1. Spirit Fanfics >
  2. I don't wanna stay - Imagine Yongha 1the9 (One Shot) >
  3. I don't wanna stay

História I don't wanna stay - Imagine Yongha 1the9 (One Shot) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Boa tarde amores.
Aqui vai uma oneshot do Yongha, tentei deixar o mais soft possível.
Espero que gostem e desculpem pelos erros.
Beijos😘

Capítulo 1 - I don't wanna stay


Fanfic / Fanfiction I don't wanna stay - Imagine Yongha 1the9 (One Shot) - Capítulo 1 - I don't wanna stay

P.O.V YONGHA...

Foi um grande passo para minha carreira, hoje trabalho em uma grande empresa de investimentos, meu pai me proporcionou esta chance depois de perceber que eu estava me esforçando para fazer meu próprio dinheiro e não pude negar, minha vida em meu antigo emprego era um pequeno inferno, eu a tornará um com minhas escolhas, mas por uma benção me tornei melhor, e agora sou um homem importante, com um cargo importante, que tinha escolhas.

Neste exato momento me dirigia para a sala do CEO, meu pai, o homem havia convocado uma reunião para decidir nosso próximo investimento, um negócio que segundo ele seria de meu interesse e apenas eu poderia fechar, veremos.

Em pouco tempo cheguei á sua sala, meu chefe estava sentado em sua cadeira olhando para o computador, pigarreei para lhe chamar a atenção, ele me olhou e sorriu logo falando:

‘’ Meu filho, chegou rápido, sente, por favor’’ assim o fiz ‘’ minha secretária te avisou sobre o novo investimento, não é?’’

‘’ Só me disse o básico’’.

‘’ Certo, nossos negócios se expandiram em todas as áreas, alimentícia, tecnológica, enfim, e eu tenho um especialista em cada uma delas, e no momento há uma que me chama muita atenção e não temos nenhum investimento na mesma, mas temos um especialista’’.

‘’ De que área esta falando meu pai?’’

‘’A é claro, não temos nenhum investimento na parte de entretenimento, especificamente estou de olho em uma casa noturna, elas tem um lucro absurdo!’’ fiquei com um pouco de receio do que viria em seguida ‘’ aquela que você trabalhava em especial, e ela está a venda, me desculpe por me adiantar, mas eu a comprei’’.

‘’ Não, tudo bem pai, mas onde exatamente eu entro nisso?’’

‘’ Simples, quero que você gerencie aquela casa noturna para mim, meu filho, este será seu salário, e quero que contrate duas pessoas de sua confiança para te ajudar nisso’’ está noticia me atingiu com força, eu havia jurado evitar aquele lugar, mas os números e até mesmo o valor que meu velho me oferecia eram o dobro do que eu ganho, o que já não era pouco, além de eu ter a chance de empregar meus amigos para me ajudarem. Mas, valeria a pena me castigar dessa maneira para melhorar minha vida? Tenho de pensar de maneira profissional, meu chefe me incumbiu esta tarefa, e eu teria de cumprir, e seria isso.

Levantei e fui para minha sala, eu teria de trabalhar a noite, na própria boate, peguei meu telefone e liguei para Doyun, um de meus amigos que trabalhavam no local, não tinha ninguém melhor que eles para trabalhar ao meu lado, disquei seu número e ele atendeu no segundo toque:

‘’ E aí Yongha, como é que tá? ‘’ ele devia ter acabado de acordar, sua voz ainda estava sonolenta.

‘’ Bom dia amigo, muito bem e você?’’

‘’ Iii, desde quando você fala chique assim?’’ ele riu do outro lado da linha.

‘’ Sei lá, acho que é o costume’’ também ri ‘’ escuta, vou te fazer uma proposta, e quero que avise o Taekhyeon, deve saber que a boate que você trabalha foi comprada por uma empresa maior?’’

‘’ Tô sabendo, também sei que eles irão chutar a maioria de nós de lá’’.

‘’ Está enganado nessa, a empresa que eu trabalho é a nova dona da boate, e meu chefe me colocou como gerente, vou manter todo mundo, talvez até aumentar os salários, mas a proposta é o seguinte, quero você e o Tae como meus ajudantes pessoais, e te garanto, vão ganhar bem!’’

‘’ Tá falando serio, é claro que a gente aceita, sabia que você ia voltar pra gente irmão! Quando a gente começa?’’

‘’ Hoje a gente fecha, meu chefe contratou um designer para cuidar de tudo, provavelmente amanhã de manhã tudo estará redecorado, novo, então amanhã cedo, lá na frente da balada, certo?’’

‘’ Todo mundo?’’ aquela pergunta me fez refletir, eu não poderia misturar meu pessoal com isso tudo.

‘’ Todos, pode avisar, ninguém perdeu o emprego, só vão assinar um contrato novo e mais lucrativo’’ minha voz saiu mais fraca do que eu queria, e o garoto notou.

‘’ Sei que vai ser difícil, mas vai melhorar a vida de todo mundo aqui, até a sua, essa é a sua família irmão, a galera toda vai te receber de braços abertos!’’.

‘’ Você sabe que nem todo mundo, não é?’’.

‘’ A maioria pelo menos, e tomará que eu não comece a falar chique que nem você!’’ ele riu novamente me impulsionando a fazer o mesmo.

‘’ É mais fácil eu voltar a usar gírias como você!’’.

‘’ Tem razão, sou muito mais influente!’’.

‘’ A cala a boca, sou seu chefe agora esqueceu!‘’ ele continuava a rir ‘’ te vejo amanha irmão, até logo’’.

‘’ Até, tchau’’ e desliguei, pensando seriamente no dia de amanhã.

O expediente acabou, me despedi de meu pai e retirei minhas coisas dali, logo de manhã eu levaria tudo para meu novo escritório, hoje eu queria descansar e me preparar para o novo emprego, desci até a garagem e peguei meu carro chegando rapidamente em casa, não tive paciência de cozinhar, preferi pedir uma pizza. Resolvi revisar alguns documentos para que os funcionários apenas os assinassem, tudo estava em seus conformes até que minha comida chegou, comi enquanto assistia um filme, logo adormeci ali mesmo no sofá.

[...]

