História House of Cards - O Jogo Obscuro - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Adulto, Bts, Explicito, Lemon, Pornografia, Surubangtan, Yaoi
Visualizações 128
Palavras 3.744
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem Postar esse horário, tive problemas com o notebook, mas já foi resolvido.

Fiquem com mais um capítulo, espero que gostem e eu avisei que tem que gostar muito de lemon e ter mente aberta em relação a vários shipps kkkkkk

Espero que gostem!

Boa Leitura.

Capítulo 2 - Begin


Fanfic / Fanfiction House of Cards - O Jogo Obscuro - Capítulo 2 - Begin

 

Jeon Jungkook

 

Dois dias se passaram desde que viemos parar nessa casa estranha. Não fazemos ideia de onde estamos. Com o passar do tempo e vendo que nada nos aconteceu até agora, acabamos nos rendendo à fome e ao sono. Pensamos que a comida poderia conter drogas ou veneno, mas a tal voz misteriosa sempre nos dizia que não tinham a intenção de nos machucar ou matar. O único jeito era confiar, afinal a geladeira e os armários estavam cheios e comida e guloseimas. De fato todas estavam bem embaladas e pareciam não terem sido violadas, além de realmente nada ter acontecido depois de comermos.

Dormir foi um outro problema, já que ficaríamos vulneráveis durante o sono. Porém nos arriscamos e mais uma vez nada aconteceu. Mesmo a calmaria, mordomia ali eram bem estranhas. Fora isso também tinham as coisas que recebíamos através de cofres em nossos quartos. Tentamos olhar se havia a possibilidade de abrir alguma passagem por eles, afinal as coisas apareciam ali de algum jeito. Nada! Simplesmente não tinha como abrir qualquer passagem e enquanto tentávamos investigar isso, acabamos por levar um choque através dos pingentes.

Os presentes também nos davam um certo medo. Taehyung havia recebido um caixa com muitos preservativos e haviam, no fundo dela, alguns jogos de cartas e tabuleiro com temas relacionados a sexo. Namjoon recebeu uma carta dourada que tinha uma dama de copas e atrás o desenho de uma flor que parecia ser um lírio, além de uma garrafa com um líquido verde. Já eu ganhei uma caixa de vidro transparente e dentro tinha uma chave dourada com um coração esculpido. Junto a ela veio um cartão, que dizia para sempre andar com ela porque um dia seria muito útil. Amarrei a mesma em um pedaço de fita e coloquei no pulso.

Agora estamos separados esperando qualquer sinal e esperando para ver até aonde isso vai tudo vai chegar. Estou em meu quarto observando o objeto em meu pulso quando sou tirado de meus devaneios com alguém batendo na porta.

- Entre! – falei.

- Jeon? – Taehyung entrou. – Estamos querendo ir para a piscina. Você não quer vir? Pelo menos pra fazer companhia.

- Não sei como conseguimos manter a calma nessa situação. – Respirei fundo. – Isso tudo é muito estranho.

- Sim, mas poderíamos estar em condições piores. Apesar de tudo não temos tantas opções a não ser esperar. – Continuou. – De repente podemos estar fazendo tudo do jeito certo e por isso não aconteceu nada ainda. Se continuarmos assim pode ser que nos liberem, mas já vimos que tentar escapar podem trazer consequências e dolorosas.

Tae tem razão, como dizem “Tá no inferno? Abraça o capeta!” , não temos opções essa é a verdade. Só podemos ficar ali e esperar, talvez o mais importante agora seria nos mantermos vivos e saudáveis já que é a única coisa a nosso alcance.

- Tudo bem! Vamos! – Concordei indo com ele e os outros.

Preferi não tomar banho.

Sentei em uma das cadeiras de tomar sol olhando os outros. Passamos a tarde inteira ali e claro, me jogaram na água. Foi divertido, mas logo sentimos um pouco de culpa, era certo se divertir em um momento desses? O silêncio tomou conta do lugar e a noite começou a cair, saímos de lá e voltamos para dentro da casa. Depois de todos se arrumarem, Jin resolveu cozinhar. Ele é um ótimo cozinheiro e suas habilidades na cozinha só melhoram.

