História I didn't want to, but I loved - Lutteo - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Luna Valente, Matteo
Tags Lutteo
Visualizações 360
Palavras 2.317
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey Persons!

Queria pedir mil desculpas, MIL DESCULPAS MESMO, pela demora.
Meu Deus, eu me sinto horrível por ter demorado tanto. Eu tava com tantas coisas na cabeça, era um bloqueio de criatividade, que meu Deus.. Mas, eu prometo me comprometer mais, não só com esta fanfic, mas também com Love Beyond Life, Ok?

Voltando a fic, queria dizer que eu dei um pingo de "charme" nesse capítulo, e que ele está bem fofinho, pelo meu ponto de vista, claro, ks. Aproveitem bastante, e mais uma vez, perdão pela demora..

(O nome do capítulo é meio peculiar, eu sei KK. Só achei que iria combinar com uma das cenas, então, é isto.)

Boa leitura!

Capítulo 6 - Beautiful Unicorn "pajamas"



Luna Valente

14h022 PM — Sexta-feira 



-..mais que pena, Jim. Oque aconteceu? Você está pensando em cancelar? - Pergunto ao telefone, enquando mordia um pedaço da minha maçã. A ruiva havia me ligado a uns minutos atrás para me avisar que infelizmente, teria que adiar sua festa.

—É que.. meu pais iriam viajar esse final de semana, mas acabaram tendo que adiar. Sendo assim, em consequência, minha festa também teve que ser remarcada. Até porque, fala sério, né? Uma festa adolescente fica mil vezes melhor sem a presença dos pais, não é mesmo? - acabo concordando, rindo. 

—Tudo bem, vou avisar pros garotos. E aliás.. feliz aniversário! - parabenizo, lembrando que hoje, a mesma cumpria 17 anos.

—Oh, obrigada por lembrar! - agradece, sorrindo em seguida. - Sinto muito por isso. Estou tendo que avisar todo mundo que convidei, que a festa não será amanhã, e pra falar a verdade, isso é bem cansativo. - escuto seu suspiro do outro lado da linha.

-Imagino.. - mordo mais um pedaço da minha maçã. - Não tem problema, sério. Mas.. já tem uma próxima data?

—Ainda não. Talvez eu acabe nem comemorando meu aniversário com uma festa. Porém, se acabar não rolando, ainda tem um grande ano pela frente. Em algum momento, eu vou acabar dando uma festa. Talvez não de aniversário, obviamente. Porém uma festa. - ela da de ombros.

-Isso é uma droga. Mas.. tudo bem. Curte bastante seu aniversário. E ah! Quando resolver dar uma qualquer dia.. me liga! - sorrio, e ouço sua risadinha envolver a ligação. A verdade é que Jim era famosinha por dar grandes festas. Eram sempre muito extravagantes, divertidas e ficavam com um gostinho de "quero mais". Palavras de colegas de escola, e não minhas. 

-Óbvio, você será a primeira que irei chamar. Agora, preciso desligar. Ainda tenho uma lista enorme de pessoas que tenho que ligar. Nos falamos na segunda. Beijos, Luna.

-Beijos.. - escuto a ligação ser encerrada, e coloco meu celular na cômoda.


Era uma pena mesmo a festa ter sido cancelada. Estava animada para sair amanhã, já havia escolhido roupa e tudo. Porém se não deu certo, vai haver outras ocasiões. Fazer oque, não é mesmo?

Volto minha atenção para a janela do meu quarto, enquanto comia minha maçã. O dia estava extremamente chuvoso. Nem havia ido ao colégio, por conta da tempestade que caia lá fora.

Peguei meu celular novamente, desci as escadas de casa, e fui de encontro a cozinha. Sentei na cadeira do balcão, e suspirei. Não havia nada para fazer. Meus pais estavam trabalhando, portanto a casa estava quieta e vazia. Pensei em ligar pra Nina, porém me lembrei que ela foi pra casa da avó ontem a noite. Gastón havia saído com a irmã mais velha, e Matteo viajou com seus pais para uma reunião de negócios que os mesmos tinham. É Luna Valente.. você realmente está sozinha.