O despertador de meu celular tocou ás seis da manhã fazendo com que eu acordasse, precisava de um banho, e assim o fiz, fui até meu closet e deixei uma camisa social e uma calça prontas para serem usadas, peguei uma cueca e entrei debaixo do chuveiro, a água morna escorria por meu corpo lavando a vergonha que seria voltar lá, o medo de tudo acontecer novamente, eu não confiava em mim mesmo quanto a isso, e apesar de ter se passado três anos ainda sofria por isso, ainda pensava todos os dias.

Terminei o banho e me vesti, não dava tempo para comer, seria mais fácil comprar algo no caminho, dirigi para uma direção diferente hoje, buscaria meus amigos em seu apartamento, parei rapidamente, comprei um café e um pedaço de bolo, fui comendo até chegar á casa dos dois, lá subi até seu andar e toquei a campainha, por algum milagre fui atendido de pronto, Tae abriu a porta, nos cumprimentamos e ele me convidou para entrar.

‘’ Nós vamos para o trabalho naquele seu carrão?’’ disse Doyun se aproximando de mim e apertando minha mão, eles estavam em suas roupas usuais, calças jeans e camisetas largas, enquanto trabalhavam tinham uniformes mais sérios, mas geralmente esses eram seus trajes.

‘’ Vamos sim, e não é um ‘carrão’ ‘’.

‘’ É sim cara’’ Tae se pronunciou olhando meu carro estacionado lá em baixo, não era um carro simples, meu pai me disse que primeiro eu tinha que ter um automóvel apresentável, e assim eu comprei um sedã da Mercedes, nada extremamente caro, porém dava para aparecer em reuniões sem ser motivo de chacota entre os empresários.

‘’ Não viram dos sócios do meu pai, esse fica parecendo lixo’’.

‘’ E é por isso que vou ser rico parceiro’’ disse Doyun, esperei eles se aprontarem, já eram quase sete horas e marcamos para as oito, eu tinha que me instalar no escritório ainda hoje, como diria meu pai, tempo é dinheiro, descemos e fomos direto para o trabalho.

Avistei a entrada da boate, o designer estava alterando-a quando cheguei, apenas o cumprimentei e entrei no lugar, e tenho que dizer, tinha ficado espetacular, aquele tom de luxuria ainda prevalecia, mas o cara havia conseguido misturar o antigo estilo e colocado classe nisso, exatamente como meu pai gostaria, o bar havia mudado, a pista de dança, tudo, os rapazes estavam tão deslumbrados quanto eu.

‘’ Tae, o escritório continua no mesmo lugar?’’

‘’ Esta sim irmão, vamos’’ seguimos até lá, estava com um tom mais sério, com cores frias e opacas, meu pai instruiu corretamente o decorador, me sentiria mais a vontade ali, a mesa púrpura de antigamente tinha sido substituída por uma marrom e uma cadeira de couro preta, mais confortável, busquei minha caixa no carro e levei para lá, arrumando tudo e preparando os contratos.

‘’ Vocês dois’’ os garotos vieram em minha direção ‘’ coloquem quem for chegando em ordem, vou apresentar minha proposta a cada um, e levem as dançarinas para o fundo, elas terão um estilista a partir de agora’’.

‘’ As meninas vão adorar isso’’.

‘’ Não só elas, vocês também terão roupas novas, mas primeiro as damas’’.

‘’ Vamos começar, assinem aqui’’ eles o fizeram com alegria, até se assustaram com o novo salário, e saíram, chamando um por um dos funcionários, a ultima a entrar foi Lina, uma das dançarinas, seus cabelos negros estavam amarrados em um rabo de cavalo, ela estava com suas roupas de ensaio, legging preta e uma regata masculina, pareceu se assustar quando me viu sentado na cadeira de chefe.

‘’ O que faz aqui Yongha?’’

‘’Sou o gerente daqui a partir de agora Lina’’

‘’ Então você é o chefe misterioso?’’ ela riu baixo ‘’ como eu não imaginei, sabia que voltaria!’’ seu jeito continuava o mesmo, confiança inabalável, a melhor e mais famosa dançarina daqui, a boate inteira parava para vê-la, sempre assim.

‘’ Na verdade eu não pretendia voltar, meu pai me fez uma proposta que eu não poderia negar, por mim ainda estaria em minha sala, na empresa’’.

‘’ Entendo, espero que se dê bem aqui, e que fique por muito tempo’’ ela mordeu o lábio, sempre era assim, sempre começava assim.

‘’ E como vai seu namorado, aquele piloto de corrida?’’

‘’ Deve estar bem, não estamos mais juntos, e se é essa a sua curiosidade, não estou com ninguém ‘’ peguei a caneta e lhe mostrei o contrato, marcando onde ela deveria assinar’’ mas isso é o dobro do que eu ganhava!’’

‘’ Eu calculo que o lucro aqui será grande, o marketing encima disso tudo trará um publico alto, e sei o quanto é difícil a profissão, por isso adaptei os ganhos’’ ela riu novamente.

‘’ Você mudou Yon, é um homem feito, temos sorte por tê-lo aqui, sei que vai cuidar muito bem de nós’’ Lina assinou e saiu pela porta, eu teria de me acostumar, seria difícil, ainda mais com ela aqui.

[...]

FLASHBACK...

A apresentação já estava prestes a começar, as luzes estavam se focando naquele palco pequeno demais para o número de dançarinas que entraria, eu estava atrás do balcão, servindo bebidas e fazendo meus drinks famosos, mas sabia que agora o foco seria delas, para ela especificamente, que ninguém mais olharia para o bar, era o único espetáculo da noite, mas valia a pena esperar até duas horas da manhã para ver, por isso que a maioria dos homens esperava, particularmente, principalmente eu.

As luzes pararam e as meninas subiram no palco com suas roupas provocantes e cabelos soltos, todos naquele lugar as desejavam, mas elas dançariam apenas isso, e assim fizeram, com seus movimentos com o quadril e uma música lenta, uma abertura sexy e bem marcada, até que ela aparecesse, Lina roubava a cena, fazendo a dança principal no polidance, e acabando com a sanidade de qualquer um, percebi que ela olhava em minha direção, descendo rebolando até o chão e mordendo o lábio, tão característico, meu desejo foi aumentando, e mesmo depois que as luzes do palco se foram, eu ainda pensava nela, era sempre assim.

