História I Can be a Hero - Yoonmin. - Capítulo 2


Escrita por: e jlyakim

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Guerra, Jimin Inumano, Minimini, Sugamin, Super Herois, Yoongi!policial, Yoonmin
Visualizações 205
Palavras 3.169
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá amoras 🌝🌝🌝🌝🌝🌝🌝🌝🌝
Como estão???

Boa leitura...
😘😘😘😘

Capítulo 2 - Capítulo 01


Fanfic / Fanfiction I Can be a Hero - Yoonmin. - Capítulo 2 - Capítulo 01

Quando Yoongi prometera ao namorado que "logo logo" seria promovido, ele não mentira. E, por isso, nesse exato momento, os dois se encontram em um baile de gala político. Cercados de pessoas ricas e bem vestidas, políticos, policiais e outras classes sociais que regiam aquele país. Ou seja, pessoas que Park desprezava.

Jimin não queria estar naquele lugar tão falso, isso era fato. Porém, era um momento especial para o homem que amava, então como ele poderia simplesmente negar ao pedido animado do companheiro, para que fosse seu par da noite? Tudo bem que aqueles olhares julgadores e superiores que recebia ao dizer que não, não era do ramo policial como o namorado e sim, apenas um garçom em uma cafeteria 04 estrelas, estavam o dando no saco. Ou então, como o olhavam de cima abaixo, quando Yoongi o apresentava como seu parceiro, com aquele sorriso lindo em seus lábios. Sim, ele só queria correr pata fora daquele Salão e gritar, mas não faria isso. Ele sabia perfeitamente o quão importante para Suga, era toda aquela merda. Então, não. Pela felicidade de seu amor, ele poderia lidar com aquilo durante as próximas horas. Ele conseguiria.

Suspirando, o ruivo passou seus olhos pelo lugar e levou a taça pela metade até seus lábios, bebendo um bom gole do Champanhe caro que recebera mais cedo. Yoongi havia sido chamado para dividir um charuto com o presidente e seu vice, e por mais que não fumasse, ele não podia simplesmente negar o convite. Ele até chamara o namorado para o acompanhar, mas claro, Jimin havia recusado. Ele não queria ficar em uma mesma sala, respirando de perto o mesmo ar, que um cara que fora eleito por prometer exterminar sem dó a sua raça. O ruivo tinha seus limites e esse era um deles.

Ao virar novamente o cristal transparente contra seus lábios, Park percebeu tardiamente que a sua única companheira da noite, a bebida, havia enfim acabado. Bufando, o mesmo se virou e encarou a sua volta, procurando por algum garçom ou alguma bandeja, todavia não encontrou nenhum dos dois. Antes que pudesse se mover para os procurar, uma taça cheia do que parecia vinho tinto, fora colocada em frente à si, chamando sua atenção para o homem loiro que a segurava. Ele aparentava ter por volta dos 30 anos e ser menos ridículo, do que os que o cercavam.

_Hum... Obrigado.- agradeceu o ruivo, ao pegar o objeto de cristal e engolir um grande gole do líquido cor de uva.

_Não há de que...- respondeu o homem loiro, enquanto dava um pequeno sorriso e estendia a taça para frente, como se o cumprimentasse, antes de também beber o líquido.- Então, você é o tão famoso Park Jimin?

_Bom, esse é meu nome. Mas temo que a parte do famoso, não seja verdadeira.- brincou o ruivo, abrindo um sorriso educado.

_Acredite, Jiminie... Yoongi fala tanto de você, que famoso é sua definição dentro daquela agência.

_Hum... É bom saber...- comentou o menor, não evitando uma careta incomodada com a maneira íntima demais, que o outro se referiu a si.- É muito bom saber que o Yoon pensa tanto em mim.

_De nada.- respondeu o homem, abrindo um sorriso estranho.

_Se não se importa, quem é você? Estamos um pouco em desvantagem, já que não faço ideia de como se chama.

_Ah, sim! Claro. Me desculpe pelos meus modos, Jimin. Eu sou Kim Seokjin. Assistente e braço direito do Presidente Kwan. E, com essa recente promoção do Comissário Min, eu acabei por me aproximar dele também. Apenas amigavelmente é claro... Como disse antes, ele só tem olhos para você.- o loiro estendeu uma de suas mãos e a encaixou a do outro, enquanto as balançava levemente, em um cumprimento. Tudo isso, sem tirar o sorriso formoso de seu rosto.- Mas, bem... É um prazer conhece-lo.

