História House On a Hill - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Annie Leonhardt, Armin Arlert, Bertolt Hoover, Connie Springer, Dot Pixis, Eren Jaeger, Erwin Smith, Farlan Church, Grisha Yeager, Gustav, Hange Zoë, Historia Reiss, Isabel Magnolia, Jean Kirschtein, Kalura Yeager, Kenny Ackerman, Kuchel Ackerman, Levi Ackerman "Rivaille", Marco Bott, Mikasa Ackerman, Pastor Nick, Personagens Originais, Petra Ral, Ymir
Tags Eren, Ereri, Esporte, Levi, Riren, Romance, Yaoi
Visualizações 97
Palavras 1.602
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Lemon, LGBT, Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Uuuuh capítulo novinho para vocês amores!

- Boa Leitura!

Capítulo 7 - Mas nem fodendo


Fanfic / Fanfiction House On a Hill - Capítulo 7 - Mas nem fodendo

Levi estava sentado na escada que dava para o andar de cima, observava Mikasa ligar para aquelas casas de pessoas doentes ao redor da cidade, e uma ou outra em Nova Iorque, ele odiava a ideia de ter que simplesmente entregar a mãe a alguém, mas nem ele e nem Mikasa poderiam cuidar de Kuchel naquele momento. O dinheiro que ele tinha com certeza seria o suficiente para poder pagar pela hospedagem da mãe mas, ele não teria dinheiro o suficiente para manter Mikasa em Chicago e ele sabia que a jovem teria que voltar a morar com a mãe e isso seria terrível para ela. Respirou fundo e pegou o celular do bolso.

 

As coisas estão ruins - 14:25 PM.

 

Estou aberta para ouvir... Quero dizer ler - Quatro Olhos. 14:26 PM.

 

Eu a perdi. Minha mãe não existe mais - 14:26 PM.

 

Ah Levi... Quer que eu vá pra aí? - Quatro Olhos. 14:26 PM.

 

Aproveite suas férias, conversamos mais quando elas acabarem - 14:27 PM.

 

Mas nem fodendo Levi, anda manda o endereço! - Quatro Olhos. 14:28 PM.

 

O moreno sorriu de canto, apesar das brigas, Hanji era sua melhor amiga e a mais fiel, com sua loucura ou sem, ele sempre poderia contar com ela. Ele a enviou o endereço e guardou o celular no bolso do moletom preto com o símbolo de uma cruz ao contrário, um de seus velhos vestuários.

Ele voltou a olhar para a prima que, naquele momento, estava o olhando com o notebook fechado em cima da mesinha de centro. Mikasa deixou o celular de lado e andou até a escada, se sentando assim, ao lado do primo.

- Está feito? - Perguntou Levi com uma voz embargada pela tristeza, está que ele tentava a todo o custo despistar e esconder dela.

- Sim... - Mikasa respirou fundo de forma cansada - Eles disseram que só vão poder vir depois das festas.

- Tudo bem... - Ele deu de ombros - Podemos tomar conta dela até lá... - Ouviu a porta do quarto de sua mãe ser aberta e ele se levantou da escada.

- O que vai fazer? - Perguntou a garota preocupada.

- Mikasa... Eu... - Olhou para cima e observou a mãe descer a escadas com pulos, como se fosse uma criança - Volto antes do almoço e eu prometo que não vou deixar você cuidar sozinha da minha mãe como fiz todo esse tempo.

 

Mikasa observou o primo sair da casa em silêncio. Não havia o que ser dito ou feito, era a primeira crise de Kuchel que Levi havia presenciado de perto e não era algo fácil. A garota se levantou e limpou a possível sujeira de sua calça e olhou para a tia que havia parado em um dos degraus e olhava para a porta escura, por onde o filho havia saído.

- Para onde Kenny foi? - Kuchel terminou de descer as escadas e ficou frente a frente com a sobrinha - Espero que ele não esteja se metendo com os Jeager de novo, papai ficaria furioso com ele.

- Como assim? - Pela primeira vez, a doença da tia revelou algo sobre um nome mais do que conhecido para a jovem morena. Mikasa olhava a tia em um quase choque.

- Mamãe não te contou? - Sorriu e abraçou a sobrinha - Os Jaeger estão se metendo com gente barra pesada...

Gente barra pesada? Traficantes talvez? Mas, isso teria certamente ficado no passado agora, o pai de Eren era apenas um médico de segunda no posto de saúde próximo ao centro e a mãe de Eren havia morrido em um acidente de carro a três anos atrás. Não, não era possível que o pai continuasse no negócio depois de perder a esposa e possivelmente quase perder o filho também.

 

Eren, como sempre durante as tardes dos dias de semana estava trabalhando na cafeteria, o local estava praticamente vazio naquele momento por conta da neve intensa que depois de anos, resolveu cair sobre Chicago. E o castanho se glorificou por pelo menos ter o ar quente funcionando.

O sino que ficava em cima da porta de entrada soou e a pessoa que ele mais desejava ver no momento estava ali a sua frente, tirando o casaco que possuía flocos de neve assim como o cabelo escuro, os olhos acinzentado se elevaram até Eren e, apesar de parecerem cansados e perdidos, o castanho os achou simplesmente encantadores.

