1. Spirit Fanfics >
  2. How Great Is Your Love (TaeNy) >
  3. Capítulo 10

História How Great Is Your Love (TaeNy) - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoal! Só quero ressaltar que eu amei muito todos os comentários do capítulo anterior, um melhor que o outro kkk
Será que agora o nosso Taeny consegue terminar os "negócios"???? 😏🤔
Ótima leitura!!!!!! ;)

Capítulo 10 - Capítulo 10


POV TAEYEON

Ela era tão ridiculamente gostosa e eu estava enlouquecendo. Eu nem conseguia acreditar que tinha conseguido vê-la sem camisa. Quilômetros de pele cremosa para tocar, afagar e provocar. Estar com Tiffany trouxe um lado feroz de mim que eu não conhecia, mas queria conhecer — eu era confiante, sabia o que queria e não estava assustada. Gostei de quem eu era com Tiffany. Gostei muito.

Eu brinquei com seus mamilos um pouco mais, e ouvi todos os sons e pensei em ir mais longe, mas eu me afastei e pisei no freio a beijando.

— Posso tocar em você agora? — Ela perguntou. Eu assenti com a cabeça e ela tirou meu sutiã. Meu peito não era nem tão amplo quanto o dela, mas ela olhou para mim como se eu fosse algo que ela queria muito devorar. E ela devorou.

Tiffany me tocou e me beijou com todo o entusiasmo ardente que eu sabia que ela tinha, e mais um pouco.

Eu me contorci na cama e agarrei as cobertas e emiti sons que eu nunca tinha me ouvido fazer. Eu era selvagem e desinibida e ela estava liderando o show. Seus lábios encontraram a parte inferior dos meus seios e o local acima do meu umbigo e meus lados sensíveis e passaram logo acima do botão no meu jeans.

Eu ofeguei e ela riu. Sua respiração ondulou contra a minha pele. Eu estava me desfazendo.

— Humm, o que você acha de parar isso por hoje à noite? — Ela disse, e eu olhei para ela. Demorou um segundo para eu perceber o que suas palavras significavam. Eu não estava funcionando corretamente no momento.

— Ah, sim. Claro. — Ela provavelmente estava certa. Eu não queria entrar na minha cabeça. — Posso te abraçar por um tempo?

Ela assentiu e eu abri meus braços para que ela pudesse deitar em mim.

— Seus seios são muito maiores que os meus, — eu disse, fazendo beicinho.

— Seus seios são incríveis. Eles são perfeitos e empinados e você não precisa usar sutiã o tempo todo. Eu adoraria fazer isso, — ela disse.

— Eu adoraria realmente preencher um sutiã. 

— Ei, — Tiffany disse, — você é perfeita. — Ela agarrou meu queixo. — Entendeu?

Eu assenti.

— Você é muito teimosa, — eu disse.

— Claro que sou. Faz parte do meu gênio forte. — Tiffany bocejou e se aconchegou no meu peito. Eu deixei meus dedos vagarem por seus cabelos. Havia muitos, e foi divertido brincar com eles.

— Eu amo seu gênio forte, — murmurei.

— Estou feliz que você ame. — Olhei para baixo e seus olhos estavam fechados. Continuei acariciando seus cabelos até que seu peito subisse e caísse mais devagar e percebi que ela estava dormindo. Eu pressionei um beijo no topo de sua cabeça e fechei meus olhos também.

*** 

A próxima coisa que percebi, eu estava acordando com um amontoado de cabelo preto na boca e era o meio da noite.

— Merda, — eu disse, notando que Tiffany e eu adormecemos em sua cama, enroladas juntas.

— Hum? — Ela disse, enquanto eu movia alguns dos cabelos dela para fora do meu rosto. — Que horas são? — Ela se sentou e esticou os braços. Todas as luzes estavam acesas e ela ainda não estava vestindo uma camisa. Fiquei momentaneamente distraída por seus seios e esqueci o que ela tinha me perguntado.

— O que? — Eu questionei.

— Eu perguntei que horas são. — Ela seguiu meus olhos até o peito e depois riu.

— Você nunca vai me deixar guardar eles, vai? 

— Quero dizer... — Eu parei e ela me deu um empurrão brincalhão no ombro.

