História Hunters - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias My Chemical Romance, Supernatural
Personagens Bob Bryar, Frank Iero, Gerard Way, Mikey Way, Ray Toro
Tags Frerard, Killjoy, My Chemical Romance, Supernatural
Visualizações 2
Palavras 2.553
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei, mas cheguei. Se atrasar culpe minha faculdade, minha semana de provas tá chegando e trabalhos e pá.
Comenta se você quiser.
Não se esqueça de beber água e se manter hidratado, principalmente se vc tá em SP nesse calor de Danger Days, pqp.
xoxo

Capítulo 3 - Bobby Singer


Fanfic / Fanfiction Hunters - Capítulo 3 - Bobby Singer


Quando chegaram no hotel já havia anoitecido, nem viram o tempo passar, Frank sentou em uma das camas de solteiro com cobertas floridas toda desarrumada, Gerard foi até uma mochila jogada em um canto e retirou um kit de primeiros socorros de lá de dentro, se sentou ao lado de Frank e segurou o rosto do moreno analisando os ferimentos leves, sentiu o rosto do mais baixo esquentar levemente sob suas mãos, Iero afastou as mãos do outro e desviou o olhar do sorriso dele. 

Abrindo o kit medito, Gerard pegou antisséptico e um pano e começou a limpar os cortes superficiais no rosto de Frank com um sorrisinho nos lábios quando o menor corava e seus olhares se cruzavam.

-hm… -Frank disse-…você estava muito badass quando chutou a porta da casa daquele jeito…

-E isso é bom? 

-Be… Bem… é qu.. que você não parecia muito o tipo de cara que chega metendo o louco, quer dizer, não te conheço bem, mas é que você parece mais uma pessoa doce do que uma que chega arrombando portas e…

-Frank… -o baixinho estava nervoso e não parava de falar, Gerard pensou em como aquilo o deixava fofo, mas não conseguia entender tudo o que o outro dizia pela rapidez das palavras que as vezes se embaralhavam.

- …não que isso seja ruim, eu gosto de você doce, não que eu não goste de você sendo todo fodão também, eu gosto, eu só fiquei…

-Frankie! -Gerard colocou os dedos na boca de Iero fazendo-o se calar no mesmo instante e se arrepiando com o apelido , ele riu da expressão do menos e continuou- Se acalma.

-E… eu t…to calmo! -ele respondeu gaguejando e sabia que as bochechas estavam coradas por aquilo não sair da maneira que ele queria, ou talvez porque estava muito perto de Gerard e podia sentir seu hálito quando ele dava aquelas risadinhas. “Perfeitas risadas, pra um sorriso perfeito” Frank pensou sentindo o coração acelerar “O que?! Qual seu problema Iero?!”

-Estou vendo Frank fucking Iero, matador do demônio de Jersey, corar?! -Quem dizia agora era uma voz de uma terceira pessoa, Mikey estava no quarto e nem haviam notado, Frank se afastou um pouco de Gerard e fuzilou o loiro com o olhar.

-Eu não estou corado! -Frank dizia parecendo uma criança birrenta.- Eu não coro!

Ele revirou os olhos e cruzou os braços irritado consigo mesmo, não sabia porque estava agindo daquele jeito, geralmente quando queria dormir com alguém ele só mandava uma cantada tosca, um sorriso e pronto, tinha uma boa noite de sexo e saía antes do sol nascer, mas Frank não tinha ideia do porque estava tão agitado e ansioso perto de Gerard, ele sentia que seu coração iria explodir toda vez que ele olhava aquele sorriso e os dentinhos entre os lábios rosados.

-De qualquer forma -Mikey disse pegando um controle, ligando a pequena televisão em frente a eles, se sentou na cama vazia e arrumada ao lado- tem algo mais importante do que você querer dar pro meu irmão.

Ele mudou de canal até um de reportagem aparecer com diversos bombeiros, policiais e pessoas curiosas, tiveram certeza de que eles estavam investigando a casa que eles queimaram o Rugaru, já não havia fogo e não havia tanta destruição como eles pensaram.

