1. Spirit Fanfics >
  2. How (not) to search for drugs (a guide)- Byun Baekhyun >
  3. Chapter 9

História How (not) to search for drugs (a guide)- Byun Baekhyun - Capítulo 9


Escrita por: sla_com345

Notas do Autor


Bora pro cap 9?// boa leitura e aproveitem✨💚

Capítulo 9 - Chapter 9


Fanfic / Fanfiction How (not) to search for drugs (a guide)- Byun Baekhyun - Capítulo 9 - Chapter 9

Já era outro dia. Eu estava tão nervosa que nem sabia em como começar a arrumar tudo para eu buscar Jackson. 

Baekhyun deu sua cama para mim e ele dormiu no sofá. Admito que seus atos de cavalheirismo estão me deixando o admirar. Ontem, quando se aproximou de mim, eu fiquei totalmente extasiada, mas achei melhor não aprofundar muito naquilo. Ele vive demonstrando interesse em mim, mas eu não consigo fazer o mesmo, por causa do orgulho e timidez, e isso me irrita. 

-princesa. -escuto ele me chamar. Eu coloco o copo, onde estava bebendo água, na pia. Me viro para ele o dando atenção. -a gente precisa resolver aquilo. E falando nisso, quem é esse tal de Jackson? -pergunta curioso.

-ele trabalha comigo. -digo dando de ombros. 

-'ta, mas... vocês parecem ser bem próximos. Digo... é diferente dos outros funcionários, pelo que percebi. -ele se senta no banco e apoia os cotovelos no balcão. 

-hmm, sim. Somos bem próximos, ele foi a primeira pessoa que contratei. Estamos juntos nessa desde... sempre, desde quando eu comecei. -digo me escorando no balcão. 

-e ele mora na China né? -pergunta.

-uhum. -o respondo num murmuro. 

-ele é o motivo de você ficar no celular sempre? É ele que te liga? -dessa vez ele fecha um pouco sua expressão. 

-uhum, ele vive me ligando. 

-'pra que? -insiste.

-yah. Vai dar uma de intrometido agora? 

-só 'to perguntando, abaixa a guarda aí. -diz levantando as mãos para o alto em sinal de rendição. -é só curiosidade. 

Fico em silêncio. Ele parecia um pouco inquieto, queria perguntar mais coisas. 

-mas... depois dele, eu sou a pessoa mais próxima de você, né? -diz acabando com o silêncio.

-porque isso importa? -me pronuncio séria. 

-aah yaaah! Claro que importa! -aumenta sua voz. -mas ainda sou o segundo. -diz um pouco mais baixo.

-'tsc. -estralho a língua. 

Eu desvio meu olhar para outro lado e percebo ele me encarar, fico um pouco tímida então tento descontrair. Arranho minha garganta antes de falar.

-então, é... eu vou 'pra Hong Kong. -digo.

-é. -concorda e da uma pausa. -bom, vamos arrumar as coisas, quanto antes irmos, melhor. 

-'pera aí. "Irmos"? Você vai junto? -pergunto confusa.

-ué, claro que vou. Eu disse antes que ia embora com você. Porque ir para Hong Kong seria diferente? -ele se levanta e vai para seu quarto, me deixando na sala, tentando raciocinar. Oras, eu estava confusa, não pensei que ele iria mesmo comigo.

Logo vou atrás dele. Entro no quarto e o vejo pegando uma mala que estava na parte de cima do guarda-roupa. 

-eu não tenho roupas. -reclamo. -ficou tudo lá na minha 'casa. 

-eu sei. Eu compraria roupas para você, mas acho que não dá tempo. -diz colocando a mala encima da cama e a abrindo. -mas não se preocupe, eu te empresto umas roupas minhas. Só acho que as calças não vão servir, vão ficar caindo, mas as blusas não serão um problema, só vai ficar um pouco largo. 

-não precisaria comprar... -digo quase em um sussurro. 

-claro que precisaria. -discorda de mim. 

Fico quieta e o obsevo pegar algumas roupas, logo colocando-as dobradas dentro da mala. 

-não é muita coisa? -pergunto o vendo. 

-pode não ser. Não sabemos quanto tempo ficaremos lá, vai ver a gente fica dois dias... ou um mês. -diz parando de colocar as coisas na mala, para me olhar. 

-um mês?! É muita coisa, não exagere. -emburro. 

-vai que. -continua a fazer o que estava fazendo antes. -você tem passaporte?

-não... 

-então precisamos fazer um. -se senta na cama me olhando. 

-como? Se estamos sendo procurados pela polícia. -digo. -e também, eu consigo fazer um.

-falso, você quis dizer, né? Um passaporte falso. -diz. 

-exato. 

