História Hyung and Nonna - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), CL (Chaelin Lee), EXO, Taeyang
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lee Chaelin "CL", Lu Han, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Taeyang, Tao, V, Xiumin
Tags Ana, Anjin, Appas, Bts, Gabi, Gabihun, Gabikook, Joybaby!, Não Imagine, Ommas, Taetaekid¡
Visualizações 23
Palavras 3.299
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Mutilação, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eh gente, eu estou me dando conta das coisas heheh. Percebi que estou dando muita atenção para a família Lee, a Família Kim também, perdão aí Sra.Ana!


~Boa Leitura ^^

Capítulo 12 - Twelve


Chanyeol

– O que deu nela? – perguntei balançando Baek. Meus irmãos deram de ombros, mas eu estava preocupado, ela nunca foi assim. Bom, só quando estava naqueles dias.

– Deve estar naqueles dias, Chanyeol, nem esquenta. – Xiumin disse com os olhos vidrados no celular, esses mais velhos. – E eu tenho que estudar para a minha prova amanhã. – se levantou. – Não façam muito barulho, por favor! – subiu as escadas, sumindo de nossas vistas.

– Quem vai começar a fazer barulho primeiro? – Kai ficou de joelhos no sofá, rimos baixo. – Mentira, quem eu tô querendo enganar? Eu também preciso sair, preciso ir no veterinário. – disse animado. 

– Todo mundo tem compromisso, só eu vou ficar em casa, fazendo vários nadas? – segurei Baek, o mesmo queria descer mas eu não queria que ele descesse, ele tinha que ficar no meu colo. 

– Ah, eu também não tenho nada pra fazer. – KyungSoo disse pensativo. – Como nossos pais estão viajando, o encarregado por alimentar vocês, sou eu, então acho que tem muito trabalho para fazer!

– Sim, tem muito e eu estou com fome hein. – Tao apontou para ele. – Eu quero muuiitaa comida, muita comida mesmo! – Kyung riu e foi para a cozinha. – Quem quer jogar uma partida de videogame.

Baek agarrou meu cabelo, e começou a gritar. Mano, olha o tamanho desta criança, olha a força que esse pirralho tem.

– Aaaaah, não Baek! – gritei segurando suas mãozinhas, que continuavam a puxar meu cabelo. – Tá bom, tá bom, vou te colocar no chão! – ele soltou meu cabelo e sorriu. O coloquei no chão, ele engatinhou até os pés de Luhan, que estava concentrado no videogame. 

– Nhenhe. – falava bebezes, bateu nos pés dele.

– Baek é muito estressadinho, né. – digo fazendo careta, ele me olhou e fez um biquinho. Choramingou, esticando suas mãos pedindo colo. – Agora você quer né? Não vou te pegar no colo! – sua boquinha tremeu.

– Ah Chanyeol, você vai fazer ele chorar! – Tao exclamou, se levantando dando o controle para Suho e pegou Baek no colo. – Não liga pra ele, Baek. – começou a balança-lo, fazendo o pequeno se acalmar. 

Cruzei os braços, empinando o nariz. Tao passou por mim, com Baek no colo, indo para a cozinha. Baek deu língua pra mim, fiquei incrédulo. Como um bebê pode fazer isso? Que audácia a dele. 

– Hoje está calor, que tal tomarmos um banho de piscina? – digo me abanando. – Pô gente, tá mó calor e vocês aí, de moleza. – neguei com a cabeça. 

– Somos homens, podemos tirar a camisa em casa. – Luhan disse simples, levantando a camisa e a tirando. Tao voltou e colocou Baek sentado no chão, tomando um suquinho de laranja, enquanto nos observava curioso.

– Mas você se esqueceu, que temos uma irmã, Luhan. – Tao bateu na cabeça dele, o mesmo o olhou com repreensão.

– Eu sou mais velho que você, pirralho! – reclamou. 

– Ah, ela já deve ter se acostumado. – dei de ombros. – Vou lá colocar uma sunguinha! – digo dando pequenos pulinhos, animado.

