História I don't speak but my mouth does magic. (kiribaku) - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Tags Boku No Hero, Kiribaku
Visualizações 144
Palavras 1.229
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Lírica, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - Smile.


Fanfic / Fanfiction I don't speak but my mouth does magic. (kiribaku) - Capítulo 5 - Smile.

Momentos bons.

Agora esses eram raros momentos na amizade de Ejirou e Katsuki. Eram tantas provas, tantos testes, tantos esforços que acabaram esquecendo do afeto, conversando apenas como dois trabalhadores normais.

São muitas coisas pra executar. Muitos estudos, concentração, determinação  e entre outras, aquilo querendo ou não enche a cabeça.

E no momento Kirishima está neste limite.

Arrancando os cabelos somente para não intrometer-se nos estudos reforçados do loiro.

Tudo isso no banheiro da pequena casa do mesmo, se segurando para não agarra-lo e chorar tudo o que precisava.

 A anos sonhava com o dia em que tira um ombro amigo em momentos assim.

Afinal quando sua mente começa a entrar em colapso a ajuda é realmente necessária.

Tapava sua boca e seu nariz cobrindo qualquer vestígio de som agoniante que poderia sair de si.

Mantendo-se no agora abafado banheiro, chorando e querendo mergulhar a pele, músculos, carne, ossos e miolos, na parede limpa do amigo, sentir os pedaços de materiais de construção travessarem a si, tirando todo o resto de sua vida não parecia má idéia, mas se conteve.

Suas mãos tremulas em um ato natural, foram até a fria maçaneta a apertando lutando contra os sentidos para abrir.

E tudo aquilo só se intensifica ao ouvir a voz do amigo.

-Kirishima?! Morreu aí?! -gritou o loiro, com o seu tom irritado e grosseiro de sempre

No fim a situação de Ejirou não estava mais em estado de ser contida, abrindo a porta e se forçando a caminhar até o quarto de Katsuki, falhando de forma piedosa.

Os joelhos encontraram o chão de forma brusca, os pulmões pediam por ar e o desespero do ruivo em puxar o mesmo era enorme. 

Sua boca e nariz pareciam estar tapados, e mesmo que ainda entrasse ar, não era o suficiente para que Ejirou se sentisse livre e em um local arejado.

Parecia estar em um cubículo, suplicando por sua saída.

-Kirishima, que barulho é esse ca....-olhou o mesmo caído quase sendo engolido pelas lágrimas, e correu até o mesmo se agachando na sua frente- Kiri?! Ei! Respira! -balancava suas mãos no ar nervoso pela situação de alguém tão querido

-Ei olhe pra mim!! -Bakugo ordenou sendo respondido apenas com um olhar sofrego, avermelhado e cheio de lágrimas como se implorasse por algo- Levanta, vem, eu vou te levar no hospital! -Sem saber  o que faria Bakugo tomou tal decisão se levantando com o amigo 

-Kiri apenas se acalme certo?! Respira comigo...-ensinou os movimentos de respiração controlável para o amigo que tentou seguir os passos do outro- Eu estou aqui. -olhou-o nos olhos e por uma fração de segundos pode sentir seu corpo inteiro queimar, enquanto impulsivamente Ejirou o abraçava chorando mais e mais

Mesmo que aquele abraço fosse para servir de algum apoio para Kirishima, parecia abraçar um manequim já que o corpo estático e agora frio de nervoso do amigo deixava essa perspectiva.

Continuou ali o abraçando até que tudo saísse para fora e ele finalmente conseguisse respirar com calma e se manter de pé.

Suspirou sofrego se afastando do loiro e o olhando culpado. O medo era visivel nos olhos do ruivo que quase arrastava sua cabeça no chão para desculpar-me com o amigo.

O que aconteceu depois foi inusitado, mas Ejirou procurou entender o lado do amigo e deixá-lo a sós no banheiro. Bakugo saiu correndo para o banheiro assim que recuperou seus sentidos.

Kirishima apenas tentava colocar sua cabeça no lugar enquanto esperava o amigo voltar.

E foi o que aconteceu, em poucos minutos Bakugo já estava ali todo vermelho e cheio de arranhões, porém mais calmo.

