História How deep is your Love? - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mark Pellegrino
Personagens Mark Pellegrino
Tags Markpellegrino, Romance
Visualizações 17
Palavras 1.728
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Dominadora


           Eu estou com tanta raiva. Ela simplesmente estava lá, abraçada com ele. Porra, eu tô cuidando dela, o mínimo que ela poderia fazer era não ficar abraçando desconhecidos.

Eu preciso esquecer isso. Ela não tem que dar satisfação para mim, eu não sou o pai dela. Eu sabia que isso ia acontecer em algum momento. Acho que estou sendo até hipócrita, porque estou indo a uma festa justamente para conhecer alguém novo. Mas ela poderia... Não, eu preciso esquecer, não tem porque ficar com raiva.

Estou sentando entrando em meu carro quando recebo uma chamada de Richard.

Chamada on

- Mark, a festa vai ser na Torre Eiffel. Um amigo meu reservou a parte de cima da Torre inteira para fazer a festa de noivado dele.

- Uau. Realmente muito incrível, e também muito caro. Esse cara trabalha com o que?

- Nem eu sei.

- OK, estou indo.

Chamado off

Nunca achei que fosse em uma festa tão elegante assim, ainda bem que coloquei o meu melhor terno. Não acho que eu esteja nervoso, estou bem tranquilo, para falar a verdade. Vou estar com Richard do mesmo jeito, vai ser divertido.

Cheguei ao Champ de Mars, estaciono o carro e vou em direção a torre. As luzes se destacam de longe, essa festa deve ter sido tão cara. Chego e entro no elevador, vou ao último andar, é onde presumo que a festa esteja acontecendo. E estou certo.

Assim que o elevador se abre, ouço a música, é uma música lenta. Todos estão vestido da maneira mais elegante possível. As mulheres de longos vestidos de gala e os homens de terno. Mas uma pessoa se destaca, Richard, com um terno vermelho (mais parecendo um chofer do que um convidado) e com várias mulheres a sua volta, ele tem mesmo carisma.

- Mark! Meu amigão! Como é que vai? – Ele vem em minha direção, com um sorriso brincalhão no rosto.

- Vou bem. – Acho que ele esqueceu que eu acabei de falar com ele por telefone, deve estar bêbado.

- Richard, por que não apresenta o seu amigo pra gente? – Uma mulher muito bonita se aproximou e colocou o braço em volta dos ombros de Richard.

- Ah, meninas, esse é o Mark, meu amigo de longa data.

- Ah, oi Mark. – As mulheres disseram em coro.

- Olá, meninas.

...

Depois de um tempo conversando com todas elas, percebi que elas não fazem muito o meu tipo. Então, deixei Richard com elas e fui em direção ao bar, se não vou encontrar ninguém, vou descontar na bebida mesmo.

Sento em uma cadeira aleatória, peço ao barman uma vodka. Então, uma mulher muito linda se senta ao meu lado e fala:

- Duas, por favor. Sou Vanessa.

- Mark, muito prazer.

- O que está fazendo aqui, sozinho? Eu te vi com aquele seu amigo, rodeado de garotas.

- Elas não fazem o meu tipo, então resolvi deixá-lo.

Ela é mesmo muito linda. Está com um vestido vermelho longo e colado, que tem um decote bem profundo, por sinal. Mas o que mais consigo notar, são os seus lábios vermelhos, sempre tive um fraco por batom vermelho.

- Você é amigo do noivo? – Ela perguntou desviando a minha atenção de sua boca.

- Não. Meu amigo que me convidou, ele acha que tenho que esquecer minha ex.

- Então somos bem parecidos nesse quesito. Minha amiga me arrastou pra cá, ela quer que eu arranje um novo pretendente.

- Interessante.

...

Conversamos por um longo tempo. Quando vimos, os convidados da festa já estavam indo embora.

- Você quer ir para outro lugar? – Ela me perguntou dando um sorriso malicioso. Não sou desses que transa no primeiro encontro, mas... Acho que hoje, estou querendo.

- Vai ser bom.

- Que tal... Pra minha casa?

- Melhor ainda.

Me despedi de Richard, mas acho que ele nem prestou atenção, só engolindo mentalmente uma das “amigas” dele. Fomos ao elevador, e lá, já começamos a nos beijar. O toque da boca dela na minha é maravilhoso, sem falar no corpo.

A porta do elevador se abre e nós paramos rapidamente, por medo de alguém nos ver. Fomos no carro dela, e tive a leve impressão de que ela estava dirigindo um pouco rápido demais.

- Para quê a pressa, querida? Nós vamos ter a noite inteira. – Meu olhar cai sobre o dela e sinto a sensação quente subindo pelo meu corpo. Boto a mão em sua cocha, parece que ela também está se excitando.

- Ainda bem que minha casa é perto, não estou aguentando. – Ela diz suspirando.

Depois de uns 3 minutos chegamos a sua casa. Descemos do carro rapidamente por conta da excitação. Assim que entramos, ela começou a me beijar. Ela explorava cada centímetro de minha boca com sua língua, e eu passava minha mão por todas as partes de seu corpo, estávamos em chamas.

A levantei e a sentei sobre a mesa que havia logo após a entrada. Enquanto estávamos nos beijando, eu acariciava suas pernas e subia por entre o seu decote. Sua pele é tão macia, minha pele se arrepiava quando ela me apertava me abraçava com suas pernas, me puxando para frente.

