História Hunter's Family - Capítulo 15


Postado
Categorias Supernatural
Personagens Amara, Anna Milton, Bobby Singer, Castiel, Claire Novak, Crowley, Dean Winchester, Personagens Originais, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester
Visualizações 18
Palavras 1.523
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Cap escrito por mim @ladymoonlight89
Espero que gostem! 😘💕

Capítulo 15 - Você Ainda Cuidaria de Mim?


Fanfic / Fanfiction Hunter's Family - Capítulo 15 - Você Ainda Cuidaria de Mim?

Lis Winchester


Depois da discussão que tive com meu pai , simplesmente saí de casa. Não tinha mais nada pra falar com ele. O que estava guardado comigo durante anos foi expelido.

Mas apesar de tudo , ele é meu pai...por mal ou bem , ele é meu pai.

Ele é Dean Winchester.

Peguei a estrada sozinha e fui até o bunker pegar minhas coisas. Claire surtou ao me ver lá. Ela não esperava por esse choque. Nem eu.

Passei a noite toda dirigindo por qualquer estrada. Eu só queria esquecer de tudo o que aconteceu.

Já era por volta de duas da manhã, quando resolvi ir dormir um pouco , no banco da frente do Dodge. Lena sempre dorme atrás.

Mas antes de dormir , abri o porta luvas e procurei por algo que sempre me acompanhou durante todos esses anos de solidão : um anel que era do meu pai...a última coisa que ele me deu antes de sumir. Eu tinha seis anos.

Flashback ON : 

-Ah papai! Que anel mais bonito! - falei entusiamada ao olhar par seu dedo.

Ele sorriu.

-Gostou ?- perguntou sorrindo.

-Muito!

Ele me olhou , sorriu e retirou a peça do dedo.

-Agora ele é seu. - falou sorrindo.

-Mas não cabe no meu dedo...olha...-falei mostrando meu dedo à ele. - meu dedo é pequeno! - falei emburrada.

-Meu amor , você vai crescer e sua mãozinha também! Você só tem oito anos! Ai quando você tiver maior , ele vai caber no seu dedo direitinho! - ele disse calmo.

-Como vou guardar ele? - indaguei.- eu não quero perder.

Ele me olhou com uma cara engraçada e riu.

Meu pai retirou uma corrente prata que havia em seu pescoço , passou o anel por ela , formando assim um pingente.

-Prontinho! - ele disse a colocando em meu pescoço.

Sorri.

-Isso é pra você se lembrar que não importa onde você esteja ou o que você faça , sempre estarei com você.

Nos abraçamos.

-O papai te ama meu amor...te amo muito...nunca vou deixar você.

-Promete? - indaguei

-Prometo...sabe por que? - ele perguntou - porque os pais nunca abandonam seus filhos...nunca.

Flashback OFF

É...ele nos abandonou...

Me abandonou.

Nunca mais eu havia colocado aquele anel no meu dedo...

Mas de certa forma , direta ou indiretamente , meu pai estava comigo.

Fiquei com a peça nas minhas mãos e fui dormir. Aquilo foi o único jeito de ter ele comigo , perto de mim. Eu chorei por horas , lembrando de tudo o que passamos juntos...sei que foi pouco , mas aquilo ainda me fazia feliz.

Hey pai...você ainda cuidaria de mim , como você sempre dizia? 


Ele estava perto , porém longe...

É estranho.

(...)

Horas mais tarde acordei com os fortes raios de Sol invadindo a janela do carro. Fechei os olhos e bocejei.

Peguei meu celular e olhei as horas : já eram nove da manhã.

Rapidamente abotoei minha camisa e coloquei minha jaqueta novamente.

Abri a porta , me sentei na beirada do banco e calcei meus coturnos. Mesmo estando em pleno verão , o vento era muito frio. Olhei pelo retrovisor e arrumei meu cabelo.

Meu Deus...eu sozinha no meio de uma estrada deserta e cheia de penhascos.

Ótimo.