— Meus olhos estão aqui em cima, — disse ela, apontando para seus olhos.

— Sim, e eles são lindos. — Ela corou um pouco.

— Pare com isso.

— Nunca. — Nós nos entreolhamos por um momento, e então percebemos que provavelmente deveríamos ir para a cama. E colocar algumas camisas para não nos distrairmos.

— O que você diria se dividíssemos uma cama? — Perguntei, enquanto ela vestia uma camiseta folgada e tirava o jeans.

— Eu diria que seria muito bom. Essas camas não são realmente tão grandes, então eu ficaria pressionada contra você a noite toda e não consigo pensar em nada melhor, — ela disse. — Mas qual cama?

— A sua. Seu edredom é mais macio. — Não importava tanto, já que as duas camas eram iguais, mas eu gostei da idéia de dormir na cama dela, cercada por seus cobertores e seu perfume.

— E seus travesseiros são melhores. — Peguei-os da minha cama e os coloquei na dela.

Coloquei uma camiseta e ela virou as costas quando eu tirei meu jeans e coloquei um short para dormir.

— Venha se aconchegar, — disse Tiffany, deitando-se e estendendo os braços. Eu fingi correr e mergulhar na cama. Ela gritou e eu me arrastei para seus braços. Ela puxou as cobertas sobre nós. Eu deitei minha cabeça em seu peito. Era o travesseiro perfeito.

— Isso é incrível. Deveríamos ter começado a fazer isso desde o início, — ela disse, beijando minha testa.

— Isso poderia ter sido um pouco estranho no começo, — eu disse com uma risada. — Oi, eu sou sua nova colega de quarto, vamos dormir juntas.

— Quero dizer, eu sabia que queria te beijar. Eu não tinha ideia de por que estava tão atraída por você e não conseguia parar de encará-la. Imediatamente tive esses sentimentos e não sabia o que fazer, — ela disse. — Espero não ter sido muito estranha. Eu estava meio que me segurando no começo. Você era tão tímida e eu estava preocupada em assustar você.

— Eu estava com medo de você, mas pensei que era apenas por você ser uma nova pessoa, por eu estar em um novo lugar e estar perto de todas essas pessoas estranhas. Agora eu sei o que era, mas na época pensei que estava com medo de você por diferentes razões.

Eu poderia dizer que ela estava olhando para mim no escuro.

— Você ainda está com medo de mim? — Ela sussurrou.

— Sim, mas por razões completamente diferentes.

— Que são?

Eu respirei.

— Estou com medo do quanto eu quero você. Estou com medo do quanto sinto sua falta quando você não está comigo. Estou com medo de quão rápido isso está acontecendo. Estou com medo do que acontecerá se as coisas não derem certo. Estou com medo de as pessoas descobrirem. Estou com medo de contar aos meus pais. Estou com medo de muitas coisas, Tiffany. — Ela poderia muito bem saber. Tínhamos que ser honestas uma com a outra.

Ela apertou minha mão e beijou minha bochecha. Nós duas tínhamos aula em poucas horas, mas esse era o tipo de conversa que você precisava ter no escuro. Era mais fácil falar com ela assim. Quando estávamos sonolentas e desinibidas pela luz do dia.

— Eu também estou com medo, — disse ela em voz baixa. — Estou com medo de como me sinto por você. Estou com medo de dedicar todo o meu tempo a você, me dar mal na faculdade e depois desistir. Estou com medo do que meu pai possa dizer. Eu sei que ele me ama, não importa o quê. Mas eu sou sua única filha e simplesmente não sei. Estou com medo de me redefinir. Porque nunca me senti assim por um cara, então o que isso significa? Isso significa que eu gosto de garotas, ou é só você? E como faço para descobrir isso? Como alguém descobre isso? — Eu não tinha uma resposta para isso.

— Nós poderíamos ir ao clube de Byul e Yongsun com elas. Elas disseram que havia outras pessoas como nós lá. Então talvez seja bom? — Ela assentiu e bocejou com tanta força que sua mandíbula estalou.

— Sim, acho que será bom. Não precisamos descobrir isso hoje à noite. Há tempo. — Ela assentiu e emitiu um som sonolento.

— Nós provavelmente deveríamos dormir. Amanhã vai ser difícil, — falei.