– CHANYEOL, NÃO POR FAVOR, SUNGUINHA NÃO! – escutei Luhan gritando. Comecei a rir, entrei no quarto, indo diretamente para o meu guarda-roupa. 

 

Jungkook

Como assim, ela disse isso?

– Sim, Jungkook. Ela ficou muito mal, você tinha que ver. Yuju e eu não a encontramos depois da aula, íamos conversar com ela, ela deve ter ido direto para casa. 

– Nossa mano, eu não acredito nisso. 

– Jungkook, somos irmãos você sabe né. 

– Sim, cara.

– Por que não me contou que estava namorando com a Lisa? 

– ​Não, mas eu não tô.

– A Lisa já falou cara, não tem como omitir isso.

– M-mas, e-eu.

– Relaxa cara somos homens, não precisa ter vergonha. Você tá namorando a menina mais gata do colégio, claro que depois da Yuju, deveria se orgulhar.

– Sunyoul, e-eu.

– Eu tenho que ir, vou sair com a Yuju daqui a pouco. Ah, parabéns pela irmãzinha e pela namorada. Tchau, Jeon! 

– Sunyoul. – ele desligou. – Droga! – joguei meu celular na calçada, mas o peguei rapidamente. – Desculpa, filho. – sussurrei, o colocando contra meu peito.

– Oi, Kook! – levei um susto com a voz fina. Pensei que era a amiga de TaeTae, mas me enganei. Ela me abraçou e me deu um beijo na bochecha. 

– O que está fazendo aqui? – a empurrei, ela pôs as mãos na cintura e sorriu. 

– Oras, vim te ver. Soube que sua mãe teve bebê, queria ver como vocês estão. – abri a boca mas nada saia. – Seu irmão é muito fofo, ele disse que você estaria aqui. – o mirei, ele acenou e sorriu, fazendo o sinal da ​curtida​ e voltou a brincar com Luísa. Revirei os olhos.

– Jungkook, pod- O que ela está fazendo aqui? – Meu pai, veio ao meu lado. – Essa garota que me chamou de sogro.

– Lisa. – murmurei, mirando o chão.

– Prazer, sou Lisa, como Jungkook já disse. – riu, olhei meu pai de lado. Ele arqueou uma sobrancelha para mim, sabia que ele me faria ou monte de perguntas ou brigaria comigo mais tarde. – Sou amiga dele. – esticou a mão para que meu pai a apertasse, assim ele fez, sorrindo fraco.

– Sou o pai.. do Jungkook. – disse meio sem jeito. – Ah, Jungkook, sua mãe está te chamando, pode ir com ele se quiser, Lisa. – ela assentiu freneticamente, animada. 

– Pai. – o olhei, ele me deu uma encarada que fiquei com medo. – Tudo bem, vamos Lisa, vou lhe apresentar minha mãe e minha irmãzinha. – tentei esconder meu desanimo. Ela deu uma risada animada baixa, me acompanhando. 

Abri a porta principal, dando espaço para que ela entrasse. Omma estava sentada no sofá da sala, a televisão estava ligada mas o volume estava bem baixinho. Acho que era para não assustar a Joy. Sorri ao ver que minha pequena irmãzinha estava dormindo calmamente no colo de minha mãe. Quem não dormiria nesse colo? É o melhor colo que tem nesse mundo. 

– Oi Omma, me chamou? – perguntei baixo, me sentando ao lado dela. Minha irmã é tão bochechuda, pena que não posso a apertar. 

– Ah, que fofaa. – Lisa exclamou, fazendo a pequena se mexer e sua boquinha começou a tremer. Omma se levantou a sacudindo levemente. – Me desculpe. – sussurrou, envergonhada.

– Tudo bem, querida. – Omma a olhou surpresa, depois para mim. – Você é a.. 

– Lisa, sou amiga do Kook. – sorriu, dando um abraço cuidadoso nela e depois um beijo na bochecha. – Ela é muito fofa, parece com o Kook. – me olhou sorrindo, dei um sorriso amarelo e encarei o chão.