Assim que terminei de calçar , saí e fui dar uma volta pela estrada. O silêncio era gritante e aterrorizante.

Minutos depois , o meu telefone toca.

-Fala Helena...- respondi bocejando.

-Onde você se meteu? - perguntou nervosa- garota , onde você dormiu?

-No carro. - respondi bocejando outra vez. - o que aconteceu?

-Vem pra casa agora , temos um caso...e esse você vai gostar.

-Me dê um bom motivo. - respondi.

-Vampiros! e...- ela disse , mas eu a interrempi.

-...espero que não se trate da família Cullen...- respondi irônica.

-Não...esses são bem...feios e perigosos...vai por mim. 

Fiquei em silêncio.

-Você tá bem? - ela indagou.

-Arram...tô sim...-respondi entrando no carro. - chego em casa em uma hora.

-Tá...- ela disse nervosa. - mas não demore.

-Já tô saindo daqui. - respondi manobrando o carro e seguindo em direção contrária.

(...)

Cerca de uma hora mais tarde , eu havia chegado em casa.

Estacionei o carro na rua e o olhei , fazendo vista grossa.

É...ele precisa de uma geral...

Odeio carro sujo , odeio.

Principalmente o meu.

Atravessei a rua e rapidamente subi as escadas do prédio.

Peguei as chaves do apartamento e logo destranquei a porta.

-Oi gente...-falei baixo.

Lena estava sentada com Jack e Castiel , assistindo um filme de romance na televisão.

Helena assistindo filme de romance?

Todos se levantaram.

-Garota , onde você tava? - minha irmã indagou com as mãos na cintura.

-Fui no bunker pegar minhas coisas...ficou muito tarde pra eu voltar...parei no acostamento e dormi no carro...sempre fizemos isso.

-Claro que sempre fizemos isso...quando eu tô com você! - ela disse nervosa. - você é maluca! - é perigoso! 

Nossa , demais.

- O perigo vem de família . - respondi

Cas se aproximou de mim.

-Ficamos preocupados com você Lis...te procuramos por vários lugares e não achamos você.

-Foi muito perigoso da sua parte sair assim , no meio da noite e sem falar nada...levamos um susto - Cas falou.

Minhas bochechas arderam

Por quê isso agora?

-Está tudo bem gente...só tive uma noite ruim...já passou! - falei tentando mostrar animação. - erh...cadê tio Sam?

-Saiu pra algum lugar por aí a pé com o senhor Dono da Porra Toda...- minha irmã falou irônica.

(...)

Fui tomar meu café da manhã com os outros. O clima estava alegre atê , mas minha cabeça estava em outra dimensão.

-Quais os planos pra hoje? - Jack perguntou.

-Vou lavar o Dodge depois e trocar o óleo...e só , eu acho. - respondi enchendo minha tigela com cereais coloridos. São os meus prediletos desde criança. Eu sei que é infantil , mas é tão gostoso! 

-Temos um caso pesado...muito pesado...- Jack falou.

-Ninguém sai enquanto eu não lavar meu carro. - respondi de boca cheia

-Mais precisamente de vampiros...mas são vampiros diferentes...eles não tem medo da claridade do Sol- Cas disse um pouco assustado. - o caso é em Dakota do Sul.

Levei um susto.

-É irmãzinha...eu sei que é longe , mas temos que ir. - minha irmã falou de boca cheia.

-...e é bem pesado...- Jack completou.

-...e não existe alguém melhor do que você pra fazer isso. Sei que depois de fazer exorcismos , você adora matar vampiros. - Lena respondeu calma.

Cas me olhou assustado.

-Você sabe fazer da forma correta? - indagou curioso.

-Sei...balas de prata e decapitação.- respondi.

- Sério?- perguntou

-Uhum! Já fizemos várias vezes! - respondi. - isso é fichinha pra gente.

Eles nos olharam assustados.

-É arriscado e muito perigoso. - Cas disse me olhando. - não quero que corra riscos.

Engoli seco de tanta tensão.