-aish, a gente 'ta cavando cada vez mais fundo a própria cova. -resmunga. 

-não tem outro jeito, Baekhyun. Não adianta reclamar. -digo brava. 

-mas como você vai fazer? -pergunta.

-é só ter papel, impressora e um pedaço de couro, para fazer a capa. É fácil, já fiz isso várias vezes, mas era para a minha identidade, sabe como é, não podemos beber com 16 anos... -digo sorrindo marota.

-aigoo, sua rebeldezinha. -diz sorrindo, ele se levanta e aperta minhas bochechas com delicadeza. 

-sai! -grito dando uns tapinhas em suas mãos. 

-agressiva. -se senta novamente na cama depois de bagunçar meus cabelos.

Eu sento ao seu lado, tiro os chinelos do pé, e coloco as pernas na cama, as dobrando. 

-você tem impressora? -ele assente. -e couro? Sabe, tipo... sei lá de uma roupa, ou de um sapato... qualquer coisa. -ele hesita em responder.

-é... precisa ser mesmo couro? Não pode ser... não sei, plástico? Ou papel mesmo? 

-claro que não! Ficaria muito diferente e ia dar de cara que é falsificado. Tem que ser couro! 

-bom... eu tenho uma bolsa... - -não deixo ele terminar de falar e me levanto, vou até seu guarda-roupa e começo a procurar a tal da bolsa. 

-cadê? -pergunta me escorando no móvel. 

-você vai mesmo ter que fazer isso? Vai cortar a bolsa? É da minha mãe, você não deixou eu terminar de falar. -vem ate mim e pega a bolsa que estava no fundo, escondida no meio das roupas. 

-ela vai sentir muito a falta? -pergunto. 

-acho que não... está aqui em 'casa faz mais de dois anos. -diz.

-ótimo. -pego a bolsa de sua mão. 

-vai fazer isso agora? -me pergunta.

-sim. -respondo como se fosse óbvio. -uma semana Baekhyun, temos uma semana. Quanto antes deixar tudo pronto, melhor, você mesmo disse isso. 


[...] 


Eu já havia imprimido as folhas para o passaporte, só faltava fazer a capa. E meu Deus, o tanto de folha, demorou um pouco para fazer pois eu prestei atenção nos mínimos detalhes. 

-nossa. -disse em alívio quando terminei de pegar a ultima folha que faltava para ser impressa. -pronto, agora só falta a capa. Mas eu não vou fazer isso agora, não. 'Mó preguiça. -deito por completo no sofá e me espreguiço. Percebo Baekhyun de olho em mim, prestando atenção em meus movimentos. 

-então não precisamos fazer muita coisa mais, né? Era só o passaporte mesmo. -ele diz querendo que eu confirmasse seu raciocínio.

-não tenho certeza, mas acho que sim. -o respondo fechando os olhos. 

Respiro fundo relaxando meu corpo no sofá macio. 

-só que tem a possibilidade de a gente não conseguir sair do país, você sabe né? -digo soando como um aviso. Eu abro os olhos e o observo, ele tinha uma expressão confusa. -a gente deve estar sendo procurados pela polícia, já. Espero que não falem para os aeroportos e nos coloquem como "procurados" neles, senão, já era. 

-a gente tem seis dias, acho que até lá ninguém vai ficar sabendo que somos criminosos, pelo menos não os aeroportos, afinal, somos traficantes, não assassinos. Não é um caso tão grave ao ponto de colocarem cartazes nos lugares públicos. -ele diz. 

Baekhyun estava querendo me acalmar, sua fala soou como uma consolação. Mas, não adiantou muito, eu estava muito nervosa e preocupada de perder Jackson, ele era uma pessoa muito importante para mim. Nunca me senti acolhida em toda minha vida, apenas quando eu o conheci, e mesmo a gente nunca ter se visto pessoalmente, eu ainda tenho um carinho enorme por ele, e sei que ele também tem por mim. Eu só não consigo me imaginar trabalhando sozinha, sem receber suas ligações todos os dias para a gente conversar sobre as encomendas, ou até mesmo quando ele fica com tédio e eu perco a paciência. Eu não consigo me imaginar perdendo tudo isso do dia para noite. 

Suspiro com os pensamentos longe. Me obrigo a parar de ficar pensando nisso. Fecho os olhos novamente e tento desviar para outra coisa, mas é inevitável, minha frustração é muito grande, não consigo evitar. 

-você 'ta bem? -escuto Baekhyun perguntar preocupado, mas eu não abro meus olhos. 

Não o respondo, apenas coloco meu antebraço na testa, tentando segurar a vontade de chorar. 