_Hum... Igualmente, Senhor Kim.

_Oh, não. Por favor, me chame apenas de Hyung ou então, Jin Hyung. Tudo bem? Não sou tão velho quanto pareço, e ainda estou muito novo para ser chamado de Senhor Kim.- brincou o mesmo, dando uma risada baixa.

_Okay... Jin Hyung.- se corrigiu Jimin, abrindo um sorriso, mesmo que estivesse um pouco confuso com a maneira amigável que estava sendo tratado por um cara, que nunca tinha visto na vida.

_Então...- o loiro voltou a puxar assunto, quando os minutos silenciosos começaram a fica constrangedores.- Você deve está muito orgulhoso do Comissário Min, não é?

_Oh, sim. Estou feliz por ele conseguir a promoção que tanto queria. Pelo menos agora, ele não estará na linha de frente dessa confusão toda entre humanos e inumanos.- respondeu com um sorriso aliviado nos lábios grossos, ao pensar sobre aquilo. Porém o mesmo sumiu gradativamente, enquanto observava o cenho franzido do outro homem, mostrando sua confusão.- O que foi?

_Hum... Não sei se devia dizer isso, já que você claramente não sabe... Talvez o Senhor Min queria fazer alguma surpresa... Ou algo do tipo...?

_Do que você está falando?- questionou Jimin confuso, vendo o outro aumentar a careta em seu rosto, como se ponderasse se devia ou não contar. Mas por fim, Kim apenas eu de ombros e decidiu falar, afinal, o que poderia acontecer de mal?

_Hum, depois da promoção a novo comissário policial do país, Yoongi foi chamado diretamente pelo presidente e designado como a nova “cabeça” das força especial de extermínio aos inumanos. Na verdade, amanhã será divulgada a nova lei sobre isso e sobre essa jurisdição. Que dá total direito aos exércitos, de matarem qualquer inumano ou humano associado a eles. Podemos dizer que será uma nova guerra mundial. Eu particularmente tentei ir contra isso, mas o Senhor Presidente está muito focado nessa nova lei. Só espero que não de tão errado, quando minha mente visualiza.

Jimin apenas ficou encarando Seokjin, como se uma terceira cabeça tivesse crescido em seu pescoço e de repente nada mais fazia muito sentido. Yoongi tinha aceitado uma coisa dessas? Ele havia mentido para si e ainda escondido que estaria no planejamento de um guerra? A porra de uma guerra contra inumanos?

Não, isso não podia ser real...

Sua mente, tentava o convencer de que aquilo provavelmente era verdade, porém, seu coração insistia em defender o homem que tanto amava. Yoongi não seria tão cruel daquela forma, certo? Como poderia está compactado com uma nova lei, que mais parecia uma definição terrorista? Tudo bem que os humanos estavam em desavença com os inumanos. Mas isso? Isso já era demais! Isso era genocídio!

_Você está bem? Jimin!?- o ruivo saiu de seus pensamentos ao ouvir a voz preocupada do Kim, soar um pouco mais alta, fazendo alguns olhares pararem sobre os dois.- Hey, você está bem? Do nada ficou pálido e não parecia me ouvir... Quer que eu chame o...

_Me desculpe, mas preciso ir.- e antes que o mais velho pudesse dizer mais alguma coisa, Park deixou sua taça vazia sobre qualquer mesa e começou a caminhar rapidamente, para longe daquele Salão, que parecia o sufocar.

[...]

Jimin entrou no primeiro cômodo que encontrou, esse que parecia mais um escritório particular. Suspirando, o menor caminhou até as enormes portas que levavam a uma bela sacada, o dando visão de quase toda a cidade a sua frente. Sua mente estava vibrando e pelo que parecia anos, e eram, seus poderem se fizeram presentes, tentando o convencer a usá-los.

