História Hurricane - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Selena Gomez, Zayn Malik
Personagens Selena Gomez, Zayn Malik
Visualizações 116
Palavras 1.692
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Você... gemeu?


Zayn Malik.

Minha cabeça estava prestes a explodir e a culpa cresceu em minha pele. Eu beijei a minha irmã! Como diabos isso foi acontecer? Tudo bem, ela é gostosa pra caralho e não vejo a hora de fodê-la, ela me provoca toda hora e eu não estou aguentando mais tudo isso.

Porém, Paul jamais deixaria barato essa nossa pequena aventura perigosa. Com certeza, ele a mandaria para um internato ou até mesmo um convento. Enquanto eu, sabe lá Deus para onde eu iria parar. Paul ama muito Ane e se ele tivesse que puni-la, certamente não seria a mandando para longe de nossa família.

Sentei-me nos degraus de nossa casa e afundei meu rosto em minhas mãos. Eu era um homem perdido e eu escolhi esse caminho. Suspirei, descendo as mãos por meu rosto. Escutei passos se aproximando da porta da frente e tratei de mudar a minha expressão confusa.

- Estava te procurando. – Diz e se senta ao meu lado. – Vamos ver Adventure Time? Ane está na cozinha fazendo pipoca.

Estremeci ao escutar seu nome. E, por um segundo, apenas por só mais um segundo, eu desejei ter seus lábios nos meus. Eu desejei sentir seu corpo quente em cima do meu enquanto ela rebolava sensualmente em meu colo. Ah, Ane! Você me enlouquece.

- Não estou afim, Esme. – Digo e me levanto.

- Aconteceu alguma coisa? – Pergunta preocupada. – Vocês estão estranhos!

- Vocês? – Pergunto quase gritando. – Como assim vocês?

- Você e a Hurricane. – Diz franzindo o cenho. – O que vocês estão me escondendo?

- Nada. – Solto uma risada nasal e passo por ela esbarrando em seu ombro.

- Zayn!

Esme me segue pela casa enquanto eu tento desesperadamente fugir dela. Viro a esquerda e dou de cara com Ane que acaba derrubando refrigerante em minha camisa. Seguro fortemente seus braços por conta do susto.

- Ops! – Diz sorrindo minimamente.

- Jesus cristo. – Digo com dificuldades.

- Se quiser eu limpo... – Ergue sua mão para tocar meu peito, porém eu a afasto. 

Balanço a cabeça para ela e subo as escadas correndo para meu quarto. Não aguento mais ficar ali. Esmeralda está no meu pé e Hurricane é muito insana. E seu corpo muito quente e sua boca...

Ela está me deixando louco e consequentemente, eu estou enlouquecendo a todos.

Em um mero impulso, acabo chamando Kimberley para jantar conosco. Percebo que isso não será nenhum problema quando anuncio aos meus pais e ambos sorriem agraciados com a notícia. Menos Ane, isso é claro.

Juro que eu adoraria saber o que se passa na cabecinha minúscula dela com relação a nós dois. Somos apenas irmãos e nada mais. Ok, não somos irmãos de sangue mas mesmo assim...

Kimberley chega ás exatas 21:00PM quando mamãe está terminando de assar o bolo de carne. Minhas irmãs estão no segundo andar e por tanto, me alivio de não ter a presença de Ane enquanto Kim chega.

- Kim!

Esme desce as escadas de encontro a sua cunhada e eu olho em volta preocupado com Ane. Suspiro despreocupadamente quando não a vejo.

- Senti tanto a sua falta! – Diz dando um abraço apertado em Esme. – Como está indo com a peça?

Abraça de lado meu tronco enquanto escuta tudo o que minha irmã tem a dizer sobre a peça de teatro.

Eu juro que estava prestando atenção até meus olhos se desviarem por conta de uma pequena distração que apareceu no alto das escadas.

Ane estava sentada no corrimão da escada lendo –ou fingindo- ler um livro. A morena usava uma saia e por estar com as pernas encostadas em seu corpo, a visão de sua calcinha estava totalmente liberada. Vê-la nessa posição me permitiu pensar em coisas que eu jamais pensaria em fazer com alguém de minha família. Será que minha irmãzinha é apertada? Será que ela aguentaria o meu pau em sua doce e pequena vagina? Lutei com meus olhos para saírem de cima dela mas todo meu esforço foi em vão. Ela sabe como provocar um homem.

- O jantar está pronto!

Mamãe grita da cozinha e acordo de meu transe. Balanço a cabeça e sinto a mão de Kim na minha me puxando para a mesa.

Puxei a cadeira para Kim se sentar e me sentei ao seu lado. Em meu lado direito, infelizmente a cadeira estava vazia. Matt e Ane ainda não haviam descido e meu coração começou a se acelerar na hipótese de Ane se sentar ao meu lado. Se por acaso isso aconteça e ela me provoque, eu não prometo me controlar.

- Aonde estão Matt e Ane? – pergunta.

- Ane estava no quarto lendo e Matt no banho. – Coloca o bolo na mesa. – Espero que goste, querida. – Sorri docemente para Kim.

- Adoro o seu bolo de carne, sogra.

Começamos a nos servir. Peguei o prato de minha namorada e coloquei um pedaço do bolo e um pouco de purê. Papai abriu o seu melhor vinho e nos serviu.

Estava levando um pedaço de bolo a minha boca quando sinto um arrepio em meu braço direito. Rezo para ser Matt. Porém, minhas narinas são invadidas pelo delicioso cheiro de seu creme de frutas vermelhas e de repente, me encontro nervoso e trêmulo.

