História I hate that I love you - Shawn Mendes - Capítulo 16


Escrita por:

Visualizações 112
Palavras 1.826
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor



Capítulo 16 - Limbo


Fanfic / Fanfiction I hate that I love you - Shawn Mendes - Capítulo 16 - Limbo

Sexta feira, 31 de agosto.


É hoje.

O baile de outono é hoje.

ESSA CARALHA É HOJE!!!

Eu e as meninas acordamos mais tarde do que nos dias normais, levantamos super animadas e com disposição para construir uma casa. Chegamos na cozinha e minha mãe estava preparando um banquete de café da manhã, ela tem essa mania de quando tem visita, ser a melhor anfitriã do mundo. Patty chegou sorrindo largamente e minha mãe olhou para ela com uma cara de: "Só tem espaço para duas meninas extras, como ela está aqui?" Ri comigo mesma e sentei na mesa.

- O cheiro está maravilhoso, Sra. Dallas - Phoebe respirou fundo - São panquecas? 

- São sim! - minha mãe sorriu e se virou para nós - Pode me chamar de Lyra.

- Eu chamo de tia Lyra, pode? - Patty perguntou com um pedaço de bolo na boca e todo mundo acabou rindo.

- Pode sim - ela voltou o olhar para o fogão ainda rindo - Line, cadê o seu irmão?

- Patty, cadê o meu irmão? - redirecionei a pergunta e minha mãe nos olhou de novo, mas dessa vez igual a menina do exorcista.

- Você dormiu com o Cameron? - minha mãe cerrou os olhos para Patty que engoliu seco.

- Dor... Dormi - ela gaguejou e depois me fuzilou com os olhos.

- Ai que bom! - todas nós olhamos estranho para ela - Pensei que meu bebê nunca fosse desencalhar! 

- Eu também, mãe! Tanto que quando soube que eles tinham feito dupla em uma aula, fiquei toda empolgada! - comecei a pular na cadeira e as meninas riam de tudo.

- Meu Deus que genética boa! São igualzinhas! - Callie disse terminando de rir e eu e minha mãe ficamos sérias - Eu... Disse alguma coisa?

- É que... - olhei pedindo permissão e minha mãe assentiu - Acho que uma hora eu teria que contar para vocês... Eu e Cameron somos adotados - bebi um gole de suco.

- Ai meu Deus! Eu não sabia! Não tive a intenção de... 

- Eu realmente não me importo - cortei Callie e vi ela suspirar de alívio - Eu inclusive sinto muito orgulho de ser filha, mesmo que de coração e não de sangue, da dona Lyra - dei um sorriso e minha mãe retribuiu, o que fez o clima ficar mais leve e voltar ao normal.

- Eu nem respondi, mas o seu irmão estava dormindo quando eu desci - Patty mudou rapidamente de assunto.

- Mas agora eu acordei! - Cameron apareceu na porta da cozinha com uma bermuda de dormir, o que me fez lembrar que estávamos todas de pijama ainda.

- Mas olha só, a Bela Adormecida acordou de seu sono profundo! - disse e fingi uma reverência, as meninas me imitaram e Cameron deu um tapa de leve na minha cabeça.

- Cam, aproveita que você ainda não sentou e pega o queijo na geladeira - minha mãe pediu e Cameron obedeceu, foi na hora que ele se virou para abrir a geladeira que eu vi.

- AI QUE FOFINHO!!! Tem um coração na bunda do Cameron! - comecei a rir e as meninas foram reparando aos poucos.

- Em minha defesa, estava escuro e eu não vi a bermuda que eu tinha pegado! - ele se sentou na mesa e bufou.

- Tá tudo bem, Cam, ninguém aqui vai te julgar... - Callie disse sorrindo - Por ter tanto amor que o coração pesou e caiu para a bunda! - não me aguentei, gargalhei muito alto e até minha mãe foi nessa.

- Me defende, Patty! - ele disse indignado e sacudiu ela.

- Gente! Parem de rir dele! Ele não tem culpa por ter pegado o calção no escuro... sendo que a luz estava acesa! - essa foi a gota d'água, eu ri bastante, mas Phoebe... Ela teve que levantar e ir para fora de casa pegar um ar, ai meu Deus!

Depois do café, nos voltamos para o quarto para trocar de roupa, me vesti e olhei as bonitas ainda de pijama, então lembrei que elas não tinham roupa. Disse para elas ligarem para as mães e pedirem para que tragam uma roupa para passar o dia e o vestido do baile, assim elas fizeram. Em alguns minutos, as roupas foram entregues aqui em casa e as garotas puderam trocar o pijama, ficamos jogando conversa fora e falando sobre coisas muito importantes como: as cores que nós enxergamos são as certas, ou todo mundo que enxerga normal é daltônico e os daltônicos na verdade são normais? Pensem nisso...

Depois do almoço, que no caso foi outro banquete, banquete entre aspas, o que eu quero dizer é que minha mãe em dias normais faz comidas simples e normais, mas quando tem visita, ela faz gnochi, lasanha, strogonoff... Esse tipo de mania de mãe, hoje foi strogonoff. Enfim, umas horinhas depois do almoço nós fomos para o salão fazer o cabelo e a maquiagem da festa, Callie nem ía em um salão, ela ía improvisar em casa, mas eu conversei com a dona e pedi para arranjar uma vaga para ela, só para ela não ficar muito diferente de nós, e a dona conseguiu! 

