1. Spirit Fanfics >
  2. How to become a liar >
  3. Fifteenth lie

História How to become a liar - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


gente DESCULPA a demora, mas é que meu pulso virou UM SACO DE OSSOKKKKKKKKKK mas agora melhorou viu
sobre o conteudo do capitulo, sim, eu vou enrolar vcs até nao poder mais

Capítulo 16 - Fifteenth lie


—É tão bom ficar aqui com você. — Kihyun sussurrou, mergulhado nos braços de Hyunwoo. —Eu odeio ficar na minha casa.

—Hmm... — Hyunwoo resmungou, alisando o braço pálido. —O que há de errado com seus pais?

—Uns idiotas. São completamente obcecados pela igreja. — saiu do abraço quente, bocejando e se sentando na cama. —A gente já deveria estar pronto pra sair, sabia? Minhyuk vai querer nossa ajuda.

—E como a nossa presença vai fazer isso ser menos estranho? 

—Eu não faço ideia. Mas Jooheon e Minhyuk acham que podem fazer funcionar. — deu de ombros. —Changkyun funciona sob pressão.

—Changkyun? O que ele tem a ver com o assunto? — Hyunwoo levantou da cama, uma expressão confusa enquanto buscava algum par de jeans no armário.

—Esqueci de te dizer? Todo mundo sabe que Jooheon gosta do Changkyun, eles estão sempre juntos fazendo as coisas deles e tal... Só quem não percebeu ainda é o Hoseok e o Changkyun que são dois tapados completos... — revirou os olhos, Kihyun vestiu os próprios jeans e uma camiseta de Hyunwoo. —E porque aparentemente Changkyun gosta de Hoseok. Já viu o jeito que ele olha para o WonHo? Eu já vi aquele olhar antes, no Animal Planet quando o leão estava prestes a pular na zebra e comer ela todinha. E agora que Hyungwon entrou no caminho, Minhyuk, que já tinha um tesão naquele nerd, achou que fosse um bom momento para tentar inclui-lo nessa putaria dele e de Jooheon.

—Hum... Complicado. Só Minhyuk para fazer a gente arrumar a vida daqueles dois nerds. — riu soprado, passando o cinto pela calça, com o tronco ainda nu.

—É por aí. Mas eles são legais, até. — deu de ombros, abraçando o namorado por trás. —Você fica tão sexy assim, sabia? Só de jeans. Parece o Christian Grey.

—Obrigado. Mas não gosto da comparação. Eu sou mais bonito que ele.

—Isso é verdade. — Kihyun sussurrou, beijando o meio das costas de Hyunwoo. —Agora, a gente tem que sair logo. Minhyuk está contando com a gente.

   Hyunwoo fez que sim, enfiando a mão dentro do armário e vestindo uma camiseta azul marinho de mangas curtas, a qual ficava coladíssima em seu corpo, com uma jaqueta de couro por cima e sneakers brancos. Precisou tirar também, do armário, uma blusa de tricô, e a jogou no corpo franzino de Kihyun antes de saírem de casa, indo de carro até onde Jooheon vivia com Changkyun e Hoseok, exceto que, Hoseok e Hyungwon estavam fora, na casa dos pais do Shin, e Kihyun achava um absurdo que Hyungwon estivesse indo visitar os sogros, algo que nunca havia acontecido antes.

   E era até melhor assim, nunca se sabe quando pode ocorrer uma briga por ciúmes, Changkyun poderia rasgar a garganta de Hyungwon para ficar com Hoseok, ou Hyungwon poderia arrancar os cabelos de Changkyun para ser deixado em paz com o namorado, nunca se sabe. Além disso, tanto Kihyun quanto Hyunwoo estavam tensos, não sabiam como o Lim iria reagir, talvez até se sentisse traído por Jooheon, e então se sentiria sozinho, e isso não seria coisa boa. Kihyun, na verdade, o conhecia mais do que queria admitir.

   [...]