— Uhum. — Ela já estava no meio do caminho. Estranho, porque ela não costumava adormecer tão rápido.

— Boa noite, Tiffany, — eu disse, beijando sua testa. Ela murmurou um boa noite e eu finalmente deixei meus olhos se fecharem.

Foi uma noite interessante.

*** 

Tiffany estava muito mal-humorada na manhã seguinte. Era muito fofo. Eu me senti parcialmente responsável, mas não me arrependi de como havíamos passado a noite. Enquanto ela se movia pelo quarto (tropeçava pelo quarto), tudo que eu conseguia pensar era como ela estava ontem à noite, deitada em sua cama, nua da cintura para cima. O corpo dela era inacreditável. Era perfeito. Eu mal podia esperar para tocá-la novamente. Eu mal podia esperar para tirar as roupas dela novamente.

Eu nunca estive tão envolvida assim com outra pessoa. Eu não estava revisando minhas listas e horários constantemente. Eu tinha algo para ficar ansiosa para ver todos os dias. Eu tinha alguém que sorria quando ela me via. Alguém que sempre estava tão feliz em me ver. Ficar com ela era a melhor parte do meu dia.

— Você está me encarando, — disse ela, e eu percebi que estava. Opa?

— Desculpa, — eu disse. Ela sorriu.

— Não se desculpe. Você pode me olhar o quanto quiser. — Ela mexeu os quadris e eu ri, mas depois percebi o quão sexy ela estava se movendo e isso me calou.

— Se você quer que nós duas cheguemos à aula a tempo, terá que parar de fazer isso imediatamente. — Ela levantou uma sobrancelha.

— Sério? Talvez eu não queira ir para a aula hoje. Talvez eu queira passar o dia inteiro na cama com você. — Imagens de onde isso poderia levar passaram pela minha cabeça.

— Tiffany, — eu disse em uma voz de aviso.

Ela sorriu para mim e depois suspirou.

— Ok, tudo bem. Vou deixar você ir para a aula. Só porque sei que você ficará com raiva de mim mais tarde se eu deixar você faltar. — Isso era verdade. Talvez eu queira faltar agora, mas me arrependerei mais tarde.

— Obrigada, — eu disse, e ela deu um beijo na minha bochecha.

— Vejo você mais tarde, Taetae, — disse ela, saindo. Eu sentei na minha cama e apenas respirei no silêncio do meu quarto. Parecia tão vazio sem ela nela. Eu olhei para a cama dela, onde as cobertas estavam desarrumadas e meus travesseiros estavam jogados. Como meus travesseiros eram brancos com listras azuis e suas cobertas eram de fúcsia brilhante, eles tinham um contraste interessante. Mais ou menos como eu e Tiffany, na superfície. Não parecíamos que pertencíamos juntas de maneira alguma.

Eu balancei minha cabeça e comecei a me preparar para a aula.

*** 

Minha mãe me ligou naquela tarde e eu tinha esquecido completamente sua ligação anterior quando eu estava ficando com Tiffany. Nós não conversamos há alguns dias e muita coisa aconteceu.

— Ei, você parecia distraída ontem à noite e não me ligou de volta. O que está acontecendo, Taeyeon?

— Eu podia ouvir a preocupação em sua voz. Normalmente, não teria sido um grande problema, mas eu era eu e ela me conhecia. Eu fui vítima de minhas próprias ações passadas.

— Desculpe não ter ligado de volta. Eu estava com a minha colega de quarto e depois adormeci cedo. — Quero dizer, nenhuma dessas coisas era mentira. Eu simplesmente deixei de fora o fato de que nós duas não estávamos vestindo camisas na hora.

— Como estão as coisas com Tiffany? Vocês duas estão se dando bem? — Eu tive sorte que Tiffany ainda estava na aula porque não achava que poderia ter essa conversa com minha mãe enquanto ela estivesse no quarto. De jeito nenhum. Eu não teria sido capaz de manter uma cara séria. Então mamãe definitivamente saberia que algo estava acontecendo. Como estava, eu não sabia se poderia sair dessa conversa sem que ela suspeitasse.

— Estão boas. Nós nos damos muito bem, — falei, e minha voz soou falsa até para os meus ouvidos.

— Ela está aí, você não pode realmente falar comigo agora? — Suspirei.