Incomodado, estava ficando incomodado.

– Ah, sim. – Omma riu sem graça. – Sim, faz ​lembrar ​mesmo. – riu, ri baixinho. – Eu só queria que segurasse ela pra mim, eu preciso trocar de roupa. – caminhou calmamente em minha direção, a entregando para mim. 

– Mas por que não pediu para o Appa? – perguntei olhando para a bebê em meu colo, com medo de que ela caísse. – Ele estava aqui. 

– Ele ficaria babando nela e também ele já a pegou demais. – riu. – Fique a vontade, Lisa. – ela sorriu assentindo. Omma subiu as escadas sumindo de nossas vistas. 

Me sentei no sofá, ajeitando o paninho que a cobria. Ela estava fazendo o que eu mais gosto, dormindo. Puxei isso da minha mãe. Meu pai disse que ela dormia demais, e não gostava de ser acordada. Disse que era assustador. Senti o sofá se afundar ao meu lado, encostei minhas costas no sofá. Ela chegou mais perto e ficou me encarando, me fazendo ficar vermelho. 

– Aah, consegui fazer você ficar corado. – ela riu, apoiando sua cabeça em sua mão, ainda me olhando. 

– Você.. pode parar de me encarar, estou ficando desconfortável. – pedi, e a olhei. 

– Você é mais bonito de perto. – piscou, desviei meu olhar rapidamente. – Então.. – voltou a se sentar reta. – Pretende ter filhos? 

– Ah, sim, é o meu sonho ter. Mas não agora.. – pigarreei. Estava pedindo mentalmente para que minha Omma, voltasse. Eu não vou aguentar por muito tempo, ela está me assustando. 

– Que bom, eu também pretendo ter filhos. Vários! – assenti sem a olhar. Omma apareceu descendo as escadas, correndo. – Cuidado Sra. Ana, pode cair se descer correndo. – se levantou, colocando as mãos para trás.

– Obrigada pela preocupação, querida. – sorriu. Joy começou a chorar, mexendo as mãozinhas. Achei fofo, mas meu ouvido já estava doendo. A entreguei para a Omma, ela parou de chorar imediatamente, puxando a camisa da Omma. 

– Apenas por precaução, quero que veja nosso casamento e seus netos. – disse animada, a olhei confuso.

– Ah, pretende se casar com Taehyung? – ela me olhou confusa, Omma negou com a cabeça e colocou a mão na testa. Ela ia falar algo, mas pelo medo, a cortei. – Omma, vou lá fora, deixei meu caderno e meu violão. – ela assentiu.

– Que tal conversamos, enquanto alimento, Joy? – Lisa assentiu animada. Sorri para as duas, e sai dali o mais rápido possível. 

Encontrei Appa conversando com Taehyung, com meu violão em mãos, Taehyung estava com meu caderno. 'Corri' até eles, e segurei o ombro de meu Pai. 

– Oh, já voltou? – perguntou surpreso. – Achei que iria ficar mais tempo conversando com a sua, 'amiga'. – bateu no ombro de Taehyung, que sorriu junto com ele, malicioso.

– Ela não é minha amiga. – revirei os olhos. – Só fica me perseguindo por todos os cantos na escola, chega a me irritar. – bufei, cruzando os braços.

– Convencido! – meu Appa zombou. – Não seja pegador, e respeite as garotas. Elas não são objetos! – disse sério.

– Eu sei Appa, vejo como trata a Omma. – cocei a nuca.

– Mas é diferente, quando está solteiro. – alertou. – Bom, de qualquer forma, tome cuidado. Tem muita gente querendo destruir relacionamentos hoje em dia. – dei de ombros.

– Vamos entrar Kook, sua namorada parece ser legal. – Taehyung disse animado.

– É ela parece ser bem educada, e gostar muito de você, além de ser bonitinha, eu gostei dela. – sorriu, bufei.