   Kihyun chorava compulsivamente, engasgando-se e soluçando, com lágrimas que pesavam toneladas escorrendo no rosto, as mãos estremeciam, se encolhia no banco, vendo o sol se por, completamente sozinho no rooftop. Não sabia o que estava acontecendo... Entrou naquele estado quase catatônico depois de ver Hyungwon saindo da escada de incêndio com Hyunwoo. Realmente gostava de Hyunwoo, principalmente depois do dia que ele lhe defendeu de um de seus ex's malucos e perseguidores, seu coração havia começado a bater diferente, lembrava-se muito bem de Chanwoo, a forma que ele não aceitou o fim do namoro e nem Minhyuk conseguiu afastá-lo. Estavam conversando atrás do prédio da faculdade, até que Chanwoo começou a levantar a voz e ficar mais agressivo, e, quando estava prestes a esbofetear a cara de Kihyun, algo o impediu.

   Quando abriu os olhos viu que era Hyunwoo, que, dentre muitas coisas, havia o botado pra correr "você não pode bater nas pessoas", "só um covarde faria isso com Kihyun", "você não é homem de verdade", "se eu te ver fazendo isso de novo, eu acabo com a sua cara". E então estava a sós com o Son, que perguntou se estava bem e depois lhe levou para tomar chá de bolhas. Não haviam se tornado realmente amigos e nem se falaram muito depois do ocorrido, mas Kihyun sabia que estava caidinho por Hyunwoo, e sem a mínima coragem de chegar perto: como que iria competir com Hyungwon? Logo Hyungwon que tinha um par de pernas perfeitas, um andar imbatível e uma beleza inigualável!

  Então o que faria? Nada além de chorar. Porque Hyunwoo era inalcançável. Então chorou, chorou como se não houvesse amanhã. Só não esperava ser descoberto.

—... Tá tudo bem? — ouviu, um sussurro tímido.

  Quando olhou para trás, viu que era Changkyun.

—Estou bem. — fungou, ajeitando a postura.

—Não parece muito bem. — o Lim sentou ao lado de Kihyun. —Não precisa falar nada.

  Mas Kihyun o abraçou, se enfiando no corpo de Changkyun, voltando a chorar como um bebê.

—... É que... Tem... Tem esse cara que eu gosto. — sussurrou, entre engasgos e soluços. —Hyunwoo. Eu gosto muito dele. Mas ele está com o Hyungwon... Sabe? Chae Hyungwon. Como que eu vou competir com ele? Ele é perfeito!

—Você é tão bonito quanto ele. — Changkyun o consolou. —E, não me entenda mal, mas Hyungwon é só... Um vadio. Ele não namora com ninguém. Logo logo o Hyunwoo dispensa ele e... O caminho vai estar livre para você.

   Kihyun levantou o olhar.

—Você acha? Acha isso mesmo? — perguntou.

—Sim. — assentiu, com um sorriso. —Sabe de uma coisa? Eu também gosto de alguém... Mas não tenho coragem de falar. 

—Sério? Quem?

—Meu melhor amigo. Shin Hoseok. Mas a verdade é que tenho medo de estragar a amizade... E não sei se ele interessa por relacionamentos.

—Uau... — murmurou, o olhando. —Você deveria dizer. Se ele não se interessa por relacionamentos, vai começar a se interessar na hora que você falar com ele.

   Changkyun sorriu, concordando com a cabeça.

—Talvez eu faça isso.

—Sim. — o ruivo arrumou o cabelo. —Obrigado, Changkyun.

—Hã? Você me conhece? — perguntou, surpreso.

—É claro. Minhyuk, meu amigo, tem uma quedinha por seu amigo Jooheon. — riu baixinho. —Eu sou Kihyun, a propósito.

—É um prazer te conhecer, Kihyun.

—O prazer é meu. E... Obrigado, Changkyun.

[...]

   Kihyun suspirou, engolindo em seco, deslizou a mão para a coxa de Hyunwoo, apertando com suavidade, deitando a cabeça no ombro largo e forte: independente do que acontecesse, não se permitira perder Hyunwoo. Lembrava-se muito bem de como ficou feliz quando Minhyuk disse que havia saído com Hyunwoo, e que ele queria conhecer Kihyun melhor, finalmente. Agora que o tinha, lutaria contra tudo e todos para não perdê-lo.

