1. Spirit Fanfics >
  2. I Had a Dream (YoonJin) >
  3. A 1000 Times

História I Had a Dream (YoonJin) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus moranguinhos, estava eu ouvindo uma música chamada 1 000 Times que simplesmente é Maravilhosa, ao ver a letra tive uma inspiração de escrever essa OS com os YoonJin que é um shipp extremamente fofo e que não tem muito reconhecimento então vim fazer uma pequena homenagem a eles. Espero muito que gostem ❤️

Obs: Essa história trata sobre suicídio se não se sente confortável com este tipo de assunto sintam se a vontade para não ler.

Música tema: 1 000 Times - Hamilton Leithauser + Rostam

Boa leitura📖

Capítulo 1 - A 1000 Times


Era inverno, fazia frio lá fora, mas eu não sentia estava mais uma vez limpando o balcão da cafeteria que trabalhava, o sino da porta tocou indicando a presença de mais um cliente naquela tarde, era ele, estava com seu casaco preto de couro, uma touca cinza que combinava com seus tênis, a calça preta colada em seu corpo o deixava ainda mais provocante aos meus olhos, ele entrou com aquela expressão indecifrável, o nariz vermelho que me faria pensar que fosse o vento gelada que se chocou ao seu rosto tão branquinho, mas os olhos dele também estavam vermelhos, teria ele pegado um resfriado?


Ele se sentou no mesmo lugar de todos os dias, exatamente como todas as vezes que ia, já sabia o que ele iria pedir, mas claro que tinha que pegar me caderneta e perguntá lo, então pigarriei e mesmo estando nervoso por vê lo tão próximo de mim perguntei "Boa tarde, o que vai querer hoje?"


Ele me olhou com aquele olhar distante, onde nada era claro, e carregava certa tristeza - "machiatto", -  sorri sem graça fingindo anotar pois já sabia, aquele com certeza era seu favorito de toda as vastas opções no cardápio.


Me dirigi novamente ao balcão e preparei seu pedido com todo o capricho e amor que guardava em segredo, o entreguei  e voltei a observá lo como todas as milhões de vezes nos últimos anos.


Era todos os dias assim, há cerca de dois anos o vi pela primeira vez, nessa mesma situação, de início pensei ser apenas um interesse visual afinal Min Yoongi era um rapaz muito bonito, a pele branca como a neve que caía lá fora, seus olhos tão pequenos, os lábios finos e vermelhos, seu corpo magro e a estatura mediana que o deixava tão fofo, seus cabelos por diversas vezes mudavam de cor, já os vi verdes, azuis, loiros, vermelhos, mas já faz algum tempo que estão naturalmente negros, eu não me importava porque todas as cores combinavam com ele todas elas me remetia a alguma lembrança boa.


Eu me apaixonei por alguém no qual nunca troquei uma palavra a mais do que "Qual o seu pedido?", seria isso possível? Mas se não era amor o que poderia ser? pois todas as vezes que o via meu corpo tremia, meu coração acelerava, minha respiração ficava descompasada e começava a transpirar, eu sonhava com ele. Ah e como sonhava, sonhei um milhão de vezes, sonhava praticamente todos os dias, e se já não bastasse ele invadir meus sonhos também invadia a minha mente quando estava acordado, fosse estudando ou trabalhando, mas minha insegurança nunca me deixou dar um passo a mais do que aquele que era o meu profissional, nunca me atrevi a puxar algum assunto, ou quem sabe chamá lo pra sair.


Eu sempre fui um tolo inseguro, sempre achei que jamais ninguém olharia para mim, não me achava feio, pelo contrário, mas o medo da rejeição era grande e quando me apaixonei por Yoongi tudo ficou pior, eu jamais arriscaria chama lo pra sair e ouvir um "não" ou talvez até um olhar de nojo por eu também ser um homem, então isso me manteve longe, isso me impediu de tentar realizar qualquer coisa parecida com o que acontecia nos meus milhões de sonhos.


Yoongi era tão diferente de tudo e todos, ele exalava rebeldia, seu estilo meio gótico contrastava com seus cabelos coloridos que por diversas vezes me deixava pensativo se ele era realmente tão obscuro a ponto de querer iluminar sua vida com as cores que usava em seus cabelos.


