História How I think my life should be. - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Comedia, Ecchi, Romance
Visualizações 3
Palavras 2.510
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Harem, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


E ae galera, capítulo pronto. Eu fiz ele no meio da madrugada, então se não fizer muito sentido, tá explicado. Vamos logo pro capítulo!

Capítulo 8 - O grande dia!


   O esperado dia finalmente havia chegado. Preparando meu coração e mente, não pude deixar de pensar em como estaria Shiro. Vê-la iria ser algo que demoraria nesse dia, mas valia a pena esperar. Algumas horas antes da festa começar, eu só podia me focar em conter meu ânimo. Finalmente, o resultado de todo aquele tempo de trabalho seria compensado. Bom, agora era só esperar para ver.

Uma cerimônia comum era o que iríamos fazer, com apenas algumas modificações. O dia estava ótimo. O sol brilhava com o céu limpo, mas a cerimônia seria feita à noite, então isso não era assim tão relevante. Um pouco adiantado, fui junto do pai de Shiro para o local onde aconteceria a cerimônia. Enquanto isso, Shiro se arrumava junto de sua mãe para o grande momento. Bom, haveria uma festa antes da cerimônia acontecer, e Shiro não estaria nela pois estaria ocupada. Mas pelo menos na festa após a cerimônia ela estaria. Algumas horas faltavam para o começo da festa, que teria coisas como pista de dança e vários jogos para que as pessoas não ficassem cansadas de esperar. Eu não conseguia conter minha ansiedade. Mesmo fingindo bestar normal, minhas pernas não conseguiam parar de tremer. Pela minha mente se passava todas as maneiras que isso poderia dar errado. Para tentar disfarçar isso, eu apenas fiquei lendo uma light novel sentado em uma sala com ar condicionado. Por que? Por que a festa não começou ainda. Pensando sobre isso, eu comecei a achar que aquele casamento estava normal demais. Então... Que tal zoar um pouco? Claro que eu iria fazer isso! O que eu fui fazer? Fui direto pegar minhas coisas para fazer cosplay! Pra que terno? O negócio é casar vestido de Archer. Meu nome é Emiya Shirou. O nome até combina com o da Shiro. Ok, agora vamos lá. Enquanto eu ficava igual um idiota tentando fazer uma roupa legal e conseguindo fazer uma surpreendentemente legal, Shiro estava no salão com sua mãe arrumando seu cabelo. Por sinal, pelo que me foi contado, isso foi uma complicação absurda porque Shiro odeia que outra pessoa além de mim toque no cabelo dela. Como eu sei disso? A mãe dela ficou mandando mensagem enquanto isso. Voltando para lá, ainda faltavam algumas horas para a festa começar. Eu tive a ideia incrível de fazer uma entrada mais legal para mim. Claro, aqui tem que ser no estilo. Sair de um círculo de invocação, efeitos especiais, seria bem mais legal que aparecer pela porta. Enquanto o pai da Shiro me encarava com cara de quem estava vendo alguém fazendo besteira, eu estava lá preparando a fiação elétrica para os efeitos especiais sozinho. Eu li o livro e fiz vários testes para cosplay. Ia dar certo, já fiz isso antes. Enquanto eu me divertia preparando os efeitos, a hora da festa se aproximava. Faltando uma hora, eu tive que me arrumar de novo por estar todo sujo por ficar arrumando tudo. A cerimônia seria em um campo aberto, eu consegui esconder o led e o resto na grama. Tomando um banho rápido, eu logo me aprontei pra festa. E a festa como foi o início? Ah, meu amigo, eu tenho que zoar. Chegando todo estiloso, eu logo cheguei na mesa do DJ e já arrumei tudo pro baladão. Como era uma festa, ficar quieto no cantinho não ia rolar. Eu me joguei no meio da pista de dança rodeado pela galera. As garotas se aproximando, eu ensinando geral os passos de dança legais. Várias filhas de empresários ricos, e bem... Meu primo estava lá. Ajudar ele e os amigos dele com as garotas foi o meu entretenimento. Tudo estava bem, até que repentinamente uma garota com um corpo erótico, óculos que realizavam seus olhos azuis claros quase cobertos pelos seus longos cabelos dourados, se aproximou me pegando de surpresa.