- Jungkook está com sono? – Jin me olhou quase deitando no balcão enquanto o assistia.

- Acho que sim, não consegui dormir direito. – Bocejei.

- Eu imagino, mas agora não tem muito o que ser feito não é? – Sorriu de uma forma simpática. – Tenta relaxar, vai descansar um pouco. Ficar preocupado dia e noite com isso só vai nos deixar doentes. Lembra que combinamos de tentar levar isso como um jogo até sairmos daqui?

- Eu sei, mas não pude evitar. – Olhei para ele. – O que está fazendo? Está cheiroso.

- Tentando fazer pizza. Uma eu já coloquei no forno, farei mais duas. – Sorriu. – Quer experimentar o frango desfiado?

- Quero! – Fui até ele que pegou um pouco do recheio colocando em minha boca. – Está muito bom! - Abracei ele por trás colocando minha cabeça em seu ombro. – Acho que eu realmente só consigo ficar calmo porque os hyungs estão aqui comigo.

- Acho que o fato de estar todo mundo junto nessa confusão e um dando apoio para o outro deixa cada um mais calmo, não é? – Ele continuava o que estava fazendo as vezes me dando alguns pedaços dos ingredientes.

- Jin eu tô com fome! – Hoseok apareceu resmungando.

- Ah Hobi tenha paciência, daqui a pouco fica pronto. – Terminou de fazer as pizzas colocando-as dentro do forno enquanto eu praticamente cochilava agarrado a ele.

- O que o Jungkook tá fazendo? – Hoseok riu.

- Ele está cansado. – Jin colocou a mão em minha cabeça acariciando. – Deixa ele.

Hoseok riu e veio até mim me abraçando igual eu fazia com o moreno.

- Isso está bem estranho. – Namjoon apareceu rindo de nós três enquanto eu ria.

- Para de besteira Joonie! – Jin jogou o pano de prato no mais alto.

- Aish esse cara! – Hobi reclamou me soltando. – Namjoon estraga prazer.

Ficamos conversando ali por um tempo até a comida ficar pronta. Jin já ia tirar as pizzas do forno quando aquela voz foi ouvida novamente.

 

“Espero que estejam apreciando sua estadia na casa. Volto a dizer que não temos a intenção de prejudica-los. Podem ficar a vontade, entretanto, hoje daremos início a nossa nova temporada. Sei que este começo pode parecer assustador, mas não tenham medo, pois a única coisa que terão durante alguns dias serão apenas dúvidas. Em todo caso, essas dúvidas serão nada mais do que os primeiros sinais de aceitação, pois cada pessoa desse planeta guarda dentro de si segredos obscuros que nem sempre são ruins. Cabem a elas aprender com eles, omiti-los ou aceita-los.”

- Agora estou com medo. – Yoongi falou.

- E...O que teremos que fazer? – Jimin perguntou.

“Nada demais! Preciso apenas de duas cartas, os demais continuem com seus afazeres. ”

Nos olhamos já preocupados com o que viria a seguir. Ninguém ia conseguir ficar tranquilo com dois de nós separados do restante e não tínhamos ideia do que estavam querendo.

“Rei de espada e Sete de ouros, dirijam-se ao final do corredor do primeiro andar. ”

Meu coração quase parou quando ela falou minha carta, tentei processar melhor a situação olhando os hyungs que também pareciam surpresos.

“Serão feitas três chamadas, caso os requisitados não compareçam, teremos de providenciar uma punição para essa desobediência. ”

- Não será necessário! – Namjoon se levantou. – Já estamos indo. Certo Jungkook?

Ele me olhou e eu só consegui assentir com a cabeça e me por de pé.

“Uma atitude esperada do rei. As outras cartas devem, obrigatoriamente, permanecer longe do corredor até que o mesmo seja liberado. Daremos um aviso.”

- Vamos Jungkook! – Namjoon chamou.

- Hyung tem certeza? – Tae perguntou preocupado.

