1. Spirit Fanfics >
  2. I Dreamed That I Loved You. >
  3. Visita especial e inesperada.

História I Dreamed That I Loved You. - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Aqui está mais um capítulo minha gente. Espero que estejam gostando :)

xx

Capítulo 3 - Visita especial e inesperada.


Fanfic / Fanfiction I Dreamed That I Loved You. - Capítulo 3 - Visita especial e inesperada.

Dan-Yi caiu com seu corpo por cima do meu rindo, eu senti uma dor enorme no meu braço mas não dei muita importância, o Sr. Cha correu em nossa direção para ajudar nós duas a levantarmos do chão. Eu verifiquei se nada havia acontecido com a Dan-Yi e felizmente não.

- Vem, me ajude a levá-la para dentro. - O sr. Cha disse e assim eu fiz.

Eu sentei ela no sofá da casa, mas ela mal conseguia se segurar e logo deitou, naquele estado, não demorou muito para que ela caísse no sono, mas isso não a impediu de passar 5 minutos falando coisas sem sentido antes de realmente apagar. Eu tirei os sapatos dela e a cobri com um cobertor que o Sr. Cha havia me entregado. Eu estava na porta da casa, prestes a ir embora quando o sr. Cha disse com uma certa naturalidade:

- O seu braço está sangrando.

Quando eu vi, meu corpo inteiro gelou e paralisou por uns 7 segundos, eu nunca me dei bem com sangue, ainda mais depois da morte do meu pai, aquele sangue no meu braço me trouxe a terrível lembrança que permanecia viva do dia da morte do meu pai, porém, eu jamais demonstrei tal fraqueza a ninguém, nem mesmo a minha mãe, todos esses pensamentos passaram por mim em 7 segundos, e isso ainda parece muito.

- Está tudo bem, isso é não é nada - disse com a voz tensa, falhando miseravelmente em fingir normalidade.

Ele me puxou pelo outro braço de volta para o interior da casa. Tive a impressão de que ele se segurou para não me dar um peteleco na testa. Ele me sentou em uma cadeira perto de um balcão e pegou uma caixinha em um dos armários. De dentro dela, ele retira gaze, algodão, esparadrapo e água oxigenada.

- O-obrigada, mas não precisa. - Digo - eu consigo cuidar disso sozinha em casa.

- O corte foi profundo, você iria precisar de uma ajuda. - Ele fala antes de segurar meu braço de maneira bruta, me fazendo sentir uma dor fina.

- É sério, não precisa.. - tento não deixar transparecer a dor que seu toque causou.

- Tem certeza? - Ele pergunta irônico e eu concordo com a cabeça. - Pena que eu não lhe dei outra opção.

Eu suspirei e olhei para o outro lado enquanto ele fazia um curativo básico, eu deixei algumas lágrimas escaparem, mas não pela dor e sem pela lembrança que me trazia.

- Está tudo bem? - Sr. Cha perguntou quando terminou e notou minha lágrimas.

- Sim, está tudo bem. - Eu enxugo as lágrimas rapidamente - Obrigada.

Eu me apresso até a porta, entro no meu carro e demorou alguns segundos para me recuperar, mas logo saio. Cheguei em casa exausta, apenas escovei os dentes e apaguei na cama. Não deu tempo sonhar, foi a pior noite de sono da minha vida. Liguei para o Sr. Kim para avisar que me atrasaria um pouco. Tomei banho, vesti uma camiseta preta curta, uma calça também preta, um par de botas com salto preta e um sobretudo bege.[1] Tomei um café rápido e dirigi até a enfermaria mais próxima. Eu não sabia que era pra tanto, mas levei alguns pontos. Com um curativo decente, finalmente fui ao trabalho.

Cheguei quase 8h40, com o sobretudo no braço, as atenções obviamente se voltaram para o meu curativo. As meninas pareciam incrivelmente bem para quem dormiu apenas 2h. Só deu tempo eu organizar os papéis mais importantes e a hora da reunião chegou.

A reunião foi um sucesso, com certeza foi mais produtiva que a anterior, todos gostaram das minhas idéias e alguns ficaram até surpreendidos com a rapidez na qual eu consegui acompanhar os passos deles. Digamos que eu já estou acostumada com isso. O horário de almoço chegou e todos estavam indo almoçar juntos como sempre, eu me apressei pois queria ter uma conversa com as meninas antes.

Encontrei com elas no elevador e assim que a porta fechou nós caímos no riso.

- Ontem a noite foi incrível! - Sr. Seo disse ainda entre as risadas.

- Pobre Yeon Sea, saiu com sequelas! - Ji-yool disse.

- Me admira a Dan-Yi estar tão bem! - eu ri.

- Não vejo a hora de irmos lá novamente! - Dan-Yi diz animada.

- Eu só espero não sair mais machucada na próxima! - Eu disse e a porta do Elevador se abriu. 

Nós saímos rindo do elevador até a porta da frente. Quando eu olho para o outro lado da rua, vejo alguém que eu não esperava parado olhando pra mim. Eu abro um sorriso imenso instantaneamente. Ele devolve o sorriso e acena com a mão. A sr. Seo para ao meu lado e pergunta.

- Quem é o gato? - ela diz em tom de malícia. 

- Meu melhor amigo. - eu digo animada. - Sinto muito meninas, acho que terei outra companhia para o almoço. 

- E que companhia, viu...- Ji-yool diz encarando meu amigo.