Esperava ansioso meu turno acabar, por isso pareceu demorar uma eternidade, um minuto depois de terminar fui para o fundo, meu mais profundo pecado estava lá me esperando deitada em uma cama num quarto de aluguel para quem as meninas desejassem, ou se elas precisassem dormir por ali. Assim que cheguei a vi, deitada de costas para mim, com uma de minhas camisetas, assim que me viu Lina veio correndo em minha direção e entrelaçou as pernas entorno de minha cintura e me beijou fortemente, me separei rapidamente a jogando na cama.

‘’ Você me deixou na mão lá atrás sabia?’’ a garota riu e me puxou em cima dela me beijando novamente.

‘’ Se quiser posso resolver isso pra você’’ mordeu meu lábio inferior, deixando meu desejo nas alturas, eu a tomaria ali, assim como fazia todas as noites.

‘’ Hoje não anjo, eu faço as honras’’ tirei sua camiseta revelando a lingerie preta e aquele corpo maravilhoso, continuamos os beijos enquanto eu explorava cada centímetro dela, acariciando seus seios ainda por cima do tecido , a causando arrepios, desci beijos por seu pescoço, logo tirando minha própria camiseta, ela observou meu abdômen e umedeceu a boca, ataquei seus lábios novamente, levando minha mão para o fecho de seu sutiã o retirei e observei seus seios por alguns segundos logo a beijando novamente, enquanto a mesma soltava leves gemidos, enquanto ela sussurrava.

‘’ Eu te...ah te amo Yongha.’’

OFF...

Chega, eu tinha de parar com isso, passou, era uma tentação necessária, meu pai estava confiando em mim, e eu o faria ter orgulho.

As horas foram passando até a ‘ inauguração’ da boate, os meninos estavam nervosos, e a fila lá fora estava enorme, era pra ser assim, o lucro seria grande, e é por isso que estou aqui. Eu era uma criança apaixonada naquela época, já se passaram três anos, e aquele maldito amor não havia passado, eu ainda sussurrava seu nome ao vento, juras de amor que ela nunca escutaria, a desejava em silêncio e me lembrava de tudo o que havia acontecido entre nós. Tudo isso havia voltado com toda a força após ficar trancado na mesma sala com Lina novamente, tudo que queria era puxá-la para meu colo e tê-la ali, em cima da mesa.

Agora eu era o gerente, e agiria como tal, não posso esquecer o que ela me fez passar assim do nada, por mais difícil que fosse, por mais que todo momento que eu fechasse os olhos fosse o perfume dela que estava a minha volta, essa seria a penitência por todos os meus pecados.

Resolvi dar uma volta pela boate, a casa estava cheia e ainda não era nem meia noite, meus amigos estavam vestidos de maneira elegante, com ternos que eu havia comprado, Doyun me disse mais cedo que o barman que trabalhava ali após minha saída se chamava Jinsung, o garoto parecia ser legal e bem talentoso, até mesmo aprendeu a fazer o drink que criei.

A música estava no ultimo volume e as pessoas dançavam como se não houvesse amanhã, meus dois ajudantes já estavam acompanhados, eles nunca passavam uma noite sozinhos, sempre tiveram alguém, Taekhyeon veio em minha direção segurando a cintura da garota.

‘’ E aí irmão, gostou das roupas novas?’’.

‘’ Confesso que vocês ficaram muito bem assim, gosto de vê-los como merecem!‘’ ele sorriu com o comentário.

‘’ Vim avisar que as meninas decidiram começar o show mais cedo, daqui a pouco elas começam, se prepara ai parceiro, ou vai pra sua sala ‘’.

‘’ Eu dou conta Tae, pode deixar ‘’.

‘’ Nem eu dou irmão ‘’ a menina que estava com ele lhe deu um tapa e eu comecei a rir ‘’ calma gata, só quero dizer que elas dançam muito bem!‘’.

‘’ Você tem razão, elas dançam muito bem, mas se continuar assim vai perder sua acompanhante ‘’ ele piscou para mim e saiu, se a apresentação realmente for começar preciso de uma bebida para tontear, graças a minha sorte eu estava perto do balcão, caminhei até o bar e ocupei uma das banquetas giratórias, nunca havia ficado nessa posição, chega a ser até mesmo irônico, fiz sinal para o barman que veio depressa ‘’ Jinsung não é? ‘’.

‘’ Sim senhor ‘’ ele parecia ter a mesma idade que eu quando aceitei este emprego.

‘’ Me traga uma dose de whisky, por favor ‘’ ele pegou o copo e o gelo me servindo logo depois ‘’ muito obrigada rapaz, dizem que é muito bom em sua profissão! ‘’ .

‘’ O senhor sabe patrão, é meio difícil, dizem que o cara que trabalhava no meu posto antes era bem melhor, mas eu luto pra tentar alcançar ‘’.

‘’ Tem muito potencial, continue assim’’ ele sorriu e apontou para o palco com a cabeça.

‘’ As meninas vão começar ‘’.

Virei na direção do foco das luzes, em cada um dos postes de polidance estava alguma garota, novatas suponho, e todas as lembranças chegaram com uma avalanche em minha mente ‘sabe que sou sua Yon, sempre fui ‘ elas começaram uma dança mais rápida desta vez, a música ficando frenética, os gritos vinham de todos os lados, o pequeno barman se apoiou no balcão ao meu lado assistindo tudo embasbacado.

Era sempre assim, como se fosse a primeira vez, o silencio tomava conta do recinto, o DJ deixava a música no mudo, apenas o som do salto alto dela ecoava, um feixe de luz focalizava sua posição, duas ou três bailarinas a acompanhavam enquanto ela movia seu corpo de maneira provocante ‘ só você pode me ter, vai ser sempre assim ‘ seu olhar se virava na direção do bar, vendo que eu estava ali, ela morde o lábio e vira de costas descendo até o chão, ela tem o poder de conseguir o que quiser, e sabe disso ‘ eu ah... te amo Yongha’ suas curvas a mostra com aquelas roupas pretas, tudo feito para enlouquecer qualquer um que olhasse, para fazê-la ser desejada ‘ promete que vai ficar comigo pra sempre Yon – ela disse me puxando novamente na cama – Eu não posso deixar você ir – falei em seu ouvido’ eram apenas sussurros sobre ela, quebrando meu eu, me apaixono por seus sussurros outra vez, meu coração pesa, estilhaça mas o sorriso dela no palco também quando me observa, uma lágrima pesa em meus olhos e teima a descer, e assim o faz, um segundo de parada, não me importo com quem esta ao meu lado ou falando comigo, alguém segura em meu ombro enquanto fujo daquele lugar me fechando em minha sala, ouço batidas mas não sei se são o som de meus socos na mesa ou de alguém lá fora, as lágrimas escorrem por meu rosto sem controle, meus amigos entram na sala me puxando para eles enquanto eu lutava para não ceder, me abraçam com força me mantendo em seus braços.

