1. Spirit Fanfics >
  2. I don't want to wait - Chungha e Jaehyun (nct) >
  3. 15. boy I got you on my mind

História I don't want to wait - Chungha e Jaehyun (nct) - Capítulo 15


Escrita por: suhyeon

Notas do Autor


oiii eu demorei um tempo pra postar esse pq enquanto eu tava escrevendo, eu percebi que tal situação ficaria melhor em outro capítulo e que algumas coisas precisariam acontecer antes daquilo. tem muitas coisas importantes nesse capítulo, então recomendo ler com atenção.

Capítulo 15 - 15. boy I got you on my mind


Fanfic / Fanfiction I don't want to wait - Chungha e Jaehyun (nct) - Capítulo 15 - 15. boy I got you on my mind

Eu não costumo muito faltar na escola -menos na época que achei que minha vida tinha acabado - mas se faltasse, com certeza seria nas quintas. É o dia das piores aulas. Digo, não das piores, porque não gosto de me referir as aulas do Sr.Jung assim, porque ele é super legal, mas eu não entendo nada o que ele fala. Se não fosse Heejin, e agora Sungchan, eu já tinha bombado há muito tempo. Falando em Sungchan, esse chato quis se livrar de mim hoje mais cedo. Eu só vejo o bendito duas vezes na semana porque nas aulas no laboratório juntavam outras turmas do mesmo ano, e era aplicado o que aprendiamos nas aulas teoricas na sala de aula comum, lá sim eu ainda fazia dupla com Heejin.

E mais uma dessas aulas de química no laboratório iria começar, e eu vinha com Heejin da aula de geografia do surtado do Lambert. Viemos juntas, mas nos separamos na hora de sentar. Ela foi atrás da amiguinha dela, Hyunjin, e eu sentei no mesmo lugar de sempre - na bancada do meio da fileira do canto esquerdo - esperando Sungchan chegar. E não demorou muito para ele aparecer, e puxa, nunca tinha o visto de pé, ele era bem magro e muito alto e eu não estou dizendo isso por ser baixinha, mas porque ele de fato era realmente alto. Que bom que quando estamos juntos é sempre sentados, eu ia parecer uma um gnomo perto dele em pé. E simplesmente passou por mim sem dizer nada. Eu levantei e segurei seu braço, o impedindo de continuar caminhando.

- Ei, ei ,ei.

Tive que levantar o pescoço para conversar direito com ele.

- Para onde você vai?

- Pelo jeito, você ja resolveu as coisas com a sua amiga. Não precisa mais de mim.- Sungchab disse normalmente, quase nem olhando para mim e tentou passar de novo, mas eu bloqueei o caminho.

- Quem te disse isso? Você ainda é minha dupla.

Dei um tapa leve no seu braço, e ele franziu o chenho.

- Mas você não fizeram as pazes?

- Sim, mas a gente decidiu que ela fica melhor com a dupla dela, e eu fico melhor com você. Ela dizia que eu a atrapalhava ou coisa assim. - Dei de ombros.

- E então quer que eu fique para você me atrapalhar.

- Ora, Sungchan. Não seja chato! Eu prometo que eu não vou copiar mais suas lições. - Cruzei as duas mãos, e quase implorei para que ele ficasse.

- Isso é mentira. - Disse seco.

- Está vendo? A gente se dá bem, já até sabe quando eu minto. E agora não tem como voltar atrás. Heejin já está com Hyunjin, se você nao ficar comigo, eu vou ficar sozinha. Não vai me deixar ficar sozinha, não é? - Eu fiz beicinho e ele olhou para cima, suspirando.

- Eu deveria. Então você aprenderia a se virar.

- Mas não vai. - Eu sorri, e ele revirou os olhos, mas se sentou no banco da mesa que ficavamos sempre, indicando que ia ficar.

- Bom dia, pessoal.

O professor entrou na sala, cumprimentando calorosamente a sala, que o respondeu da mesma forma.

- Nossa, o Professor Jung é lindo, não é? - Eu disse suspirando fundo, admirando a beleza do homem lindo que nos dava aula.

Sungchan me olhou estranho, não parecendo gostar muito do comentário.

