História I Got The Girl - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Garota conhece o Mundo (Girl Meets World)
Personagens Maya Hart, Riley Matthews
Tags Garota Conhece O Mundo, Girl Meets World, Lucas, Lucaya, Maya, Romance
Visualizações 36
Palavras 1.995
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente, eu tava prestes a abandonar essa fic pra ser sincera mas eu pensei bem e acho que não seria justo com quem lê (não sei se ainda tem) mas é isto.

Boa Leitura ;D

Capítulo 4 - We can not be together


P.O.V. Maya Hart

 

As aulas na verdade passaram rapidamente, eu fiquei surpresa pra ser sincera porque eu odeio escola, odeio estudar e odeio aulas, mas meus pensamentos estavam tão longe que acho que as horas se passaram rápido justamente por isso. Gosto de Lucas mas eu não sou assim, eu simplesmente fico com garotos por ficar, ele foi diferente, fiz sexo pela primeira vez e com alguém que eu gosto, isso é muito estranho e diferente pra mim, ainda estou surpresa em como aconteceu tudo tão rápido, preciso ter controle disso antes que eu passe dos limites, ou talvez eu já tenha passado.

Levei Riley pra casa como sempre fazia e foi como se não tivéssemos falado sobre nada na escola hoje mais cedo, ela nem chegou a tocar no assunto, mas nós sempre conversamos bastante no caminho pra casa, e dessa vez não foi diferente.

- Você nem acredita no meu estado hoje de manhã! Minha cabeça doía tanto que parecia que ia explodir, não sei como meus pais não desconfiaram de nada, vocês são péssimas influências pra mim!

- Relaxa, da próxima vez é só beber menos, você estrapolou no álcool ontem, iniciante!

- Nunca mais bebo álcool de novo.

- Então ta bom, também acho que devo dar uma parada.

- Então, eu estava pensando, você ainda gosta do Lucas?

- E-eu? Não, claro que não, ele é todo seu agora... - gaguejei no início.

- Eu ainda gosto muito dele mas acho que consigo superá-lo aos poucos, mas preciso da sua ajuda.

- Minha ajuda? Como assim?

- Preciso de algum dos seus contatinhos. - gargalhei alto quando ela disse.

- Te dou quantos você quiser! Eles são bem grudentos, mas já vou avisando que fiquei com a maioria.

- Eles são bonitos pelo menos?

- Claro, você acha que esse pedaço de mal caminho aqui é escolhido por alguém? Tá mais pra desejado! Eu que escolho eles, meu amor. Mas acho que não são eles que vão te ajudar a superar.

- Então quem vai?

- Farkle.

- Que? Hã? Nada a ver!!!!

- Ele faz seu tipo, sempre foi apaixonado por você, por mim também mas ai não conta, ele é incrível, você sabe disso!

- Eu sempre gostei do Farkle, mas acho que ele não ficaria comigo, a Smackle que é pra ele!

- Não, não é, shippo a Smackle com o Zay, isso sim!!! Mas o Farkle tá solteiro e é um partidão pra você!

- Ah mas...eu não sei!

- Qual é, Riles?!?! Estamos no último ano do ensino médio, se não aproveitar agora, não vai aproveitar nunca! Sou sua melhor amiga e sei o que eu to falando.

- Ta bom! Vou chamar ele pra sair.

Continuamos conversando sobre coisas variadas, mas eu estava me sentindo péssima por ter mentido pra ela sobre Lucas. Eu fiquei a tarde toda na casa da Riley e já tinha avisado meus pais, já eram 5h da tarde, combinei que chegaria em casa às 8h da noite. Quando meu celular apitou, meus planos mudaram.

— Whatsapp On —

Huckleberry

- Meus pais saíram pra jantar, aniversário de casamento, pode passar na minha casa pra conversarmos?

Maya

- To na casa da Riles, vou ver se dou uma desculpa pra ir, tbm preciso conversar com vc.

Huckleberry

- Estou te esperando.

— Whatsapp Off —

Riley tinha ido ao banheiro e quando voltou inventei uma desculpa qualquer e ela obviamente acreditou.

- Não acredito que vai embora tão cedo assim!