‘’ Vai ficar tudo bem Yongha, calma, vai ficar tudo bem’’ Doyun tentava me tranquilizar, era inútil, ela não saia de minha cabeça, nunca sairia ‘’ calma, você vai dar conta disso, é forte, vai conseguir ‘’ como eles podiam acreditar nisso se eu mesmo não o fazia?

‘’ São apenas sussurros Doyun, como podem ter esse efeito? ‘’ eles não disseram nada, apenas continuaram me abraçando, me mantendo ali bem o bastante para não fazer nada, mal o bastante para quebrar.

FLASHBACK...

Estávamos jogados na cama de meu quarto quarto á horas, Lina desenhava coisas sem sentido em um dos meus cadernos da faculdade, minha família havia me convidado para ir a um jantar hoje, mas sinceramente eu não iria, um porque minha garota não seria aceita entre eles, e outra, eu trabalho a noite, não seria despedido por qualquer coisa.

‘’ Certeza que não vai respeitar sua mãe? ‘’ disse a menina com o olhar preso em seu desenho, me movi até ficar atrás dela mordendo o lóbulo de sua orelha ‘’ ela vai ficar irritada ‘’.

‘’ Não me importo, não quero perder o emprego, meus estudos dependem dele, eles acham que sou obrigado a ir a esse jantar por eles pagarem o aluguel daqui’’ ela me olhou de maneira acusatória.

‘’ E não é?’’.

‘’ Não dona Lina, não sou, um dia pagarei tudo o que eles gastam comigo, vou comprar uma casa descente para a gente’’ ela sorriu se virando para mim e se apoio em meus ombros sentando em meu colo olhando em meus olhos.

‘’ Uma casa que vai humilhar a da sua irmã, e eu vou poder decorar do jeito que quiser!’’ coloquei uma mecha de seu cabelo para trás de sua orelha fazendo carinho em sua bochecha.

‘’ Isso, a gente vai poder morar junto enquanto não arrumamos um emprego, nós casamos, você pode escolher o vestido mais lindo do mundo!’’ lhe dava beijos leves no pescoço enquanto falava.

‘’ Não consigo te imaginar de terno, mas seria perfeito, tudo isso Yon ‘’a coloquei deitada e me levantei para tomar um banho, daqui a pouco teríamos que ir para a balada ‘’promete que vai ficar comigo pra sempre Yon ‘’ ela disse me puxando novamente na cama.

‘’Eu não posso deixar você ir’’falei em seu ouvido dando um beijo em seus lábios ‘’ nunca farei isso, você me faz ser diferente Lina, uma versão melhor minha’’ ela me abraçou forte,eu era seu porto seguro e Lina era o meu.

OFF...

Ao menos era nisso que eu acreditava, depois de minha recaída pedi que Tae me buscasse outra dose da bebida, a música voltou ao normal, e minha mente estava viajando, meu passado não era o mais certo, porém lutei para estar onde estou, estudei e trabalhei até que meus pais reconheceram meu esforço, minha casa era confortável, meu carro também, tudo da maneira que sonhei, mas faltava ela, tudo o que imaginei até hoje envolviam a Lina.

Sufocava saber que ela estava ali e que não era minha, que não poderia tê-la novamente, eu deveria estar acostumado, meus últimos seis meses trabalhando ali foram assim, tive que ter toda minha força de vontade para não largar tudo para trás, mas agora tudo desmoronou.

Meu telefone tocou, era meu pai, deixei o copo de lado para atender, ele não poderia notar que eu estava bebendo.

“ Papai, tudo bem?”

“ Sim querido, liguei para perguntar como está o primeiro dia?”

“ Está tudo bem, a casa está cheia, os funcionários gostaram muito das novas propostas”.

“ Que bom meu filho, você vai se dar muito bem aí!”.

“ Tenho certeza que sim pai, boa noite, de um beijo na mamãe”.

“ É claro meu filho, boa noite” desliguei, não havia mentido, o negócio estava indo muito bem realmente, bebi o resto do conteúdo do copo, teria que levar até o balcão, ouvi uma batida na porta.

“ Entre" me recompus esperando um dos garotos abrir, mas quem entrou foi meu próprio desespero, Lina estava na minha frente com a mesma roupa que usou na apresentação “ o que deseja?”

“ Vim ver se estava bem” parecia ser brincadeira, como eu poderia estar bem? “ vi no momento que saiu, você estava chorando” seus olhos fitaram o chão.

“ Estou bem, foi apenas um problema...”

“ Não faça assim Yongha, não minta para mim!” ela se sentou a minha frente apoiando cabeça entre as mãos.

“ E por que eu mentira? Estou dizendo, estou bem!” seus olhos estavam tristes, eu a conhecia bem o bastante para saber que estava se sentindo culpada.

“ Sei que está triste, sei que não está bem, e sei que a culpa é minha!" pegou um lápis em minha mesa e começou a virar entre os dedos, mordendo o lábio inferior.

“ Você está supondo isso” eu já não tinha argumentos, nem conseguia pensar em algum, não com ela na minha frente “ quem te disse isso?”.

“ Os meninos, não brigue com eles, apenas estão preocupados" passei as mãos nervosamente pelo cabelo.

“Tudo bem, estou com alguns problemas para resolver, por isso não estou muito bem” falei calmamente.

“Pare de mentir, eu já disse!" ela aumentou seu tom de voz “ diga o que está acontecendo, não vê que estou preocupada!" isso já era um grito, seus olhos estavam marejados “ como pode se manter tão calmo assim, não imagina o quanto esperei, o quanto...” ela despencou em um choro desesperado, corri em sua direção a abraçando, não sei por que fiz isso, apenas fiz, uma espécie de necessidade de protegê-la.

