História Hurt - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Eren Jaeger, Levi Ackerman "Rivaille"
Tags Hurt Ereri
Visualizações 42
Palavras 3.145
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Amores e amorecas!!!

Muito orgulho desse capítulo, vocês vão gostar, assim como eu gostei!
Desculpem pela demora, tive umas dúvidas sobre os últimos capítulos.

Shingeki no kyojin 3 tá top a animação. Super aprovei :3

Se divirtam!!!!
Baby Go!!!

Capítulo 22 - Vinte dois


-Já faz um tempo que ela não vem, dessa vez eu tô sentindo que vai dar certo! –Olivia segurava fortemente a mão de Levi. Estava frias e rígidas, bem ao contrário das mãos dela que estavam suadas e trêmulas.

-E se for alarme falso? Não tenho mais tempo para ficar vindo com você nesse maldito médico, estou compondo para a próxima temporada. –ele apoiou o queixo na mão livre.

A aparência de Levi havia mudado nessa última semana. A barba estava rala, o cabelo não estava cortado como o de costume –alguns fios maiores haviam se formado, modificando o penteado perfeito – e, olheiras escuras faziam parte de sua aparência.

Ele estava também muito cansado da rotina que tinha com Olivia, desde quando aceitou o contrato com ela, eram quase todas as noites que ela o forçava a fazer sexo. Ele já não sabia de onde tirar esperma para gozar dentro dela.

-Eu tenho certeza, deixa de ser pessimista, Levi, deve ser isso que impede você de me dar filhos. –ela brincou.

Enquanto estavam discutindo na mesa do médico. A porta se abriu e ambos viraram-se para observar o senhor de idade que caminhava lentamente até sua cadeira de couro do outro lado da mesa, ele trazia consigo a pasta que estava o resultado do exame de Olivia. O homem de cabelo branco e óculos de garrafa riu com a mudança repentina de humor dos dois, a alguns segundos atrás estavam se farpando e agora estava preocupados e tensos.

-Sr. e Snr. Ackerman... –ele sussurrou enquanto mexia em alguns papéis.

-Não somos casados. –ela corrigiu com um sorriso turvo no rosto.

-Há! Então você é o pai dela? –ele perguntou sorridente por debaixo do óculos. –Meus parabéns, ela é uma bela mulher.

-Não. Não sou pai dessa coisa, somos amigos. –Levi disse estressado.

Olivia riu alto com a expressão de raiva no olhar de Levi.

-Estamos tentando ter um bebê.

-Entendi... –o médico olhou a ficha e depois olhou incrédulo para Olivia. –Mais aqui diz que você têm...

O médico fechou a pasta e tirou os óculos. Ele levou os dedos a têmpora e observou ambos, preocupado e tenso. Levi e Olivia observavam em silêncio.

-O que houve? –ela perguntou preocupada.

-É coisa ruim, não é? –Levi corrigiu.

-Sua doença vai começar a se agravar sem a quimioterapia, está ciente que é um caminho sem volta?

-Sim... –Olivia disse com a cabeça baixa. Levi sentia a mão de Olivia amassar seus dedos, ela realmente estava ciente.

-Muito bem. –ele se encostou na cadeira e relaxou os ombros. –Você está grávida, e eu aconselho parar de tomar qualquer coisa que faça mal para o bebê.

O tempo parecia parar. A notícia veio com um impacto tão forte que a única coisa que Levi fez foi olhar para Olivia, ela estava tão em choque quanto ele, às lágrimas grossas rolaram no rosto alvo da morena e os lábios tremiam.

-Ah meus Deus! Vamos ter um bebê! –ela comemorou pulando no médico e abraçando-o fortemente. –Obrigada! Obrigada!

Levi ficou ali, imóvel. Pensou em quanto aquelas crianças significariam na vida dele e como seria sua jornada partindo daquele ponto.

Olivia se virou e traçou seu olhar ao homem que a encarava. Ela se aproximou e abraçou-o, a cabeça de Levi ficou certamente em sua barriga e ela acariciou seu cabelo bagunçado. Ele envolveu seus braços ao redor da cintura dela. Sentindo a maciez do tecido da camisa sobre os ouvidos, em alguns meses, seria maior que agora, e teria uma vida dentro dela.