Por diversas vezes pensei em como ele seria de verdade, poder conversar com ele, ouvir sua história, saber seus gostos, mas nesses dois anos a única coisa que eu sabia era que ele se vestia de preto, pintava os cabelos e vivia escrevendo em um caderno que logo era substituído por outro por tantas coisas que ele anotava, parecia escrever poemas ou algo do tipo pois sempre pegava seu machiatto levando em seus lábios e depois suspirava e anotava coisas.


Queria poder ler, queria poder saber qual era o mistério que envolvia Min Yoongi, ele era tão solitário, apesar de ser tão "descolado" aparecia raramente acompanhado, na maioria das vezes era só ele e seu caderno. 


Ele me pegava olhando pra ele por várias vezes, afinal era difícil não olhar quando tudo nele me prendia, definitivamente ele era o mistério que eu gostaria de desvendar e só conseguia em meus sonhos.


Então naquele dia, estava eu disfarçadamente limpando o balcão quando ele me pegou olhando pra ele, ele se levantou e veio em minha direção, claro que pra pagar a conta, mas achei estranho a sua atitude, afinal todas as vezes ele pedia a conta ali mesmo sentado na sua mesa favorita - "Quanto ficou?" - ele sabia quanto era afinal frequentava aquele lugar há dois anos, disse o valor e ele me estendeu o dinheiro com um pedaço de papel junto com as notas, ele me olhou e deu um sorriso triste se despediu e saiu, eu não entendi nada, mas obviamente abri a pequena folha em minha mão - "Te espero do lado de fora assim que terminar seu expediente" - aquilo me fez sentir um arrepio em toda a minha espinha, meu estômago revirou e a ansiedade e o nervosismo tomaram conta, o que ele queria comigo?,  talvez tirar satisfação por eu lhe encarar, por mais que desfarçasse todos os funcionários sabiam que eu o olhava diferente, mesmo sempre negando e os deixando realmente na dúvida, tive medo, medo de apanhar, medo de ouvir ofensas dele, medo de que ele quisesse uma explicação do meu comportamento, embora eu realmente não fizesse nada além de olhar, e por último em uma hipótese bem distante tive medo de que ele quisesse algo a mais, eu não saberia como reagir, sempre tive medo de me envolver, e por ser gay acabei me retraindo, o medo do que os outros poderiam pensar ou falar aos meus pais me corroía, meus pais tão religiosos e preconceituosos jamais aceitariam o fato de que seu filho se atraia por homens.


Mesmo com um turbilhão de pensamentos e o coração quase saindo pela boca, arrumei a cafeteria com a ajuda de alguns funcionários, fui até o vestiário, me troquei, me perfumei e ajeitei meus cabelos, peguei meu casaco comprido e sai do local, o vento se chocou em minha pele me causando um certo tremor ao sentir a diferença de temperatura, olhei para os lados e tudo o que vi eram uns funcionários que se despediram de mim e seguiam em direção ao ponto de ônibus, suspirei pesadamente vendo a fumaça sair pela minha boca devido o frio extremo e me convenci de que talvez o bilhete não tenha passado de alguma brincadeira, resolvi seguir meu caminho quando senti uma mão segurar meu ombro com uma certa força - "Ia me deixar aqui, depois de te esperar por uma hora e meia?" - sorri assustado ao mesmo tempo feliz, - "Desculpe, eu...eu realmente achei que já tinha ido embora" - ele sorriu com os lábios fechados e começamos a andar, começamos meio sem jeito Yoongi falava pouco então percebi que eu tinha que arrumar assunto, comecei perguntando o que sempre quis, 'o que ele mais gostava de fazer' ele espremeu os lábios e disse quase que cantando…"música", pude sentir todo o amor que ele sentia apenas ouvindo aquela palavra, ele definitivamente era apaixonado por música porque a partir daquele momento ele começou a falar sem parar, me falou de todos os grupos e cantores que ele admirava, me contou como foi a sua experiência assistindo a um show de um cantor de rap que ele particularmente parecia ter mais apreço do que pelos outros mencionados, contou do quanto ficou feliz e emocionado por poder sentir toda a energia de um show ao vivo, eu ouvia atentamente. Por mim Yoongi poderia passar o resto da vida falando e eu iria apenas ouvir, sua voz era incrivelmente rouca e ele falava baixo mas em alguns momentos acabava se empolgando falando um pouco mais alto em pura alegria, o que era bem contraditório daquela imagem entristecida e quieta que eu conhecia, e aquilo só fazia meu coração tremer ainda mais ao seu lado.