-...até agora foram encontrados restos de corpos do andar de cima, -dizia a repórter no local do crime- os legistas na área estimam ser de pelo menos três pessoas diferentes, não se sabe ao certo o que causou essa atrocidade…

- Três corpos?! -Frank arregalou os olhos para Mikey.

-Parece que Lisa não foi a única… -Mikey disse olhando para seus tênis.

-MERDA! -Gerard disse passando as mãos pelo cabelo- nós o achamos tarde demais…

-Gerard, -Mikey olhou para o irmão- não dá pra salvar todo mundo…

-Mais três pessoas foram mortas por causa disso, Mikey! Devíamos ter… pelo menos…

O ruivo suspirou, estava cansado do dia, ele só queria dormir um pouco.

-Acho que é melhor darmos o for a dessa cidade -Frank disse, mesmo sabendo que podia não ser o melhor momento para aquilo- não vai demorar pra que comecem a procurar por suspeitos…

Eles concordaram em seguir adiante. Frank saiu do hotel ainda com o corpo dolorido deixando os irmãos Way, entrou em seu carro e tentou dar partida, mas não funcionava, tentou pelo menos mais duas vezes, mas tudo o que conseguiu foi fazer uma fumaça sair do capô, ele bateu no volante e gritou, estressado. Saiu do carro e abriu o cabo da lua lata velha com mais fumaça saindo, tentou achar o que estava de errado chegando a conclusão de que tudo naquele carro estava errado.

-Devia aposentar ele. -A voz de Gerard disse atrás de Frank que levou um susto e se virou.

-Era do meu avô… não queria me desfazer dele, mas… não tenho outra escolha…

-Eu conheço um cara que tem um ferro velho, pode deixá-lo lá, ele é gente boa e um excelente caçador, não sei se vai conseguir consertar seu carro, mas vai cuidar bem dele, vamos! A gente te dá uma carona.

Frank lhe deu um sorriso e agradeceu. Mikey apareceu saindo do quarto de hotel carregando algumas malas.

-Se não for incomodar as duas princesas, será que dá pra dar uma ajudinha aqui?!

Gerard riu e foi até o irmão ajudá-lo e Frank foi pegar algo para rebocar seu carro.

Logo, os três se viram na estrada, Mikey dirigindo, Gerard tocando baixinho ao seu lado com a boca aberta e Frank observando o caminho.

Já estava amanhecendo quando Gerard acordou assustado com um alto som de buzina e Mikey e Frank rindo descontroladamente.

-SEUS…- Ele colocou a mão no peito tentando se acalmar, então lembrou que sua camiseta estava com um rasgo enorme.

-Você tinha que ver a sua cara! -Frank disse entre risos e Gerard revirou os olhos.

-Onde estamos, afinal?! 

-Acabamos de chegar no Bobby! -Mikey disse saindo do carro, e os outros dois fizeram o mesmo. 

-Olha quem resolveu aparecer! -Um homem velho e baixo e um pouco gordo apareceu do meio dos carros empalhados e abraçou Mikey e Gerard, ele tinha uma barba grisalha e um boné azul e usava roupas sujas.- E quem é o baixinho?

-Falou o jovem alto! -Frank disse zombando do velho, que lhe lançou um olhar mortal.

-A sua mãe não te ensinou a respeitar os mais velhos, garoto?! -Bobby disse, nem conhecia o rapaz, mas o achava com um ego muito grande.

-Ela tava ocupada me ensinando a caçar -Frank rebateu como se fosse uma criança de cinco anos.

-Bobby… -Gerard disse se divertindo com a situação- …esse é Frank Iero, ajudou a gente com um Rugaru ontem, Frank esse é Bob Singer.

- …Iero? -o velho ergueu as sobrancelhas e olhou para o mais baixo- Você é filho da Linda?

-O próprio! -Frank disse sentindo orgulho ao lembrar de sua mãe. Bob olhou para Mikey e Gerard e disse com cautela:

-Ouvi dizer que matou o Diabo de Jersey, é verdade?

-O que tem pra comer na sua casa, Bobby? -disse Mikey desviando o assunto e passando por nós em direção a casa no centro do ferro-velho.

