História Hurricane(Park Jimin) - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Red Velvet
Personagens Baekhyun, BamBam, Chanyeol, Jackson, JB, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Sehun, Suho, Wendy, Yeri
Tags Hot, Hurricane, Jeon Jungkook, Jeon Jungkook Hot, Jimin Hot, Jungkook Hot, Park Jimin, Park Jimin Hot
Visualizações 53
Palavras 1.914
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Harem, Hentai, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Primeiramente não me matem, em segundo lugar, eu sei que o cap ta curto, mas também não me matem, vou ver se termino o próximo cap o quanto antes e posto pra vocês, se quiserem saber mais, notas finais <3

Espero que gostem do cap, boa leitura Bolinhos, AMO VOCÊS!!!!!!!!!!

Capítulo 10 - Someone I don't know.


Fanfic / Fanfiction Hurricane(Park Jimin) - Capítulo 10 - Someone I don't know.

Não revisado

Um sentimento retrógrado o tomava, tudo parecia melancolicamente monocromático. Quatro anos de trabalho duro e uma abdicação inumana, fizeram-no acreditar fatidicamente que estavam próximos do fim, mal sabiam que algo completamente novo se iniciava, não só para aquela investigação maçante, mas para o pobre capitão. Estava avistando a esperança no fundo do túnel, esperança essa que não tinha nome, mas era qualificada demais para uma cama, faziam três dias que não a via, e aquilo o amedrontava, esteve na boate como prometido, todos os dias, mas em nenhum a presença arrebatadora da morena preenchia o local. 

A cabeça latejava, enfurecido, tudo que desejava era esmurras as coisas, até que o mundo explodisse e acabasse com todos os problemas, começaria a por o plano em pratica se o seu fiel escudeiro não tivesse adentrado a sala o impedindo, findando aquela loucura de vez.

- Porque esta com essa cara? - encarou o chefe confuso, pode ver a inquietude do mesmo, a gravata já não fazia parte das roupas do Jeon, a camisa tinha dois botões abertos desleixadamente, e as sobrancelhas quase se tocavam de tão enraivecido que o moreno estava, e a pergunta inocente não o ajudou muito.

- Genética, conhece? - o tom debochado era a maneira de não ser agressivo, fisicamente.

- Que Deus tenha piedade dessa sua alma rabugenta... - o acastanhado revirou os olhos, antes de fechar a porta, e se direcionar até a cadeira de frente para o chefe, que parecia soltar faíscas aquela altura. - isso tudo é porque a garota sumiu? 

Ele deu um sorriso ladino, péssima hora para uma brincadeira daquelas, tudo conspirava a favor do moreno, que estava irritado, e tinha um bom chute de direita, Taehyung mal pode ver o movimento, apenas sentir a dor aguda de ter recebido um chute por debaixo da mesa.

- Mais respeito Kim, na próxima eu vou acertar no alvo.

- Você ta bem agressivo hoje - resmungou. - Violências a parte, tenho novidades que vão acabar com esse estresse e não vai precisar mais descontar em ninguém - sorriu sínico antes de prosseguir. - Não se preocupe a garota não está morta, esta...de castigo.

Jungkook que estava encostado na cadeira, logo ficou ereto, o assunto era do seu interesse e ele não tinha o porque de negar, Taehyung sorriu com a reação do chefe, concluindo logo o que tinha ido fazer ali.  

- Jimin não a deixa sair do escritório dele, não me pergunte o porque, as pessoas só dizem que ela o desobedeceu. - ele suspirou tentando se lembrar de tudo - Ah, descobri uma coisinha também, o Park a chama de Hurricane, pensei que gostaria de saber.

Hurricane - sussurrou, soava bem em seus lábios, a palavra quando proferida dava a mesma sensação de se estar com a garota, chegava a ser fantasioso, delicioso demais. - Sabe quando ela vai ser liberada desse castigo?

- Se o que disseram for verdade, na segunda ela estará de volta. - Tae olhou o relógio grosso em seu pulso, e espalmou a cocha antes de encarar o moreno, que parecia menos enfurecido. - Chegou minha hora, te ligo se souber de algo. - com um breve aceno o Kim deixou a sala.

Como um calmante, o Jeon voltou a se recostar na cadeira, era bom saber que sua chance de vitória, não tinha simplesmente desaparecido, como suas esperanças.  

 

(...)

- Fechei negócios hoje de manhã com com a zona sul, temos força suficiente para derrotar Shownu, mas sinceramente Jimin não é isso que me preocupa. - o topete estava bem arrumada, o terno impecavelmente passado, e apesar a insegurança, aparentava uma elegância divina. - acredito que não falta muito para os policiais notarem a movimentação, temos que ser cuidadosos. - o olhar pesou sobre o Park, que semicerrou os olhos.

- Esta insinuando algo Namjoon? 