Andamos sem um rumo certo não perguntei onde ele gostaria de ir e ele também não me disse nada, passamos pelas ruas solitárias e a lua nos acompanhava iluminando nossos passos, eu tinha medo de acordar a qualquer momento e aquilo ter sido apenas mais um dos milhares de sonhos que tive com ele - "E você SeokJin? O que mais gosta?" - eu poderia dizer que ele era o que eu mais gostava, que todas as vezes que ele entrava no café era a melhor parte do meu dia chato e sem graça, mas eu não poderia, porém deveria ter dito, ainda me culpo por não ter feito. Quantas vezes queremos dizer coisas e por medo não falamos, se soubessemos o amanhã será que mudariamos essa atitude? É o que penso até hoje.


Naquela noite acabamos andando demais, e quando percebemos era tarde da noite, então ele me disse onde morava, insisti em leva lo até a sua casa.


A casa mal pintada e de janelas com vidros trincados parecia abandonada, era triste e sombria, mas era ali que ele vivia, suspiramos assim que chegamos e ele me olhou - "Obrigado SeokJin, foi muito legal, eu precisava conversar" - aquilo foi tão reconfortante porém me preocupei, ele era tão sozinho assim, a ponto de ter que chamar um "estranho" pra conversar?


Naquela noite fui embora com a alma leve um coração em euforia, estava mais encantado do que nunca. Sonhei com ele novamente e dormi tranquilamente.


Alguns dias e meses se passaram e todo os dias Yoongi me espera sair do trabalho pra voltarmos juntos pra casa, sempre arrumavamos lugares pra ir antes de fato irmos pra nossas casas, cinema, parque, praça ou simplesmente sentar na calçada eram os lugares que íamos, com o tempo descobri mais sobre ele, como por exemplo sua cor favorita que surpreendentemente não era preto e sim branco, talvez por representar a paz, aquela que ele não tinha por morar com uma mãe viciada que vivia levando homens pra dentro de casa, também descobri que Yoongi bebia demais, não só café como de costume, ele amava bebidas alcoólicas e cigarros, por diversas vezes me perdia enquanto o olhava tragar o mesmo, descobri que ele também gostava de meninos e que ao contrário de mim não ligava para o que os outros pensavam afinal sua própria mãe dizia "você já tem seu carimbo pro inferno no seu passaporte" toda vez que ele aprontava algo, a frase era dita mais em tom de "faça o que quiser" ela não ligava, nunca ligou.


Aquilo me fazia sentir uma profunda tristeza, Yoongi era um cara incrivelmente inteligente, sabia falar sobre tudo, lia bastante, era auto de data, aprendia tudo sozinho inclusive a fazer Música.


E então chegou o dia em que ele finalmente me mostrou seu tesouro mais preciso. - "Escrevi uma coisa, quero que leia" - ele disse me jogando o caderno enquanto pegava um dos seus cigarros acendendo, peguei o caderno e abri com todo o cuidado do mundo, então ele com seu jeitinho impaciente o tomou de volta foliando até que parou em uma página específica, ele parecia meio nervoso mas me devolveu - "leia" - ele disse impondo…


" Estou a beira do precipício, mais uma vez

A escuridão grita meu nome me chamando para baixo, eu tento recusar e recuar, mas é mais forte do que eu e permaneço ali, intacto.

E sempre foi assim, não consigo me lembrar qual foi a primeira vez que me peguei a beira nesse precipício, mas então uma luz surge ao meu lado, ela não me diz diretamente que não devo pular, mas me ilumina tanto que só consigo enxergar ela, e de repente já não existe escuridão, apenas aquela bela luz que me faz querer continuar mesmo sem saber qual caminho tomar, afinal estar ao seu lado já é o suficiente pra mim."