Desde um dia específico no passado de Park, ele não ousara mais seus dons que o faziam tão diferente dos humanos. O trauma ainda era muito vivido em sua mente, para que ele conseguisse poder usufruir dos mesmos, sem começar a chorar. Todavia, parecia que seu corpo estava sendo guiado pela a mesma adrenalina que fazia sua mente vibrar. Então, antes que pudesse se controlar, suas mãos já estavam em punhos e se dirigindo a parede ao seu lado.

Um barulho auto invadiu todo o cômodo e o concreto tremeu levemente. E, onde a segundos atrás havia uma parede impecável, agora se encontrava com um buraco um pouco maior que o punho do inumano. O golpe não fora com toda sua força, mas fora com o suficiente para que sua mão atravessasse para o outro lado. E mesmo que aquilo tivesse aplacado um pouco da sua raiva, sua cabeça ainda não tinha o dado paz.

Decepção, mágoa e também um sentimento amargo de ter sido traído, explodia em sua mente. Fazendo com que seu coração se apertasse casa vez mais.

Suspirando, Jimin afastou sua mão direita do meio daquela bagunça que causara e a encarou. Os nos de seus dedos se encontrava sangrando levemente, mas não chegava a ser grave. Eram apenas alguns arranhões que logo curariam, graças a um de seus três poderes. Dando uma breve olhada para o estrago na parede, Park deixou que um pequeno sorriso debochado curvasse seus lábios, ao imaginar a cara do Presidente, quando visse aquilo. Seria engraçado ver o rosto daquele velho estúpido, ao saber que colocou um inumano tão perto de si e nem ao menos percebera. Afinal, nenhum humano conseguiria fazer algo daquela proeza.

O menor voltou a se virar para sua frente, vendo as luzes coloridas que clareavam aquela cidade podre. Mesmo que com todos aqueles sentimentos, uma parte burra de si – a parte apaixonada – o tentava convencer a conversar com o namorado e tentar entender o seu lado da história. Entretanto, se o lado que Jimin defendia, era o considerado certo, ele realmente gostaria de ouvir o mais velho? Ainda mais quando ele provavelmente o machucaria com suas palavras?

Ao que tudo indicava, o inumano teria sua resposta antes que conseguisse se decidir.

_Até que fim eu te achei, amor. Estava te procurando como um louco.- fora a primeira coisa que Yoongi disse, quando finalmente encontrou a cabeleira ruiva que tanto procurava. O mesmo caminhou até o outro e esperou que ele o respondesse ou ao menos o olhasse, porém Park continuou de costas para si.- Jiminie...?

_Por favor, me diga que não é verdade...- sussurrou o menor, ainda sem se virar para olhar o outro. Enquanto fechava seus olhos e apertava a mármore da varanda entre seus dedos, sentindo a se desfazerem lentamente.- Por favor, Yoon. Me diga que você não aceitou participar de algo assim...

_Jiminie? Está tudo bem?- Suga apenas inclinou a cabeça para o lado e já estava se preparando para perguntar o que ele queria dizer com aquilo, quando sua mente finalmente compreendeu. Só havia uma coisa que faria os dois terem uma discussão seria, apenas um assunto que dividia a opinião dos dois. Os inumanos.- Quem te contou?

_Então é verdade?- resmungou o menor, finalmente abrindo seus olhos e encarando sua mão pitada de vermelho pelo seu próprio sangue.

_Jiminie...

_É VERDADE, YOONGI?!- voltou a questionar, sem se importar com o fato de ter gritado. Ele apenas queria uma resposta negativa, mas é claro, essa nunca veio.

_Sim, Jiminie... É verdade.- Park soltou uma risada incrédula e negou com a cabeça, enquanto finalmente se virava para o outro e o encarava.- Eu ia te contar, okay? Eu só não podia dizer nada antes da declaração da lei, já que era um segredo de estado. Mas eu juro que ia te contar mais tarde.

_Você acha que o problema é por que você não me contou? Você realmente acha que eu sou tão superficial assim?- questionou revoltado, vendo o maior trocar o peso de seu corpo, sobre seus pés.

_Se não é por isso, então...?

_Mas que porra, Yoongi! Talvez seja por causa dos milhares de vidas inocentes, que serão findadas por causa desse homem nojento!? Ou então, pelo medo e desespero que se alastraram pela cidade por causa dessa merda toda!? Já parou para pensar na merda que você aceitou comandar? ISSO É GENOCÍDIO, YOONGI! VOCÊ ESTÁ ACEITANDO MATAR PESSOAS INOCENTES SÓ POR CAUSA DE PURO E DOENTIO PRECONCEITO!