-Conseguimos. –ele sussurrou, levantando a cabeça e olhando-a entre os seios.

-Sabia que conseguiríamos. –ela disse sorridente.

-Agora eu vou cuidar de você. Nasceram saudáveis. –ele advertiu.

-Estou em boas mãos. –ela respondeu sorrindo.

-Vamos passar por isso, juntos.

-Não! Não é assim! Está fazendo errado!

O treinador agarrou sua nuca e consertou a postura. Ele tinha 1, 80 cm de altura e era magro na medida certa, os longos cabelos dourados que desciam como uma cascata em suas costas voavam de acordo que ele se movia pelo estúdio, seus olhos escarlates passeavam pelo corpo dele como se estivessem procurando falhas. O blazer vinho combinava com o resto do conjunto preto.

-Não acha que ele está sendo muito rígido? –o assessor advertiu com a voz baixa ao loiro que estava ao seu lado. –Ouvi dizer que ele é cruel demais.

-Ele pode fazer milagres. –Gabriel disse divertido.

-Chega por hoje! –o treinador fez um gesto com as mãos que parou a música e tudo que estava acontecendo no estúdio.

-Como me saí? –Eren perguntou enquanto limpava o suor do rosto. Estava usando uma camiseta azul que mostrava a maior parte das costelas e estava a maior parte colada no corpo por conta do suor, a calça legue preta estava tão colada no corpo dele que Gabriel podia apreciar todas suas curvas definidas.

-Você está progredindo. –Saint-Clair respondeu tocando com o indicador no queixo de Eren. –Você será grande Eren, apenas se esforce mais, caso contrário será desperdício de meu tempo.

-Com certeza ele não é. –Gabriel interrompeu a troca de olhares que estavam tendo.

-Gabriel... o que faz aqui? –ele perguntou enquanto passava a mão nos cabelos, tentando arruma-los, fracassando inutilmente.

-Eu vim conferir se minha futura estrela estava indo bem, e pelo oque me parece às aulas de canto e dança estão muito bem governadas, não é, Saint-Clair? –o olhar de ameaça fez o homem gracioso estremecer. Ele estava fazendo o melhor que podia e Eren era muito bom no que fazia, havendo apenas um problema, Eren não conseguia se concentrar, algo o prendia.

-Se me derem licença, tenho mais oque fazer. –ele se despediu e andou rapidamente até outro grupo de pessoas.

Eren faz uma cara de desdém e pegou sua mochila enquanto Gabriel o seguia.

-Por quê fez isso? –foi curto e direto.

-Não fiz nada, apenas dei um toque para ele. –Gabriel deu de ombros.

-Não gosto que me controle. –ele disse irritado enquanto caminhavam para o carro. –Além do mais, oque veio fazer aqui?

-Vim te buscar para fazermos algumas compras, suas roupas estão velhas. –Gabriel abriu a porta do carro e Eren entrou logo em seguida.

-Eu gosto das minhas roupas velhas... –ele resmungos enquanto ligava o ar do carro.

-Acontece que não vou te apresentar para os meus amigos californianos vestido com esses trapos. –Gabriel disse curto e grosso enquanto olhava à estrada. Desde que Eren veio morar com ele, passou a dirigir seu próprio carro e fazer as próprias compras, dispensou seus empregados para poder ter mais privacidade.

-Seus amigos não são verdadeiramente seus amigos, apenas ligam para a aparência. –ele corrigiu.

-Negócios, Eren, negócios.

-É muito boa!

-Pensei que diria isso. –ele aceitou o café quando a secretária ofereceu.

-Você tem certeza que é novo nessa área? Você é brilhante, Levi. Eu vou te patrocinar! –ele elogiou com um tapa nas costas de Levi, que quase deixou cair a xícara.

-Obrigada, Leon, sempre achei que você tinha bom gosto. –ele grunhiu quando provou o café, muito doce, forçou a própria garganta a engolir tudo só para não vá ser desfeita.

O homem loiro e barrigudo se sentou na cadeira em frente à Levi e se esquivou, como se fosse cochichar.