-Espera aí, rapaz! Não vai entrando assim na casa dos outros! -Bob disse indo atrás de Mikey. Gerard sinalizou para Frank seguir, eles quase foram atropelados por um Impala 67 preto que passou às pressas.

A primeira coisa que Frank notou quando entrou na casa de Bob foi a quantidade de livros espalhados na sala ampla e tudo cheirava a mofo, enxofre e temperos.

-Argh! Bobby! -disse Gerard torcendo o nariz- o que você tava fazendo? Exorcizando um demônio?

-É melhor nem saber… -ele respondeu cansado e se sentou em um sofá em baixo de uma grande janela. Mikey foi para a cozinha, gavetas abertas, talheres no chão, parecia que um furacão passou por ali, então o loiro resolveu recolher as coisas e guardar tudo no lugar para ajudar Bob.

-Então rapazes, o que querem de mim hoje? -o velho continuou responda-nos as mãos nas próprias pernas.

-O carro de Frank decidiu desistir da vida -Gerard disse indo em direção aos livros.- disse que podia deixar aqui, será que você pode dar uma olhada?

Bobby olhou irritado para Frank.

-Claro… mas só porque são vocês que pediram, e por Linda.

-Eu não pedi nada! -Mikey gritou do outro cômodo. Frank suspirou e revirou os olhos. Gerard se sentou ao lado de Bob com um livro velho e grande nas mãos o título estava em latim, e a única coisa que Frank sabia em latim era o exorcismo e as vezes errava o que quase custava a vida dele quando tinha que enfrentar um demônio.

-Okay… -Bobby se levantou e Mikey foi até a sala com uma torrada em mãos, olhou para seu irmão mais velho que ignorou o olhar do mais novo, Singer sentiu uma tensão entre eles- …vamos Iero, vou dar uma olhada no seu carro.

Eles saíram da casa deixando os Way sozinhos. Frank e Bobby foram em direção ao uno caindo aos pedaços, o velho abriu o capô do carro e uma fumaça saiu.

-Está assim desde ontem à noite -Frank explicou- nem adianta tentar ligar, acho que não tem mais jeito.

Bobby mexeu em alguma coisa fazendo um barulho estranho e a fumaça parou.

-Filho, você devia procurar outro carro -Bobby disse- ele até pode voltar a andar por um tempo, mas vai acontecer a mesma coisa e uma hora vai parar de vez.

Frank suspirou, ele não queria se desfazer do carro, mas não viu outra opção.

-Era da sua mãe? 

-Sim… e antes disso do meu avô -Frank soltou uma risada fraca- ela vivia reclamando desse carro, dizendo que iria botar fogo nele.

-Você se parece muito com ela -Bobby disse- teimosa, sempre com uma resposta na ponta da língua! 

-Você conheceu ela?

-Trabalhamos juntos em um caso na Itália há muito tempo.

-Ela me contou que viajou pra lá uma vez, mas ela nunca me deu detalhes, não achei que fosse uma caçada.

-Isso foi quando ela ainda estava com o Franklin, ele descobriu naquela época que era caçadora e logo depois que engravidou e…-Bobby parou por um segundo arregalando os olhos como se tivesse tido uma epifania e começou a andar em direção a casa, antes de chegarmos a porta da frente, Gerard saía da casa batendo à porta da frente com força.

-Gee, o que aconteceu? -Frank perguntou preocupado.

-Mikey é um imbecil!

-Sem tempo pra suas discussões amorosas, princesas -Bobby disse irritado passando por Gerard.

-O… o que deu nele? -Gerard perguntou chocado e Frank deu de ombros também confuso e seguiram Bobby. O velho abria diversas gavetas procurando por algo.

-Pode dizer o que você tá procurando? -Gerard bufou.

-Aqui! -Bobby puxou um envelope de uma das gavetas e apontou para Frank- sua mãe me entregou isso na Itália, eu não tinha entendido muito bem o porquê, mas ela disse que foi numa vidente, era Linda então claro que eu iria fazer o que ela pedisse.