— Não, não é isso. — Ouvi uma forte inspiração.

— Vocês não estão se dando bem? O que está acontecendo com você, Taeyeon? Sinto que não ouvimos notícias suas há muito tempo. — Fazia uma semana, no máximo, mas isso não era algo que eu fazia.

— Eu sei, me desculpe. Eu apenas estive ocupada com tudo. — Isso a distraiu por um tempo e eu pude respirar fundo e falar sobre tópicos menos preocupantes.

Claro, voltamos à minha vida social. Eu mencionei Yongsun e Byul.

— Elas parecem tão legais, são melhores amigas? — Era uma pergunta perfeitamente inocente.

— Não, elas são um casal, — eu disse, e me preparei para o impacto.

— Oh, que fofo. Soam como garotas muito legais. Fico feliz que você esteja fazendo amigas, Taeyeon. Não queria me preocupar muito com você, mas me preocupei mesmo assim. — Ufa. Isso foi bom. Eu sabia que ambos os meus pais tinham política progressista e muitas vezes haviam manifestado seu apoio à comunidade queer, mas era uma situação totalmente diferente quando era sua filha que era a queer. Se eu fosse. Eu ainda não sabia. Eu sabia que não era heterossexual, mas fora isso, era tudo um mistério gigante. Eu não estava pronta para levar isso para meus pais até que tivesse algo que pudesse lhes contar além de “ei, estou namorando uma garota e gosto muito dela, mas não tenho ideia se isso me torna gay ou não.” Eu estava preocupada que eles pudessem me pressionar para encontrar um rótulo e usá-lo, mas eu não estava pronta. Felizmente, Tiffany também não estava pronta e ela me dizia isso o tempo todo.

— Você parece ocupada e feliz. Eu posso deixar minha preocupação de mãe de lado por enquanto, — ela disse, e eu ri.

— Sim, você pode deixar sua preocupação de lado por enquanto. Ou talvez a use com Hayeon, já que você não precisa se concentrar em mim. — Como eu era a primogênita, sempre recebi mais atenção do que ela, o que ainda fazia ela ser amargurada. Eu lhe disse várias vezes que ela poderia ter tido essa atenção sempre que quisesse.

Terminamos nossa conversa e dei um grande suspiro de alívio quando Tiffany voltou da aula.

— Ei, como foi seu dia? — Coloquei o celular para baixo e dei-lhe um beijo.

— Bom. Acabei de falar com minha mãe. De alguma forma, eu fui capaz de conversar sem falar demais, então acho que ela não suspeita. — Tiffany se jogou na cama. Eu arrumei depois que ela saiu. Tiffany nunca arrumava sua cama.

— Eu ainda estou tentando descobrir o que dizer ao meu pai. — Ela esfregou os olhos. — Por que essa merda é tão complicada? Por que não posso ficar com você sem nenhuma outra besteira? Se você fosse um cara, nada disso estaria nos estressando. — Ela fez beicinho e eu fui sentar ao lado dela.

— Desculpe, não sou um cara, — eu disse.

— Graças a Deus. Embora você provavelmente seria o cara mais gostoso. — Eu ri disso.

— Deveríamos ir a um encontro, — eu disse. — Tipo, um de verdade, apenas nós duas.

Ela inclinou a cabeça um pouco para o lado.

— Sério? Você acha que estamos prontas para isso?

— Você estava literalmente lambendo meus mamilos há doze horas. — Seu rosto se incendiou e eu senti uma onda de luxúria passar por mim. E como ela tinha sido boa nisso.

— Humm, bom ponto. Mas o encontro pode envolver lambidas nos mamilos? Porque acho que estou ficando muito boa nisso. — Eu bufei.

— Acho que podemos providenciar isso quando voltarmos. Eu não acho que um restaurante aceitaria lambidas públicas em mamilos. 

— Bem, isso é rude, — disse ela.

— Você é tão fofa, — eu não consegui me parar e a beijei.

 POV TIFFANY

Taeyeon parecia querer liderar o planejamento do nosso encontro, e ela era a planejadora desse relacionamento, então eu fui em frente e disse a ela para ficar à vontade. Imaginei que, se fosse eu quem planejasse, ela ficaria ansiosa com o que estaríamos fazendo e talvez não se divertisse, então eu a deixei assumir a liderança.