_ E então? O que achou? - ele me perguntou preocupado mordendo o canto dos lábios só deixando de fazer isso quando colocou seu cigarro na boca - É incrível Yoonie, definitivamente profundo, - Pensei que não iria gostar, estava receioso em mostrar, nunca mostrei o que escrevo pra ninguém - "Não deveria sentir receio, você escreve muito bem, mas antes de qualquer coisa, isso aqui é o que seu coração diz, não deveria ter medo de expor o que ele sente" - Yoongi tragou seu cigarro mais uma vez e o jogou fora, se sentou ao meu lado apertando suas mãos, apertando os lábios - "Me desculpe Hyung, mas você só me incentivou" e então ele colou seus lábios nos meus, eu tive que abrir os olhos eu precisava comprovar, não podia ser mais um sonho.


Quando senti sua língua invadindo a minha boca eu comprovei não era um sonho, era ele, era Yoongi me beijando, era de fato meu primeiro beijo, e era estranho, mas saber que era com ele fazia tudo se tornar especial, pude sentir a textura da sua língua macia, o gosto do cigarro que não era tão agradável mas a verdade é que não me importei o que realmente importava pra mim era os lábios de Min Yoongi colados aos meus, eu não sabia bem o que fazer mas ele me guiava com maestria, de início não sabia pra onde virar o rosto e nem o que fazer com a minha boca,

Mas ele segurou meu rosto com suas mãos frias e me mostrou na prática exatamente o que fazer, deixei meu coração me levar e fiz o que sentia que fazer, foi 


Mágico..


Depois daquele beijo Yoongi me beijava sempre que tínhamos oportunidade, quando a rua estava vazia ou quando ele ia até a minha casa fingindo que íamos fazer algum trabalho da escola ou jogar vídeo game, quando na verdade o que fazíamos era conversar, ouvir música baixinho e nos beijar...nunca fui até a casa de Yoongi ao não ser na porta, pois eu sabia que lá o clima não era bom, e eu não reclamava quando ele ia até a minha e ficava até bem tarde porque eu sei que na verdade ele só não queria voltar pro lugar que ele chamava de inferno.


Então fomos seguindo assim, sem um nome específico pra o que tínhamos, era segredo mas não parecia importar pra ele e pra mim também não importava afinal eu não estava pronto e nem poderia me assumir, meus pais continuavam achando que ele era um grande amigo e tudo estava ok do jeito que estava, até que Yoongi simplesmente sumiu, eu ligava pra ele, mandava mensagens mas ele não me retornava, não foi mais ao café e eu comecei a pensar que talvez ele estivesse se arrependido, e toda a minha insegurança voltou, eu chorei por vezes em meu quarto pensando que ele já não gostava de mim ou que talvez nunca tivesse gostado, três semanas se passaram e eu já estava completamente desesperançoso que ele pudesse aparecer novamente, era uma sexta feira, trabalhei e mais uma vez fui pego com perguntas como " O que você tem?", "Seu amigo não vem hoje de novo?", Eu já estava de saco cheio de ouvir essas coisas, mas as pessoas não tinham culpa, elas não sabiam o que eu estava sentindo.


Voltei pra casa e por volta das nove da noite, quando meus pais já estavam dormindo recebi uma mensagem, olhei no visor e meu coração se apertou, era ele - "Abre a janela pra mim?" - corri em direção a mesma e pude ver Yoongi na calçada guardando seu celular no bolso olhando para a minha janela, a abri e então ele começou a escalar e adentrou ao meu quarto o olhei e ele timidamente sussurrou um "Desculpa o sumiço", meus olhos encheram de água em uma mistura de sentimentos entre raiva e saudades, mas não pude deixar de abraçá - lo o mais forte que podia como se ele realmente fosse sumir se eu não o apertasse, ele começou a chorar e eu me desesperei - "Por favor Hyung, me faça esquecer, me faz esquecer de todos eles"