   Logo que chegaram na casa bonita de dois andares onde viviam Jooheon, Changkyun e Hoseok, estacionaram na calçada, sairam do carro e bateram na porta, cuja qual havia sido atendida com Minhyuk, que tinha um sorriso enorme e chupões no pescoço.

—Ai meu Deus. — o Lee exclamou, abrindo espaço para os dois entrarem. —Vocês vieram mesmo, que bom. Céus.

—Claro que viemos, seu idiota. — Kihyun revirou os olhos, o abraçando. —Está tudo bem?

—Sim, está sim. — sorriu, mas depois desfez o sorriso. —Jooheon está bêbado. E tentou beijar o Changkyun, que está muito puto trancado no quarto.

—Por que?! — Kihyun avançou dentro da casa, vendo Jooheon sair do banheiro, completamente tonto.

—Como isso aconteceu? — Hyunwoo perguntou, correndo para Jooheon, o segurando antes que caísse no chão.

—A gente foi jogar uno, e toda vez que tinha que comprar carta, tinha que virar um shot de tequila... Mas o Jooheon não sabe jogar uno. — Minhyuk lamentou, correndo até o namorado, sentado no sofá. —Você tá bem, meu amorzinho?

—... Eu te amo muito, você parece um cachorro lindo... Um... Um vira latinha, sem raça definida, ou um labrador, um corgi, eu te amo meu deus do céu puta que pariu. — Jooheon caiu no colo de Minhyuk, abraçando a cintura fina, e então soluçou. —Por que o Changkyun não quis me dar um beijo? Por que, Jesus? Eu te amo tanto Minhyuk, você é melhor que a minha mãe, sabia? Por que eu te amo tanto? Por que o Changkyun não quer a gente?

—Porque você tá fedendo a pinga. No mínimo. — Kihyun resmungou, batendo a palma na testa. —Amor, por favor, você pode cuidar... Disso? Irei falar com Changkyun.

  Hyunwoo levantou o polegar em sinal positivo, pegando um balde para o vômito e procurando qualquer coisa para cortar o efeito do alcool. Kihyun subiu as escadas, mas facilmente encontrou o quarto de Changkyun, era o único com a porta fechada. Respirou fundo, batendo algumas vezes antes de ouvir um estrondo e um grito de dentro, "cai fora, Jooheon!".

  Mas então apenas abriu a porta, colocando a cabeça para dentro, viu Changkyun mudar a expressão, a suavizando, mas ainda tinha o rosto molhado de lágrimas e quase todo vermelho, principalmente o nariz e as bochechas. Quando viu Kihyun, se afundou numa poltrona, respirando fundo. O Yoo fechou a porta, sentando no chão, na frente a poltrona, e não falou nada. Encarou Changkyun em silêncio durante uns longos segundos.

—Eles acham que podem brincar com meus sentimentos. — Changkyun sussurrou. —Não é justo. Eu já perdi o Hoseok para aquele...! ... E então meu único amigo verdadeiro vem me dizer que gosta de mim... E Minhyuk diz a mesma coisa mas... Isso não é justo.

—Não é mesmo. — Kihyun concordou. —Acho que você deveria mesmo é ficar aqui chorando no quarto, e deveria ignorar o Jooheon também. E o Minhyuk, ignore todo mundo e se afunde na sua tristeza até não aguentar mais a própria existência.

—... Parece bem deplorável por esse ponto de vista. — murmurou.

—Sim. — concordou. —... Eu sei que o jeito que as coisas aconteceram hoje foram bem caóticas, mas eu não duvido dos sentimentos do Jooheon e  Minhyuk. 

—Então por que nunca falaram nada antes? — Changkyun questionou, cruzando os braços. —Por que nunca desconfiei de nada? Jooheon nunca demonstrou nada!

—Talvez... Ele tivesse medo de estragar a amizade, mas com Minhyuk... Pode ser que depois que começou a ficar sério com o Minhyuk, ele tenha outra perspectiva. Mas você precisa pelo menos tentar, Changkyun, com eles ou com outra pessoa, não pode ficar estagnado esperando pelo Hoseok... — Kihyun talvez tivesse deixado escapar informação demais.