-Ei, Andrei. Podemos falar sobre algo sério? – Sussurrou ela no meu ouvido. Curioso, eu apenas a segui. Chegando em um lugar um pouco mais vazio, ela tirou sua jaqueta.

-Ei, o que você... – tentei dizer até ser interrompido por ela colocando seu dedo em meus lábios como se fosse para mim fazer silêncio.

-Não tire conclusões precipitadas.- disse ela dando uma risada irônica. Confuso, eu apenas fiquei observando enquanto ela tirava do bolso de sua jaqueta um celular e procurava algo nele. Virando seu celular para mim, ela me mostrou uma conversa dela com o ser imundo e desprezível... Quer dizer, o Gil. Esse nome me dá nojo só de falar. Lendo o que estava escrito, aparentemente ele planejava algo para estragar a festa. Algum tipo de sabotagem à mim no meio dela.

-Então... Basicamente esse é o plano do meu irmãozinho. Como pretende lidar com ele? – perguntou ela cruzando seus braços.

-Espera... Irmão?- perguntei confuso por reflexo.

-Sim, meu nome é Enju. Eu sou a irmã daquela praga irritante. – respondeu ela.

-Eu agradeço a ajuda, mas por que? – questionei.

-Bom... Alguém tem que concertar a burrada dele, né? E também, assim você fica me devendo uma. E quem sabe no tédio, eu possa te pedir algo? Enfim, tenho que ir antes que nos percebam aqui. A não ser que planeje fazer algo comigo, até mais. – disse ela indo embora acenando com seu sorriso malicioso.

Sabendo do plano de sabotagem de Gil, eu apenas confiei nela e acabei tomando as medidas preventivas. Como ajudei meu primo, hora dele retribuir o favor. Imaginem uma versão minha mais nova e com cabelos e olhos castanhos. Esse era meu primo, Dean. Me aproximando, eu vi ele junto de uma das filhas dos empresários se pegando. Eu poderia ser babaca e atrapalhar ele, mas eu resolvi não fazer isso. Eu apenas fui atrás de Ayato. Como Ayato sabia de algumas histórias de Gil, ele com certeza iria ajudar. Chegando perto do bar, eu pude ver Ayato ao lado de Yui. Yui estava com um copo de vodka em sua mão enquanto Ayato tentava fazer ela parar de beber. Eu cheguei e me aproximei vendo Yui carente se agarrando à Ayato. E de novo, mais um descartado da lista. Ficando sem pessoas para pedir ajuda, eu apenas fui falar diretamente com o pai de Shiro. Ele acreditou pois Enju sempre dedurou os planos de Gil para ele. Eu não realmente sabia os motivos dela, mas ele disse que ela sempre demonstrou interesse em nos assistir de longe. Talvez ela visse alguma graça em nosso relacionamento, querendo ser um tipo de observadora. Talvez, mas eu não pude parar de pensar que ela tinha algum interesse em algum de nós especificamente. Deixando isso de lado, ele falou que iria resolver, então eu apenas deixei as coisas com ele. Parecia estar fácil demais, eu não podia parar de me preocupar. Enquanto a hora da cerimônia não chegava, eu fiquei algum tempo no bar bebendo refrigerante. Bom, como eu estava tenso, me dei ao luxo de pegar uma garrafa de Ice. Ok, eu ainda estava normal. Mais uma não faria mal. Eu acabei parando por aí por enquanto por que Ayato estava reclamando falando que não iria querer ter que cuidar de dois bêbados. Estranhamente eu não tinha visto Chelsea ainda. Eu não fazia ideia de onde ela estava. Talvez ela estivesse com Shiro. Eu me perguntava isso enquanto, escondido de Ayato, pegava mais uma garrafa de Ice. Voltando para a pista de dança, parecia estar tendo algum tipo de competição. Enju estava lá se divertindo jogando Just Dance contra Dean. Com minha garrafa em mãos, eu apenas fiquei vendo Dean levar uma surra de Enju. Foi um massacre total. Bom, só para me mostrar um pouco eu acabei tentando desafiar ela. Em uma disputa acirrada, acabamos empatando. Dando lugar para os outros jogarem, apenas voltei para o bar acompanhado dela. Enquanto eu estava na minha quarta garrafa, ela bebia vodka como se fosse água. Enquanto eu bebia a quarta garrafa, ela estava na terceira dose. O assunto foi desenrolando, até que começou a ficar um pouco mais profundo. Conforme o assunto desenrolava, ela acabou indo para a Ice assim como eu. Eu estava na metade da minha garrafa, ela estava no início da dela.