“ Não chore Lina, por favor” ela soluçava “ Não se preocupe comigo, já passou, está tudo bem" a puxei para mais perto, sentindo seu corpo quente “ vem, vamos beber uma água” fui até o filtro que tinha ali, pegando um copo e entregando a ela que o pegou com as mãos tremendo, bebendo logo em seguida “ Não fique assim, sei me cuidar, tudo bem?“ Lina concordou com a cabeça.

“ Acabei de gritar com o meu chefe, devia me demitir" ela forçou um tipo de piada que saiu mais como um soluço, ri soprado.

“ Não posso fazer isso, é uma das melhores aqui, fora que eu seria linchado” a garota riu baixinho.

“ Prometa que se acontecer alguma coisa vai me falar, podemos no mínimo ser amigos".

“ Nem tudo pode ser resolvido assim, e prefiro não ser seu amigo, nada contra, mas tenho certa dificuldade para ficar perto de você” pronto, admiti, era essa a verdade, seus olhos me examinaram, percebi que estava com os botões da camisa abertos, tratei de os fechar rapidamente, tirando um sorriso da moça.

“ Não há nada que eu já não tenha visto" corei com sua resposta, ela era fogo “ te entendo, pra falar a verdade sinto o mesmo" me virei para ela a encarando, como podia dizer isso.

“ Agora quem deve parar é você” me olhou não entendendo “ não finja que se importa, que ainda sou importante pra você” pela primeira vez ela ficou sem palavras “ sei que importei para você um dia, mas agora mudamos, somos outras pessoas...” Lina se levantou indo em minha direção e colocando o dedo indicador em meus lábios, a outra mão se prendeu em minha nuca.

“ Ainda penso em você, ainda é importante, sei que ainda pensa em mim, aquela sua reação lá fora, foi a primeira vez que errei um coreografia e foi por sua causa, sabe que isso não tem pouco significado!” pousei minha mão em sua cabeça.

“ Sabe que é errado, nosso tempo já se foi, tem razão, nunca deixei de pensar em você, e se eu ficar aqui me apaixonarei novamente" admiti a ela o que estava entalado em minha garganta desde hoje cedo “ sou fraco Lina’’ minhas mãos levantaram seu queixo “ não posso evitar te querer’’.

“ Já disse uma vez e repito" seu lábios se moveram em direção à minha boca “ sou sua, sempre fui! “ meu autocontrole foi por água abaixo, avancei em sua boca, travando uma batalha por controle a sentindo ceder simultaneamente, eu sempre ganhava e assim foi. Caminhamos até minha cadeira onde me sentei a puxando para o meu colo:

“ Acho que estou louco, não posso permitir isto" meu corpo não obedecia, o desejo crescente me fez explorar cada canto de sua boca com minha língua enquanto ela desfazia o serviço a pouco tempo feito por mim em minha camisa, botão por botão, descendo perigosamente seus dedos por meu peito, arranhando e massageando a pele, já eu posicionava minhas mãos em sua cintura apertando e não deixando um centímetro de espaço entre nós, meus lábios foram até seu pescoço depositando leves beijos e mordidas que a fazia soltar gemidos baixos, com a voz rouca em meu ouvido me enlouquecendo cada vez mais “ me diz como quer isso baby, me diz o que quer?”.

“ Eu quero você Yongha “ ri baixo enquanto descia meus lábios por sua pele, passando-os  por sua clavícula, beijando parte de seus seios expostos pelo traje como uma linha de fogo traçada por minha boca, sua cabeça pendia para trás, movi minhas mãos apertando seu bumbum com vontade ouvindo um arfar da moça, todos os movimentos dolorosamente devagar, os dedos de Lina se moveram por meus ombros me ajudando a retira a camisa “ lindo".

“ Minha vez"  desatei as linhas do espartilho que prendia seu tronco o retirei e joguei em algum canto da sala, revelando seus seios, os observei maravilhado, minha mão esquerda passou a trabalhar em um deles massageando enquanto minha boca estava no outro, a garota se contorcia segurando forte meus cabelos,  a senti rebolando em meu colo para me provocar, ela não deixaria o que fiz barato, continuei o que fazia tentando ignorar o contato de nossas intimidades ainda cobertas, mas estava difícil, meu membro já estava alterado de desejo, se continuasse assim eu a tomaria ali e agora, era o que queria, meu corpo precisava disso. Deixei seus seios e parti para algo que a deixava louca, levantei meu quadril aumentando o contato e aproveitei a deixa abaixando sua calça preta extremamente colada, ela estava encharcada, afastei sua calcinha passando dois dedos por sua intimidade, Lina arfou violentamente mordendo meu ombro, eu amava isso, o que lhe causava, seu corpo reagia instantaneamente a mim, passei a acaricia-la ali de forma lenta e deliciosa, sem avisar penetrei dois dedos, seu gemido foi audível para qualquer um que estivesse por perto a beijei para tentar abafar o som enquanto movimentava os dedos dentro dela.

“Yon, ai meu Deus, mais por favor! “ um sorriso atravessou meu rosto, mordo seu lábio inferior e  aumento os movimentos até que senti seu interior apertar meus dedos, em seguida ela se desfez em minha mão, provei seu gosto em meus dedos, Lina estava cansada, seu rosto corado e suado como se ele estivesse dançando a noite inteira, mas foram minutos em minhas mãos, ela riu me olhando “ o melhor que eu já tive” minha mente entrou em um frenesi ‘ preciso dele Yongha, entenda, ele e tudo o que quero’, eu era um idiota, havia acabado de satisfazê-la sem pensar no que causaria depois, eu me machucaria foi assim da outra vez “ fale comigo Yon".

“Sabemos que não podemos fazer isso, por que insistimos?” ela desceu de meu colo pegando seu espartilho no chão, lhe entreguei uma caixa de lenços de papel para que se limpasse, Lina logo se recompôs me olhando magoada.

“Eu sei, não queria chegar a isso, mas só notei o quanto precisava quando estava em seus braços".

“ Somos parecidos nesse quesito’’ ela colocou o dedo no queixo pensativa.

“ Lhe proporia algo, mas você não vai aceitar".

“ Diga" meu membro ainda tinha problemas sérios, em segundos eu teria de me aliviar.