– As aparências enganam, Appa. – digo cansado, ele deu de ombros. – Mas tudo bem. – olhei para o chão, pensativo.

– Oi Nonna! – Tae praticamente jogou meu caderno em cima de mim, e correu para abraçar.. me virei para trás, Gabi. – Eu senti sua falta, sabia que minha irmãzinha nasceu? Ela está lá dentro quer conhece-la? – perguntou segurando sua mão, pulando animado.

– Eu também senti sua falta. – sorriu, mas não parecia estar bem. – Sobre sua irmãzinha, ela acabou de nascer, não quero atrapalhar vocês, hm? Sua Omma deve estar cansada demais para receber visitas, que tal depois? – acariciou seu cabelo, ele sorriu e negou.

– A namorado do meu Hyung, está lá conversando com a Omma, acho que se você for, não terá problema. – sorriu, Gabi me olhou assustada. 

– E-eu. – Tae me interrompeu.

– Vamos, vamos, Appa tudo bem? – Meu Pai assentiu sorrindo. Correu a puxando para dentro de casa. Engoli em seco, olhando para meu Appa despreocupado, afinal ele não sabia o que tinha acontecido na escola. 

Entrei correndo em casa, e meu pai me seguiu mesmo sem entender. Ao entrar travei, vendo Lisa sorrindo para Gabi, ela deu um passo para trás e abaixou a cabeça.

– Oi Gabi, como vai? – perguntou sorrindo, enquanto cruzava os braços. Meu pai segurou meu ombro, e sorriu.

– Vocês já se conhecem? Que legal! – coloquei meu caderno em cima da mesinha que ficava com os controles, e fiquei ao lado da minha vizinha, a olhei de lado, vendo seus olhos marejados mas ela segurava.

– Sim, nos conhecemos na escola. – ela riu. – Não é Gabi? 

– C-Claro. – disse chorosa, suspirei. Peguei sua mão e a segurei, sentindo a mesma suada, mas estava gelada. 

Foi aí, que eu a observei. Ela estava com uma blusa de frio, sendo que hoje estava muito calor. Ela apertou minha mão, olhei para as nossas mãos, sentindo uma animação crescendo, nem sei ​o porquê. Lisa estava me olhando com certa, indignação. 

– Solte minha mão. – ela sussurrou.

– Não se preocupe, não vou soltá-la. – sussurrei de volta. – Bom. –  a puxei de leve, para perto da minha Omma. Minha Omma estava me olhando de um jeito tão surpreso, que fiquei até magoado. – Essa é a minha irmãzinha, ela é pequena né? – ela assentiu, ainda olhando para baixo.

– Está tudo bem, querida? – Omma perguntou, meio preocupada. 

Omma sempre sabe quando alguém tá mal. Sério, não dá pra esconder nada dela! 

– Sim, só estou cansada, hoje foi um dia muito corrido. – sorriu fraco. – Ela é mesmo muito linda, parece com a Senhora. – passou a mão pela cabeça da pequena.

– Sim, eu também achei. – nós rimos, menos Lisa, que riu forçado. – Não precisa me chamar de Senhora, pode me chamar de Ana ou Nonna, mas Senhora não, me sinto velha e eu ainda sou nova. – fez bico. – Só não lhe dou para segurar, porque ela está mamando, se não te dava com maior carinho! – arrancou um sorriso dela. 

– Obrigada, Ana. – me olhou. – Eu preciso ir, tenho que fazer algumas coisas. – tentou soltar minha mão.

– Eu vou leva-la até em casa. – a puxei. 

– Mas a casa dela é ao lado. – Lisa se pronunciou, tentei dar um sorriso.

– Sim, mas eu preciso falar com ela. – puxei Gabi, até ela se chocar com meu corpo. – E é muito importante. 

– Você pode me levar para casa depois? – arregalei os olhos, eu ia negar mas meu appa falou por mim.

– Ele pode sim, pode até aproveitar e compras algumas coisas para sua irmã. – Appa me lançou aquele olhar novamente. 