-Ei, Andrei. Você já reparou que sempre que Gil apanhava alguém iria repreendê-lo? – perguntou ela.

-Bem... Sim, mas eu nunca vi essa pessoa. E ele sempre se referiu a essa pessoa como bruxa velha. Então achei que ele se referia a sua mãe.- respondi.

-Ah, então aquele maldito me chamava assim... Bom saber. – Disse ela irritada.

-Ei, por que você se importava com isso? – questionei confuso.

-Bom... Eu meio que ficava com nojo só de ver aquilo. Ele era e ainda é patético. E bem... Eu não queria ele te perturbando. – respondeu ela.

-Por que especificamente eu?- questionei desconfiado.

-Bom, eu sempre gostei de te observar. As pessoas sempre foram entediantes, mas você nunca me entediou. Talvez por isso. – respondeu ela. Com sua resposta ficamos em silêncio por alguns segundos.

-Ei, Andrei. Sabe algum lugar onde eu posso ficar sozinha um pouco? Minha cabeça está começando a doer um pouco.- Pediu ela.

-Bom, tem a sala de espera. Podemos ir lá. – respondi levantando e estendendo a mão à ela.

Eu acabei a deixando lá e enquanto eu ia em direção a porta, escutei ela me chamar com uma voz baixa.

-Ei... Andrei, pega uma água para mim por favor? – pediu ela. Bom, eu apenas fui lá e peguei. Deixando a água lá, ela apenas segurou a manga de meu terno. Com um sorriso malicioso em seu rosto, ela se jogou em cima de mim me beijando de surpresa e envolvendo seus braços em meu pescoço. Seu corpo suando de tanto dançar, junto de seus lábios selvagens e de seu modo ... Diferente, de agir me preencheram de confusão. Aproveitar o momento ou sair de lá pois eu iria me casar em breve. Antes que eu pudesse escolher ela se afastou com seu rosto sorridente enquanto encarava meu rosto confuso.

-Bom... Eu tinha que tirar um gostinho antes de você se casar. – disse ela com seu sorriso malicioso. Sem palavras eu apenas fiquei sentado com minha mente confusa.

-Ei, a não ser que queira mais, recomendo você ir agora. Eu estou completamente bêbada e não tô nem um pouco afim de me segurar.- disse ela me empurrando de leve.