“ Toda noite, após o show, virei até você, a menos que negue, é claro “ acabei rindo soprado, chegava a ser irônico, ela nunca ia até ninguém, só podia me desejar muito.

“ Me desculpe, mas não posso aceitar, não quero ser mais um, não quero te ter desse jeito, não agora’’ sua expressão se tornou triste, mas era o melhor, eu sempre quis amá-la,  viver ao seu lado pra sempre, não dessa maneira.

“ Te entendo, com licença,e você ainda e muito bom nisso" seus olhos se voltaram ao volume em minhas calças, um sorriso sem dentes se formou em meu rosto, assim que ela saiu fui ao banheiro me aliviar.

Ela estava triste, mas após sua proposta percebi que apenas queria meu corpo, já eu, desde que a conheci, quis seu coração.

FLASHBACK...

Estava ansioso para meu primeiro dia de trabalho, assim que essa vaga de barman apareceu me candidatei ao cargo, eu teria de trabalhar durante a noite o que seria bastante cansativo, porém desde o começo procurei algo assim para cobrir as mensalidades da faculdade no período matutino.

Seria trabalhoso, sair de madrugada do trabalho para estudar logo de manhã, mas eu mesmo queria fazer isso com meu próprio esforço, meus pais tinham condições de me pagar tudo que eu quisesse, eles se ofereceram diversas vezes para cobrir minhas despesas, porém desde minha adolescência prometi a mim mesmo que dependeria o mínimo deles possível, mas não consegui fugir do aluguel do apartamento, não se tratava de um valor auto o problema era que meu salário não cobriria tudo isso, a menos que eu ficasse sem comer e não guardasse absolutamente nada mensalmente.

Cheguei na frente daquele grande prédio de pintura negra, já eram seis da tarde e em cerca de duas horas eles abririam, no começo eu só teria de servir bebidas e aprender com o cara que trabalha aqui no mesmo cargo que eu, ele sairá em um mês depois de me ensinar o oficio.

O lugar era bonito de um jeito estranho, as cores das paredes não combinavam e sinceramente não eram nada convidativos, não sei se viria a um lugar desses para me divertir, pelo que o dono disse ao contrario das outras casas noturnas essa funcionava todos os dias, mas o salário era melhor, e pelo que observei eu era o único novato.

Depois de algumas horas trabalhando, estava me saindo bem apesar do incômodo da música alta e das luzes exageradas, mas aquela era uma balada afinal, tenho que me acostumar. As pessoas não paravam de chegar deixando o salão apertado, segundo o meu colega só pioraria até mais tarde.

‘’ Você é o novato?’’ um garoto mais ou menos da minha idade havia chego no balcão.

‘’ Sim, sou eu’’ ele sorriu, percebi que usava aparelho nos dentes, ainda assim seu sorriso era muito bonito.

‘’ Prazer, sou Doyun, e aquele com a bandeja é o Taekhyeon’’ outro garoto acenou com a cabeça em minha direção ‘’ podemos te explicar como tudo funciona por aqui, nós três regulamos de idade e tal...’’ ele coçou a cabeça ao falar, percebi que estava sem jeito.

‘’Tudo bem, acho que podemos ser amigos sim ‘’ ele sorriu novamente.

‘’ Fim de semana a gente combina alguma coisa, pode ser um role legal’’.

‘’ Pode ser, é só vocês marcarem!’’.

‘’ Beleza parceiro, mas agora tenho que servir umas mesas e pescar alguma gata, a gente se fala depois ‘’ percebi que ele era bem descontraído parecia ser bem legal, seria bom ter amigos aqui ainda mais se esses já atuarem no ramo a mais tempo que eu.

Era madrugada e estávamos a todo vapor, servindo bebidas, ouvindo pessoas desabafarem sobre suas vidas amorosas, até que percebi as luzes se fechando no palco, senti alguém me cutucando.

‘’ Agora você terá uma folga ‘’ o garoto que se chamava Taekhyeon me cutucou apontando para o palco ‘’ as meninas fazem um show todos os dias as duas, ninguém tira os olhos do palco então da pra descansar ’’.

Algumas dançarinas dançavam em polidances, levando os homens a sua frente a loucura, e foi assim por alguns minutos, até que o DJ deixou a música no mudo, apenas o som de saltos se chocando contra o chão ecoavam, um feixe de luz focalizou a posição da moça e meu deus, eu achei que enfartaria ali mesmo, ela é linda, a mulher mais perfeita que eu havia visto, e como se percebesse que eu estava a observando olhou diretamente na direção do bar mordendo o lábio e se vira de costas descendo até o chão, me deixando ainda mais louco de desejo, eu a queria, muito, nunca desejei tanto alguém assim. As garotas terminaram seu numero e saíram, Taekhyeon me olhou animado me dando um cutucão nas costelas.

‘’ Cara de sorte você’’ o olhei não entendendo o que queria dizer ‘’ não percebeu? Lina a dançarina principal te notou, fica esperto amigo!’’ disse me dando tapinhas no ombro, achei que apenas eu tivesse notado seus olhares, mas como um cara como eu teria chances com uma beldade como aquela mulher, era praticamente impossível!

E a noite passou, assim como muitas outras, eu e os garotos nos tornamos bons amigos e aprendi muito com eles, menos a parte de ficar com uma garota por noite, nenhuma das meninas me interessava, principalmente depois das duas da manhã, quando eu a via se tornava difícil segurar o coração dentro do peito, e ela sabia o efeito que tinha sobre mim, durante todas as semanas que fiquei ali a desejava mais e mais, até que um dia por algum milagre ela veio até o bar.

‘’ Yongha não é? Sou Lina’’ peguei sua mão, ainda meio nervoso tentando não tremer.

‘’ O prazer é meu Lina’’ ela sorriu e mordeu os lábios, a como eu queria fazer isso no seu lugar.

‘’ Notei que sempre presta bastante atenção na minha apresentação, apenas na minha, e sabe...’’ ela pegou minha gravata me puxando para perto dela ‘’ eu amo ser única’’ aproveitei a deixa e me aproximei de seu ouvido.

‘’ Mesmo quando não está naquele palco só consigo olhar para você’’ e que droga! Acabei sendo verdadeiro demais, não saiu como esperado, mas ela pareceu ter gostado.