Meu primeiro encontro com uma garota. Era surreal. Eu nunca pensei que estaria aqui, mas não conseguia imaginar não estar com Taeyeon, agora que estava. Desde aquele primeiro dia, eu sabia que havia algo especial nela, algo que eu tinha que estar por perto.

Por acaso, encontrei Yongsun uma tarde quando estava saindo do banheiro. Minha última aula foi cancelada, então eu voltei para o meu quarto e estava tentando usar o tempo construtivamente para fazer a lição de casa, mas passava a maior parte do tempo sonhando acordada com o meu encontro com Taeyeon.

— Ei, como vai? — Ela disse. — Você está ocupada agora? Você quer passar um tempo comigo no meu quarto? Todo mundo saiu e eu estou entediada. — Eu nem me incomodei com a desculpa da lição de casa. Eu poderia fazer isso mais tarde.

— Claro, — eu disse, e caminhamos pelo corredor até o quarto dela. — Ei, eu realmente queria perguntar uma coisa.

— Vá em frente, — disse ela enquanto nós duas nos sentávamos em sua cama.

— Então, Taeyeon e eu vamos no nosso primeiro encontro, o que é bizarro, mas eu estou me perguntando... como eu saio em um encontro com uma garota? Quem paga? Sei que é uma coisa estranha de se perguntar, mas sinto que se ela fosse um homem, haveria todas essas regras estabelecidas e não tenho idéia de quais são as regras para garotas namorando garotas. — Ela sorriu e colocou o cabelo por cima do ombro.

— Você está me lembrando do meu primeiro encontro com Byul. Nenhuma de nós realmente sabia se aquilo se qualificaria como um encontro. Ela ainda era muito nova nisso, mas eu sabia que era lésbica por um tempo. Ainda assim, foram muitas suposições. E acho que descobrimos ao longo do caminho que poderíamos fazer nossas próprias regras. Que muitas regras para casais heterossexuais estavam enraizadas em modos antigos que, às vezes, eram completamente misóginas e desatualizadas. Então, realmente, você pode fazer o que quiser. O que parece certo. Essa é uma das melhores partes de ser queer. Você faz suas próprias regras.

Uau. Eu não tinha pensado dessa maneira. No momento, era como se estivéssemos andando sem um mapa. Do jeito que Yongsun colocou, estávamos no processo de desenhar os nossos. Forjando um novo caminho que fosse o que queríamos que fosse, em vez de estarmos completamente perdidas.

— Eu gosto disso, obrigada.

— De nada. Sempre que precisar de conselhos, não hesite em perguntar. Estamos aqui para vocês duas. Isso pode ser difícil de lidar, e nós realmente não tínhamos ninguém, então nos atrapalhamos por um tempo. — Ela estava certa. Tínhamos muitas pessoas que poderíamos perguntar e que estavam nos apoiando. Mesmo que nossos pais e famílias não estivessem lá, havíamos formado uma nova família. Uma família que nem sabíamos que precisávamos até agora.

— Eu realmente gostei disso. Tudo isso ainda é tão surreal. — Yongsun assentiu e me deu um sorriso conhecedor.

— Lembro exatamente como era isso. Eu estava com tanto medo de contar até para minhas amigas mais íntimas do cheer e meu irmão. — Eu levantei minha sobrancelha.

— Você era uma líder de torcida. — Ela assentiu e puxou algumas fotos em seu celular.

— Sim. Amava. Pensei em torcer aqui, mas é um compromisso que ocupa um tempo tão grande e eu queria tirar um tempo para ficar com Byul. Torcer é importante, mas ela é mais. — Ouvir ela falar sobre Byul quase me fez querer chorar. Elas estavam tão apaixonadas e esse amor brilhava nas duas. Era uma luz feroz que todos podiam ver. Apenas uma pequena parte de mim estava com inveja.

Não que eu amasse Taeyeon. Ah, inferno, eu não estava perto disso ainda. Eu não poderia estar perto disso ainda.

— Quando você soube? — Ela olhou para baixo e sorriu.

— Não sei exatamente quando começou. Em que momento, o que clicou no meu cérebro. Na verdade, eu não pretendia dizer isso em voz alta na primeira vez que disse. — Ela riu da lembrança. — Simplesmente saiu e quando foi dito, eu não podia puxar as palavras de volta. E tive sorte que ela também me amava. — A história dela estava fazendo meu coração doer da pior maneira. Eu queria isso.