- Foi mal, costumava dizer essas coisas para Heejin.

Ele começou a aula relembrando a matéria de química orgânica que ele já havia passado. Engraçado, mal lembro de ter tido aula disso. Na verdade, se me perguntarem o assunto de qualquer aula passada, eu não vou saber responder. Não sei o motivo, mas não consigo prestar atenção no que sai da boca do Sr.Jung, mas na boca dele eu prestava, e muita. Ele falava, falava, falava e eu não escutava nada, parecia que tudo em volta ficava sem som. Química já era difícil, e eu avoada, o professor ser um Deus não ajuda.

- Conseguiu entender dessa vez? - Disse Sungchan, me tirando dos meus próprios pensamentos.

- Oi? Falava comigo? Desculpa estava distraída. O Sr.Jung é realmente muito lindo. Ele realmente se parece com o... - Parei de falar quando me lembrei que Sungchan não era Heejin, e não precisa ficar sabendo sobre o Jaehyun - Deixa para lá.

- Jaehyun. - Completou minha fala inacabada.

- É! Como você sabe? - Perguntei surpresa. - Ah, deve saber que eles são tio e sobrinho.

- Também, mas disse porque você claramente pensa muito nesse garoto. - Ele riu fraco, quase imperceptível, mas eu notei.

- O que?  - Não tinha entendido o que ele quis dizer - Espera... Ah não, pelo amor de deus. Até você, Sungchan? Quando Heejin disse que a escola toda ouviu, achei que fosse exagero, mas parece que não.

Me dei conta que ele falava do acidente da sala de transmissão, mais conhecido como o pior dia da minha vida.

- O que estava pensando quando disse uma coisa daquelas? - Ele perguntou achando graça do meu vexame.

- Acha que eu sabia que o microfone estava ligado? Eu não sou estúpida!

- Foi o suficiente para não ver que o auto falante estava ativo.

- Já entendi!

- Mas e então... Gosta do Jaehyun?

Ele parou de rir, e mudou um pouco o tom. E eu estranhei o jeito que ele se referia a Jaehyun Sunbae, que é quase dois anos mais velhos que nos dois.

- Não devia chamar ele de Sunbae?

- É... Jaehyun Sunbae. - deu de ombros - Gosta dele? - Voltou a perguntar

- Tem alguma celebridade que você goste? Como tipo ideal?

- Hum... - Ele pensou um pouco, mas não demorou para responder - Acho que a IU.

- Você namoraria com ela?

- Sem pensar duas vezes. - Ele riu como se fosse óbvio.

-  Já imaginou como seria ter ela como namorada, e fazer coisas tipo de casal? - Perguntei, mas não sei tempo para ele responder - Então, é a mesma coisa que eu sinto com ele. É como se apaixonar por uma celebridade, é tudo inalcansavel, nada passa de uma vontade e desejo. É tudo platônico.

- Por que acha tão impossível assim? - Ele apoiou o cotovelo na mesa, e descansou a cabeça na sua mão, ouvindo o que eu dizia.

- Acha mesmo que Jaehyun ficaria com alguém como eu? - Agora foi minha vez de rir.

- Sei lá, você não é feia. - Deu de ombros.

- Ei, eu nunca disse que eu era feia! Só acho que os padrões dele devem estar mais altos dos que eu possa me encaixar.

- Por que diz isso?

- Tá na cara que o critério dele é garotas parecidas com a Jennie. E eu não sou nada parecida com ela.

- Queria entender porque as garotas são tão fissuradas nele. - Ele revirou os olhos, assim como Heejin fazia quando falava nele. As vezes ele parece a versão feminina dela.

- Então eu te mostro.

Peguei o meu celular da mesa, e rolei a galeria de fotos e escolhi uma que Jaehyun estava com um penteado comma e usava uma jaqueta de estampa de onça, que não parecia ser muito do seu estilo,  ele estava super arrumado, parecia or para algum evento. Eu odiava animal print, mas nele qualquer coisa ficava linda.

- Tem uma foto dele salva no celular? - Ele me olhou como se eu fosse a mais esquisita do mundo só por isso.