‘’ Fofo, adorei, acho que a gente pode se encontrar um dia desses’’ ela soltou minha gravata, peguei uma garrafa de Bourbon servindo uma dose pra cada.

‘’ É só falar quando ‘’ brindamos os copos e viramos.

‘’ Hoje, depois que seu turno acabar, te esperarei no quarto cinco, já avisei o segurança, ele vai te deixar passar’’.

‘’ Nos vemos daqui a pouco Lina’’ ela se virou e levantou do banco, exibindo suas belas curvas.

‘’ Esperarei ansiosa por você Yon’’ e saiu me olhando e piscando em seguida, em segundos Doyun estava ao meu lado me olhando como se tivesse visto um fantasma.

‘’ Me fala o que aconteceu aqui, pelo bem do coração do seu amigo!’’ ri de sua cara e peguei o pano debaixo do balcão, começando a limpar a estrutura lisa.

‘’ Nada de importante’’ o rapaz tomou o tecido de minha mão o usando para me bater.

‘’ Nada demais Yongha, que isso mano, só a dançarina mais desejada do salão inteiro vem aqui no bar, e tenho que dizer aquelas meninas quase nunca saem do camarim, vocês quase se comem com os olhos e ficam de segredinho ao pé do ouvido e você diz que não é nada!’’ ele me bateu novamente com o pano me arrancando risadas.

‘’ Está bem, eu digo, ela me chamou para um quarto, depois do trabalho’’ o rapaz me agrediu com o pano novamente, mas agora parecia estar prestes a estourar de felicidade.

‘’ Cara você tem noção que vai transar com a Lina!’’ dei de ombros tentando parecer o mais indiferente possível, na verdade por dentro eu estava tendo a mesma reação que o garoto ‘’ maldito sortudo, é isso que você é!’’.

‘’ Certo, mas tenho que limpar esse balcão e você tomou meu pano!’’.

‘’ Azar é o seu, arrume outro, senhor vou pegar a Lina e não estou nem aí!’’ e saiu rindo como uma criança.

Logo após meu turno me dirigi pelos coredores até onde ficavam os quartos, como a garota disse o segurança apenas perguntou meu nome e me deixou passar, entrei no quarto indicado encontrando a garota deitada de bruços olhando para a tela de seu celular.

‘’Pensei que não iria vir’’ me disse se virando, estava apenas com uma camiseta longa exibindo suas belas pernas, seus olhos me avaliaram, a camiseta que eu usava era um tanto larga para mim, mostrando parte de meu peito e ela pareceu gostar.

‘’ Acho que eu não poderia negar esse convite’’.

‘’ Tem razão, não poderia’’ disse vindo em minha direção dolorosamente devagar, resolvi vencer a distancia entre nós com uma passada a pegando de surpresa, capturando sua boca com a minha a sentindo rir enquanto fazíamos o caminho até sua cama ‘’ pensei que era mais tímido’’ acabei rindo nasalado, percebendo a menina morder o lábio inferior.

‘’ Apenas um pouco’’ lhe dei um selinho demorado.

‘’ Acho que prefiro assim, e também acho que estamos falando demais’’ buscou a barra de minha camiseta a retirando por cima de minha cabeça, a deitei em sua cama e me ajoelhei para observa-la, seus cabelos espalhados pelo lençol e o rubor que tomava seu rosto, seu quadril subindo e descendo devagar pedindo por mais contato, eu a faria pedir por mais essa noite, querer por mim na sua cama amanhã...

OFF...

O grande problema daquele dia é que nunca nos saciamos do corpo um do outro, todos os dias precisávamos de mais, os encontros se tornaram mais frequentes e exclusivos, a única que eu tinha era ela e assim ao contrario, até que praticamente viramos namorados, até mesmo o dono da balada sabia de nossa relação, e eu nunca me importava de ver todos aqueles homens a desejando, o único que ela amava era eu, ao menos era nisso que eu acreditava por um longo tempo, e agora aqui estou eu, pensando nas vezes que estivemos juntos e o quanto eu sonho em estar ao lado dessa garota novamente, e ao mesmo tempo sabendo que me quebraria se o fizesse.

Minha cadeira parecia mais quente e desconfortável, nunca foi fácil resistir a ela, suas palavras me envolviam e faziam querer ser o que Lina precisasse, um garoto mal, um namorado, um amante, dependente de suas vontades.

Houve um tempo que nos amávamos, fazíamos planos sobre o futuro até aquele maldito dia chegar, fazia algumas semanas que ela estava distante só nos víamos de madrugada após meu expediente e apesar disso eu nunca a cobraria de nada, confiava nela e acredito que este tenha sido um de meus maiores erros, até que um dia a garota me mostrou realmente o que desejava.

Á algum tempo não tínhamos uma conversa descente á única coisa que fazíamos era ficar enroscados na cama por horas e logo depois irmos cada um para sua casa.

FLASHBACK...

Como sempre segui com minha rotina, acordei fui para faculdade de lá para casa fiz minhas tarefas, dormi um pouco mais e logo depois segui para o trabalho, eu precisava vê-la, algo estava me incomodando á algum tempo, como se uma sensação ruim enchesse minha cabeça e meu coração. Assim que cheguei me dirigi para o camarim, cumprimentei as meninas e continuei até o último espelho, Lina estava lá sentada em uma cadeira observando seu celular, resolvi fazer uma surpresa, me aproximei por suas costas lhe deixando um beijo no pescoço e acho que exagerei, pois ela pulou de susto bloqueando o aparelho rapidamente.

‘’ Boa noite Lina’’.

‘’ Boa noite Yongha, veio mais cedo hoje?’’ seu tom de voz estava distante, até mesmo triste.

‘’ Queria conversar com você, estamos tão longe ultimamente’’ ela se virou me encarando, seus olhos estavam marejados ‘’ o que foi amor?’’ a garota começou a balançar a cabeça tentando negar algo se levantando e me beijando furtivamente, puxei sua cintura aprofundando o ato sentindo suas lagrimas molharem nossos rostos, havia apenas dor ali, e eu sofria e nem mesmo sabia o motivo. Sua boca quente fez uma trilha por minha bochecha e mordeu o lóbulo de minha orelha e eu continuei paralisado recebendo estas caricias, busquei seus lábios novamente com os meus mais calmamente apreciando cada toque explorando cada centímetro com minha língua, mas em um movimento súbito nos separamos buscando ar e olhando um nos olhos do outro, os dela inchados e vermelhos.