-Ouvir dizer que daqui a alguns meses a Mac-Record vai lançar uma nova estrela. –Leon sussurrou no ouvido de Levi que prestou atenção em cada palavra. Ele conhecia muito bem a Mac-Record, eles eram poderosos e donos de todo o mercado artístico, fazer negócios com eles seriam muito bom para a sua carreira de compositor.

-Você tomou alguma providência? –ele rebateu a informação com uma pergunta que encheu o ego de Leon.

O homem barbudo se jogou na cadeira e apresentou um grande sorriso orgulhoso.

-É claro! Eu fui o primeiro a fazer a Minha oferta! Ofereci uma música de meus compositores para a próxima estrela, eles aceitaram, e advinha? Eu vou mandar a sua música no mês que vem. –Leon explicou tudo batizado o café de Levi que apenas tinha dado um gole.

-Isso me deixa contente. –ele sorriu vitorioso.

-Isso vai ser um grande sucesso! Você será um compositor renomado, e eu ganharei mais dinheiro. –Leon brindou com o cantil de prata na xícara de Levi, que concordou e tomou a xícara entre os dedos.

-A nós. –ele a levou para um brinde.

-A nós. E então? Quando você vai começar a cuidar dos negócios?

-Eu estou pensando em uma contra proposta.

-Interessante... –Leon levou as mãos para apoiar o queixo e seu rosto transmitia excitação. –Conte mais.

-Estou preste a ser pai, então, quero trabalhar em casa e cuidar da minha mulher, que está doente. –ele deu uma pausa logo após terminar de falar. Sua mulher. Já considerava Olivia sua mulher? Isso era estranho para ele mais sentia que estava sendo sincero.

-Você vai usar um pseudônimo? –Leon perguntou, logo após dirigir-se para o computador à sua frente.

-Eu gostaria, também vou manter-me sem rosto, preciso no máximo do dinheiro. –ele terminou o café e desabotoou um botão do paletó.

-Isso vai ser bom para você, viver pacificamente sem a imprensa te incomodar. E então, qual vai ser? –Leon voltou sua atenção para Levi.

-Heichou. –disse confiante.

-É um nome forte, assim que eu gosto. Atraí dinheiro e fama. –Leon digitou em seu teclado coisas que Levi não consegui decifrar.

-E então, quem é essa nova estrela que a Mac-Record vai lançar? –ele perguntou indiferente –particularmente ele estava morrendo de vontade de saber quem era, apenas não demonstrava.

-Não sei. Eles ainda não deram muita informação, disseram que seria o novo sucesso mundial, e que ela vai construir carreira na Califórnia. –Leon aproximou-se novamente, para cochichar. –Um amigo meu que é amigo de um amigo do dono disse que ela é uma morena alta de olhos esmeraldas, falou que é sedutora e sua voz é como de uma sereia na primavera.

-Nossa. –a única coisa que ele conseguiu dizer.

-Eu não quero roupas novas! –ele resmungou enquanto andavam pelo shopping.

-Você não têm que querer. –Gabriel disse risonho, ele traçou seu braço ao redor da cintura de Eren e apertou a pele aveludada de sua barriga. –Eu mando em você, Eren.

Eles entraram numa loja que Gabriel parecia conhecer a maioria das antecedentes, assim que foi visto, a total atenção foi voltada para ele. Era uma loja de roupas de grife feminina e masculina. Acabamento em madeira e muitas luminárias.

-Sr. Mac-Jim, oque desejas hoje? –a gerente veio atendê-los.

-A coleção que eu separei. Gostaria de um provador privado para Eren.

-Como quiser.

Eren ficou pasmo de como era o mundo da “burguesia” como ele costumava chamar. Se você era milionário e de prestígio, você era tratado como um rei, mais se você é falido como Eren era no passado, eles te tratariam como uma pessoa qualquer e não fariam desconto se você não tirasse um cartão da loja.

A mulher conduziu Eren até um provador que tinha na saída um pódio iluminado, era uma área restrita da loja, passando os provadores normais e haviam algumas poltronas de couro.

-Vista essas roupas e me mostre como ficou. –Gabriel disse com um grande sorriso nos olhos enquanto Eren abria a porta do provador.

-Ok. –respondeu contente.