Mas isso não tem nada de esquisito. Ou tem? Bem, eu vou continuar salvando do mesmo jeito.

- Não só uma, como várias.

Podia parecer que eu era uma doente por isso, mas é só as fotos que eu tirava print do instagram dele e mandava para Heejin(que odiava quando eu fazia isso)

- Então, vá se tratar.

- Aposto que tem várias fotos da IU, no seu celular também. - Falei cruzando os braços, e ele ficou na defensiva.

- É claro que não!

Ele negou veementemente, mas eu não acreditei.

- Ah é? Então deixa eu ver. - Peguei o celular dele que estava pairando em cima da mesa, e no mesmo momento ele tentou tirar da minha mão e estávamos brigando para ver quem conseguia pegar o aparelho.

O sinal tocou indicando que a aula tinha acabado, então a nossa guerra não durou muito tempo e eu cedi e devolvi seu celular.

- Outro dia eu acho a sua pasta dedicada a IU. - Disse rindo e me levantei -Tchau, Sungchan.

Acenei para ele e ele sorriu bem fraco. Mas ainda era um sorriso.

Sai do laboratório e encontrei Heejin me esperando na saída e ela me olhava de um jeito desconfiada.

- Vi que está muito amiguinha dessa sua dupla. Cuidado para o Taeyong não ficar com ciúme.

Mesmo com seu tom de brincadeira, ela pareceu realmente querer dizer aquilo, mas de um jeito que me provocasse, como já è de costume que ela faça.

- Cuidado você, para eu não ficar com ciúmes dessa tal Hyunjin. Eu estou de olho.

Assim como ela, eu também quis realmente dizer aquilo. Essas duas tão grudadas demais para o meu gosto, isso desde que brigamos um tempo atrás. Heejin começou a andar com essa daí, e antes eu achei que era só para de tipo " olha, eu tenho uma outra amiga.  Não preciso de você" Mas já voltamos a nos falar, e ela ainda continua próxima dessa menina.

- Nossa próxima aula é a mesma?

- Sim.

- E o que é?

- Educação Física.

Sai rindo da sala, mas parei no momento que lembrei que a próxima aula seria de educação física. Eu era boa nos esportes, mas ninguém precisava saber disso. Se o professor descobrisse ia me cobrar esforço nas aulas, e de esforço eu já dedico bastante as coisas que já faço todos os dias, nao precisava de mais uma para ficar mais cansada ainda. Com sorte, a aula de hoje era só a nossa sala, as vezes nos juntavamos com outras classe, e eu detestava, principalmente quando eram mais velhas.

Um dia, as meninas iam jogar vôlei, e eu estava decidida que, pela primeira vez na vida, eu seria útil para o time que me escolhesse. Até eu ver Jennie quase esmagando a cabeça de uma menina com uma cortada. Eu falei para o professor que não estava me sentindo bem e não tinha como eu jogar. Infelizmente, nem toda vez essa história cola e o professor deixa eu e Heejin ficar na arquibancada jogando UNO. Mais do que eu, Heejin detestava educação física. Ela nunca faltava ou deixava de participar de alguma aula, mas essa era exceção. Era a única que de vez e quando ela matava, com a minha sugestão, é claro, mas não imaginei que ela fosse aceitar. Hoje, de novo, ela não quis participar.

- Vamos fugir dessa também. - Heejin pediu choramingando.

- Não pode ficar fazendo isso toda hora.

- Vamos, por favor! O professor mal vai notar. Como sempre. - Ela dizia puxando meu braço tentando me convencer.

- E isso não vai prejudicar o seu querido e precioso histórico de faltas? - Disse sarcástica.

- Não, porque a gente sai depois da chamada.

- Sua mãe tem razão, eu estou sendo uma má influência para você. - Balancei a cabeça negativamente - Mas quem se importa, vamos lá. - Levantei os ombros, e ela sorriu feliz em ouvir aquilo - Só que dessa vez, você compra os lanches.