Frank pegou a carta com as mãos um pouco trêmulas e só ficou encarando o papel, era óbvio para ele que sua mãe tinha segredos, como a viagem para Itália, ou pra onde foi o pai dele, Frank respirou fundo e se sentou em uma cadeira num canto da sala, com calma, abriu o envelope e puxou um papel escrito a mão com a letra de sua mãe.

“Frankie,

Espero que Bobby chora a promessa de entregar isso a você, confio minha vida a ele e sei que você também pode confiar.
Escrevo isso da Itália pra responder algumas coisas que sei que talvez você esteja se perguntando, como quem é seu pai e essas coisas. Bem, nesse momento você está aqui dentro da minha barriga e seu pai bem longe de mim… depois de descobrir que sou uma caçadora ele achava que eu estava doente e foi embora, eu espero muito que não vá atrás dele, não vale a pena. 
Tem uma coisa muito mais importante que eu devo dizer… eu fui em uma vidente, sei que a maioria são charlatães mas essa se chama Oráculo, e tenho absoluta certeza que é confiável e também e bem famosa no meio dos caçadores, ela me disse algumas coisas que eu devo alerta-lo!! Frankie, existe uma nova organização de vampiros surgindo perto de Nova York nesse momento, mas eles no são levado a sério por ninguém e parecem inofensivos, mas o que o Oráculo me contou é diferente, disse que eles são muito perigosos! Depois que eu voltar da Itália eu vou caçá-los! Lógico que primeiro eu vou que cuidar de você, não quero que nada de ruim aconteça com meu bebê… 
O que quero dizer é que, talvez esse grupo esteja esperando o momento certo pra atacar… eu não sei… mas se tudo o que a vidente me disse for verdade, a humanidade corre grande perigo Frankie! Só quero que tome cuidado com eles se for verdade… eu vou tentar pará-los mas em todo caso quero que mantenha distância deles… se o Alpha estiver envolvido nisso só o colt pode matá-lo, mas está perdido há anos!
Eu preciso ir agora, Bobby precisa de ajuda! Não importa o que aconteça, eu já te amo Frankie! 

Linda Iero.” 

Frank ficou estático passando os olhos pela carta diversa vezes sem saber o que dizer.

-Vamos lá , garoto! -Bobby disse o tirando do transe- o que diz a carta?!

-Ela… ela… -Frank tentava na gaguejar enquanto falava-… quando ela morreu por aquele ninho de va… vampiros… ela estava tentando… ela…

Gerard colocou uma mão no ombro, tentando o acalmar Frank que soluçava um pouco. O mais baixo passou os braços nos pela cintura e eles se abraçaram em uma posição esquisita por um deles estar sentado.

Mikey pegou a carta e leu uto a Bobby ficando com a boca entreaberta.

-Vampiros? -Mikey disse.- acha mesmo que estão tramando alguma coisa? 

-Se minha mãe disse que estão -Frank disse levantando o rosto para olhar severo para Mikey- não tenho dúvidas que vão sair por aí acendo uma revolução vampiresca ou algo do tipo!

Mikey olhou para Bobby que disse:

-Vocês vão ter que conferir isso, não acho que isso apenas seja um devaneio de Linda, e ela… morreu por um ninho deles!

-Vamos atrás deles! -Gerard disse decidido.

-Me liguem se precisarem de alguma coisa.

-Você não vem? -Mikey perguntou.

-Você acha que são os únicos caçadores no mundo?! -Bobby disse indignado- Eu estou tentando impedir o fim do mundo aqui!

-O que? Como assim?

-Tipo apocalipse? -Frank se levantou.

-Esse assunto não interessa agora, vão logo! Antes que eu tenha dia fim de mundo pra impedir! Vão, seus folgados!

Os três pegaram um pouco de suprimentos com Bobby e saíram em direção ao carro dos Way.

-Eu vou tirar um cochilo -disse mikey entrando no banco de trás -Gerard, dirige, precisamos estar num hotel antes…

- … antes do sol se pôr, eu sei. -Gerard resmungou e entrou no banco do motorista e Frank no banco ao lado, Frank se perguntava o que eles discutiam antes de Gerard sair da casa quase explodindo, mas achou melhor não perguntar nada, por enquanto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...