-Todos corremos riscos Castiel...não lembra do Absinto? - falei por impulso.

-Mas esse é um caso sério e diferente.  - respondeu me encarando.

-Vamos dar conta. - respondi.

(...)

Depois do café , fui ajudar a minha irmã a arrumar a cozinha...não só a cozinha , mas o resto da casa também.

Jack e Castiel assistiam algo na televisão.

Minha irmã ficou de tocaia os observando.

-Olha lá o Cas assistindo filme romântico de novo! - ela disse sussurrando e me arrastando pelo pulso pra parede da sala. Eles estavam tão distraídos assistindo que nem notaram nossa presença.

-Gente...o Cas nem pisca...parece que nunca viu ninguém se beijando...ou que ele beijou alguém. - falei.

Será que ele nunca beijou uma garota?

Por quê tô preocupada com isso?

Sacudi a cabeça.

-Ele parece um anjo de tão inocente...ele não tem malícia  com nada e nem vê maldade nas coisas. - falei.

Eu ri baixo.

Fui terminar o serviço com minha irmã. Não ousei perguntar sobre meu pai.

Faria diferença?

-Bom...eu lá fora lavar o carro...-falei jogando o pano de prato na cara de Helena.

Rimos.

-Você gosta mais daquela lata velha do que de mim que sou sua irmã! - ela respondeu me devolvendo o pano na cara.

-O Challenger é e sempre vai ser meu único e verdadeiro amor! - respondi. - vou lá...qualquer coisa me chama.

(...)

Desci as escadas e fui até a garagem. Peguei o kit óleo e as coisas que eu precisava pra lavar o  carro.

Por sorte a mangueira estava conectada na torneira.

Liguei o som e estava tocando Soul Behind The Face , dos Scorpions.

Novidade.

-"Would you care for me, if I was deaf and blind?

Would you hear my voice, if I was always quiet?

Would you hold my hand, if I was going to fall?

Would you cry for me, would you know my name at all?

Would you be there, if I was on the ground?

Would you be my friend, if no one was around?

Would you hold me close, if I was in the cold?

Would you pray for me, would you know my name at all?

Would you care, would you be there,

For the soul behind the face?

Would you love me, for what I am?"


Segui distraidamente , lavando o carro e cantando.

-Elisa...-alguém me chamou.

Levei um susto.

-AI! - pus a mão no peito , deixando a mangueira cair no chão. - Arh...oi Castiel...- falei calma.

-Desculpa...não quis te assustar.

-Imagina , não assustou...apenas me pegou desprevenida! - falei rindo.

Ele sorriu.

-Eu fiquei preocupado com você.

-Desculpe...não quis deixar ninguém mal...nem você e nem ninguém...- falei suspirando.

-Eu me preocupo com as pessoas que eu gosto...- ele disse se aproximando.

Por um impulso o abracei e ele fez o mesmo comigo.

Sério...o melhor abraço do mundo. Ele sempre foi compreeensivel.

-Você é um anjo Castiel...um anjo. - sussurrei em seu ouvido. - obrigada por se preocupar...

-É...talvez eu seja um...- respondeu calmo.

-Você é muito convencido...muito!



Notas Finais


Tradução da música
(Super boa por sinal, recomendo 💖 )

"Você cuidaria de mim, se fosse surdo e cego?
Você ouviria minha voz, se estivesse sempre quieto?
Você seguraria minha mão, se eu fosse cair?
Você choraria por mim, você saberia meu nome, pelo menos?

Você estaria lá, se eu estivesse no chão?
Você seria minha amiga, se ninguém estivesse ao redor?
Você me aqueceria, se estivesse no frio?
Você oraria por mim, você saberia meu nome, pelo menos?

Você se importaria, você estaria lá ,
Pela alma por trás do rosto?
Você me amaria pelo o que sou?

Você se importaria, você estaria lá,
Pela alma por trás do rosto?
Você me amaria pelo o que sou?"

(Scorpions - Soul Behind The Face )


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...