— Vocês parecem muito feliz juntas, — eu disse.

— Nós estamos. Quero dizer, tudo não está perfeito, ainda temos nossos momentos, mas eu a amo. Às vezes é simples assim. — Eu gostei daquilo. Fiquei feliz por encontrá-la no corredor. Eu precisava ter essa conversa com alguém.

— Sério, obrigada, Yongsun. — Ela acenou com a mão e perguntou se eu queria um lanche. Eu disse que sim e conversamos sobre outras coisas até Yoona voltar e eu percebi que Taeyeon também voltaria a qualquer momento.

— Vá buscar sua garota, — disse Yoona, me empurrando um pouco para além da porta.

A minha garota? Taeyeon era minha garota? Se ela era minha garota, isso significava que eu era dela?

Ainda tínhamos muito o que descobrir, mas Yongsun havia ajudado um pouco.

Eu só estava no quarto por alguns minutos quando Taeyeon voltou. Eu quase a ataquei antes que ela tivesse entrado pela porta.

— Ah, oi, — ela disse quando me lancei nela. Eu ataquei seus lábios e suas mãos imediatamente foram para o meu cabelo. Ela adorava tocar no meu cabelo e eu adorava quando ela o puxava um pouco. Talvez eu fosse uma tarada e eu nem sabia disso?

Lambi e beijei sua boca, deleitando-me com seu gosto. Eu amava que ela era um pouco menor que eu. Amava a maneira como seus lábios eram curvos. Amava o jeito que sua língua brincava com a minha. Amava a maneira como seus olhos ficaram escuros e ela ficava um pouco mandona. Tudo nela foi projetado para me deixar selvagem, me fazer querer mais.

Eu ofeguei e tive que recuperar o fôlego. Eu sempre escolhia beijar ao invés de respirar com ela.

— O que foi isso? — Ela perguntou enquanto nós duas nos abraçávamos e tremíamos.

— Eu senti sua falta? — Eu disse, e parecia uma pergunta.

— Eu só fiquei fora algumas horas. — Eu ri um pouco histericamente.

— Eu estava conversando com Yongsun e do jeito que ela estava falando sobre Byul, eu não sei, isso me fez perceber o quanto eu gosto de você. Porque eu gosto, Taeyeon. Sei que isso é novo e assustador, mas quero fazer isso com você. Eu quero fazer tudo isso com você. — Até agora, éramos namoradas a portas fechadas, mas eu pensei que finalmente estava pronta para sair e falar sobre estarmos juntas. Mesmo se as pessoas fizessem uma tonelada de perguntas. Eu poderia lidar com elas, desde que ela estivesse ao meu lado.

— Estou feliz que você falou com Yongsun, Mushroom. — Sorri com o apelido.

— Você pode me chamar de Mushroom a qualquer momento, — eu disse. Meus joelhos ainda estavam trêmulos com o beijo. Tropecei um pouco e ela me segurou.

— Você está pronta para ir jantar? — Jantar? Eu pisquei para ela. Eu ainda estava confusa com o beijo, o apelido e o calor que inundavam meu peito por estar perto dela.

— Sim, — eu disse finalmente. — Vamos jantar, Taetae. — Taeyeon largou a bolsa e empurrou a porta. Estendi minha mão e peguei a dela. Ela olhou para mim com surpresa.

— Estamos fazendo isso agora? — Eu queria segurar a mão dela tantas vezes e finalmente estava pronta.

— Eu não posso deixar você ter todo o controle. Eu beijei você primeiro. — Seus olhos ficaram escuro.

— Mmm, mas você não gostaria se eu tivesse todo o controle? — Ela disse no meu ouvido enquanto caminhávamos pelo corredor.

Tremi de desejo e desejei que meu rosto não ficasse vermelho. Ela riu baixinho e bateu na porta de Yongsun e Yoona. Meu cérebro tinha quase completamente desligado e tudo o que eu podia fazer era caminhar pelo corredor até o elevador com elas e depois para o refeitório ao lado.