- Vocês ouviram o que ela disse não é? Eu não quero ficar aqui para descobrir se vão me punir e se quiserem punir todos aqui?

 “Rei de espada e Sete de ouros, dirijam-se ao final do corredor do primeiro andar. ”

- Hyung! Vamos! – Chamei o mais velho e fui para as escadas com ele me seguindo.

Todos nos desejaram sorte. Eu estava assustado, mas também não queria ser punido. Subimos até o primeiro andar e fomos para o final do corredor. Paramos em frente a porta misteriosa onde o monitor estava ligado e mostrava as duas cartas que nos representavam. Ao aproximarmos apareceu uma mensagem na tela, que pedia para mostrar nossas identidades e ensinava como fazer isso. Cada um ficou perto de um dispositivo que parecia uma espécie de câmera, o mesmo scaneou nossos pingentes e a porta foi destravada.

Entramos em um espaço bem pequeno onde tinham duas portas e a iluminação era vermelha. A porta maior se fechou atrás de nós.

 

“Corredor do primeiro andar, acesso liberado.”

 

As duas portas a nossa frente também tinham monitores acima delas, que indicavam que cada um deveria entrar e em uma delas. Eu entrei na porta da esquerda e Namjoon na da direita. Lá dentro era maior e parecia um camarim. Tinha um espaço para trocar de roupa, um espelho iluminado com várias maquiagem em frente a ele e também muitos cabides com roupas diferentes. Um monitor que estava na parede se acendeu.

 

“Sete de copas, você terá 30 minutos para ficar em sua melhor aparência. Utilize tudo o que precisar. Poderá tomar banho entrando na porta ao lado da penteadeira, mas saiba administrar seu tempo. A roupa a ser usada é a está vendo ao lado deste monitor. Assim que acabar espere o próximo aviso.”

 

O cronômetro começou uma contagem regressiva naquela tela. Olhei para o lado e tinha uma luz iluminando o cabide com a roupa que eu deveria vestir. Era uma camisa branca de algodão, com botões e tinha um tamanho grande. Muito comum, mas estranhei por não haver calças. Peguei a camisa e percebi que atrás dela tinha uma espécie de boxer preta feita de uma malha muito fina.

- Licença! – Falei incerto sem saber se me responderiam. – São apenas essas peças? Não está faltando nada?

 

“Você deverá vestir apenas as peças disponíveis no cabide, nada mais.”

 

Creio que aquilo era um “sim”, então comecei a me arrumar. Arrumei meu cabelo e me arrisquei fazer a maquiagem assim como as profissionais que faziam em mim. Por fim coloquei a roupa. Me senti estranho, era desconfortável ficar só com aquela peça na parte de baixo e o pior é que era tão fina que marcava meu membro e dava uma sensação de estar nu. Sentei em um sofá vermelho que tinha ali e esperei o tempo acabar. Faltavam poucos minutos. Por sorte o lugar não estava frio, já que eu estava até descalço. O cronômetro zerou e as luzes da sala se apagaram, um pedaço da parede se abriu revelando uma passagem para uma escada.

Recebi instruções para subir, imediatamente lembrei que a casa era muito grande e tinha três andares que provavelmente era para onde eu estava indo. Ao chegar no final dela me deparei com outro corredor, mas ele era diferente. As paredes, o chão e o teto eram vermelhos, as portas e luminária eram pretos. Assim como o ordenado segui até a porta que tinha a minha carta. Entrei e não era nada além de um quarto. Não era muito grande, tinha uma iluminação um pouco fraca, os moveis eram novos e todos pretos e a decoração era um misto de preto e vermelho.

A Porta se fechou e sem saber o que fazer andei até a cama e sentei na ponta. De repente um jato de vapor foi jogado no quarto através de alguns pontos no teto. Me assustei, mas não senti nada a não ser um cheiro muito doce que logo identifiquei como...

- Chocolate?