- Eu acho que tô vendo uma babinha aqui... - Dan-Yi fala apontando para o canto da boca de Ji-yool. 

- Eu vou indo meninas, até daqui a pouco! - Eu digo e me afasto delas.

"Que sorte a dela!" Foi o que eu ainda pude ouvir da sr. Seo, eu apressei meus passos até a faixa de pedestres mais próxima, eu estava quase correndo, eu podia sentir minha mão suar pela ansiedade. Quando eu finalmente atravessei a rua, eu corri em sua direção e pulei em seus braços.

Eu estava morrendo de saudades do Michael, fazia anos que eu não o via, ele estava mais alto e forte. Seus olhos continuavam os mesmos olhos azuis intensos, o seu sorriso continuava lindo. Ele me segurava em seus braços, me tirando do chão durante o abraço. Eu mal podia acreditar que ele estava mesmo ali, eu podia sentir seu coração bater, céus, com eu senti falta dele. 

Michael e eu sempre fomos muito próximos, fazíamos tudo juntos, quando eu tive que voltar pra Coréia do Sul, foi muito difícil pra mim ficar longe dele, eu chorei por 2 semanas inteiras, mas nós nunca deixamos de nos contatar. Ele me ligava e mandava mensagens sempre que podia e vice versa. A presença dele aqui tornou meu dia ainda melhor.

- Você já pode me soltar agora. - Eu digo rindo. - Você está na Coréia não na Inglaterra, as pessoas acham estranho tanto afeto em público.

- Eu não tô nem aí pras pessoas, eu estou morrendo de saudades da minha melhor amiga! - Ele diz e me aperta ainda mais antes de me soltar.

- Você já comeu? - Pergunto.

- Não, estava esperando você. - Ele diz com um sorriso.

- Como você sabe onde eu trabalho e meu horário de almoço? - Pergunto e começo a andar em direção de alguns pequenos restaurantes que haviam por perto.

- Bom, eu estive com a sua mãe antes de vir aqui, ela me deu o endereço, já o horário eu simplesmente entrei e perguntei. - Ele diz me acompanhando.

- Por que você não me avisou que viria? Eu teria mandado preparar o quarto de hóspedes pra você, aliás, onde estão suas coisas? - Pergunto.

- Bom, eu queria fazer um surpresa, acho que funcionou - Ele responde se referindo a minha primeira pergunta. - Já as minhas coisas eu deixei na sua mãe por enquanto.

- Eu estou tão feliz em te ver! - Eu agarro o braço dele. - Como você esteve? Como está o trabalho?

- Está tudo indo ótimo, eu tirei férias por uns dias e resolvi vim passar com uma das pessoas que eu mais amo no mundo! - Ele fala e aperto um pouco minha bochecha.

- Eu estou realmente muito feliz por isso! Eu adorei a surpresa! - digo entusiasmada.

Nós conversamos sobre trabalho, vida pessoal e lazer. Ele me contou das suas melhores histórias até hoje o que me tirou muitas gargalhadas, ele sempre teve esse dom. Quando meu horário de almoço estava perto de acabar ele chamou um táxi e para a casa da minha mãe, eu combinei de ir buscá-lo depois do trabalho. Voltei para a editora sem conseguir disfarçar o sorriso.

Foco, Yeon Sea, trabalho é trabalho. 

Depois de alguns minutos consegui controlar o sorriso e voltei a trabalhar normalmente, algumas pessoas parecem ter notado meu bom humor e as meninas pareciam tão animadas quanto eu. No fim do expediente, eu não estava nem um pouco cansada, eu ainda estava muito feliz com a minha visita. Eu me despedi de todos e fui até o estacionamento.

Minha mãe mora cerca de 30 min da minha casa, não é muito longe mas como eu não tenho muito tempo para ir vê-la, as vezes ela passa alguns dias na minha casa. Eu liguei para o Michael avisando que já estava chegando e ele falou que estava apenas me esperando para irmos. Quando cheguei, entrei, bebi um copo de água e esperei minha mãe aparecer para me despedir dela.

Quando minha mãe resolveu finalmente aparecer, ela estava incrivelmente bem vestida, não usava muita maquiagem pois não precisava, seu cabelo estava preso a um rabo de cavalo.[2] Estava linda, como sempre. Então logo um sorriso cheio de segundas intenções invadiu meu rosto.

- Omma.... - falo em tom sugestivo e com um sorriso no rosto. - Você vai à um encontro às cegas?

- Ah... - Ela parecia envergonhada. - Bem... você sabe...

- Omma! Não precisa se explicar, você já é bem grandinha. - Digo rindo.

- Obrigada.. - Ela sorriu aliviada em não ter que explicar.

Parece que ela está realmente interessada nesse cara, ela nunca foi de se envergonhar ao me falar sobre seus encontros. Nós saímos, eu perguntei a minha mãe se ela queria carona mas ela preferiu ir de táxi. Eu e o Michael passamos o caminho até a minha casa inteiro conversando. Eu contei à ele sobre a festa que eu tinha ido e de como foi engraçado até a queda. Ele, óbvio, riu mais na parte da queda.


Notas Finais


[1] https://pin.it/3oGrLMV
[2] https://pin.it/5N87abU

* "Você vai continuar pedindo desculpas pelos erros mesmo depois de ter dito que vai revisar os capítulos só depois?" Sim, perdão pelos erros e até o próximo capítulo! (:

xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...