_Jiminie, também não é assim! Essas pessoas não são inocentes como você diz. Sei que você é bom demais para ver que nem todos são pessoas do bem, mas ainda assim, isso não muda o que aqueles monstros são!

_Eles são os monstros? Vocês estão felizes pela merda de uma lei que autoriza que outros seres humanos, sejam caçado como animais e eles são os monstros? Sei que alguns inumanos já fizeram mal a vocês, mas outros humanos também já fizeram mal a nós! Como vocês podem ser tão fudidamente mesquinhos, em afirmar que estão fazendo isso pelo bem do povo, só para camuflar essa perseguição doentia? Só por eles serem diferente, devo ressaltar!

_Jiminie, você está exaltado e começando a passar dos limites. Então por favor, pare. Antes que alguém o ouça e entenda errado.- comandou Yoon, olhando rapidamente para a porta aberta atrás de si, antes de encara o rosto revoltado do namorado.

_Oh, sim. Claro! Eu tinha me esquecido- debochou o ruivo, enquanto abria os braços e dava um sorriso sarcástico.- Eu não posso mais expressar minha opinião, sem que um belo tiro, seja direcionado a minha cabeça, não é? Eu não posso mais jogar na sua cara, o quão estúpido você está sendo. Já que a qualquer momento, alguém pode dizer que eu estou "comungado" com os inumanos e então serei morto em prol do bem da sociedade.

_Jiminie, apenas pare, okay? Sei que você não concorda com isso, mas não vai ser sua crise ridícula que vai mudar algo. Então pare, antes que alguém mais veja esse seu showzinho.- resmungou o moreno, enquanto dava rápidos passos até seu companheiro e segurava seus braços, os abaixando e finalmente vendo suas mãos machucadas.- Está sangrando? O que aconteceu?

_Eu pensei que você era diferente.- sussurrou Jimin, sentindo seu peito doer e uma vontade enorme de chorar o invadir. O ruivo sabia do ódio que seu namorado nutria pelos inumanos, mas isso, isso era diferente. Isso era doentio. Isso era desprezível. E estava o magoando profundamente.- Eu realmente estou decepcionado com você, Yoongi. Tanto, que até dói.

Declarou o mais novo, enquanto retirava as mãos do moreno de cima de si e as afastava, se negando a encarar seu rosto. Ele não mentira, aquilo estava realmente doendo. Seu peito estava tão apertado, que chegava a o fazer se encolher involuntariamente.

_Jiminie...- Park apenas negou com a cabeça e puxou seus braços para fora do aperto alheio, quando Min tentou o segurar novamente, e começando a se afastar.- Jiminie, espera... Vamos conversar, okay? Apenas me espere aqui e eu prometo que me despeço de todos rapidamente. Eu só preciso...

_Não. Eu não vou esperar. Não aguento mais ficar um minuto aqui e respirar o mesmo ar que esses assassinos. Eu vou para casa.

_Tudo bem, tudo bem... Eu só vou pegar meu casaco e as chaves do carro, e então podemos ir.

_Você não entendeu, Yoongi. Eu vou embora para o meu apartamento. Como eu disse, estou muito decepcionado com você e não consigo nem ao menos, ver seu rosto no momento. Eu preciso de um tempo sozinho.

_Jiminie, eu...- Suga tentou dizer mais alguma coisa, porém o ruivo apenas se virou e saiu pela porta. Sem se importar em dizer ao menos um "tchau", para o mais velho. Esse que olhava o corpo de seu amado se afastar, fazendo com que aquele aperto em seu peito aumentasse a cada novo passo, que o levava para mais longe.

[...]

Jimin caminhava calmamente pelo piso colorido da pequena lanchonete onde trabalhava. Eram por volta das 20:00 e como o movimento do dia tinha sido bem fraco, o dono havia o permitido fechar mais cedo. No momento, ele se encontrava arrumando os cardápios plastificados sobre o balcão, enquanto sua mente imperativa rondava sobre vários assuntos. Mas claro, dois prevaleciam. Min Yoongi e a nova lei 206.