O loiro se sentou ao lado do maior olhando-o com ternura.

-O que houve Kiri? Me explique por que ficou tão mal derepente. -Com cuidado Katsuki acariciou os cabelos avermelhados do amigo tomando todo o cuidado para não encostar em sua cabeça

"Minha cabeça só estava pesando demais." Olhou os olhos carmesim tão conhecidos por si "Derrepete eu só não sabia o que fazer. Parecia que tudo..." Desistiu de seus movimentos olhando para cima contendo as lágrimas "É só muita coisa pra mim Kacchan." O olhou chateado e aquilo tocou profundamente o coração de Katsuki

-Está tudo bem. Eu estou aqui. Vou te ajudar com isso certo? Apenas se deite e durma um pouco, relaxe por enquanto. -tirou sua mão do cabelo incrivelmente macio, colocando a mesma de volta em seu colo

"Me desculpe por te abraçar." O ruivo fecha os olhos arrependido

-Você precisava de um abraço. Desculpe eu por não retribuir, desculpe mesmo por nunca ter te ajudado muito. -suspirou- Agora deite-se, eu fico ao teu lado. -Kirishima obedeceu se deitando e aí seu lado um pouco distante, seu amigo também se deita o cobrindo- Dorme tá? Estou aqui contigo.

Então ambos fecharam os olhos. Kirishima apenas esperou um pouco para poder abraçar o menor aí seu lado, sabendo que o mesmo já estava inerte em sono profundo.

Ver aquela carranca amolecer se transformando em uma expressão tranquila raramente vista no mesmo.

Aquilo lhe aquecia o coração. Mesmo tendo cometido uma gafe mais cedo, sabia que o amigo não se importaria com isso e que não iria tocar mais no assunto.

Porém todo aquele momento de apreciação se acabou assim que o ruivo voltou seus olhos para as marcas de uma e de arranhões no corpo do loiro, formando algumas pequenas feridas onde filetes de sangue saiam lentamente.

Viu a marca de tapa ainda presente nos braços do mesmo, viu toda a agonia presente em cada arranhão. 

Iria se culpar por aquilo se não tivesse agarrando no sono ali mesmo, abraçado a Bakugo.


Ao acordarem o clima tenso instalado nos dois sentados no chão comendo em um silêncio infernal, a seguinte pergunta sai como um soluço dos lábios de Katsuki:

-Eji? -o ruivo o olhou ainda de boca cheia, surpreso pelo silêncio ser quebrado de forma brusca- Isso já aconteceu outras vezes? Digo... você...fazer aquilo e tals...-evitou o olhar tocando no assunto de mais cedo

"Por que a pergunta Kacchan?" Suas mãos suadas indicavam o nervosismo ao ouvir aquelas palavras

-Er...hum...só me responda...-abaixou o rosto olhando de relance para as mãos do mesmo

"sim Kacchan. Mas não se preocupe, estou bem. " Sorriu passando segurança para o loiro que coçava a nuca tímido

-Tem como sorrir de novo? Dessa vez....mostrando seus dentes? -aquela pergunta só poderia acabar com um dia que já estava estranho, mas sem questionamentos Kirishima apenas sorriu olhando nos olhos do outro- Fofo...

"Se eu te pedisse pra sorrir para mim você faria? Mesmo que não estivesse com vontade?" Sem mais delongas o primeiro sorriso foi visto por Ejirou, era um sorriso não muito expressivo porém já valia, era mais um sorriso confiante sem mostrar os dentes, apenas um movimento nos músculos, mas que já fazia toda a diferença

"Primeira vez que te vejo sorrir." Se perdeu em seus movimentos apenas apreciando aquilo até o sorriso se desmanchar virando uma expressão envergonhada 

-Err... Agora já viu.... é...preciso...voltar a estudar....isso! O festival esportivo está chegando e precisamos ficar em primeiro lugar....-Bakugo se levanta correndo indo até sua escrivaninha e enfiando a cara em um livro pra disfarçar a vergonha, o que arrecadou uma série de risos do ruivo

Afinal...

Por trás daquela cara rabugenta existia um cara extremamente tímido que não gostava de se deixar levar pelos encantos de um certo ruivo.


Notas Finais


Curtinho


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...