- Boa tarde - Eren tentou de toda e qualquer forma não soar como uma mocinha excitada vendo o cara que ela gosta sem camisa, e por pouco, ele consegue.

- Ah... Oi pirralho - Levi disse de forma desanimada e se sentou na bancada, deixando seu casaco na cadeira a seu lado.

- Me parece meio triste... - Indagou o jovem colocando os cotovelos no balcão e apoiando o rosto em suas mãos.

- Não é nada... - Deu de ombros e retirou o celular do bolso da calça e o colocou em cima do balcão.

- Então, o que vai querer? Café? - Sorriu com ternura, tentando transmitir a Levi certa calmaria e isso pareceu funcionar - Ou talvez um achocolatado?

- Se você colocar marshmallows extras eu aceito - Encarou Eren de forma sugestiva.

- Com o maior prazer - Se afastou do balcão e começou a preparar o achocolatado para o moreno - Então... Até quando pretende ficar?

- Até o final de janeiro - O moreno disse de forma simples - Não vou poder ficar muito além disso.

- E a Mikasa e sua mãe? - Se virou para o moreno rapidamente e percebeu que o mesmo olhava cada movimento seu, se virou novamente e continuou a fazer o achocolatado.

- ... Mikasa vai comigo para Nova Iorque... - Soltou mais em um sussurro do que em uma fala.

- O que? Por que? - Mais uma vez olhou para Levi, mas desta vez em surpresa.

- Bem... Kuchel já não está como antes, ela piorou de ontem para hoje - Explicou enquanto suas mãos brincavam com o celular, e isso o ajudava a tentar se acalmar sobre a situação em que estava - E duvido que Mikasa vá querer voltar a morar com a mãe.

- Disso você tem razão, Ellen pode ser bem ruim que está chapada - A sombra de um passado tenebroso passou levemente pelo rosto de Eren enquanto ele terminava o achocolatado e colocava em uma caneca com o símbolo da cafeteria.

- Ela já bateu em você não é? - Levi perguntou com uma voz calma. A caneca foi colocada a frente dele e Eren colocou marshmallows a mais, assim como havia prometido.

- Sim... - Deu de ombros e saiu de trás do balcão, se sentando ao lado do moreno - Uma vez, foi nessa única vez que Mikasa desistiu da mãe.

- Não deve ter sido fácil - Ele deu de ombros e tomou um gole do achocolatado, este que estava delicioso.

- Não foi... Ela sempre teve desculpas para viver com a mãe, mas... Depois daquele dia - O jovem se debruçou no balcão enquanto seus olhos encaravam Levi, que parecia estar um pouco perdido em pensamentos.

- Pelo menos a mãe dela tem cura - Uma risada seca e triste foi solta pelo moreno e tudo o que o jovem queria naquele momento, era abraça-lo, rouba-lo para si e o esconder da crueldade do mundo que o rodeava naquele momento.

- Como está o chocolate quente? - Perguntou mudando de assunto, sabendo que aquilo não seria a melhor discussão e que apenas iria deixar Levi ainda mais fechado em si mesmo.

- Muito bom, e obrigado pelos marshmallows extras - Olhou para Eren e piscou para ele e aquilo foi inevitável para que suas bochechas ficassem coradas.

- Não tem problema - Sorriu - Sempre bom ter um cliente satisfeito.

- Oh, isso me faz sentir mal, faz isso com todos os clientes? - Sorriu minimamente em pura brincadeira.

- De forma alguma, só os amigos - Sorriu de volta e o sino era entrada tocou mais uma vêz - Agora, tenho outro cliente para atender - Se levantou.

- ... - Um homem alto e loiro se sentou a duas cadeiras de distância de Levi - O de sempre Eren.

- Claro - Eren voltou a se focar em seu trabalho e o celular de Levi vibrou contra a madeira do balcão.

 

Eu estou chegando pra brilhar em sua vida! COMO UMA DEUSA! - Quatro Olhos. 2:23 PM.

 

Por favor não! Me diga que é apenas uma brincadeira de mal gosto - 2:23 PM.

 

Ain Levizinho assim acho que você não me ama - Quatro Olhos. 2:24 PM.

 

Não amo mesmo - 2:24 PM.

 

O moreno sorriu com a mensagem e voltou a olhar para Eren, que agora, entregava ao homem uma caneca assim como a que ele usava, mas com uma bebida diferente.

Eren mal percebia que o homem a cada segundo lhe lançava uma cantada ou outra, o castanho estava ocupado demais sentindo ciúmes de seja lá quem fosse que o moreno estivesse conversando no celular, seja lá quem fosse, o fazia sorrir sem que se quer ele mesmo percebesse.

- Eren? - O homem retirou o jovem de seus pensamentos cheios de ciúme e Eren o olhou.

- Algum problema com a bebida? - Deu de ombros sem realmente se importar se estivesse ruim ou não.

- Está delicioso como sempre - O olhar daquele homem sobre si dizia claramente que o homem não estava falando sobre a bebida em si.


Notas Finais


Muito obrigada pelos comentários maravilhosos ❤
Vocês são pessoas incríveis!
Bem... Me desculpem os erros, comentem e...

Até breve XD


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...