Eu apenas fui em direção às porta relutante. Parando em frente a porta, olhei meu relógio. Faltavam duas horas para a cerimônia. A festa havia começado as 19:00 a cerimônia começaria por volta das 23:00 e a festa voltaria meia noite. Eram ainda 21:30. Eu tinha meia hora antes de ter que ir tomar outro banho e trocar de roupa. Me virando, eu apenas olhei para Enju que abriu seus braços esperando que eu partisse para cima. Eu acabei usando o efeito do álcool para mentir para mim mesmo para que ficasse mais fácil aceitar esse desejo, mas foi uma decisão que aproveitei cada segundo do resultado dela. Me deitando sobre Enju eu só conseguia me concentrar nos lábios dela. Ela era experiente e ficava cada vez mais intensa em seus beijos. Cada pausa deixava em mim o desejo de ir para o próximo e a curiosidade de como ela superaria o anterior. Após esse tempo tendo meu corpo pressionado contra o dela e apreciando seus lábios, eu com muita dificuldade me afastei e fui direto fazer o que tinha de fazer. Tendo seu contato em mãos, eu prossegui com o pensamento se eu deveria mesmo estar fazendo aquilo. Começando os preparativos para a cerimônia, Shiro e eu trocamos mensagem planejando exatamente como seria a nossa entrada. Shiro chegou primeiro, sabendo exatamente o que fazer. Enquanto ela imitava o ritual de invocação de Fate, o led e as luzes funcionavam exatamente como esperado. Ninguém estava entendendo nada, só estavam encarando os efeitos especiais admirados. Em meio as luzes e à fumaça, sendo despercebido, eu apareci lá com o cosplay perfeito. Segurando a crise de riso, apenas prosseguimos com a cerimônia. A pior parte não era eu, era o padre estar vestido de Batman. Ouvindo as palavras do padre, não pude deixar de perceber a alegria e ansiedade no olhar de Shiro. Vendo o seu olhar repleto de paixão, não pude deixar de sentir um pouco de culpa pelo que havia acontecido com Enju. Eu consegui disfarçar até dela, pois sobre isso estava a felicidade de ser capaz de me unir pelo resto de minha vida a Shiro. O brilho encantador em seus olhos me deixava cada vez mais ansioso por seus lábios. Trocando os votos, fazendo as juras de amor com todo meu coração, ao ouvir a frase : pode beijar a noiva, eu rapidamente avancei nos lábios de Shiro. Não tentei manter aquilo por muito tempo. Uma cosia que aprendi com Enju era como deixar o gosto de quero mais. E indo com Shiro para trocarmos de roupa para voltarmos para a festa, enquanto eu as ajudava a tirar seu vestido, ela admirava a aliança em seu dedo.

-Ei, Andrei. O que acha de termos filhos? – perguntou ela sorridente e ansiosa pelo futuro.

-Não acha que devemos primeiro nos preocupar em terminarmos a escola e acharmos um emprego?- questionei.

-Bem, seu emprego já foi garantido quando nos casamos. Você é um dos herdeiros da empresa de nossos pais. Nós dois somos, assim como Chelsea.- respondeu ela.

-Ok, mas e a escola?- questionei.

-Podemos abandonar ela... Viver juntos em outro país e prosseguir com nossa família. – respondeu ela.

-Eu ainda acho meio cedo. Eu realmente prefiro esperar para filhos, essas coisas. Ainda temos 17. – disse eu tentando ser um pouco realista.

-Sem graça... – respondeu ela com um pouco de frustração e decepção em sua voz.

Voltando a festa, eu resolvi que não precisava mais me segurar sobre a bebida. Shiro e eu competimos para ver quem bebia mais. Mesmo eu tendo bebido antes, eu acabei ganhando dela. Enquanto ela não passou da terceira garrafa, eu na quarta após aquele período ainda conseguia ficar de boas. Eu estava completamente bêbado, mas ainda estava consciente. Ela queria mais, mas eu acabei não deixando. E a festa prosseguiu com nós dois fazendo altas merdas a festa inteira. E onde estava Chelsea? Quem vocês acham que estava administrando tudo? Eu também fiquei surpreso, mas fez todo sentido. Acabando a festa, tivemos que ir para casa sendo levados por Chelsea. Como era plena madrugada, ela acabou ficando no nosso apartamento. E assim se prosseguiu nossa madrugada, Chelsea virou brinquedo meu e da Shiro a noite toda e no dia seguinte teve que ficar cuidando de nós dois que estávamos morrendo por causa do álcool em excesso. Eu era para estar pior, mas Shiro estava pior que eu. Aparentemente ela conseguiu algumas doses de wisk escondida. E assim foi a cerimônia e o resultado dela. Foi como um casamento normal? Não. Eu nunca tinha ido em um para usar de referência, então foi assim que resolvi fazer junto de Shiro que passava mais tempo comendo que prestando atenção nas coisas.

Próximo capítulo “ o que afinal Gil havia aprontado?”

Até.


Notas Finais


Então, a história pode ficar um pouco... Fora do rumo, mas eu vou tentar deixar ela interessante de alguma forma. O que vai acontecer? Também não sei! Até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...