Quando ele viu as variadas roupas de tons em preto, branco, cinza e vermelho. Ficou pasmo com a quantidade de acessórios e multiescolhas. Uma coisa deixou Eren intrigado, após mexer em algumas roupas masculinas do seu tamanho, ele ficou boquiaberto com as mais variadas roupas femininas que estavam ali. Na mesma sessão, haviam joias, saltos altos e botas femininas.

Ele imediatamente colocou a cabeça para fora do provador e tirou Gabriel que aguardava.

-Gabriel. –chamou e Gabriel dirigiu sua atenção para Eren, ele parecia conversar animadamente com a gerente que tinha uma sacola com uma caixa dentro.

-Algum problema?

-Acho que confundiram algumas peças, tem roupas femininas aqui. –ele disse tímido.

-É exatamente isso que é para você vestir, Eren, você vai descobri seu novo talento. –Gabriel pegou a sacola da mão da gerente e entregou para Eren. –Use todo o look do vestido vermelho e, isso também. Depois saia para mim ver você.

Eren fitou seu olhar, algo estava acontecendo e só agora que Eren havia percebido. Ele pegou a sacola e fechou a cortina. O look do vestido vermelho era impossível de Eren vestir. Se tratava de um vestido vermelho tomara que caía com uma abertura na perna direita, o enchimento no busto revelava que havia sido feito exatamente para ele, além do brilho que cobria todo o vestido havia também um corte nas costas. Uma lingerie vermelha para combinar, uma cinta-liga com uma meia calça preta também estava incluso, acompanhadas de um par de salto alto preto.

Ele abriu a bolsa e tirou da caixa uma coisa que o deixou de boca aberta.

-Nem fodendo que eu colocar isso! –ele falou tão alto na hora do susto que Gabriel respondeu do outro lado.

-Vai sim!

-Ah... –ele sussurrou olhando para a peruca ruiva em sua mão.

Ele se vestiu e colocou a peruca. Ficou impressionado com o seu visual no espelho, parecia...uma mulher. Ele se maquiou e colocou um batom rosa, teve um pouco de dificuldade na hora de calçar os sapatos mais logo se acostumou, as aulas de balé que estava fazendo deu resultado. As aulas de dança, a música, às roupas novas, tudo estava ligado.

-Vou morrer esperando! –Gabriel reclamou.

-Então morra de uma vez. –ele abriu a cortina. As luzes do pódio batiam nos ombros nus de Eren, sua perna direita era alva e definida perfeitamente de acordo com as luzes.

A boca de Gabriel abriu e a gerente aplaudiu com um largo sorriso no rosto.

-Magnífica! A coleção é um sucesso, você ficou um espetáculo. -ela palpitou mais foi cortada quando Gabriel se levantou lentamente, hipnotizado. Ele piscava varias vezes, o suor escorria pela sua garganta e sua respiração ofegava.

-Eu me sinto estranho... –ele disse enquanto Gabriel pegava sua mão para descer do pódio.

-Você é a garota mais linda que eu já conheci. –disse galanteador, puxando Eren pela cintura e dando início a uma dança.

-É melhor eu dar uma olhada na minha loja, qualquer coisa é só chamar. –a gerente saiu da sala e fechou a cortina que separava o cômodo privado.

A luz era fraca, algumas luminárias e pequenas luzes coloridas davam cor ao local escuro. Era uma longa distância do pódio com lâmpadas até a poltrona de couro, Eren sentia-se num sonho, ele não acreditava que aquilo estava acontecendo.

-O que acontece agora? –ele perguntou manhoso com o toque suave da mão de Gabriel.

-Você vai deixar o cabelo crescer. –disse, com o nariz afundado no cangote de Eren.

-Você sabia que eu era feminino? –perguntou incrédulo.

-Desde o dia em que eu te vi naquela sala de aula. –Gabriel disse com um grande sorriso brilhante em seu rosto.

-Obrigada. –ele pousou a cabeça no ombro de Gabriel, que era mais algo.

-Eren, vamos passar por isso juntos, e você será uma estrela. –Gabriel beijou a cabeça de Eren e corrigiu a própria frase. – Você será a minha estrela.

-Eu quero ser famoso, e fazer aquilo que eu gosto... mais isso não vai me fazer feliz. –ele disse, afastando-se e colocando as mãos no peito de Gabriel.