 

 

-x-

 

[OFF]

 

“Senhoras e senhores bem-vindos a esta nova temporada. Lembramos que seus pertences são recolhidos e guardados em nossos cofres por medidas de segurança, pois não é permitido o uso de qualquer aparelho eletrônico inclusive celulares. Para assegurar a integridade e andamento do projeto todos estão de acordo com nosso rigoroso sistema de vistoria. Não é possível gravar ou tirar fotos. É obrigatório o uso de nossos trajes especiais e a passagem pelo detector de metais. Todo o nosso espaço é rigorosamente vigiado é monitorado. Agradecemos a visita, obedeçam às regras e tenha uma boa sessão! "

 

[Iniciando transmissão compartilhada...]

 

''Para começar esta temporada com muita maestria, jogaremos com duas cartas bem distintas. Na “mesa” temos uma sete de ouros, uma carta muito habilidosa e de muitos talentos, porém as vezes seu ponto fraco são sua delicadeza e inocência. Para o bom desenvolvimento do jogo com o sete de ouros, estamos apostando em sua vulnerabilidade.''

 

''Por outro lado temos uma carta poderosa, o Rei de espadas. Essa é uma carta cheia incertezas, mas também cheia de segurança e que facilmente consegue obter controle e domínio de qualquer situação. Uma carta que também é conhecida por seus instintos e desejos mais profundos. O rei de espadas possui uma desvantagem, que pode ser vista como um gatilho para despertar seu lado mais dominante. O ponto fraco desta carta está na resistência por conta da racionalização. Nossa aposta é o gatilho que consideramos ser a inocência e vulnerabilidade do sete de ouros.''

 

''Quem se sobressairá? Boa diversão!”

 

 

 

Kim Namjoon

 

Fiz tudo o que ordenaram. Me arrumei e coloquei a roupa que me pediram, um tipo de pijama estiloso. Era feito com tecidos caros, a parte de cima era azul e tinha uns bordados em arabescos dourados, uma calça folgada meio creme e um sleeper. Tudo muito confortável, mas ainda estava preocupado com Jungkook. De repente alguns jatos de vapor invadiram o camarim, tinha cheiro de chocolate. Aquele cheiro tinha me deixado levemente tonto, mas nada que tirasse meu equilíbrio ou minha consciência.

O monitor ligou e apareceram novas instruções. Havia uma mesa em baixo dele, sobre ela uma taça com um liquido verde.

 

“Beba!”

 

Aquela voz feminina falou, mas desta vez não pareceu como antes. Tinha um tom mais sexy e erótico, quase em um sussurro. Me aproximei tentado a beber aquele liquido. Olhei a taça ainda com um certo receio.

 

“Bebe Namjoon!”

 

A voz novamente falou de uma forma tentadora que me fez arrepiar. Peguei a taça e tomei de uma vez. Era muito doce, mas ao mesmo tempo queimava. Aquele liquido desceu queimando minha garganta e em pouco tempo parecia que meu corpo estava em chamas. Eu respirava de forma pesada, quando senti um incomodo vindo do finalzinho do meu abdômen. Uma passagem se abriu e passei por ela chegando em uma escada. Subi e fui até a porta que tinha o Rei de copas.

O incomodo que eu estava sentido aumentava e minha respiração ficava cada vez mais pesada. Entrei no quarto que era bem decorado. A porta se fechou, trancando atrás de mim, dei alguns passos e avistei Jungkook em uma cama deitado, encarando o teto.

- Hyung? – Ele levantou vindo até mim com uma expressão preocupada. - Está tudo bem?

Não respondi. Apenas parei e o analisei. Não sei quando e nem como ele havia se tornado alguém tão atraente. Suas pernas estavam a mostra e ele vestia apenas uma boxer preta e uma camisa branca grande, de botões. Seu rosto pareceu levemente corado, estava confuso e seu olhar também tinha algo que não soube decifrar, mas que pra mim era provocante. Jungkook parecia um coelhinho indefeso, perdido em meio a uma selva prestes a encontrar um predador.

Por um momento eu tentei desviar meus pensamentos, não podia acreditar que estava pensando aquilo tudo do meu amigo.

 

“Dê a ele!”