‘’ Não podemos mais Yongha, sei que foi bom e te juro que amei cada momento que passamos juntos, mas não dá mais, eu preciso acabar com isso para que ninguém saia mais machucado do que já estamos!’’ então era isso, uma despedida, por isso toda aquela intensidade e calma momentâneas, aquele desejo incontido e necessidade de contato.

‘’ Apenas me diga o motivo’’ eu não a confrontaria mais do que isso.

‘’ Tenho um outro alguém Yongha...’’.

‘’ Pare, não me chame assim, nunca chamou’’ acabei me irritando e a assustando, eu não costumava ficar nervoso, mas aquilo estava acabando comigo aos poucos.

‘’ Eu preciso, não entende’’ Lina me segurou pelos braços com certa força ‘’nunca poderei te alcançar e você sabe disso!’’ havia certa brutalidade em suas palavras ainda assim eu não responderia no mesmo tom, nunca faria isso.

‘’ Está tudo bem se não me alcançar, nunca entendi muito bem isso, mas creio que seja importante, não se preocupe você é tudo o que quero!’’ falei de maneira calma a olhando nos olhos recebendo mais lágrimas de sua parte.

‘’ Não há motivos, você sempre foi um bom menino, não precisa ser sempre assim’’ desta vez ela segurou em meu rosto deixando um beijo em minha bochecha ‘’nunca te mereci e não voltarei atrás com minha escolha’’ela ainda pousava sua mão em meu rosto.

‘’ Não precisa ser assim, podemos nos resolver, se acha que o ama tudo bem, te entendo perfeitamente, mas me deixe ao menos tentar te mostrar Lina, que podemos conseguir tudo o que sonhamos que posso ser tudo o que você precisa!’’ a menina soltou uma risada um tanto sôfrega e me soltou se virando e apoiando os braços na mesa.

‘’ Preciso dele Yongha, entenda, ele e tudo o que quero!’’ e saiu me deixando ali sem saber o que fazer, para onde seguir.

OFF...

Durante a noite a vi nos braços do homem, um cara alto chamado Sehun, piloto de corrida e parecia a tratar bem, e foi isso que me conformou.

Não dormi por noites seguidas sempre me lembrando daqueles breves sussurros em minha mente, esta que me traia constantemente levando-me a sonhar acordado, tudo parecia ilusão durante o dia, como se eu tivesse acordado e me deparado com a realidade, mas á noite lá estavam eles bebendo e se divertindo e foi assim por seis meses, até que sai daquele emprego começando a trabalhar para meu pai.

E agora aqui estou eu, tentado não correr atrás daquela mulher, fugindo da tentação de tê-la novamente de conseguir ser o homem que ela sempre quis.

Minha porta foi aberta pela dona de meus pensamentos me assustando.

‘’ Vamos resolver isso Yon, não aguento mais’’ ela havia trocado as roupas por jeans e uma camiseta larga cobertos por um sobretudo preto.

‘’ Sente-se’’ ela o fez e me encarou, até parecia uma das mulheres que fariam negocio comigo ‘’o que deseja?’’.

‘’ Contar a verdade’’ acenei com a cabeça para que continuasse recebendo uma revirada de olhos como resposta ‘’quando te disse tudo aquilo, que ele era tudo que eu precisava não estava brincando, naquela época eu estava precisando de dinheiro, meu pai estava doente, muito mal, e ele veio com uma proposta que pagaria o tratamento, Sehun é um antigo amigo da família, enfim, e pagou, passamos muito tempo juntos e o homem cuidava de meu pai, era por isso, eu precisava que ele deixasse meu pai vivo nem que para isso eu tivesse que perder o amor da minha vida!’’.

‘’ Não é apenas isso não é? Sei quando está escondendo algo’’.

‘’ Ele me fez perceber a verdade, olha só para você, um CEO poderoso filho de um dos homens mais ricos da Coréia, eu nunca te alcançaria, em hipótese alguma poderia ser o que você precisa!’’ a olhei seriamente percebendo que aquele medo a havia levado a me fazer partir, apenas isso.

‘’ Se lembra o que eu te disse quando me falou isso?’’ ela concordou com a cabeça ‘’nunca me importei, sempre quis que me amasse’’.

‘’ E eu te amo Yongha, nunca deixei de amar nem por um segundo, e tudo o que mais quero é te ter ao meu lado!’’ toda aquela verdade estava me engolindo, mas eu não era mais um garoto, de alguma maneira estava me sentindo liberto e com toda certeza eu amava aquela garota, nunca neguei, mas este não era o momento.

‘’ Eu preciso de um tempo para colocar tudo no lugar Lina, mas talvez algum dia, talvez...’’ sua expressão se tornou alegre.

‘’ Talvez?...’’ alarguei um sorriso torto a olhando.

‘’ Poderemos ser algo, não sei ao certo...’’ ela deu a volta pela mesa pulando em meu colo, me puxando para um beijo que foi correspondido com vontade.

A única certeza que eu tinha nesse momento é que a amava, seu jeito estourado e sedutor, seus toques, seus beijos, e que durante esse tempo de reconstrução aquela paixão adolescente e descontrolada aumentaria se tornando algo forte que me feriria em algum momento, mas não me importei, tudo aquilo que estava guardado em meu coração, cada sussurro cada palavra que não havia a alcançado valeria a pena, essa é minha maior esperança...


Notas Finais


Oi gente, eu disse em outra fanfic que postaria algo sobre o 1the9 e aqui estamos, espero que tenham apreciado o maravilhoso Yongha e tentem entender a Lina.

No momento estou sentindo que corrompi o menino por mais que eu tenha pegado leve.

Se cuidem bem, lavem as mãos, usem álcool em gel , se mantenham em casa se possível é tomem conta de toda a sua família! Fiquem bem!

Se puderem deem uma olhadinha em minhas outras fanfics:

Ten nct/wayv : https://www.spiritfanfiction.com/historia/love-talk--imagine-ten-wayv-nct-18622674

Stray kids:https://www.spiritfanfiction.com/historia/as-if-you-last-imagine-stray-kids-18405363


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...