—Eu amo o Hoseok. — afirmou, contrariado. —Nada vai mudar isso, eu não vou desistir dele. Sim. Hoseok está sendo um idiota, porque Hyungwon não passa de um cão no cio, uma hora não vai mais conseguir segurar e vai trair o Hoseok, e quando isso acontecer, eu vou estar do lado do Hoseok, e ele vai entender que eu sou o único para ele.

   Ouvir aquilo assustou a Kihyun. Sim. Porque Changkyun parecia potencialmente obcecado com WonHo, e imaginava o que ele planejaria fazer caso Hyungwon e Hoseok fossem almas gêmeas. Era destrutivo, era destrutivo para Hyungwon, Hoseok e para si mesmo. Até onde ele iria pela obsessão que sentia? A hipótese lhe dava alguns calafrios. Mas não era sua batalha, afinal, então apenas tentaria apaziguar a situação da melhor forma possível.

—Certo. Então por que não descemos e fazemos algo? Perdoe Jooheon. Você não quer acabar com a amizade de vocês, certo?

—De jeito nenhum. — suspirou, pegando uns lenços e limpando o rosto. —Jooheon é meu melhor amigo. Ele pode me atropelar e eu o perdoaria.

—Então faça isso, e vamos passar um tempo legal juntos. Deixe esses assuntos para depois.

   E era isso. Era exatamente isso. Kihyun e Changkyun desceram, Jooheon havia comido doces o suficiente para ficar um pouco mais sóbrio, e todos passaram o tempo comendo, conversando sobre trivialidades, vendo filmes e jogando.

  Mas Kihyun ainda tinha medo. Medo do que Changkyun poderia fazer e medo de perder Hyunwoo, sim, porque se Hoseok e Hyungwon terminassem, e Hyungwon decidisse voltar com Hyunwoo, então Kihyun não teria a menor chance de competir. E não poderia perder a única pessoa que amou verdadeiramente, não, de jeito nenhum. Planejava uma vida com Hyunwoo, planejava tudo com ele, praticamente morava com ele, já, ele era tudo para si, sua salvação.

   Quando foram embora, bem mais tarde, a preocupação em seu rosto não passou batido, e, entre um sinal vermelho e gotas de chuva que eram levadas pelo limpador de parabrisa, Hyunwoo achou a brecha para perguntar o que causava aquela expressão magoada e preocupada.

—O que aconteceu? — perguntou, olhando para o mais baixo. —Você parece preocupado.

—Nada... — mentiu, sorrindo no final. Mas Hyunwoo apenas levantou uma das sobrancelhas, desacreditado. —... Promete que não vai me trocar pelo Hyungwon?

   Son Hyunwoo engasgou, tossiu, confuso. O sinal abriu e seguiu com o carro.

—Que...?

—Se ele terminar com Hoseok, e então te procurar, promete que vai negar? Eu tenho medo, Hyunwoo. — confessou. —Não tenho como competir.

—Não é uma competição, Kihyun. — o Son disse, simplesmente, com os olhos que alternavam entre a estrada e Kihyun. —Sei que tenho uma história com Hyungwon, e não vou mentir, eu realmente me importo com ele, ele é frágil e não tem ninguém que olhe por ele. Mas... Agora que o namorado dele está mais presente, não tenho que me preocupar tanto. Só que, Kihyun... O ponto principal é que você quem me mostrou o que é amar. Me mostrou o que é ter um amor tão grande que não cabe no peito, que me faz ter vontade de gritar para o mundo todo saber o que você significa para mim. Com isso que não se compete, Kihyun. Mesmo que você pense o contrário, o único imbatível é você.

  Então parou o carro na frente do prédio, olhando para Kihyun, que tinha os olhos brilhantes e com certas lágrimas presas. Não respondeu, apenas o beijou, segurando com força nos cabelos pretos, e, de repente, todos os problemas e preocupações foram embora, Changkyun não lhe perturbava mais a mente, não se sentia mais responsável pelas pirraças de Minhyuk e Hyungwon não era mais um monstro ameaçador. Tudo estava em seu devido lugar.

   Kihyun estava em seu devido lugar, exatamente onde deveria estar: nos braços de Hyunwoo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...