Eu não entendi o que estava acontecendo, mas não quis perguntar, eu sou tão estúpido, porque não perguntei, tive medo de que ele se irritasse e não quisesse responder, de sair e sumir da minha vida novamente e então não questionei apenas o abracei mais ainda, acariciei seus cabelos e o beijei, ele me empurrou em direção a cama "Tira de mim as marcas que ele deixou!", Eu fiquei sem palavras e sem ação, era mesmo aquilo que eu havia entendido? Eu não queria acreditar e não podia tocar no assunto, só consegui enxugar as lágrimas do meu garoto e beija lo, ele se sentou em meu colo e segurava meu rosto, cessou o beijou e começou a se despir, "Eu quero ser seu Jinie, e de mais ninguém, toma o meu corpo porque meu coração já é seu". Naquele momento a única coisa que pensei em fazer era amá lo, matar a saudade que sentia e fazer o que ele queria, então retomei o beijo descendo meus lábios pelo seu pescoço, tirei sua blusa de couro devagar, ele retirou a camiseta que usava e me ajudou a tirar a minha, durante o beijo lágrimas escorriam pelo seu lindo rosto e por vezes perguntei se ele queria parar se queria apenas ficar quietinho mas ele dizia que não, que queria fazer "amor comigo" e então fizemos, eu não sabia muito bem o que fazer mas segui meu coração e tentei passar todo o amor e a saudade que eu sentia, beijei todo o seu corpo, acariciei cada parte enquanto ele apertava meus ombros com força deitei ele em minha cama e beijava seu rosto coberto por lágrimas "Eu te amo" foi o que disse sussurrando em seu ouvido, ele me apertou contra o seu corpo "Eu também te amo", acariciei seu tronco branquinho mas que havia algumas marcas roxas, beijei cada uma delas com todo o carinho que podia, lambi seus mamilos e ele se contorcia gemendo bem baixinho, ele passeava as mãos em meu corpo e eu me deliciava com todo o seu, ele me tocava e dizia o quanto era feliz quando estava comigo, nos despimos por completo e então comecei a preenchê-lo devagar, ele gemia de forma discreta pra não acordar meus pais mas aquilo só me deixava mais extasiado, sua voz rouca em meu ouvido dizendo o quanto me queria me desestabilizava, a cada movimento eu também gemia sentindo todo o seu aperto, A felicidade que eu sentia em tê lo tão próximo, tão grudado como se fossemos uma pessoa só era indescritível, porém não me esqueci que ele estava ali pra que eu substituísse seja lá o que for que havia o feriado, ele não precisava me contar exatamente o que aconteceu eu já sabia e isso me assustava.


Nos amamos, nos unimos selando todo o amor que sentíamos um pelo outro, me desmanchei em Yoongi assim como ele o fez em meus lençóis.


Ao terminar fomos até a lavanderia colocar o lençol para lavar e averiguar se meus pais ainda dormiam, Yoongi aproveitou pra fumar e conversamos, ele parecia meio distante e era como se ele não pertencesse mais a esse mundo,  tentei entrar no assunto, mas ele me interrompia, achei melhor deixar como estava, ele não parecia a vontade pra dizer o que realmente havia acontecido e eu respeitei. Voltamos para o quarto, tomei uma banho junto com ele e nos deitamos, o abracei colocando sua cabeça em meu peito, senti as lágrimas quentes de Yoongi escorrer e o apertei, - "Me perdoe Hyung" - Tá tudo bem Yoonie, não precisa dizer nada agora - e ele disse mais uma vez que me amava - Eu espero que você um dia me perdoe e me entenda - Porque diz isso meu amor? - ele me olhou, sorriu e me beijou, aproveitei aquele beijo apertei o contra mim porque ali eu sabia que nada nem ninguém poderia machucá lo, ao não ser ele mesmo e seus pensamentos... permanecemos em silêncio até adormecermos.


Acordei no outro dia sem Yoongi do meu lado, senti meu coração inquieto, e apesar de uma ponta de felicidade por ter visto novamente e comprovado que ele me amava, eu tinha uma angústia em meu peito, era sábado e minha mente estava confusa, porque eu estava me sentindo tão estranho? Talvez a falta da despedida tenha me deixado assim, será que ele sumiria novamente? Por quantos dias ou semanas até ele voltar, e agora a preocupação com o que ele passava e não queria dizer claramente também me afligia, eu só pensava em como tirá lo daquela casa, mas eu era só um adolescente de 17 anos, o que eu poderia fazer? A verdade é que eu não sabia o que e como fazer mas queria muito fazer algo por ele, decidi mais tarde ir até a casa dele pra ver como ele estava e foi exatamente o que fiz.