- Sim, pare de brincar com a garota, e comesse a focar, não estamos num jogo de tabuleiro, estamos quase em guerra, e os perigos são reais. - a verdade foi exposta de forma um tanto grosseira, Jimin se ajeitou na cadeira nitidamente incomodado, sabia que o amigo estava certo, perdera muito tempo com uma mera prostituta, e de alguma forma, aquilo se transformou em brechas para as linhas inimigas.

Sem questionar apenas escutou o que o Kim tinha a dizer, manteve-se quieto.

- Alguma pista dos policiais? - limpou a garganta.

- Como disse antes, tenho certeza que alguém está infiltrado, analisei tudo, mas todos estão aqui a mais de um ano com exceção...- ele não precisou terminar para escutar o suspiro cansado do moreno.

- De Hurricane e Yeri. - findou - mas isso seria impossível, elas foram vendidas.

- Também pensei sobre isso, fui mais a fundo e descobri que o Seung-hyun as vendeu e as livrou de qualquer suspeita, então isso só nos faz ter certeza que a policia está na nossa cola, não de agora, mas a anos, eles só foram descuidados, e nós acabamos por descobrir.

Jimin respirou fundo, tudo aquilo só parecia piorar, tentava encaixar as coisas, mas nada parecia fazer sentido, se estavam ali a anos, a quantos anos?, bufou frustrado, e olhou para o relógio, o tempo parecia passar rápido demais, para resolver tudo de uma vez.

- Estamos na vantagem, eles não sabem que temos conhecimento disso, investigarei todas as delegacias próximas, trarei a ficha de cada policial, precisamos para-los imediatamente.

- Faça isso! - concordou motivado. - preciso ir para a empresa, faz tempo que não dou as caras, e as pessoas podem começar a estranhar.

- Duvido muito, mas é bom saber que você ainda lembra que as empresa Park existe. - comentou divertido - vou fazer minhas pesquisar, ligo para você quando estiver tudo pronto.

O moreno assentiu com a cabeça, e viu o Kim sair do seu escritório, imprudentemente voltou sua atenção para a porta do quarto onde a garota ainda se recuperava, Namjoon estava certo, passava tempo demais com a menina e esqueça de suas obrigações, ele precisava se afastar, mas com a garota dividindo a cama, tudo se tornava mais complicado.

- Você me arranja muitos problemas Hurricane - ditou para si, ainda com os olhos vidrados na porta que brilhava em verniz, puxou os cabelos negros para trás, e levantou-se recolhendo seu blazer do encosto da cadeira, seguiu até a porta, lutando arduamente contra a vontade de verificar como a menina estava, se já conseguia sentar, ou se já olhava para a cara dele.

Já faziam três dias dês de que Hyuno havia apanhado de Jimin, e nesse longos dias se quer olhou para a cara do moreno, recusava-se a comer, e apenas aceitava água, porque era necessário, sinceramente, nunca tinha se sentido tão destruída, fora humilhada e jogada aos porcos, ela apenas tentava lutar contra todo aquele lamaçal, Jimin era um monstro, e agora ela sabia disso.

Sem interrupções seguiu para seu carro de vidro negros, dirigiu até o prédio coberto de vidraria, era moderno, gigantesco, tecnológico. Assim que entrou no elevador, respirou fundo tomando todo o ar possível para dar o seu lindo sorriso, num mundo de aparências ele precisava parecer perfeito, fora recebido como sempre, com reverencias e um "Seja bem vindo senhor Park", e com um sorriso falso, ele apenas seguiu para sua sala, que parecia tão impecável quanto seu escritório na boate.

Se que sentou quando batidas um tanto ansiosas, foram diferidas na porta de vidro fosco, poderia não diferenciar rostos por conta da divisória, mas a silhueta a denunciava, sua secretária parecia animada demais com seu retorno, mas infelizmente, Jimin havia acordado com o pé esquerdo, e uma garota teimosa ao seu lado.

- Entre! - foi tudo o que disse, antes de se sentar em sua cadeira.

- Senhor Park! - falou animada - é bom tê-lo de volta. - sutilmente o moreno revirou os olhos, antes de lançar um falso sorriso.

- Sem exagero Jisoo, nem foi tanto tempo - sem querer prolongar a conversa, foi direto. - O que quer?

- Vim para refazer sua agenda, com esse tempo fora da empresa muitas coisa foram canceladas e adiadas. - a recém ruiva, começou a se aproximar da mesa. - o Senhor Oh Sehun das empresas Tec.E.Oh ligou muitas vezes para cá, precisa entrar em contato com ele.

Eram tantas coisas na suas costas que o Park deixou a mascara de bom moço, tomando as feições preocupadas, esfregou os olhos cansado, e encarou a garota um tanto sério. 

- Resolvemos isso depois, pode se retirar, volte quando for algo realmente importante.

 Com um aceno de cabeça, a mulher deixou a sala imediatamente.

O moreno fechou os olhos, e por um momento tudo parecia silencioso, até lembrar de Hyuno, estava se tornando ligado a garota e aquilo era alarmantemente perigoso, afastou os pensamentos, e tentou focar nos papeias atrasados, e o tempo perdido, precisava voltar a jogar.