 

A voz mais uma vez foi ouvida, porém dentro do quarto. Um dos quadros que estava na parede se abriu revelando um cofre e dentro uma taça com o mesmo líquido verde que eu havia tomado. Cogitei jogar aquilo fora, o meu incomodo só aumentava e não queria Jungkook do mesmo jeito.

- NÃO! – Respondi gritando e logo uma dor horrível atingiu meu pescoço. Um choque vindo da gargantilha.

- HYUNG! – Ele tentou se aproximar, mas eu o impedi. – O que está acontecendo?

Respirei fundo antes de tomar uma decisão. Toda ação tem uma reação, toda desobediência, uma consequência. Não haviam opções, saídas, escolhas que me fizesse sair dali. Fui advertido mais uma vez para pegar a taça. Caminhei até o cofre e a tirei de lá. Depois voltei e caminhei até Jungkook que apenas me olhava sem dizer nada. Parei do seu lado enquanto ele evitava me olhar. Era receio ou medo do que eu poderia fazer.

- Não se preocupe. – Tentei acalmá-lo – Não vai acontecer nada. - Ele apenas assentiu rapidamente com a cabeça e fechou os olhou. Não pude evitar de deslizar minha mão livre, por suas costas até chegar em sua nuca. – Abre a boca.

Ele obedeceu, e assim que o fez, encostei a taça em seus lábios. Em minutos Jungkook bebeu todo o líquido, mas um fio verde teimou em escorrer pelo canto da boca até o queixo. Coloquei a taça em uma mesa próximo a mim e voltei a observá-lo.

- Hyung! Me sinto estranho. – Ele falou baixo. A forma como aquela frase fora pronunciada parecia quase um gemido.

- Eu sei. – Sussurrei.

Ao vê-lo daquele jeito, ainda com os olhos fechados, com mil e uma sensações que eu sabia que passavam pela sua cabeça, subi um pouco mais minha mão, antes em sua nuca, que foi parar em seus fios. Segurei seu cabelo de uma forma firme e puxei fazendo-o jogar a cabeça para trás. Sem pensar duas vezes passei a língua pelo seu queixo, fazendo o trajeto reverso daquele liquido até chegar no canto de sua boa.

- H-Hyung... – Ele arfou quase gemendo. – O-O que está fazendo?

- Não sei Kookie. – Me aproximei de seu ouvido sussurrando. – Mas não consigo controlar.

- N-Nem eu... – Ele se arrepiou com minhas palavras arfando pesadamente.

- Kookie... – Continuei. – Não quero te machucar.

- Você não vai Hyung... – Ele me olhou de uma forma inquieta, parecia cansado, mas se olhar era de excitação.

- Tem certeza? – O cheiro de chocolate ficou mais forte e as pulsações em meu membro começaram a surgir de modo intenso.

Jungkook fechou os olhos, seu rosto tinha uma expressão de dor. Ele parecia estar chorando, mas a forma como apertava e esfregava suas pernas uma contra outra me surpreendeu. Principalmente ao perceber que aquilo não era exatamente dor ou tristeza o que sentia.

- H-Hyung! Anda logo! – Me olhou de um jeito que mais parecia implorar por algo. – Eu não aguento mais...hmm...por favor hyung!

Vê-lo implorando daquele jeito foi como um gatilho sendo apertado dentro de mim. Em dois segundos, Jungkook foi parar de costas na parede e eu ataquei seus lábios como se dependesse desesperadamente deles. Ele respondia aos meus movimentos com a mesma intensidade. Desci dando chupões pela sua mandíbula até chegar em seu pescoço. Mordi o local com força ouvindo um gemido alto sair de sua boca. Imediatamente ele pulou em meu colou agarrando minha cintura com suas pernas.

Segurei firme em suas coxas apertando-as com força e em pouco tempo o joguei na cama. Sem hesitar levei as duas mãos a sua camisa e em um piscar de olhos os botões voaram para o chão do quarto. Jungkook soltou um grito quando fiz isso. Seu corpo ficou exposto e não deixei de notar a ereção por baixo daquela boxer. Coloquei a mão em seu membro apertando-o, imediatamente ouvi um gemido alto e ele arquear a coluna apertando os lençóis. Me debrucei sobre ele dando mordidas pelo seu abdômen até chegar perto da barra da boxer. Tirei aquela peça intima de seu corpo tocando-o novamente, mas dessa vez sem o pano atrapalhando.