Depois do almoço por volta de umas duas e meia da tarde fui até a casa de Yoongi, de longe avistei uma faixa amarela enorme por volta de toda a casa achei estranho pois parecia aquelas cenas de filme onde acontece algum crime e os policiais fecham o local sinalizando que não se deve ultrapassar, corri até o lugar curioso e ofegante procurando por algo ou alguém então escutei uma voz de uma mulher - "Ei rapaz? O que faz aí? Não pode entrar" - a olhei assustado "Sou amigo de Yoongi, o que aconteceu? - a mulher mudou sua expressão de brava para uma de tristeza, me olhou receosa "Hoje pela manhã encontraram o corpo de Yoongi sem vida no quarto, eu sinto muito" 


Paralisado


Eu fiquei completamente paralisado, ela continuou falando algo que eu não entendia, a voz dela foi ficando cada vez mais distante e a minha dor cada vez maior, meu coração se estilhaçou, senti uma pressão forte em meu peito e meus olhos derramaram lágrimas sem parar, não, aquilo não estava acontecendo, mais do que nunca tinha que ser sonho, "por favor que seja um sonho, um dos milhares que tive" era o que eu dizia chorando, caí de joelhos e nem percebi, só me dei conta quando a mulher correu para me ajudar, eu perdi as forças, eu não conseguia suportar, era demais, "mentira, é mentira" não podia ser verdade, eu tinha que ve- lo eu precisava ter certeza até ontem eu estava com ele, "Yoongi...por favor, você não fez isso! Não me deixe" - eu chorava compulsivamente, meu peito parecia querer explodir, eu tremia, estava apavorado, sentia medo, muito medo de que realmente aquilo fosse verdade, não, não podia ser…


Sonho


Aquilo tinha que ser sonho,mas não era….

Ele me deixou, deixou pra trás todos os nossos sorrisos, nossas conversas, nossos beijos, nossos planos de fugir, ele me deixou, nunca mais poderia tocar nele, beijar ele ou preparar seu machiatto, nunca mais iria ler seus pensamentos nas suas folhas de papel, nunca mais sentiria seus cabelos entre meus dedos, nem ouviria suas músicas, nunca mais sentiria seus lábios nos meus e o seu gosto de cigarro, Min Yoongi me deixou, e foi no seu enterro que comecei a me questionar, porque fui tão imbecil e egoísta, porque não me importei mais, porque não fui até a a casa dele e insisti pra vê lo? Porque o deixei voltar pra casa, porque ao invés de me deslumbrar com o fato dele querer fazer amor comigo eu não conversei e questionei ele o que havia acontecido, porque não o levei até a delegacia para dar queixa a mãe irresponsável e o porco do namorado dela?


Eram milhões de porquês? Eu não parava de pensar que a culpa era minha, como eu não percebi que aquilo poderia acontecer, ele não falava dos abusos não reclama da mãe, só dizia que não queria voltar pra casa, mas por que eu não tomei uma atitude, por que não o fiz tomar uma?


Não conseguia esconder a minha dor, e logicamente minha mãe entendeu que alí não era a dor da perda de um amigo, era a dor da perda do meu amor, na verdade o meu amor continuava mas sem a figura que me causava todo esse sentimento presente em minha vida. Eu não conseguia passar um dia sem pensar nele, eu não tinha mais sonhos mas sim pesadelos, quando dormia via seu corpo estirado no quarto, embora eu não tenha realmente visto a cena minha mente perturbada criava toda a situação, sonhava com ele chorando me perguntando por que eu não havia tirado daquela casa, ah Yoonie, eu também me perguntava isso todos os dias, eu também queria ter mudado toda aquela situação, eu chorava constantemente, não queria estudar nem trabalhar, queria apenas dormir e não acordar mais.