Caminhamos até a sala de aula e logo o professor de educação física fez a chamada e nos liberou para ir no campo. Hoje era futebol, e que bom, porque foi mais fácil de fugir. Era ela quem me guiava, mas já que não era a primeira vez que faziamos isso, então eu já tinha decorado o caminho. Quando todos cruzavam o corredor e iam em direção às escadas para chegar ao campo, desviamos a direção e subimos as escadas, mas não a principal, era uma que parecia estar abandonada de tão distante e vazia que era, mas era o melhor lugar porque se usássemos a principal, provavelmente alguém iria nos ver. Subimos tantas escadas que já contava como uma aula de educação física. E, finalmente chegamos no lugar que sempre ficávamos quando Heejin desincorporar o espirito de aluna perfeita. O lugar era na beira do prédio, então tinha uma vista ampla da cidade. Não era o último andar, mas era bem alto, nunca tinha visto antes dela me mostrar. Por mais que eu tenha curiosidade, eu não ia para muitos lugares dos andares de cima além das salas de aula. Lá era onde o pessoal podre de rico ficava, então não era uma boa ideia eu ir. Não tinha uma regra literal que dizia "bolsistas não são permitidos" mas os bolsistas não são permitidos...

- Nunca te perguntei isso, mas como aprendeu a escapar tão bem? Até parece que já fazia isso antes mesmo da educação física. - Perguntei enquanto jogava o pano que eu guardava no meu armário para ocasiões como essa, no chão.

- Ah... É... Não é tão difícil quanto parece. - Ela se sentou e colocou a sacola com as coisas que tinha comprado, no meio do pano.

- Hm, diga por você. Aquele dia que te coloquei dentro da sala de espanhol, eu fui pega pelo demônio francês na volta. - Revirei os olhos enquanto vasculhava a sacola procurando algo para comer e escolhi um bolinho de chocolate com recheio de baunilha.

- Mas valeu a pena, não é? Por causa disso Jaehyun te ajudou quando estava passando mal.

- É... - Sorri só de lembrar daquele dia,  quando o universo ainda conspirava ao meu favor - Mas ai eu estraguei tudo na rádio. - Desmanchei o sorriso.

- Isso é verdade.

Heejin concordou quando eu ao menos perguntei.

- Vamos falar de outra coisa, não quero pensar nisso nunca mais. - Balancei a cabeça rapidamente.

- Não é o mesmo assunto, mas também não é muito agradável - Começou a falar com calma e cautela - Acha que Jennie ainda vai fazer algo com você?

- Juro que fico louca pensando nisso, Heejin. Essa menina ja fez tão mal para os outros, principalmente quando o nome de Jaehyun sunbae está no meio. Se ela acaba com a vida dos milionários do Sunjong, imagina comigo.

- Mas se ela não fez nada até agora, talvez nao faça mais.

- Acha mesmo? - Levantei a sobrancelha e ri descrente logo em seguida - Heejin, eu falei aquilo no meio do corredor da escola! se ela não fez nada até agora, é porque deve estar bolando um plano para me matar.

- E o que você vai fazer até lá? - Perguntou curiosa e preocupada.

- Fugir dela até ela se formar. - Respondi, mordendo um pedaço do bolinho que estava uma delícia.

- E acha que isso vai funcionar?

- E o que mais você quer que eu faça? Nunca mais na minha vida eu vou enfrentar essa mafiosa siciliana. E chega de falar do meu funeral.

Limpei a boca tirando os farelos do bolo do rosto e amassei a embalagem, me deitando no pano. Heejin continuou sentada.

- O que acha de irmos para o parque depois da escola? - Mudou de assunto como eu pedi - Vai ter uma exposição de arte alí perto.

- Não posso, vou ter que sair depois da escola.

- Para onde? - Ela virou a cabeça, olhando para mim.

- Para casa do Jaehyun.

- E essa historinha de dança com o Sr. Garoto Mais Lindo e Popular do Colegio, está dando certo? - Ela se juntou a mim e deitou ao meu lado, apoiando a cabeça na mão direita.

- Adoro quando você admite que ele é lindo. - Eu disse e ela suspirou aborrecida - mas vai mais ou menos... Ele melhorou bastante, e está bem empenhado. Mas fazer a coreografia que ele quer, vai ser mais complicado.