Já tinha cerca de duas semanas, que aquela discussão com Suga, havia acontecido. E também, já haviam duas semanas que eles não trocavam uma mísera sílaba ou ao menos, se viam. Park sabia que provavelmente, Yoon deveria estar subindo pelas paredes, afinal, o moreno não suportava assuntos inacabados ou mudanças de rotina. E, por mais preocupado que seu coração estava em relação ao namorado, Jimin ainda tinha muito ressentimento dentro de si, para jogar tudo pro alto e ir atrás do outro homem.

E aí entrava o segundo motivo.

A uma semana atrás, a lei 206 fora finalmente aprovada pelo governo e imposta a população. E, não fora preciso nem 24 horas, para que o caos começasse. Humanos revoltados com aquela situação, sendo mortos em manifestações. Inumanos inocentes, sendo dizimados sem poderem nem ao menos se defenderem. E, a metade alienada da população que acreditava em tudo o que aquele verme conhecido como presidente Kwan, comemorando toda aquela carnificina. Afinal, aquilo era tudo para que eles ficassem protegidos. Deus. Jimin tinha ouvia tantas vezes essa frase durante os últimos 07 dias, que podia jurar que socaria o primeiro que viesse o dizer aquilo novamente.

E fora por isso e pelo fato de sempre que ligava a TV, ver que o número de mortos havia aumentado de maneira alarmante, que o ruivo se mantinha longe de Min. Ele amava Suga, disso ele não tinha dúvidas. Porém, saber que o homem mais importante de sua vida, estava diretamente ligado à toda aquela situação desprezível, o machucava. Machucava muito, ao ponto de não querer vê-lo em sua frente. O gosto da decepção, ainda era muito forte em seus corpo. Yoongi o decepcionara e, mesmo que seu coração sangrasse de saudades, ele não o queria por perto.

Suspirando, Jimin vestiu sua jaqueta azul e pegou sua mochila, a colocando em suas costas. Como já havia acabado de organizar tudo por ali, o menor apenas decidiu que iria para seu apartamento frio e vazio, se jogar em seu sofá e comer qualquer besteira requentada, que ainda não havia estragado em sua geladeira. Com um último olhar sobre o lugar, Park apagou as luzes e saiu, fechando a porta logo em seguida. Com o canto de olho, ele viu uma sombra se mover rapidamente em direção ao beco que havia atrás da lanchonete. Movido pela curiosidade, o garoto caminhou até o mesmo e franziu os olhos, tentando olhar a sua frente, já que a escuridão dominava a maior parte do beco.

Sentindo um arrepio passar por seu corpo, Jimin ouviu um pequeno alerta soar em sua mente, indicando que aquilo não era uma boa ideia e que devia correr. E fora isso que ele fez, se virando rapidamente e se preparando para fugir o mais rápido que conseguia, o que não era nem um pouco devagar.

Porém, antes que conseguisse, algo acertou a parte de trás de sua cabeça com força, fazendo tudo a sua volta rodar e ficar embaçado. Até que a única coisa que sobrou, foi a pura e aterrorizante escuridão, de quando enfim desmaiou.


Notas Finais


🌉🌉🌉🌉🌉🌉🌉🌌🌉🌉🌉🌉🌉🌉🌉

Então... 🌝🌝🌝🌝🌝

Perceberam que o Jiminie tem um "trauma" e por isso não usa os poderes dele, né??? O que vocês acham que seja???

É, sim... o Minie tem 03 poderes por causa dos pais dele... Super força, super velocidade e a habilidade de se curar mais rápido... (Ele é tipo o Flash, com o Super Man e o Wolverine juntos 😂😂😂😂😂😂😂😂😂)

Se vocês ficaram com raiva do Yoon, acreditem quando digo que nem começou... 🌝🌝🌝🌝🌝🌝🌝🌝

Quem sequestrou o Jimin e por que???? Quem acerta ganha um tapa na bunda, valendo 💃💃💃💃💃🕺🕺🕺🕺

Espero que tenham gostado
Beijinhos e até a próxima amoras lindas do meu coração 🙆‍♀️🙆‍♀️🙆‍♀️🙆‍♀️🙆‍♀️🙆‍♀️🙆‍♀️🙆‍♀️🙆‍♀️💗💗💗💗💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...