Dois meses havia se passado, era começo de noite e escutei minha mãe bater em minha porta, - "Entre", minha mãe abriu a porta com um meio sorriso - "Tem alguém lá embaixo querendo te ver" - pensei por um segundo, eu praticamente não tinha amigos, quem poderia ser? - levantei da minha cama com certo esforço e passei por minha mãe que afagou meus cabelos, desci as escadas me deparando com um rapaz alto de cabelos negros e magro o olhei com curiosidade ele exibiu um sorriso quadrado em seu rosto - Então você é SeokJin? - assenti estendendo a mão para o mesmo - E você? - perguntei curioso nunca havia o visto, - Sou Kim Taehyung - sou digamos…. "primo" de Yoongi - quando ele disse aquilo meu coração acelerou, como Yoongi tinha um primo e nunca havia dito nada sobre ele, e o que ele fazia aqui?


O chamei pra irmos até o jardim da minha casa e ele me acompanhou, sentamos em um banco que tinha por ali e notei que ele tinha uma sacola em mãos. - SeokJin, sei que minha presença deve ser uma surpresa pra você, Yoongi e eu éramos muito amigos quando crianças, ele sempre me defendia dos valentões da escola - sorriu sem jeito - sempre foi um grande amigo, quando perguntavam por que ele me defendia tanto ele dizia que eu era o primo dele e jamais deixariam me machucar - coçou a nuca bagunçando um pouco seus cabelos compridos - Bom..crescemos e meus pais tiveram que se mudar, fomos embora para Daegu mas sempre mantive contato com Yoongi, e ele me falou sobre você em uma das nossas conversas - Me assustei, nunca imaginei que alguém soubesse sobre nós dois - Sabe o que ele me disse? - neguei com a cabeça e abaixei o olhar - Ele me disse que estava apaixonado pela primeira vez na vida - olhei novamente para o rapaz a minha frente e senti meus olhos derramaram lágrimas - Então eu o incentivei a viver esse amor, já que ele me disse que achava que você também sentia o mesmo - suspirou -  Yoongi sempre me contava como vocês dois estavam, já que eu era o único que sabia de detalhes da vida dele. Até que em uma noite ele me ligou e disse que talvez não estaria aqui quando eu voltasse, pois eu havia dito a ele que me mudaria pra cá novamente, e então ele me pediu pra que te entregasse isso, caso ele realmente não estivesse - Taehyung puxou de sua sacola o caderno de Yoongi - ele me disse onde estaria o caderno e disse que estaria seguro se eu o entregasse a você - comecei a chorar compulsivamente, Taehyung me abraçou e também chorou - "foi minha culpa, eu o vi definhando e não fiz nada" - Taehyung me apertou em seu abraço - SeokJin, eu imagino o que esteja sentindo, mas nem você nem ninguém poderia ter evitado, Yoongi não queria mais viver, ele não queria mais estar aqui, e não que não existisse nada de importante, existia, mas ele não aguentava mais o peso, a culpa não foi sua. - suspirei pesadamente secando minhas lágrimas apertei o caderno em meu peito e agradeci Taehyung, ficamos mais algum tempo em silêncio até começarmos a falar de Yoongi, Taehyung me contava as aventuras que eles viveram quando crianças e eu contei um pouco do que vivi com ele, - Bom...já está tarde, tenho que ir - levantamos e me despedi de Taehyung mas antes de ir embora ele me perguntou - podemos nos ver outra vez? Vai ser bom pra mim já que voltei agora e não tenho mais nenhum amigo! - concordei com um sorriso e ele se foi.


Os dias iam se passando e comecei a voltar para a minha rotina, escola e trabalho, Taehyung passou a me ver todos os dias, se preocupava comigo, me mandava mensagens me chamava pra assistir filmes antigos me mostrava músicas mais antigas que seus filmes, ele tinha uma singularidade, era diferente de todos, amava pintar e adorava arte, ele me buscava no trabalho como Yoongi fazia, não que ele estivesse o imitando, foi espontâneo, ele se senti só e eu também acho que acabávamos lembrando Yoongi um ao outro de certa forma. 


Acabei que por uma dessas vezes coloquei novamente a música que Yoongi mais gostava - Jin? Acha que é saudável ficar lembrando tanto de Yoongi? - estranhei a pergunta afinal por que não seria bom relembrar ele - Pra mim faz muito bem e só posso ouvir as músicas dele com você mais ninguém o conhecia como eu e você, não quer lembrar dele?


_ Não é isso, por favor não me leve a mal, eu o amava muito, mas não sei se é bom continuarmos a lembrar tanto dele.