- Para que ele quer isso, afinal? não acha meio estranho? Ainda mais tão corrido?

- Achei sim, também queria saber.

- Então pergunta para ele, ué.

- Eu não. Quase não consigo ensinar os passos, imagina ter uma conversa.

- Você é complicada, Chungha. Seu maior sonho é casar ter três filhos e 3 cachorros com o menino, mas quando tem a oportunidade de falar com ele, você desperdiça.

*

Sabe quando você tem um sonho incrível e entao acorda, mas adormece de novo e volta para o sonho que estava tendo antes? Então, é como eu me sinto agora estando novamente na casa de Jaehyun, e eu acho que todas as vezes serão assim. Talvez nunca me acostume.

- Foi mal por fazer você trocar o horário que a gente tinha marcado. Espero não ter te atrapalhado.

- Não, não, imagina!

Você nunca me atrapalharia.

- Está tudo bem.

- Sabe esses videos que você me mandou? Eu até que consegui entender melhor as parte dos pés, mas aqueles que tem os braços para cima eu nao entendi nada.

Pela a cara dele, deve não ter entendido nada mesmo. Mas eu já esperava por isso, só mandei para que ele já começasse a ver essa parte.

- Eu já imaginava... Você vai precisar do acompanhante para entender melhor. Mas me mostra o que você aprendeu.

- Ah eram muitos, mas tinha um que era assim.

Jaehyun começou a fazer passos desengonçados, mas eu pude saber quais eram.

- Não, assim nao. Era assim.

Ele se atrapalhou todo e começou a juntar todos os passos que ele aprendeu ate agora, em um só. Sem eu mesma notar, comecei a sorrir da cena, era muito fofa para ser real.

- Está rindo de mim? - De repente, ele parou de dançar e olhou para mim com aquela cara se paisagem dele de sempre, mas dessa vez meu coração gelou.

- O que? Não, não, não, não!  - Eu cruzava as mãos e balançava a cabeça de um jeito desesperado, para ele compreender que eu não estava rindo dele. Eu só... acheo muito fofo, mas não poderia dizer isso.

- Por que não pode me ensinar logo a coreografia e acabamos com isso? - Suspirou entediado.

- Por que precisa aprender o basico para isso. - Falei baixo. Ainda estava estremecida por causa do jeito que ele me olhou...- Faz de novo, mas contando.

Jaehyun não disse nada, e fez como eu pedi. Realizava os passos e eu contava a numeração e ele começou a fazer o mesmo. Não estava perfeito, mas ele se saiu bem melhor do que a primeira vez.

- Acho que agora já pode tentar me guiar.

- Tentar o que? - Jaehyun contraiu o cenho, não entendendo o que eu estava dizendo.

- Lembra daquilo que eu tinha te dito outro dia sobre líder e acompanhante? Agora, acho que você vai aprender mais rápido se eu te acompanhar.

- Ah, ok entao... E como é isso?

Bom, não era nada de mais. O homem  precisaria entrelaçar a mão com a parceira, e a segurar na parte das costas. Isso era o básico do básico. Mas eu? Ficar tão próxima assim de Jaehyun? Eu não podia... Mas precisava se quisesse ajudar ele. Eu respirei fundo, me aproximei e disse baixo "é para dança" peguei na sua mão esquerda, e coloquei nas minhas costas, deixando nossos corpos tão colados, como eu nunca imaginei que poderia estar na realidade. Ele não disse nada só acompanhava com os olhos, cada movimento que eu fazia. Com a sua mão livre, eu entrelacei com a minha, e as subi, ficando na posição correta. E com a minha mão livre, coloquei no seu ombro.

Ele era uns 20 centímetros mais alto do que eu, então minha cabeça batia mais ou menos em seu pescoço, mas eu conseguia ver Jaehyun era ainda mais lindo de perto. Por que isso? Não devia ser legalizado alguém ser tão bonito assim, ele extrapolava todos os limites. O momento estava tão bom, que eu mal me toquei que estava parada quase que rente ao seu corpo, sem mover um músculo. So me dei conta disso quando sua voz grave disse " E agora?".

- Ah... É...- Pigarreei, voltando a realidade. - Faz a mesma coisa que você fez antes, mas começa com o pé direito. E tenta contar na sua mente.