- Aonde estavam? – papai pergunta colocando suco no copo de Matt.

- Ane me ajudou com a redação. – Começa a comer rápido. – Quero terminar logo antes que as ideias fujam novamente. – Fala com a boca cheia.

- Eu anotei em seu mural, caso você as esqueça. – Sorri. – Paul, posso usar seu escritório?

- Claro que pode. – Dá de ombros. – O que vai fazer lá?

- Tenho prova de química amanhã. – Encosta seu braço no meu. – Até estudaria no meu quarto, mas, Zaz ronca muito alto.

- Puxou ao pai. – Mamãe diz bebericando seu vinho enquanto papai sorri orgulhoso.

De repente, sinto uma mão atrevida e ao mesmo tempo esperta subindo por minha perna. Viro minha cabeça milimetricamente para o lado e consigo perceber o sorriso safado de Ane enquanto bebe um gole de vinho. Coloco a minha mão em sua perna e a aperto. Se ela quer brincar de provocar, então iremos brincar.

- Como estão indo as aulas de dança? – Pergunta se virando para Esme.

- Ótimas! – Sorri orgulhosa. – Fomos convidados pelo colégio para fazer uma apresentação...

A mão de Ane começa a fazer movimentos circulares... Lá! Reprimo um gemido e subo a minha mão até a barra de sua saia. Não é possível que ninguém está percebendo o que está acontecendo aqui!

Ela é tão quente! Como eu imaginei. Começo a acaricia-la por cima do pano de sua calcinha e ela dobra as pernas mantendo a minha mão presa. Ah, Ane... Se você soubesse o que eu gostaria de fazer com você!

- ...estamos tão animados! Não é Zayn? – Encaro Esmeralda, assustado.

- Me desculpe irmã. Animados com o que? – Bebo mais um gole de vinho.

- Com a apresentação de dança na formatura. – Sua voz invade meus ouvidos me forçando a olha-la. – Não estava prestando atenção, Zaz?

Com um movimento rápido e ágil Ane começa a me masturbar por cima do pano de minha cueca. Respiro fundo e agarro com força a taça em minha mão. Tenho total liberdade para faze-la parar, mas... como parar algo que você passou meses desejando?

- Vai dormir por aqui, Kimberley? – pergunta.

- Não trouxe roupas sogra. – Sorri.

Os movimentos de Ane se intensificam e tenho certeza de que irei me desfazer na frente de toda a minha família!

Quando percebo, estou segurando forte a mão de Ane que para com os movimentos. Suspiro assustado enquanto sustento um olhar sério em cima de meu irmão que está me olhando com um ponto de interrogação na face. Na verdade, minha família inteira está me olhando da mesma forma.

- Você... gemeu?

Minha expressão passa a ficar indescritível ao escutar a pergunta de minha irmã. Hurricane começa a rir e imediatamente já sei o porquê daquela pergunta. Tiro a minha mão do meio de suas pernas e procuro desesperado pela mão de Kimberley.

- O quê? – Rio sem graça. – Não. Claro que não! Porque achou isso?

- Por que, assim que Kim disse que não dormiria aqui você gemeu! – Gargalha. – Foi um “Ooh” bem perceptível!

- Oh, não tem problema querida. – Continuo uma frase sem nexo. – Esmeralda lhe empresta algumas roupas. – Sorrio para minha namorada. – Vocês não me deixaram terminar a frase.

- Zayn tem razão. – Todos voltam ao normal. – Hurricane, me ajude na cozinha. Sim?

- Claro, Sarah!

O projeto de demônio se levanta recolhendo os pratos junto de mamãe. Me levanto pedindo licença e subo as escadas que levam ao meu quarto.

Assim que entro e fecho a porta, solto um longo suspiro que eu nem percebi que estava preso dentro de minha garganta. Entro em meu banheiro e tiro minha calça. Porra! Ane é tão quente! Abro a minha gaveta de cuecas e pego uma boxer preta.

Quando saio do banheiro, dou de cara com o meu pequeno problema de cabelos curtos castanhos. Ela está de braços cruzados escorada sensualmente no batente da porta.

- O que você estava pensando? – Consigo perguntar. – Porra, Ane! Você me fez gozar na frente da nossa família!

- Eu que pergunto, Zaz... – Caminha na minha direção. – o que sua mão estava fazendo na minha vagina?

Esfrego as mãos em meu rosto na esperança de colocar meus pensamentos em ordem. Sinto a sua respiração em meu pescoço e acabo colocando as mãos entre seus cabelos os puxando por força para trás. Ane sorri e uma vontade incontrolável se fode-la cresce dentro de mim.

- Garota, você não sabe com quem está lidando. – Mordo seu lábio inferior. – Acho melhor você parar... – A prenso contra a parede abrindo as suas pernas com o meu joelho. – porque eu não brinco em serviço, Hurricane.

Sua respiração pesa e sinto que finalmente a controlei. Seguro seu queixo com a minha mão e mordo levemente sua orelha. Ela geme baixinho fazendo meu corpo se arrepiar.

- Ah, Ane... tenho muita dó de você. – A solto, me afastando.

- Porque, daddy? – Sorrio ao ouvir suas palavras.

- Por que eu vou acabar com você, Hurricane! 


Notas Finais


Mil perdões pela imensa demora! Mas, prometo atualizar o mais rápido possível!
Amo vcs demais, ~thepussylove, ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...