- Desculpa Riles, mas já fiquei a tarde toda aqui, e estou com cólica, sabe como é...

- Sim, eu sei, melhoras Peaches...

- Obrigada e até amanhã Riles, te amo! - disse já indo em direção à janela.

- Tchau, também te amo! - disse Riley enquanto eu atravessava a janela.

Avisei ao Lucas que estava a caminho da casa dele, ele apenas mandou um “ok” e fui para a estação de metrô para ir para a rua onde ele morava. Lucas veio de uma família rica, não tanto quanto a de Farkle mas sua condição de vida era bastante próspera, os seus pais eram empresários e não ficavam muito em casa, mas sempre faziam as vontades do filho por não serem tão presentes na vida dele. A bondade dele vinha da avó, que cuidava dele quando os pais não estavam em casa quando ele era pequeno, ela o educou com muito amor e dedicação, Lucas desde então nunca perdeu a bondade que sua avó deu a ele, e quando ela faleceu, ele resolveu permanecer isso dentro dele, mas se quisesse, jogava tudo pro ar e seria rebelde assim como eu, mas não é da natureza dele, ele tenta distrair a cabeça quando lembra que ela não está por perto pra que pudesse fazê-lo feliz, e daí começou a malhar, por isso ele é bem musculoso pra idade dele e daqui um tempo entraremos na faculdade e ele provavelmente vai malhar mais ainda.

O apartamento que ele morava era em numa cobertura de dois andares, era gigante, não sei como ele conseguia ficar tanto tempo naquele apartamento enorme, logo quando cheguei no prédio eu tinha que falar com o porteiro pra que ele interfonasse no apartamento e assim o fez, quando assentiu pra que eu pudesse ir pro elevador, eu segui em direção ao mesmo e subi até o 28° andar, onde era a cobertura, logo toquei a campainha. Não demorou nem 1 minuto até que ele abrisse a porta.

- Você demorou.

- Desculpa se tenho que pegar dois metrôs pra chegar até aqui! - disse irônica.

- Não precisa ser grossa, Pancakes. Entra aí. - logo após dito, eu adentrei na quase mansão. - Agora eu tenho uma mais que ótima companhia pra ficar nesse lugar comigo!

- Não vai se empolgando, não vou ficar aqui por muito tempo.

Ele puxou meu braço, me fazendo chocar os meus lábios contra os dele e apertou os braços em volta da minha cintura.

- Você devia parar de ser marrenta, sabia?!

- Mas você adora, não é?! - eu disse, me soltando dos braços dele para poder ver o resto do lugar.

- É sexy. - corei um pouco após o comentário mas revidei.

- Você é ridículo! - dei uma leve risada.

- Você me deixa assim.

- Qual é, você não deve se apaixonar tão rápido assim!

- Então você não deve me conhecer tão bem quanto pensa.

- Talvez deve ser porque eu não gosto você.

-Você sabe que gosta, você mesma disse.

- Acho que mudei de ideia.

- Você não é dessas.

- Você que pensa.

Enquanto ele andava atrás de mim e eu fazia um tour por mim mesma, eu consegui finalmente encontrar a cozinha.

- Agora a gente precisa conversar sério mas eu to com fome, então faz um lanche pra mim.

- Ih mandona, não sei não.

- O que disse? - dei uma risada ameaçadora pra fazê-lo retirar o que disse.

- Ta bom, vou fazer! - diminuiu o tom de voz.

- Então, eu odeio mentir pra Riles, ela iria me odiar se descobrisse o que estamos fazendo...

- Ela não vai descobrir, quando ela já tiver me superado, vai perceber que nós dois realmente temos que ficar juntos.

- Você só pode estar louco, né? Isso não vai dar certo, eu não posso e não vou ficar com você até que ela me dê permissão pra isso, eu jamais magoaria a Riley! - quando dizia as últimas palavras, ele já estava com o dedo jorrando sangue debaixo da torneira. - Ei! O que você fez?!?!

- Você que me fez fazer isso!

- Deixe de ser idiota! Onde ficam os primeiros socorros aqui nessa merda?