Ele fez o mesmo passo que havia feito antes, talvez até melhor, mas dessa vez o acompanhei e fiz os passos da acompanhante. No final dei um giro rápido e curto, voltando para posição original. Os olhos dele se assustaram um pouco, porque foi repentino.

- Uau, isso foi maneiro! - Ele sorriu - E aqueles que os braços ficam estranhos? Parece ser mais complicado.

- E é. Então vamos tentar primeiro o que você ja parece ter aprendido, mas dessa vez comigo.

E por incrível que pareça, ele foi até que... bem? Quando ele fazia sozinho, se atrapalhava todo, e os passos saiam todos tortos, ele não sabia muito bem o que fazer. Mas quando eu me juntei, ele pareceu se sair melhor, mesmo pisando no meu pé diversas vezes. Acho que foi mais difícil para mim, que fiquei tão proxima dele como nunca fiquei antes. As vezes, ate conseguia sentir o calor da sua respiração. Ter as minhas mãos nos seus ombros largos, era demais para mim, tentei ao maximo possível ficar calma por fora, mas por dentro meu coração batia acelerado e meu corpo parecia estar pegando fogo.

Fizemos grandes progressos hoje, ele aprendeu mais passos e eu fiquei mais apaixonada.

Demos uma pausa, e ele estava ofegante com a testa um pouco úmida pelo suor. Tomava água em uma garrafa de plástico que tirou, da várias que ele tinha colocado no canto do cômodo. Quase terminou de tomar tudo em uma só virada. Eu não estava tão cansada, mas aceitei a garrafa que ele jogou em minha direção. Até parece que recusaria qualquer coisa que Jaehyun propunhesse em me dar, mesmo que seja algo básico como uma garrafa de água. Eu dei alguns goles, mas mal cheguei na metade. Comprimir a minha boca, tomando coragem para iniciar uma conversa com ele, e aproveitar para perguntar para que ele queria essas aulas afinal.

- eu sei que pode parecer um pouco intruso te perguntar... mas para que você quer tanto aprender isso? - Ele se virou para mim e tirou a garrafa da boca, mostrando seus lábios molhados, que logo se secaram quando ele os limpoiu com a mão.

-  Realmente você deve ter achado estranho eu te pedir isso desesperadamente em tão pouco tempo, né? - Mas é por causa da Jennie.

- J-jennie?

Jennie? Meu corpo gelou só de ouvir esse nome. O que ela tinha a ver com isso? Se ela já queria me matar antes, imagina sabendo disso.

- É. Para encurtar a história, nossos pais vão dar uma festa e precisam impressionar um cara. Eu me comprometi a ajudar, mas acabei me esquecendo... Enfim, a festa já está batendo na porta, e eu não sei dar um giro direito. É por isso que eu te chamei.

- Ah... Entendi. - Murmurei balançando a cabeça.

- E falando em Jennie... - Molhou os lábios e limpou a garganta - Não fala para ela sobre isso não. Ela me mata se descobrir que estou fazendo em cima da hora, e ainda mais com... - Não terminou a frase- Só não comenta nada com ela.

- Claro. Não é como se eu conversasse com ela de qualquer maneira.

E eu fosse uma suicida.

- Não está perdendo muita coisa, para falar a verdade. - Ele falou mais para si mesmo do que para mim - Acho que já está bom por hoje, né? Preciso tomar banho e me arrumar, e você precisa ir para onde mesmo? Trabalhar algo assim.

- É, isso mesmo.

- Valeu por hoje,

Ele levantou a mão no ar e parou por alguns segundos, e eu percebi que ele queria que eu batesse nela, como um cumprimento. E como ele era alto, eu tive que ficar na ponta nos dedos para alcancar.

- Até a proxima, Chungha.

Ele disse antes de sair, e me deixou com com os olhos brilhando e a boca aberta, que logo se tornou em um sorriso, que ficou preso no meu rosto até quando eu descia as escadas em direção. Ele finalmente decorou meu nome.

- Kim Chungha?