Bufo frustrada, e deito a cabeça no balcão. Oque poderia fazer? Não dá pra sair, porquê está chovendo. Meus melhores amigos resolveram me abandonar em pleno dia de chuva.. arg, eu odeio ficar sem fazer nada!

Levanto da cadeira, e vou direto para o sofá. Fiquei passando os canais, para ver se algo de bom passava, e assim, tentando me distrair. 

Estava quase pegando no sono, quando escuto batidas ecoarem por dentro de casa. De princípio acabo me assustando, e sentando no sofá por impulso. Olho para a porta, pensando quem em sã consciência visitaria alguém com o mundo plenamente caindo lá fora. Com certeza era algum engraçadinho batendo, e saindo correndo. Deito no sofá, tentando recuperar o sono, quando ouço novamente as batidas persistentes na porta. Mais quem é o idiota?

Suspiro, pondo minhas pantufas e indo em direção a porta, ainda ouvindo as batidas.

—Já vai! Já vai! - furiosa, abro a porta, já reclamando. - Oque você tem na cabeça pra.. Matteo? - franzi o cenho, estranhando. Uma batida de vento gélido preencheu meu rosto, me fazendo estremecer. Ele estava com um guarda chuva, e sorria de lado pra mim.

-Oque você estava fazendo? Que demora pra atender.. - ele entra em casa, e ainda sem entender nada, fecho a porta.

-Mais oque.. oque você tá fazendo aqui? - pergunto, cruzando os braços.

-Oi pra você também, princesa. - ele ri.

-Oi. Oque você tá fazendo aqui? - pergunto novamente.

-Como assim "oque eu tô fazendo aqui"?Eu vim te ver. - ele passa as mãos pelo cabelo meio molhado por conta da chuva.

-Você não ia viajar com seus pais pra uma reunião de trabalho? - perguntei ainda confusa.

-Ah sim, isso. - ele fecha o guarda chuva, e pendura do lado da porta. - o voo deles foi cancelado por causa da chuva. Sorte a minha, nem queria ir mesmo. - ele dá de ombros. - Mas porque? Eu tô te atrapalhando? - suspiro, sorrindo.

-É óbvio que não. Fico feliz de que esteja aqui. Eu estava quase me matando de tanto tédio que me preenchia. 

-E você acha que eu não sei? Você não aguenta nem 15 minutos em um ambiente calmo. Luna Valente é ligada no 220. - dou uma gargalhada fingindo certa indignação.

-Ok, ok.. então, já que você está aqui, oque acha de vermos um filme? - tiro sua jaqueta meio molhada, e penduro perto do batente da porta.

-Acho uma boa. Terror?

-Hum.. pode ser. Que tal uns doces pra acompanhar? Chocolate, pipoca.. não sei. - falo caminhando em direção a cozinha, e abrindo os armários.

—Érr, claro. Uhn.. você acabou de acordar? É que.. ainda está de pijama. - ele pergunta, tossindo, limpando a garganta.

-Na verdade não. É que como eu não vou sair hoje pra lugar nenhum, resolvi ficar assim mesmo. - respondo, ainda procurando algo pra comer.

-Ah sim, é.. eu não sabia que você tinha outros pijamas que não fossem de unicórnio. 

-Qual é, Matteo? Não é porque eu gosto desse tipo de pijama, que eu vou ter outros 500 iguais. - acho graça e me viro para olha-lo, porém diferente da minha expressão divertida, Matteo estava sério, me olhando. Baixei meu olhar para baixo, e me dei conta do que estava usando.

Uma camisola branca de manga cumprida, que podemos dizer assim.. curta demais. Sua barra ia bem mais acima do joelho, oque dava uma bela visão das minhas coxas. Sem contar que ela era quase transparente, oque dava uma pequena visão  da lingerie que usava por baixo. Respierei fundo. Aquilo não foi proposital, até porque, antes de ele chegar eu estava sozinha. Só eu e Deus. Então, eu não vi problema algum de estar vestida daquele jeito.

Olhei para cima, e corei ainda mais quando o vi fitando descaradamente minhas pernas. Mordi o lábio inferior, e timidamente, fui baixando a barra da camisola, numa tentativa falha de tentar esconder um pouco das minhas coxas.

