçando após descer do jato.

-Estava com saudade desse calor da Califórnia.-Caitlin falou colocando seu óculos escuro.

-Bota calor.-Chaz começou a se abanar.

-To louca pra pegar uma praia e ganhar umas marquinhas pra postar no Instagram.-Stella falou enquanto tirava foto dela mesma.

-Los Angeles, praia, biquínis fio dentais, esse é o verdadeiro paraíso.-Chris esfregou as mãos empolgado.

As vezes eu esquecia que Chris não era apenas um gênio e isso era assustador.

-Vamos logo que Pattie já enviou uma van para nos buscar.-Justin falou passando na frente de todos com sua mala.

-Já é meio dia e Justin ainda está emburrado.-falei olhando para ele que se distanciava cada vez mais.

-As vezes Justin fica emburrado o dia inteiro, ninguém nunca sabe o por quê.-Ryan falou ao meu lado olhando Justin também.

Dei de ombros pegando minhas malas e caminhando com todos para fora do aeroporto. Entramos na van que nos aguardava e fomos para casa da Pattie. Queria muito conhecê-la para ver se ela era parecida com Justin ou se ele era assim por natureza. Demorou uns vinte e sete minutos para chegarmos na casa de Pattie e a van mal passou pelos portões e eu já estava impressionada com o tamanho e a beleza da casa.

-Tá escorrendo uma babinha aqui amiga.-Stella riu da minha cara.

-Vai te catar.-a empurrei de leve fazendo a mesma rir mais ainda.

A van estacionou e nós descemos da mesma.

-Os seguranças irão levar nossas malas então não se preocupem.-Justin falou indo em direção a entrada.

Caminhamos atrás dele entrando na mansão. Ela conseguia ser mais luxuosa que a minha e a do Justin juntos. Já sei uma coisa que Justin puxou de sua mãe. 

-Mas olha só se não é o herdeiro da minha fortuna.-uma mulher baixinha apareceu em nossa frente.

-Dona Pattie cada dia mais jovem.-Justin foi até ela a abraçando.

Essa era a Pattie? Ela não tinha nada a ver com Justin e era mil vezes mais bonita. Ela tinha um cabelo castanho com algumas ondulações, seus olhos eram num tom azul que chegavam a ser mais claro que o meu, ela tinha um tom de pele um pouco mais clara que a do Justin e lembrava bem pouco seu filho.

-Trouxe amigos novos?-ela olhou para mim, Stella e Nash com um sorriso enorme e veio até nós.-Bem vindos a minha humilde residência.-ela nos abraçou.

É essa mulher que levantou a máfia canadense? Ela é tão doce que chega até sair do corpo dela como fumaça. Justin com toda certeza não é filho dela, olha a diferença. Ele não tem nada a ver com ela na aparência e na personalidade.

-E a gente não recebe abraços também não?-Ryan abriu seus braços.

-Fica na sua que ninguém falou com você.-ela olhou para ele com uma cara muito diferente da que ela nos olhou.

Arregalei os olhos na hora assustada e a mesma virou para nós com seu sorriso novamente.

-Não precisam ter medo de mim, eu posso ser meio rude as vezes mas eu sou uma pessoa do bem.-ela piscou para mim.-Agora você, meu filho.-ela apontou para Justin.-Temos muitas coisas para conversar.

-Primeiro as damas.-Justin apontou.

-Quem vê pensa que é educado mesmo.-ela deu dois tapinhas no rosto de Justin e começou a caminhar.

-Vão se realocando em seus quartos porque daqui a pouco tem reunião.-Justin deu as ordens e nós concordamos.

-Você ama provocar a Pattie né.-Caitlin deu um tapa na cabeça de Ryan e o mesmo resmungou.

-Ela me ama.-ele riu passando a mão onde Caitlin o bateu.

-Se isso é amor não quero nem ver o ódio dela.-Chaz riu.

Eu retiro o que e disse, Justin era exatamente como Pattie na personalidade só tirando a parte de ser um amor de pessoa. Acho que ele herdou só o lado carrancudo dela apenas. Eu ainda estou curiosa para conhecer o pai dele e saber o que Justin puxou dele.


Notas Finais


Essa Pattie kkkk. Agora sabemos de que Justin puxou esse temperamento.
Gostaram? Eu espero que sim. Comentem o que estão achando e favoritem para ajudar essas duas pobres escritoras.
Não temos muito o que falar então é isso.
Um beijão e até o próximo cap.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...