Uma voz chamou meu nome e eu olhei para frente. E encontrei um homem lindo e elegante, usando um terno preto, no pé da escada.

- Sr.Jung! Nunca imaginei te encontrar aqui!

Era uma coisa boba para se dizer ao tio e o irmão dos donos da casa, mas mesmo assim não esperava o encontrar.

- Digo mesmo! O que faz aqui? - Ele perguntou, com seu sorriso charmoso e olhos simpáticos - Você e o Jae...?

Quem dera...

- Ah... Estou ajudando ele com uma... Aula extracurricular, nada muito importante.

Acho que se fosse qualquer outra garota dizendo isso, ele acharia que era uma desculpa esfarrapada para esconder o fato de que veio fazer outras coisas com o sobrinho, mas como era eu, então não tinha do que duvidar do que disse. E também não especifiquei o que era, porque não sabia se Jaehyun queria que mais alguém soubesse sobre a aula de dança.

- Vai ficar para o jantar?

- Não, não, imagina! Como eu poderia? - Balancei a cabeça, negando. - Só vim ajudar ele com umas coisas. Além do mais, preciso ir trabalhar daqui a pouco.

- Então a gente se vê na quinta.

- Eu estarei lá.

O Professor Jung seguiu seu caminho e eu fui em direção a porta. Antes que eu pudesse abri-la, um homem bem vestido saiu de trás dela. Eu me curvei, mas ele apenas me olhou com soberba. E eu pude perceber que o conhecia de algum lugar, principalmente com esse ar arrogante. Quando eu prestei mais atenção em seu rosto, percebi tal semlhança com outro alguém. Não... Não podia ser ele. Não podia ser o o mesmo cara que berrou comigo no restaurante na frente de todo mundo, certo? O que ele estaria fazendo aqui, afinal? Minha garganta já estava seca só de lembrar do que aconteceu aquele dia e com ele parado na minha frente.

Se bem que o pai de Jaehyun é empresário ou algo assim, deve ser próximo de gente rica como esse homem.

- O que pensa que está fazendo, saindo pela porta da frente? Os empregados devem sair pelos fundos! Achei que todos já estavam cientes disso. - Ele começou a falar e eu já estava congelando de medo,

- Ah, o senhor está enganado. Eu não sou funcionária.

- E o que faz em minha casa?

" Minha casa"? Então esse era... O pai de Jaehyun?? Quais são a chances do cara que me fez ter 40 problemas psicológicos diferentes, ser o pai do amor da minha vida.

- A-ah...E-eu... - Gaguejava sem parar e ele me olhava sério, mas parecendo estar entediado - Eu sou colega de classe do Jaehyun, e eu... bem... estava ajudando ele em uma aula.

Depois de tanta gagueira, consegui terminar de falar e explicar o meu lado. Ele franziu o cenho logo após de ouvir, não acreditando no que estava ouvindo.

- Você é do mesmo colégio de Jaehyun? - Riu de um jeito soberbo - Espera... Eu já te vi em algum lugar.

Ele levou a cabeça para frente e andou em minha direção, examinando o meu rosto. Eu recuava com passos para trás e virava meu rosto, porque estava intimidada. Seu olhar e o movimento do seu corpo, era parecido com o de Jaehyun no primeiro dia que eu vim ensiná-lo. Eu também fiquei intimidada quando ele me olhou intensamente, mas foi de um jeito totalmente diferente.

- É a garçonete burra! - Sorriu quando se lembrou de mim, e botou as mãos no bolso da calça - Sunjong decaiu tanto assim? Pelo visto eles estão aceitando qualquer um lá. - Ria sarcástico e balançava a cabeça negativamente. s

Sem olhar para um ponto fico - E o que ensina para Jaehyun?

Agora ele olhou diretamente para mim, e cruzou seus braços, me olhando de cima. Eu travei. O que não era nenhuma surpresa. Um homem daquele tamanho e importância, me fazendo várias perguntas e sendo tão rude comigo, não tinha como eu não ficar congelada. E tinha outro problema, está tudo bem o pai do Jaehyun saber que ele está tendo aulas de dança? Ele já deve estar sabendo disso porque é por causa daquela tal festa que ele iria fazer, que o Jaehyun precisaria aprender a dançar. Mas ele sabia que era com uma aluna do mesmo colégio que ele? Eu tentava disse alguma coisa, mas nada saia da minha boca.