- Dentro daquele armário, na penúltima prateleira. - disse com a voz falhada pela dor e apontando o dedo pra um dos armários que tinham ali enquanto eu ia correndo até lá.

Quando abri o armário, estiquei a mão tão alto que meu braço quase se deslocou do meu corpo, - “pra que colocar essa droga tão alto assim?!” - pensei comigo mesma.

Peguei a maleta e a coloquei em cima do balcão da cozinha, procurei por um remédio e um curativo e logo achei.

- Vem cá, me dê seu dedo. - disse, enquanto ele fechava a torneira.

- Ai, porra! Tá ardendo!

- Se não fosse tão burro, não estaria nessa situação! Como fez isso?

- Eu não sei, estava ouvindo você falar e perdi a atenção da faca.

- Pode ter certeza que não quero lanche com molho de sangue, até perdi a fome.

- Não acredito que cortei meu dedo pra fazer esse lanche e você não vai comer!

- Não reclama, se não vou jogar esse frasco inteiro nesse dedo e aí sim você vai saber o significado de arder!

- Você só me ameaça garota!

- Pronto, e já discutimos o que tinha pra discutir, então eu vou embora.

- Ei, não, por que você vai embora agora?

- Lucas, não dá! Eu não posso ficar com você, não agora. - sai dali antes que ele me beijasse ou fizesse algo que eu mudasse de ideia.

- Maya, espera! Não faz isso!

Entrei correndo no elevador, eu estava triste por ter tomado essa decisão, mas eu não podia magoar Riley. Lucas me mandou 10 mensagens e me ligou 15 vezes, ignorei tudo antes que eu fosse explodir de arrependimento e voltasse atrás.

Semanas se passaram, eu e Lucas não nos falamos desde aquele dia, ele tava puto comigo e eu entendo mas antes ele que minha melhor amiga. Faltava 1 mês para o término das aulas e para o começo das nossas vidas definitivamente adultas, Farkle e Riley já estavam saindo há uma semana, mas ainda não rolou nada além de abraços demorados e carinhosos, acho que Riley estava começando a esquecer Lucas de vez.

P.O.V. Lucas Friar

 

Eu e Maya não nos falamos há semanas e eu não to gostando disso mas ela decidiu seguir em frente, então eu também vou. Chamei Zay no Whatsapp e disse que um dos meus amigos faria uma festa neste final de semana e que eu poderia convidar quem eu quisesse, então convidei uns amigos meus. Aquela era a noite perfeita pra que eu ficasse com quem eu quisesse.

Quando chegou no sábado, fui cortar o cabelo e depois fui pra casa, estacionei meu carro e subi. Tomei um banho, fiz toda minha higiene pessoal, coloquei uma camiseta de manga longa cinza simples e uma calça jeans preta com uma sapatênis, passei um dos meus melhores perfumes “Dior Homme Intense”, avisei os caras, peguei a chave do carro e saí.

Quando cheguei no local, a primeira pessoa conhecida que avistei foi Zay, beijando na boca, ‘pra variar’.

- Eae irmão! - o atrapalhei, propositalmente.

- Eae, tu atrapalhou meu papo aqui com a donzela.

- Não tinha muito papo né.

- Cê sabe que é assim que eu gosto. - ele riu. - vai beber muito hoje?

- Sei não, cara. Quero curtir e pegar umas aí.

- Esse que é meu garoto!

- Ahh cara vai beijar lá vai!

Saí de perto dele antes que ele falasse mais besteira e avistei uma mina que não tirava os olhos de mim, então fui até ela.

- Hey, posso saber por que não para de olhar pra mim?!

- Não sei, te achei interessante.

- Ah é?! Ah que bom que temos interesses em comum.

- Vejo que você curte essas festas, não é?

- Quando tem gente bonita assim que nem você, curto demais.

Fiquei uns minutos jogando um papo pra ficar com ela e ela cedeu, ficamos um bom tempo nos beijando então decidi ir pra pista de dança, ver se acho outra, quando vi uma loira um pouco distante, beijando um cara que parecia ter uns 20 anos, eu reconheceria Maya de qualquer lugar, e eu tinha certeza que era ela ali.

 


Notas Finais


É isso, espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...