-Uhn, eu.. acho que vou trocar de roupa. Você.. você pode começar a fazer o chocolate? - perguntei gaguejando. Matteo parece acordar de um transe, e finalmente me olha nos olhos.

-Claro, vai lá, eu.. eu faço os doces.. - ele coça a nuca em sinal de nervosismo. Assenti com a cabeça, e subi os degraus com uma certa pressa. Entro no meu quarto, e após fecha-lo, solto o ar que tanto prendia. Deus! Oque foi aquilo? Claro que ele olharia, até porque, por mais que ele seja meu melhor amigo, é um garoto, e não o culpo por isso. Mas, eu podia jurar que havia algo de diferente em seu olhar que eu não sei dizer, não sei distinguir.. 

Bobagem.

Eu e minha mente fértil..

Sacudo a cabeça, afastando a cena que acabará de ocorrer, e troco de roupa.

Descia as escadas com algo mais comportado. Usava uma calça soltinha preta, com um moletom cinza de Grey's Anatomy, que ganhei de aniversário. Sério, eu era apaixonada por essa série. Aliás, não é surpresa, certo? Oque vocês esperavam de uma pessoa que sempre sonhou em ser médica, uhn?

Prendi meu cabelo num coque folgado, e fui em direção a cozinha, pra ver como andava as coisas.

-Eai, ainda não queimou nada? - perguntei, o empurrando de leve e indo fazer a pipoca.

-Engraçadinha. - ele ri, mexendo a panela a qual continha o brigadeiro. - sou ótimo cozinheiro.

-Não é oque as panelas queimadas da minha mãe dizem. - o provoco, colocando as embalagens de pipoca no microondas.

-Foi só uma vez.. - ele revira os olhos, e caio na gargalhada.

-Ainda tento entender quem é o idiota que consegue queimar um macarrão instantâneo. Qual é Matteo? Instantâneo? - arqueio as sombrancelhas, não contendo mais uma gargalhada. Me aproximo dele, pra ver como o chocolate estava. - Sem resquício de queimadura.. parabéns soldado! - demos uma risadinha, e desligo o fogo.

-E a pipoca?

-Ta estourando. - aponto pro microondas. - ah, tinha até esquecido, a Jim cancelou a festa de aniversário dela. - falo, encontando as costas no balcão, e vendo ele ficar de frente pra mim.

-Porque? - pergunta.

-Parece que os pais dela não vão mais viajar esse final de semana, e ela resolveu cancelar. Não tem graça uma festa com adultos, certo? - dou de ombros, vendo ele olhar pra cima pensativo.

-Triste. Tinha vários planos pra essa festa. - reviro os olhos, e cruzo os braços. É sério que ele estava falando disso pra mim?

-Ah claro. Pegar 5, 7, e 10 meninas, e quando achar que já está bom, repetir a dose, porque é oque Matteo Balsano faz de melhor! - evito olhar em seus olhos, porém posso sentir seu olhar sobre meu rosto, e seu sorriso debochado.

-Ei.. não é isso que eu quis dizer, ciumentinha.. - ele fala baixinho, retirando uma mecha do meu cabelo do rosto.

-Mais é oque vai fazer. Não que eu me importe, até porque a vida é sua e você faz dela oque quiser. - cuspo as palavras, sem perceber o quão grossa fui.

-Ei, ei, ei.. oque você tem, Luh? Tá mais bravinha que o normal hoje. TPM? - pergunta, levantando meu queixo, fazendo com que eu olhe diretamente para seus olhos.

-Sim. - suspiro, dizendo a verdade. - você sabe como eu sou nesses dias. Uma hora estou rindo, a outra estou sendo grossa. Não dá pra controlar. Perdão. - sorrio de lado.

-Tudo bem. Só faltou a parte de chorar. - ele acrescentou, tocando na ponta no meu nariz.

-Uhn.. daqui a pouco acontece. - demos uma risadinha, e ouvimos o microondas apitar. Vou até o mesmo, retirando a pipoca de dentro, e despejando no balde. Matteo faz o mesmo com o chocolate, e logo depois, vamos em direção ao sofá.

-Peguei uma manta para nós cobrirmos. - colocamos as coisas na mesa de centro, e assim, jogo a coberta rosa em cima dele. 