- Na verdade, nem precisa responder. Se meu filho precisa de aula extra de alguma coisa, eu pago o melhor professor para ensiná-lo. Ele não precisa receber aulas de uma garçonete. Então, não pense que vai ter a sorte de pisar os pés aqui novamente.

Eu mordia meus lábios e engolia seco, tentando não parecer uma boba e chorar na frente dele.

-  A saída dos fundos é por ali. E vê se não volta mais.

Eu quase cheguei atrasada no restaurante, sorte a minha que Naeun e Dohyun me acorbertaram e disseram para gerente que eu já tinha chegado, mas estava no banheiro. Eles perceberam que meu rosto e olhos estavam inchados e vermelhos por causa da choradeira que eu tive dentro do taxi e do ônibus, e me perguntaram o que aconteceu. Eu dei uma desculpa qualquer e comecei a entregar as mesas até o final do dia, quando eu pude finalmente descansar.

Hoje o dia foi corrido. Estudar, ensinar o impossível em tão pouco tempo para Jaehyun e trabalhar no mesmo dia não era fácil. Mas esse cansaço valia a pena, quando no final no treino ele disse " Valeu, até a próxima" com um sorriso de lado, e aparecia as covinhas fofas dele que faziam me derreter por completo. Era difícil manter a postura quando o garoto mais lindo do mundo está em um quarto sozinho com você. O pior disso tudo, era que eu tinha que agir normalmente mesmo com ele tão perto de mim quando eu tentava mostrar um passo. Mas eu tentava agir normalmente, seria muita humilhação ele perceber que eu estava babando por ele, mesmo que já soubesse da minha paixonite. Meu Deus, isso sim era humilhante! Eu nunca tinha parado para pensar nisso. Jaehyun passou vários dias da semana comigo, sabendo dos meus sentimentos por ele. E eu não sei se ele não ter comentado nada, é bom ou ruim. Maldito seja o clube de transmissão! Eu disse para Heejin que isso era baboseira, se ela tivesse me escutado,  Jaehyun não me acharia uma maluca. Droga, minha cabeça já estava cheia de coisa me preocupando, e mais essa agora. Suspirei forte, apertando os olhos. Deus, por que eu sou tão patética? Eu sei que nunca teria uma chance com Jaehyun, toda essa história sobre ele ser minha primeira vez, ou qualquer outra coisa, era tudo fruto de um desejo que eu alimentava com o passar dos anos. Mas mesmo assim, eu não queria que ele tivesse uma má impressão minha. Ele devia me achar uma idiota por isso. Eu fiquei agoniada com o falatório no colégio depois dos meus momentos de vergonha, mas nem chegava perto do que eu sentia quando pensava no que Jaehyun poderia pensar sobre tudo isso. Era muito estranho como ele me fazia eu me sentir, mesmo nunca conversando direito em tantos anos que o conheço. Ele deve ter várias garotas por aí que gostam dele do mesmo jeito, mas eu só gostava dele. E essa paixonite é tão idiota que me enfurece as vezes. Heejin era quem sempre me puxava de volta a terra firme quando eu voava na minha própria fantasia. "Chungha, isso nunca vai acontecer. Ele não é como a gente" Ela dizia. E era bom quando ela me acordava desse mundo de ilusões, porque tinha razão e eu sabia disso, mas meu coração parecia não entender. Não era só a história de " Garoto super popular" e a "desconhecida da escola" que me faziam ficar distante de Jaehyun, envolviam muito mais coisas que somente isso. Mas eu não tentava muito pensar por esse lado negativo. Independente de qualquer coisa que Jaehyun pense de mim.

ele sempre será meu primeiro amor.


Notas Finais


eu ainda estou pra revisar ele, desculpa qualquer erro. e tambem demorei mais pra postar esse pq tbm tava preparando a fic do eunwoo e da joy - please be my coach e a multi nova q eu to fazendo - crossed school.
deixem nos comentários oq acharam 💓💓


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...