Masturbei seu membro enquanto ele gemia intensamente. Coloquei dois dedos da outra mão em sua boca e ele chupou passando a língua entre eles as vezes mordendo. Tirei os dedos os dedos totalmente lubrificados em seguida tomando-lhe os lábios. Nossas línguas brincavam e no mesmo instante senti as mão dele tentando se livrar de minha camisa. Jungkook pareceu resmungar algo entre o beijo, impaciente ele acabou por estourar os botões rasgando o tecido. Fiquei entre suas pernas levando um dos dedos lubrificados até sua entrada e penetrei lentamente.

- H-HYUNG! – Ele separou o beijo ofegante. – D-Devagar...

- Eu sei que você é virgem Kookie. – Dei beijos em seu pescoço ouvindo sua respiração – Confia em mim hm?

Ele assentiu e inseri outro dedo. Aos poucos ele foi se acostumando e por fim ficou mais relaxado. Saí de cima dele e tirei minha toda a minha roupa em seguida voltando a ficar entre as pernas dele. Nossas ereções se tocaram arrancando gemidos tanto meus como dele. Me movi aumentando o contato entre nossos membros, roçando um no outro. Não demorou para o pré gozo de Jungkook começar a sair. Me posicionei forçando a ponta do meu membro em sua entrada.

- Kookie? Tudo bem? – Perguntei.

- S-Sim... – Ele respondeu me puxando mais para perto.

A ponta do meu pênis entrou e comecei a forçar lentamente. Ele me abraçou passando as unhas em minhas costas. Continuei até penetrá-lo completamente. Parei esperando ele se acostumar com meu volume dentro de si. Minutos depois ele deu permissão e eu iniciei um movimento de “vai e vem” devagar. Jungkook mordeu meu ombro com força me fazendo gritar.

- M-Mais rápido hyung! – Ele arfava.

Não esperei mais nem um segundo para aumentar o ritmo das estocadas, nos corpos se chocavam de uma forma violenta. Ele levou as mãos até a cabeceira da cama segurando firme, seus gemidos ficavam cada vez mais alto, o que me deixava ainda mais excitado. Nunca imaginei, em momento algum ficar daquele jeito com Kookie, mas era uma das melhores sensações que havia sentido. Não só para mim, mas via que ele também estava inebriado pelo prazer, apesar de minha preocupação em não querer machucá-lo. Porém ele não demonstrava nenhuma expressão de incômodo, apenas gritava pedindo para eu ir mais rápido.

Não demorou para eu atingir o orgasmo preenchendo o interior do mais novo, já ele se desfez em seu abdômen sem nem ao menos se tocar, ficando todo sujo. Tentei puxar o ar e voltar a respirar com mais calma, pois estava bem cansado. Saí de dentro dele ouvindo um gemido baixo e me joguei na cama ao seu lado. Ficamos ali calados, cansados, tentando processar tudo aquilo que aconteceu, mas nenhum de nós quis se pronunciar. E como explicar tudo o que fizemos ali para os outros, que iriam perguntar cheio de curiosidade? Tinha meus receios e medos, mas era impossível negar que tinha sido muito bom, o que me surpreendeu. Senti um pouco de culpa por ter feito aquilo com Jungkook e mais ainda por ter gostado. Então o cheiro doce do chocolate foi substituído por lavanda, meus olhos começaram a pesar e o sono a me consumir. Olhei para o lado e o mais novo já estava dormindo tranquilamente.

Se me perguntassem naquele momento se tinha sido bom, eu diria que sim. Se perguntassem se eu tinha gostado, também diria que sim. E se a pergunta fosse, se eu faria de novo, . . .

 

 

 

 

 

“...You make me begin...”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


Notas Finais


Bom foi isso!

Espero que tenham gostado, desculpa por qualquer erro que tenha passado aí x.x

Logo voltarei <3

Bjs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...