História House of Cards - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Enquanto eu puder vou postar as gêmeas juntas, então cá estou eu com mais um cap. mesmo esquema da outra, vou demorar um pouquinho, quero adiantar todo mundo antes de postar *--*

Espero que gostem <3

Capítulo 2 - Quanto mais o tempo passa, nós bagunçamos ainda mais.


(...)

 

Acordei no meio da noite, talvez não seja bom dormir depois de chorar, a sede da madrugada me pegou de um jeito que não consegui ignorar.

Me levantei de minha cama, e caminhei corredor a dentro. Conheço toda a parte térrea da minha casa, meu quarto é o único que fica no andar de baixo inclusive. Não que eu não saiba como é o andar de cima, apenas não subo escadas com muita frequência.

Enquanto caminhava passei na frente do escritório do papai ouvindo vozes saírem lá de dentro, tenho certeza que o celular me disse que já são 2:30 da manhã.

Reunião até essa hora?

Me aproximei de leve da porta, haviam 3 vozes conhecidas lá dentro.

- Só me deixe leva-lo para fazer um passeio, Sasuke mal conhece o terreno todo da casa, sem contar que ele só tem contato com a gente, seria tão horrível assim ele sair de casa por umas duas horinhas, eu cuido dele.

- Naruto, sabe que é muito perigoso deixar que Sasuke saia de casa, sabe muito melhor do que eu.

- Mas pai, ele não vai reconhece-lo, ele nem deve procurar mais por ele, deve achar que aconteceu o mesmo que...

- Ele ainda procura – Deidara se pronunciou claramente pela primeira vez.

- Quer arriscar perde-lo? – Papai perguntou.

- Não é questão de perde-lo, mantemos ele aqui como se fosse um cativeiro, isso não é justo.

- A vida não é justa filho.

 

- E a cirurgia, vai falar pra ele sobre isso pelo menos?

 

- Que cirurgia? – Não me aguentei e entrei na sala.

- Sasuke...

- Do que estão falando? Eu sei que é de mim, mas por que não posso sair, uma hora eu vou ter que sair, me prometeu que ano que vem eu iria pra a faculdade...

- E você vai, vai estudar o exterior.

- Por quê? Por que não posso estudar na mesma universidade que eles estudaram?

- Sasuke, sabe muito bem que a faculdade dos meninos não tem as adaptações necessárias para a suas necessidades filho.

- Está me dizendo que no Japão todo não existe nenhum lugar em que eu possa estudar? Está tentando se livrar de mim?

- Claro que não filho, que absurdo é esse, só queremos o seu bem, pesquisamos bastante e tem uma faculdade perfeita nos Estados Unidos onde terá todo o suporte durante todo o curso.

- Estão me escondendo alguma coisa, o que o Naruto quis dizer com cirurgia?

O silêncio se instaurou no ambiente.

- Falem!

- Eu vou operar – Deidara se pronunciou -, estou com pedras nos rins e preciso operar para tiras-las, Naruto está apenas preocupado.

 

- Isso é verdade? – Me virei para a direção onde anteriormente ouvi a voz de Naruto.

 

Ele se manteve em silencio.

 

Até eu ouvir barulho de movimentos.

 

- Sim, estou preocupado com Deidara, por isso vim falar com o papai.

 

- Ainda não entendi o por quê de eu não poder sair?

 

- É muito perigoso pra você sair, pelo menos no momento atual, não gostaria que o fizesse – o “não gostaria” do meu pai, significava “eu não vou deixar você sair”.

 

- Eu vou ficar preso aqui pra sempre, por que eu sou o único privado disso, é por que eu sou cego?

 

- Não filho, isso não tem a ver com o fato de não enxergar, tem coisas que você não precisa saber.

 

- Eu nunca preciso saber de nada.

 

Me virei ignorando o chamado dos homens atrás de mim.

 

Entrei no meu quarto batendo a porta e a trancando, coisa que não costumo fazer, mas nesse momento precisava ficar sozinho, precisava entender.

 

Naruto ainda tentou falar comigo através da porta, mas o ignorei completamente enquanto ouvia a minha música, o que a de errado com ele.

 

Primeiro aquele papo de eu não o amar, agora isso.

 

Coloquei um travesseiro na cabeça tentando abafar todas as minhas frustrações o que foi inútil.

 

Tudo que eu queria naquele momento era voltar para o começo do dia, o começo onde eu estava no meu quarto apenas beijando o Naruto e em seguida lendo para a minha mãe.

 

 

 

(...)

 

-- Naruto --

 

Subimos para a parte de cima da casa, meu erro foi tentar conversar sobre esse tipo de coisa com Sasuke perto.

 

- Não sei o que mais temos pra conversar – meu pai me disse com um ar de cansado.

 

- Ele não merece isso.

 

- O que você prefere Naruto? Prefere que o achem, que descubram quem ele é, sabe muito bem que o delegado Uchiha não está brincando, desde que ele assumiu as coisas ficaram mais difíceis para a família.