Escuto ele se levantar e sinto sua aproximação. O mesmo senta ao lado de meu corpo. Sua mão, que estava quente, toca em meu outro braço, que estava dobrado em minha barriga. Baekhyun acaricia o local e eu tenho mais dificuldade ainda para segurar o choro, algumas lágrimas caem de meus olhos, indo para as minhas orelhas, já que eu estava deitada. Não queria eu ele me visse assim, então eu movo meu braço, que estava na minha testa, para cima de meus olhos, constrangida com meus sentimentos. Não sou uma pessoa muito sentimental, mas tudo aquilo que estava acontecendo, me pegou de jeito. Eu estava com vergonha de Baekhyun me ver da forma que eu estava, eu me sentia muito frágil, fraca e vulnerável assim, não gostava disso, não naquela hora. Me seguro o máximo que posso, chorando silenciosamente, enquanto apenas sinto meu rosto se molhar com as lágrimas que caiam pelas minhas têmporas. 

-princesa... -ele me chama. Seu tom de voz estava doce, carinhoso. Ele queria me confortar mas, para mim, naquele momento, não ia adiantar muita coisa. 

Eu fico em silêncio, torcendo para que ele saia do cômodo e que me deixe sozinha, para que eu possa chorar e soltar tudo o que estou sentindo sem ele me ver, sem eu me sentir constrangida. 

-princesa, olha 'pra mim. -ele pede calmamente. 

Ainda em silêncio, eu me sento, dobrando as pernas. Limpo minhas lágrimas e esfrego meus olhos, tentando parar o aperto que sentia no peito. Fungo o nariz. Dou de ombros, fingindo que nada havia acontecido, que eu não estava quase desabando.

-precisamos terminar de arrumar as malas. -digo sem o olhar. 

Ele fica em silêncio, me encarando. Seu olhar era intenso, e eu, com vergonha, tentava evitar o máximo. 

-p-para de me olhar assim! -digo aumentando um pouco minha voz. 

Eu coloco minhas pernas para fora do sofá, afim de me levantar mas Baekhyun repentinamente me puxa para um abraço apertado. Suas mãos estavam em minha cintura, cobrindo toda a 'circunferência de minhas costas me puxando para ele, o que fez com que eu aproximasse meu rosto de seu ombro. 

Não digo nada, não tento me afastar. Apenas relaxo meu corpo, encostando meu rosto na curva de seu pescoço e ombro, logo coloco meus braços encima de seus ombros, o apertando da mesma forma que ele fazia comigo. 

-vai ficar tudo bem, princesa. -ele diz quase num sussurro, enquanto acaricia minha cintura e costas. Me aperta mais forte e eu levo minhas mãos para sua nuca, também intensificando nosso abraço. Logo as minhas lágrimas descem novamente, molhando seu pescoço, mas ele parecia não se importa com isso. Eu chorava em silêncio, não fazendo nenhum barulho, apenas algumas fungadas que dava no nariz. Não conseguia me soltar totalmente, eu queria, mas meu constrangimento não deixava. -eu 'to aqui. -diz agora acariciando meus cabelos. 

Seu corpo era quente, era bom me sentir acolhida assim por ele. O mesmo me acariciava, agora em silêncio, apenas me apertando mais contra ele. Seu aperto era firme, fazia eu me sentir confortável e segura, parecia que enquanto ele estiver me abraçando, nada iria acontecer, e como eu queria que isso fosse verdade. 

Após ficarmos um tempo naquela posição, eu me afasto devagar. Abaixo a cabeça e fungo o nariz, sinto seu olhar em mim. Evito o olhar.

-olha para mim. -pede calmo. Mas eu não o faço. 

Baekhyun insiste, segurando meu queixo e levantando meu rosto em sua direção. Eu o olho nos olhos, sua expressão era de apreço, apreço a mim. O mesmo tira seus dedos de meu queixo e pousa a mão em meu rosto, limpa com o polegar os resquícios das lágrimas, faz a mesma coisa com sua outra mão, no outro lado de meu rosto. Meu coração se acalma só com seu olhar, já estou mais calma, não sinto mais aquele aperto, que parecia que ia literalmente rasgar meu coração ao meio a qualquer momento.

-está melhor? -me pergunta manso. Eu respondo balançando minha cabeça para cima e para baixo, curtamente. -não fique assim, hm? -apenas o olho. Ele pedia, como se estivesse implorando. -não gosto de te ver triste. -da uma pausa. -'ta? 

-uhum. -respondo em um murmuro, olhando para baixo. 

-vai ficar tudo bem. -me puxa novamente para um abraço, não era tão apertado igual o de antes, mas ainda necessitado e doce. -a gente vai chegar lá, encontrar ele, e ele vai estar bem. -diz dando batidinhas em minhas costas a cada frase. 








Notas Finais


Ate o próximo ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...