- Vamos para a cama. – Eu disse. Então, ela me abraça com mais força com suas pernas e eu a levanto e a levo para o quarto. Deito ela na beirada e começo a tirar a minha roupa, ela só me encara com os olhos maliciosos. Depois de tirar a camisa, continuo a beijá-la, e ela me puxando para frente, por entre as suas pernas.

Ela sentiu o volume entre as minhas pernas, e foi logo tirando as minhas calças. Tirei o seu vestido e a minha visão foi mudando, seu cabelo preto foi encurtando e ficando roxo nas pontas, sua pele foi clareando, seus olhos mudaram de cor, e de repente, era Lóris que estava em baixo de mim.

A minha excitação triplicou, a beijei com mais vontade do que nunca, e apenas arranquei logo sua roupa, tendo uma visão total de seu corpo. “Maravilhoso”, foi a primeira coisa que pensei, porque era mesmo.

Larguei um pouco sua boca e começei a dar beijos em seu pescoço, a melhor parte era ouvir seus gemidos, e quanto mais eu ouvia, mais eu a apertava contra o meu corpo e minha ereção. Seus gemidos foram aumentando. Tirei seu sutiã, começei a acariciar sua pele macia e arrepiada. Ao mesmo tempo, fui dando chupões pela sua extensão.

Ela tirou a calcinha. Eu parei, a encarei e aproximei meu rosto do seu, e acariciei por entre seus peitos e fui descendo, sentia sua pele se arrepiado ainda mais, e quando cheguei ao ponto entre suas pernas, ela me apertou ainda mais e gemeu alto.

Mas de repente, ela me empurrou e me fez deitar na cama, deixando ela por cima. Ela tirou minha cueca e ficou me encarando com um sorrisinho malvado no rosto, eu apenas sorri de volta. Ela levantou e foi até sua escrivaninha, abriu a gaveta e tirou de lá uma camisinha. Subiu em mim novamente e abriu o pacotinho, foi lentamente colocando em mim, cobrindo toda a minha ereção.

Agarrei suas pernas enquanto ela subia, planejando sentar em meu membro. Quando ela finalmente vinha descendo, larguei suas pernas e apertei sua cintura, a empurrando para baixo. Não estava com pressa, mas precisava disso, eu precisava sentir Lóris por dentro.

- Mark, vai com calma. Como você disse, temos a noite toda. – Só respondi com um aceno de cabeça. – Mas se você quer tanto... – Ela completou descendo rapidamente. A minha resposta foi um alto gemido. Ela foi apenas rebolando me deixando cada vez mais louco.

Ela foi acariciando meu pescoço, e eu apertava mais sua cintura, fazendo -a gemer. Então, fiz o impulso para levantar e coloquei ela por baixo novamente, fazendo os movimentos de vai e vem.

A cada movimento que eu impulsionava, mais eu sentia que estava perto do meu ápice. Mas parecia que ela não queria que acabasse logo, então ela me empurrou de novo e ficou por cima.

- Ah, Mark, eu gosto de estar no controle. – Ela disse me olhando.

- Uma dominadora... Novo para mim.

Ela levantou, nesse momento, senti falta daquela sensação boa. Ela sentou do meu lado e abaixou, só entendi o que ela ia fazer quando já estava fazendo. Ela tirou a camisinha dele é começou a masturbá-lo, massageando suavemente a glande. Depois de um tempo repetindo o movimento, começou a fazer nele todo.

- Você achou que era só isso? – Ela falou, mas antes de eu compreender alguma coisa, ela abocanhou meu membro, meu êxtase estava cada vez mais próximo.

Porém, quando eu olhei para ela realizando aquele ato, não via mais Lóris, não era mais ela, minha Lo... Antes que eu pudesse sentir tristeza, meu ápice havia chegado. Eu havia ejaculado em sua boca, mas aquilo já não era excitante. Era só uma mulher maliciosa, uma aleatória que não significa nada para mim, só quero a minha.... Lolita.

P.O.V. Lóris

Charlie foi embora há uma hora atrás, eu queria que ele ficasse, mas ele não substituiria Mark. Onde ele foi? Aposto que está bravo comigo. Droga, eu não deveria ter convidado Charlie para entrar, por causa disso, Mark está bravo comigo. Isso é horrível.

Não acredito que estraguei minha relação com ele. Me odeio por isso. Charlie ficou bastante confuso quando descobriu isso, que Mark cuidava de mim. Mas acho que não mudou nada entre nós.

De repente, ouço a porta se abrindo.

- Lo... – Ouço a voz dele arrastada.

- Mark? O que foi?

- Me desculpa, Lo.

- Te desculpar pelo que? Eu que fiz merda.

- Não, você não fez nada, eu não deveria ter ficado bravo com você. – Ele chegou mais perto, e eu pude sentir o bafo de bebida alcoólica.

- Onde você tava?

- Numa festa a qual eu não deveria ter ido. Me desculpa, por favor.

- Não faça isso consigo mesmo. Você quer alguma coisa? Eu vou... – Ele me segurou, olhou nos meu olhos e me beijou. Ele encostou seus lábios no meus, eles eram quentes. Foi um beijo sincero, verdadeiro. Senti borboletas no meu estômago, foi a sensação mais maravilhosa da minha vida, mesmo que sua boca tenha gosto de bebida, não importa, só quero ficar assim para sempre, com ele. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...