— Terra para Tiffany, — disse Yoona, acenando com a mão na frente do meu rosto. Eu pisquei e percebi que estava segurando a fila da comida. Peguei uma bandeja e peguei um prato de bibimpab, kimchi e dakgangjeong. Por alguma razão, o dakgangjeong daqui era de outro planeta. Não sabia o que eles colocavam nele de diferente, mas sempre eu sempre repetia.

Taeyeon estava atrás de mim e pegou a mesma coisa. Eu podia sentir sua presença, podia sentir sua respiração perto de mim. Colocar eu e minha bandeja na mesa sem incidentes foi um milagre. Sentei-me ao lado de Taeyeon e ela me olhou, levantando uma sobrancelha lentamente. Ela ainda estava pensando sobre o que havia dito antes, e eu ainda estava pensando sobre isso também.

O que havia nela? Eu realmente nunca pensei em que papel eu iria desempenhar quando se tratava de sexo. Com um cara, acho que tinha assumido que seria a submissa. Quero dizer, era isso que você via em todos os lugares. O cara era o dominador e a mulher submissa. Agora, porém, eu estava pensando sobre o que significava que Taeyeon e eu éramos meninas. Era como Yongsun havia dito, poderíamos fazer nossas próprias regras.

Taeyeon era tão tímida e relutante na maioria das situações, mas quando as coisas esquentavam entre nós, ela se transformava em alguém que sabia o que queria e sabia como conseguir isso de mim. E eu me tornei alguém que queria dar a ela. Eu gostei, pra caralho. Na verdade, eu não conseguia parar de pensar nisso.

— Você está encarando, Mushroom, — Taeyeon disse no meu ouvido. Eu senti meu rosto arder. Sua mão acariciou minha coxa debaixo da mesa e eu estava pronta para deslizar para o chão em uma poça.

— Por que você está fazendo isso comigo? — Eu sussurrei de volta, choramingando um pouco.

— Humm, porque você gosta? — Eu gostava muito disso. Eu fiz um som um pouco frustrado no fundo da minha garganta e ela riu baixinho.

Eu olhei para cima e percebi que estávamos com outras pessoas e estávamos sendo totalmente inapropriadas. Mas todo mundo estava conversando e comendo e não parecia estar prestando atenção em nós. Ou elas estavam fazendo isso de propósito, ou foi apenas uma coincidência. Eu realmente não queria saber.

Hora de colocar meu foco na minha comida. Olhei para meu bibimpab e peguei minha colher. Comer. Estava na hora de comer. Não é hora de pensar em Taeyeon me empurrando contra uma parede e puxando meu cabelo e me beijando com força. Eu suspirei.

As pessoas estavam conversando ao meu redor e eu estava tentando prestar atenção, mas não consegui. Eu precisava sair dali o mais rápido possível, para não ter que fingir que não estava a um milhão de quilômetros de distância e pensando em fazer coisas indecentes com Taeyeon.

O jantar durou para sempre e tentei limpar meu prato, mas não consegui. Nem o dakgangjeong incrível estava ocupando minha mente. Não me lembrava de nada que alguém me falou e não podia contar o que foi dito ou o que eu disse.

Não foi um desastre completo, mas enquanto Taeyeon segurava minha mão no caminho de volta para o dormitório, ela se inclinou e disse: — Você está terrivelmente distraída hoje à noite, Tiffany.

— Eu não posso evitar, você continua dizendo coisas, — eu assobiei de volta. Ela apertou minha mão.

— Eu pensei que você estivesse gostando.

— Sim, eu gosto demais, esse é o problema. Não posso pensar em mais nada agora. — Não pude olhar para ela, mas sua mão apertou a minha.

— Você acha que precisamos fazer algo sobre isso? — Sua voz era casual, mas eu sabia o que ela queria dizer.

Eu respirei.

— Sim, — eu disse.


Notas Finais


Gente, sei que vocês devem estar cansados de ouvir e ler isso, mas vamos nos cuidar ainda mais nesse momento. Fiquem em casa se tiverem essa opção, só saiam se for extremamente necessário e mantenham as mãos bem higienizadas.Todo cuidado é pouco.
Quero de coração que todos vocês e aqueles que vocês amam fiquem bem (principalmente os idosos). Tenho certeza que todos nós vamos superar esse vírus.
Nos vemos no próximo capítulo! 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...