_ Não entendo Taehyung, você sabe o quanto ele é importante pra mim!


_ Você sabe que também é pra mim, a verdade é que - ele se levantou e foi em direção a janela do meu quarto - eu queria que tivéssemos uma amizade por nós mesmos, às vezes sinto que só somos amigos por causa dele, tenho medo de que no dia que você não sinta mais a necessidade de lembrá lo também me esqueça - fiquei pensativo, eu amava me lembrar de Yoongi, mas minha amizade com Taehyung não existia por esse motivo, eu adorava a companhia dele, amava quando falávamos de arte e quando ele me mostrava um filme antigo ou traduzia alguma música pra que eu soubesse o que os artistas americanos que ele tanto amava falavam e amava quando ele e eu deitavamos na grama do jardim da minha casa de olhos fechados e ficávamos em silêncio, apenas sentindo o frescor que o vento nos fazia sentir em tardes quentes - Não pense isso Taehyung - ah, eu adoro nossa amizade e não uso você pra me lembrar de Yoongi, eu nem preciso disso pra pensar nele, mas sabe? As coisas estão diferentes, hoje lembro dele com saudades, não sinto mais aquela dor horrível, sinto falta, mas não existe mais culpa, um dia desses sonhei com ele. - Taehyung se virou pra mim com olhos arregalados 


- E o que sonhou? Mais um pesadelo? - sentei me no chão escorado na cama e ele me acompanhou - Não! Era realmente um sonho, e era muito bom, o vi vestindo a cor que ele me disse uma vez ser sua favorita, ele estava todo de branco, estava lindo, com um sorriso em seu rosto ele se aproximou de mim, me abraçou, e me disse que estava bem, e que queria que eu também ficasse, que eu precisava viver - nem senti que estava chorando apenas percebi quando Taehyung enxugou uma lágrima que escorreu em minha face 


- Sabe Jin….acho que isso é um sinal, ele quer te dizer que agora está tudo bem, pra que você possa prosseguir - olhei Taehyung e meu coração se esquentou, realmente aquilo fazia sentido, não deve ter sido apenas um sonho como todos os outros, creio que Yoongi usou meu sono pra se aproximar de mim fazer aquilo que eu e ele precisávamos, nos despedir!


_ Você tem razão Taehyung - ah, ele veio se despedir de mim, e talvez por isso eu esteja me sentindo em paz agora. - Taehyung sorriu e naquela noite ouvimos suas músicas ao invés das de Yoongi.


🎶


Após pegar uma xícara de machiatto que eu mesmo havia preparado depois de tantos anos me dirigi a enorme porta de vidro que separava a varanda da minha sala em meu apartamento, coloquei o líquido quente na minha boca me fazendo sentir aquecido por inteiro, olhei para o céu estrelado e admirei a vista tão bonita da cidade, senti aqueles braços que tanto me acalmavam se envolvendo em minha cintura. - Uma moeda pelos seus pensamentos! - ele disse apoiando o rosto em meu ombro, me virei depositando a xícara na mesa que havia lá fora e o abracei depois selei seus lábios - Meus pensamentos valem tão pouco assim? Uma moeda? - ele sorriu e logo me fitou - Eu sei no que está pensando, aliás em quem!


_ E você fica triste por isso?


_ Claro que não Hyung, afinal se não fosse por Yoongi jamais teríamos nos conhecido.


_ Exatamente, ele me salvou de tantas maneiras, eu jamais conseguiria descrever todas elas, eu sou muito grato a ele, por ter me mostrado que eu poderia amar e ser amado, as vezes penso que como ele não tinha em seus planos ficar por aqui ele me deixou um presente incrível e usou o caderno dele pra me entregar.


Taehyung selou meus lábios demoradamente, passou um tempo comigo depois foi tomar seu banho, enquanto isso eu acendi um cigarro, não, eu não fumava, mas às vezes gostava de fazer exatamente como ele, traguei devagar e soltei a fumaça observando a subir em direção ao céu, eu jamais esqueceria Min Yoongi, eu jamais esqueceria o que vivemos e eu jamais deixei de sonhar com ele, quem sabe em outra vida poderíamos viver o que nessa foi só um sonho.



Fim




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...