 

- Está falando como o vovô – falei irritado.

 

- O único momento que as coisas ficaram difíceis assim antes foi na época de Fugaku, agora o filho dele é 10 vezes pior e sabe por quê? Porque ele não desistiu de buscar seu irmão mais novo até hoje.

 

- Deidara não já está de olho nele? – Perguntei.

 

- E acha que é o suficiente? Acha que ele não reconheceria o Sasuke no momento em que colocasse os olhos nele?

 

- Pai já fazem mais de 17 anos, não acho que.

 

- Pois ache, ele tem um retrato de como Sasuke seria depois de tanto tempo, e adivinha – meu pai me mostrou o retrato no celular – Não lhe é familiar?

 

- Eu só...

 

- Seu avô fez o que tinha que fazer, mas graças a Kami eu estava junto e não permiti que matasse o bebê, eu vi aquele banho de sangue Naruto, eu vi Fugaku e Mikoto Uchiha no chão sangrando, foi o primeiro caso que fui obrigado a presenciar, porque acha que não deixo que carreguem o nome da minha família. Não pude deixar vocês de fora dos negócios pois seu avô não deixou, seriam mortos se não servissem a “família”, mas o máximo que eu puder deixar vocês longe de sangue eu vou deixar.

 

- Mesmo assim, mantê-lo aqui é quase como um cativeiro.

 

- Itachi tem cede de sangue – Deidara se pronunciou pela primeira vez -, e não posso culpa-lo, eu também teria se tivesse chegado em casa no dia seguinte da casa de meus avós e visse meus pais banhados em sangue no chão e meu irmão tivesse desaparecido.

 

- Não se apegue demais a ele Deidara.

 

- Estou fazendo apenas o meu trabalho – retrucou meu irmão.

 

Eu sabia, sabia que Deidara havia passado do limite com Itachi, sabia que o motivo de ele estar diferente ultimamente tinha haver com o Uchiha mais velho.

 

- Se Sasuke sair daqui estamos todos perdidos, teremos que desaparecer no momento em que Itachi o ver, com ou sem ele.

 

- Deixaria ele pra trás? – Perguntei incrédulo para o meu pai.

 

- A pergunta é... se Sasuke souber a verdade, acha que vai querer voltar para nós? Acha que vai continuar nos amando?

 

Abaixei a cabeça.

 

Meu pai se aproximou de mim, me abraçando.

 

- Se ele operar, se sua visão for perfeita acha mesmo que vamos ter algum controle sobre ele? Assim que ele sair de casa Naru, vamos perder ele pra sempre, posso parecer egoísta, mas eu o amo demais para perde-lo desse jeito.

 

Ele se afastou de mim seguindo para o banheiro da suíte.

 

Deidara me olhou como se pedisse para que eu o seguisse.

 

Chegamos em seu quarto e ele me estendeu um papel.

 

- Vai viajar? – Perguntei vendo o voucher.

 

- Itachi me chamou pra viajar com ele nesse final de semana.

 

- Não se apegue significa algo pra você – zombei sentando na cama dele.

 

- De certa forma estou só fazendo meu trabalho, mas não é isso que importa, estou te dizendo que vou manter ele longe da cidade por um final de semana inteiro, então pode tentar fugir com o Sasuke por algumas horas.

 

- A foto dele está em todos os lugares.

 

- Use um boné e máscara, a única pessoa obcecada o suficiente pra você se preocupar é o Itachi e vou me certificar que ele não esteja aqui, apenas tome cuidado.

 

- Por quê? Por que está fazendo isso?

 

- Você não é o único que se importa com o Sasuke, papai apenas está preocupado, só isso, ele não é irracional como a gente.

 

- Preciso que ele me perdoe antes.

 

- Eu disse, falei pra contar sobre o que aconteceu pra ele antes, agora ele descobre de qualquer jeito dá nisso.

 

- Acha que ele me odeia?

 

- Lógico que não, ele só está confuso, sem contar que, você quer ter certeza de uma coisa também né?

 

- Depois que ele descobrir que existem mais pessoas no mundo, pessoas melhores que eu e menos complicadas ele vai perceber que não me ama de verdade, talvez ele sofra de algum grau da síndrome de Estocolmo.

 

- Bom, só vai descobrir isso se tentar, papai vai estar fora no final de semana em um jantar de negócio e vai levar a mamãe também, apenas aproveite a chance.

 

- Vou falar com ele amanhã, hoje ele não vai querer me ver nem pintado.

 

- Boa sorte, você tem 2 dias para convence-lo.

 

Olhei para o calendário suspirando.

 

Antes de sair do quarto de meu irmão.

 

(...)

 

 


Notas Finais


Quando posto assim de uma vez me sinto super satisfeita, sério kkkk <3
Aguardo os comentários ansiosamente <3333
Quero saber se tá valendo o esforço de ficar me desdobrando aqui igual uma maluca <3
Muitos Kiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiisssssssssssssssssssssssssssuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuusssssssssssssssssssssssssssss <3 <3 a todos e até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...