(...)

Os machucados já não doíam tanto, mas nos dois primeiros dias, mal conseguia se acomodar na cama, apesar de tudo, Jimin deu seu espaço, deixando-a dormir sozinha e não a incomodando durante todo esse tempo, não trocaram uma palavra e por ela, permaneceriam assim, demoraria até se recuperar psicologicamente, não era a primeira vez que apanhava daquele jeito, mas nunca tinha sido tão humilhada.

Estava de bruços na cama, esperando os remédios postos sobre os ferimentos secarem. Desejava não ter se envolvido com Jimin, não ter o cativado, ela queria se livrar, e de alguma forma o moreno a puxava de volta. Seu corpo entrou em alerta assim que ouviu a porta do escritório, cobriu-se tão rápido que terminou magoando alguma das marcas, fingiu um sono profundo, segundos antes de sentir o perfume e a presença do homem que a aborrecia. Um aroma, muito conhecido por ela, o rodeava, o rapaz cheirava a whisky, e ao ouvir os passos incertos constatou que estava bêbado, virou-se relutante para vê-lo, e sentou-se ao constatar o estado do homem a sua frente, Jimin trajava a camisa social, as mangas dobradas até os cotovelos, os botões abertos quase até o umbigo, e a calça já não possuía um cinto, os sapatos provavelmente foram perdidos no caminho até o quarto, e os cabelos eram uma bagunça infernal, assim que notou os olhos âmbar sobre si, Jimin deu um sorriso um tanto infantil, onde cambaleando, seguiu ate a cama, cairia se não fossem os braços amparando o corpo forte, e débil, ela o segurou mesmo que não tivesse condições, o deitou na cama, e antes de abandona-lo no quarto, sentiu seu pulso ser rodeado com leveza.

- Por que etá indo embora? - os olhos confusos eram quase juvenis, a expressão era preocupada, parecia com medo como um cachorrinho assustado. - Não vá, por favor, não me deixe sozinho.

E então, aconteceu, algo que apesar de ser estimulado pela bebida, era definitivamente sincero, com um olhar abismado, ela lentamente se aproximou do Park, segurou seu rosto com veemência para ter certeza que aquilo não era coisa de sua cabeça, como seria possível, alguém tão dono de si, narcisista, prepotente daquele jeito, como?

- Não me deixe...- continuou com suas lamúrias, enquanto a garota estava assombrada, Jimin rodeou os braços na cintura da mais nova, e se aconchegou sem permissão. 

Ele chorava

Como uma criança necessitada de sua mãe, ele a segurava com intensidade.Mesmo que ele não lembrasse de nada no dia seguinte, aquilo a abalou, que segredos Jimin escondia?

 

 

Quem era o verdadeiro Park Jimin?

 

 

 

 

 


Notas Finais


Voltei, mas eu sei que sumi por um tempo, e só respondi os comentários, mas é o seguinte, tava tendo uma confusão imensa no site, fanfics sendo apagadas e tals, por não estarem dentro das regras, e isso já me deixou um pé atrás, fiquei preocupada até com a minha própria fanfic, mas esse não é só o real motivo, infelizmente o spirit vem perdendo as qualidades de fanfic, e querendo ou não, para mim a fanfic precisa ser boa, ser bem escrita, e eu uso como base a minha escrita, por exemplo, se for melhor que a minha, já ta ótimo, porque isso ajuda a melhorar a minha forma de escrever, ler fanfic com boa história e um bom desenvolvimento é como uma aula para mim, porque eu preciso melhorar a cada dia, e é triste saber que o spirit vem perdendo isso, então eu retornei por um tempo para o site que eu usava inicialmente, o Wattpad, que até hoje, para mim, continua fantástico, lá encontrei coisas novas, e por isso também me ausentei, mas não se preocupem eu voltei, e como eu disse, dês do inicio dessa fic, e quem me acompanha já sabe, eu disse que demoraria para posta-la porque Hurricane é uma fanfic que aborda vários temas, e não quero que vocês fiquem presos apenas no romance dela, ainda estou aprendendo a desenvolve-la melhor, por isso não posso ser tão rápida com os capítulos para não tornar algo rápido demais, com acontecimentos repentinos demais, e uma escrita ruim, tento dar o melhor para vocês e de vez em quando, eu não consigo inspiração para dar continuidade, por isso dou uma pausa, e volto, me perdoem eu sei como é chato, mas quero que seja algo bom de se ler, e não um clichê sobre dominação, ou submissão, quero que Hurricane vá além disso, então me desculpem pela demora, não é intencional.

Sério, amo vocês, me fazem tão feliz quando comentam, uns beijos!!!!
Até o próximo cap.
E para quem tem curiosidade sobre minha conta no Wattpad, é o mesmo nome, mas vou deixar o link aqui.
https://www.wattpad.com/user/KiroEmiko


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...