– Vamos, Gabi. – a puxei até sairmos de casa. 

Saímos de casa, ainda com as mãos dadas. A puxei até ficarmos de frente para a sua casa. A olhei, ela olhou para o chão e soltou minha mão. Suspirei e a puxei para um abraço, apoiei meu queixo em sua cabeça, já que ela era mais baixa.

– Olha, eu sei o que aconteceu. – sussurrei, ela retribuiu o abraço aos poucos. – Fica calma, tá. Ela não vai fazer nada com você, eu não vou deixar. – fechei meus olhos. Mas os abri assim que percebi o que tinha dito. – N-não, e-eu. – ela me olhou corada, senti minhas bochechas queimarem. – D-digo como amigo, e-eu.

– Tudo bem, eu sei que você tem namorada. – saiu do meu abraço. – Não era nem para eu estar te abraçando, me desculpe, foi um descuido meu. – se curvou. 

– Nã– interrompido, odeio.

– Gabi!? – respirei fundo, já reconhecendo a voz. 

– Oi Sehun. – sorriu fraco, me olhando. – V-vooo. – abriu a boca, olhei para o mesmo. 

– Preciso conversar com você. – disse com os braços cruzados.

Deixa eu explicar, ele estava sem camisa, com os braços cruzado. Seu cabelo estava molhado e seu corpo também.

– T-tudo bem, podemos conversar. – me olhou. – Não podemos mais nos falar, Jungkook. Eu respeito o relacionamento de vocês. – bufei, puxando meus cabelos. 

– Mas a gente. – foi interrompido.

– KOOK OPPA, EU ESTOU INDO EMBORA! – escutei o grito de Lisa. 

– Gabi. – suspirei.

– Tudo bem. – riu soprado. 

– Depois a gente conversa. – sai andando em direção a minha casa, a impedindo de que falasse. 

 

Ana

Depois de colocar Joy no berço, estava com Jin. Ele só sabia elogiar a garota, Lisa. E isso já estava me irritando. 

– Jin, eu não acho que ela seja a garota certa para o nosso filho. – ele me olhou, incrédulo. – Viu como a Gabi ficou, assim que a viu? Deve ter acontecido alguma coisa.

– Acho que não aconteceu nada e deve ser só impressão sua. E sim, eu acho ela ótima para o nosso filho. – se levantou. – Ela foi educada e carinhosa.. Eu gostei dela. – foi até a estante de filmes.

– Eu sei, Jin mas sei lá. – me remexi, incomodada. – Algo me incomoda nela! 

– Ah Ana, deve ser porque você não a conhece direito. – deu de ombros. – Eu achei que ela ficaria muito bonita com o Kook. – mostrou um dvd, neguei e ele voltou a buscar outro. – Depois você se acostuma, ah e percebi que Jungkook também ficou meio incomodado.. Acho que ele gosta dela! 

– Acho que não. – digo pensativa.

– Ana, eu sou o homem, eu sei! – piscou para mim. – Nosso filho está caidinho por ela, só você que não percebeu. – colocou um dvd e se sentou ao meu lado. – Ela já até percebeu, por isso me chamou de Sogro e te chamou de Sogra. Ana, não se preocupe, você vai gostar dela. – sorriu me olhando. 

– Eh, realmente. – Jungkook estava mesmo incomodado, acho que pode ser uma possibilidade. – Que filme você colocou? – o olhei, ele contraiu o lábio, prendendo o riso.

– Encantada! – dei um tapa em seu ombro. – Aí, você já está boa hein. 

– Foi parto seu idiota! – dei outro tapa. – Eu odeio Encantada, pode tirar! – apontei para a tv. 

– Não! – ele exclamou como uma criança. – Vamos ver sim, porque ela é uma princesa. – bufei e tentei me levantar. – E você vai assistir comigo, estou com saudades de você! – segurou minha cintura, me prendendo. 

– Aff. – cruzei os braços, desistindo, Ele sorriu orgulhoso, passando um braço pelo meu ombro. Me deu um selinho, tentei prender um sorriso mas não consegui.