-Qual o problema? –perguntou preocupado.

-Apenas, não me deixe sozinho. –ele disse manhoso e necessitado.

-Eren, eu nunca, jamais, vou te deixar. Mesmo que você não me queria mais, eu nunca vou desistir de você. –seus olhos transmitiam calor, segurança, admiração.

-Obrigada por exigir.

-Eu achei lindo esse berço. –Olivia assinava o comprovante de venda, enquanto estava de olho em outra coisa na loja de bebê.

-Não acho que bebês precisam de tanta coisa, além do mais, eles não vai usar nem metade do que você está me fazendo comprar. –ele bufou.

Haviam marcado de se encontrar no shopping, na frente da loja de bebê que Olivia havia forçado Levi à tirar um cartão.

-Deixa de ser mão de vaca, Levi, é para seus filhos que estamos comprando. –Olivia deu um soco leve no ombro de Levi, que quicou para o lado.

-É você que está comprando tudo, eu que estou com as dúvidas. –ele reclamou.

-Obrigada senhora, volte sempre. –a atendente agradeceu e Olivia veio com um grande sorriso puxando Levi par a fora da loja.

-Vamos comer algo, estou morrendo de fome. –Olivia apertou o braço de Levi o puxando para a praça de alimentação.

-Sorte sua que eu não nego nada para grávida, caso contrário te deixaria correndo de fome depois do prejuízo que você me deu nessas compras exageradas. –ele exclamava enquanto entravam num restaurante italiano.

-É bom gastar dinheiro –Olivia olhou o cardápio que o garçom trouxe logo após se sentarem e completou por cima da borda do cardápio. –quando você morrer, não vai levar nada mesmo.

Levi sentiu uma facada no coração naquele momento, ela era cruel e sabia exatamente como fazer os outros sofrerem. Um nó se formou na barriga de Levi. Quando o garçom perguntou oque ele iria comer, ele apenas pediu um bom vinho.

-Não vai comer? –ela perguntou sarcástico.

-Não estou com fome. O tanto que você pediu vale pela minha refeição.

Ele sentiu a mão de Olivia na sua, olhou diretamente para ela, tentando reclamar mais Olivia fazia sinal para que ele olhasse na outra mesa, perto do aquário que ficava numa diferença de três mesas.

-Ela é famosa? –Olivia perguntou também direcionando o olhar para o casal da mesa reservada.

-Parece que sim, e eu conheço aquele homem. –ele franziu o cenho quando a avistou o loiro rindo com a mulher misteriosa.

Era Gabriel. Estava em um de seus habituais termos caros e seu rosto entregava o poder. Eles pareciam rir enquanto comiam.

-Também conheço ele. Maldito Gabriel. –Olivia disse com raiva.

Ele olhou surpreso, não sabia que ela o conhecia. Quando o garçom chegou com a comida e vinho, Levi analisou severamente a mulher com quem Gabriel estava saindo.

-Ela é bonita. –Olivia elogiou, tirando Levi do transe.

-É sim. Me lembra alguém.

A garota que estava com Gabriel tinha a mesma altura de Eren – foi a primeira coxia que Levi pensou – e, a pele era praticamente idêntica e batia exatamente com os olhos esmeraldas. Ela usava um vestido preto com um casaco cinza por cima, botas marrons e suas pernas eram longas e definidas. O cabelo era ruivo e longo como uma cortina em suas costas.

-Odeio Gabriel, ele me aprontou uma no passado. –ela continuou a história enquanto virava uma taça de vinho.

-Vai com calma. –ele tomou a taça da mão dela e Olivia protestou.

-Estou dizendo que ele é um cretino, mais que você, ele é um desgraçado, também mais que você. –ela terminou seu prato.

-Pelo menos isso nós temos em comum, minha querida.


Notas Finais


Ahhhhhh eu não estou aceitando esse final. U.U
Eu já disse que gosto do Gabriel? Sendo que ele é o vilão? Eu GOSTO DELE PORRA! COMO ASSIM?
Só acho o Levi melhor .-. Isso ninguém muda.

Gente nos vemos nos próximos capítulos, não percam!
Beijos de Kenny!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...