-Humm.. tem seu cheirinho. - ele cai no sofá, abraçado ao meu cobertor, enquanto eu ria dele.

-Eu nem sabia que tinha cheiro. - respondo procurando o controle da tv.

-Tem sim. Cheiro de Luna. - ele afunda a cabeça na manta, e fecha os olhos. Por um segundo imagino ele fazendo isso em mim, mais especificamente na curva do meu pescoço. Coro com meus pensamentos, e volto ao meu foco principal.

-Da pra você levantar, seu gordo? Tá em cima do controle. - ponho a mão na cintura, e chuto ele de leve.

-Olha a agressão, Srta. Valente. - ele joga o cobertor na minha cara, arrancando um pequeno gritinho de mim, e se levanta. 

Pego o controle, e coloco na Netflix. Escolhemos um filme, e logo mais estavamos sentados, cobertos, e comendo enquanto assistíamos ao filme.

Foram 1, 2, 3.. assistímos vários. A chuva ainda caia forte lá fora, e fazia com que o clima ficasse aconchegante. Comiamos chocolate e pipoca que nem dois esfomedos. Rimos em filme engraçados, nos assustavamos quando no caso era terror, e eu chorava quando era romance. Como por exemplo, agora.

-Sabia que só falava as lágrimas pra completar a TPM. - ele riu da minha cara, que estava ensopada de tanto chorar.

-Cala a boca, Matteo! - dou um tapa em seu peito, e ouço seu gruinhido de dor. Estava deitada com a cabeça em seu colo, enquanto assistíamos o filme. Estava concentrada em uma das melhores cenas, quando derrepente ,a luz acabou.

-Ah não, fala sério! Chuva idiota.. - murmuro, zangada. - Logo na melhor parte do filme!

-Parece que não vai voltar tão cedo. - ele fala, ouvindo-se logo em seguida um relâmpago. - Tá piorando..

-O clima tava tão bom. - olhei pra ele, e em seguida, o barulho de outro relâmpago atinge, me fazendo estremecer com o susto. - Eu não quero ficar no escuro, Matt. Você sabe que eu não suporto o escuro, e.. - me envolveu em um abraço caloroso, impedindo que eu continuasse a falar.

-Ei, tudo bem, Luna. Vamos só.. - ele me puxou rapidamente, e me deitou no sofá, logo em seguida se deitando ao meu lado. - esperar, tá legal? - nos cobriu com a manta, e, como o sofá não era espaçoso o suficiente para nós dois, ele teve que puxar meu corpo de encontro ao seu, para que nenhum de nós acabassemos caindo. Admito que, gostei da sensação. Ficava tudo mais aconchegante e quentinho.

-Tudo bem então.. - sorri levemente, colocando minhas mãos em seu peito, e me acalmando de imediato.

Ficamos calados o restante do tempo. Apenas.. esperando. Matteo vez ou outra, fazia um leve cafuné no meu cabelo, oque resultou comigo fechando os olhos e apreciando seu toque. A chuva que caía lá fora era o único barulho que ecoava pela sala, e de certo modo, me acalmava mais ainda. Aos poucos, vou sentindo minha respiração cada vez mais pesada, indicando que poderia apagar a qualquer momento.

-Eu tô com tanto sono.. - sussurro abrindo os olhos de leve, para mirar o rosto angelical que se encontrava em minha frente.

-Você quer tirar um cochilo, amor? - estava com tanto sono, que o fato de ele ter me chamado de "amor" quase passou despercebido por mim. Quase.. Apenas assenti com a cabeça. - Tudo bem. Pode dormir. Quando a luz chegar, eu te aviso e a gente volta a assistir, ok? - aceno positivamente, e em um piscar de olhos, apago.



Notas Finais


Luna com TPM, é uma chuva de sentimentos embolados, e quem tem que dar conta deles, é nada mais e nada menos que Matteo Fresa Balsano, ks
Espero que tenham gostado, deixem suas opiniões sobre o capítulo, e até mais galerinha!
Ps: Obrigada pela paciência que tiveram ao esperar um novo capítulo. De verdade, vocês são o máximo! 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...