 

Gabi

​Depois de trocar de roupa. Coloquei uma saia e uma blusa de manga comprida, para esconder os cortes. Sei que eles iriam desconfiar mas eu sei inventar uma desculpa. 

Fui até a cozinha, pegando uma maça. Sei que eles estavam lá fora, porque eles são muito barulhentos. Me escorei na porta, vendo os bobões, na piscina. Chanyeol parecia uma criança, tacando água em todo mundo. O que me preocupava era Baek, esses meninos são doidos, eles podem matar o meu bebê. 

– Gabi, está calor. Não vai entrar? – Tao saiu da água e correu em minha direção, neguei sorrindo. – Por que está com essa blusa? – jogou o cabelo para trás.  

– Estou com um pouco de frio. – falei a primeira coisa que veio na minha cabeça. Ele ia colocar a mão na minha testa, porém segurei sua mão. – Está molhada. – ele abriu a boca, me fazendo rir. 

– Ae! – disse sem graça. – Bom, pegue um sol pelo menos, está muito pálida! – sorriu e voltou para a piscina, pulando na mesma. 

Eu ri, observando eles. Eu estava triste, mas não queria demonstrar isso para eles. Eles são chatos, irritantes e ciumentos mas eu os amo. São os melhores irmãos que eu poderia ter. Bobos.

Dei meia volta e saí para tomar um ar, me encontrando com Taehyung.

​[...]

​Jungkook passou por mim e foi de encontro com Lisa, nem deixando que eu falasse. Suspirei frustrada e encarei Sehun, que me olhava sério. Já esperava aquela bronca dele.

Ajeitei meu cabelo e fui ao seu encontro. Ele não disse nada, apenas descruzou os braços e me saiu me puxando para dentro de casa. Ouxi, o povo tá com uma mania de me puxar hoje. Fechou a porta do meu quarto, e fechou as cortinas. E por fim, me olhou sério, voltando a cruzar os braços.

– Você foi pra piscina? – perguntei mesmo sendo obvio, Sehun era muito sério e as vezes dava medo.

– Não muda de assunto. – disse sério, se aproximando, dei passos para trás, até me encostar na parede.

– M-mas que assunto? – engoli seco. – Não entramos em nenhum, pelo que eu saiba.

– O fato de que fico louco de ciúmes quando te vejo com ele. – abri a boca para falar, mas apenas solucei por conta do susto. Me pegou pela cintura, impedindo qualquer tentativa de dialogo. Me beijou de forma desesperada, me pressionando contra a parede. Seu corpo me molhou toda, já que estava com o corpo molhado.

Passei minhas mãos por seu abdome, eu não perderia essa chance, subindo para sua nuca. Puxei seus cabelos aprofundando o beijo. Apertou minhas coxas, circulando sua cintura com minhas pernas.

– Sehun. – digo entre o beijo. Se separou por falta de ar, mas logo continuou a me beijar. 

Me colocou sentada em algum lugar e apertou minhas coxas, as subindo lentamente. Desci minhas mãos, até chegar em seu short, ameaçando a tirá-lo. Sehun cessou o beijo, desceu o mesmo para o meu pescoço, trocando por mordidas. Arfei, jogando a cabeça para trás e apertando o cós do short. Subi minhas mãos novamente, arranhando seu abdome, arrancando um arfar dele.

De repente ele parou tudo, me olhou confuso. Depois de segurou meu braço, onde estava os cortes. Tentei o impedir mas ele levantou a manga, dando visão dos meus cortes. Só assim percebi que estávamos no banheiro e eu estava sentada na pia. 

 


Notas Finais


1- D?
2- L?

Ah, me esqueci de falar. A fanfic é 'baseada' nas musicas: Secret Love Song (Little Mix) e Let Me Love You. Basicamente essas duas, eu me baseio mais ou menos, mas é isso. Acho que tem mais uma música, eu só não me lembro qual, mas tudo bem.


Perfil: @GabiKook


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...