- Gente, eu não sei como agradecer a vocês, eu iria com o cabelo escovado e uma maquiagem simples se não fossem por vocês - Callie agradeceu enquanto a moça terminava de colocar o enfeite no cabelo dela.

- Sem problemas! - respondemos ao mesmo tempo.

Tudo pronto com relação ao salão, penteados e maquiagens feitas, tudo perfeito! A mulher fez uma bagunça arrumada no meu cabelo e no final colocou umas flores rosas espalhadas, eu achei uma graça e super combina com o tema da festa. Minha sombra tinha estrelinhas rosas por toda parte e era bem forte, adorei! Chegamos em casa quase dando cambalhotas de alegria, é muito bom ficar bonita, você se sente bem quando se arruma.

Fomos trocar de roupa para a festa, olhei meu celular e já eram 18:15, dá tempo! Peguei meu vestido e coloquei, calcei um salto extremamente brilhante e me apresentei na sala, as meninas já estavam todas vestidas, os vestidos realmente estavam combinando e estavam uma mais linda que a outra. 

Vi Cameron chegar perto de nós e fazer uma cara surpresa, ele estava com um terno dourado que combinou bastante com o vestido laranja da Patty. Enfim, ele olhou para cada uma e começou a sorrir.

- Será que se eu tirar uma foto com vocês em volta de mim e postar, as pessoas vão achar que eu sou popular e descolado? - ai Cam...

- Acho que não, Cam - Patty parou do lado dele e deu uma risada leve - E você não precisa parecer descolado, você já é maravilhoso assim - deixou um selinho em seus lábios, mas bem rápido para não borrar o batom.

- Sem melação, por favor! Tem pessoas na sala! - disse revirando os olhos.

- Sabia que você é muito chata? - Cameron, você que é!

- Puxei de você! - bufei - Vocês vão com o carro do Cameron? - perguntei para o casal na minha frente.

- Vamos - Patty.

- E vocês? - virei para Phoebe e Callie.

- Eu vou no carro do Nash - Callie levantou as mãos como se o resto não fosse problema dela.

- E eu e Aaron vamos dividir a limusine com você e Shawn - Phoebe sorriu.

- Vocês vão de limusine!? - Patty gritou e eu assenti - Ah não! Também quero! - ela cruzou os braços.

- Quem sabe uma próxima vez, Patty - Cam deu uma beijinho em sua bochecha, ai que melação!

Cameron e Patty saíram de casa, já estava na hora e eles resolveram nos deixar para trás. Callie foi a próxima, assim que Cameron saiu, Nash chegou com um terno branco e levou ela. Sobrou apenas eu e Phoebe, decidimos esperar do lado de fora e fomos para o jardim da frente, ficamos ali por uns dez minutos, já eram 19:05 quando uma limusine preta e brilhante parou na frente da minha casa, ai que sonho! Os dois meninos desceram do carro, Aaron com um terno prateado e Mendes com um preto, novidade! Até quando o baile é temático ele vai de preto!

- Que belas meninas! - se aproximaram de nós - Sério, você está linda - Shawn disse só para mim, acabei sorrindo involuntariamente e eles nos guiaram até o carro de gente rica.

- Nunca tinha andado em um carro desse...

- Darline, nem em um baile você tinha ido! 

- Isso, Aaron, joga na cara! - revirei os olhos e sentei de um jeito que não amarrotasse o vestido.

A viajem até que foi bem agradável, eu e Phoebe estávamos contando para os meninos a nossa teoria sobre os daltônicos e eles só sabiam rir de nós, que absurdo! O carro parou na frente de um cerimonial todo arrumado com o tema de jardim encantado e nós descemos graciosamente, as pessoas que estavam do lado de fora nos olharam e cochicharam sobre nós. Andamos até perto da porta quando Mendes me segurou um pouco mais na entrada, tirou do bolso uma caixinha e me entregou, abri e tinha uma pulseira de flores que milagrosamente, eram parecidas com as do meu cabelo.

- Mendes! Você não pode ficar comprando coisas para mim!

Cala a boca e aproveita! 

Não, Cheryl, ele não tem a obrigação de me dar nada! Nós nem somos nada para ele ficar me dando coisas!

Ai como você é chata!

- Por que não posso? - ele levantou uma sobrancelha.

- Porque nós não somos nada, você não tem essa obrigação de me presentear, estou me sentindo como se... Como se estivesse aceitando uma coisa que não é minha! - disse e olhei em seus olhos - Não é porque você tem dinheiro de sobra, que pode sair distribuindo presentes.

- Mas eu não estou distribuindo, estou dando uma pulseira para o meu par do baile - sorriu e pegou a minha mão para colocar a pulseira - Eu quero te dar isso como uma lembrança da noite de hoje, só isso! - deixou um rápido selar em meus lábios e me puxou para dentro.

Gente! Como ele faz isso? Como ele mexe tanto com a minha cabeça? É como se com apenas palavras, ele conseguisse o que muitas pessoas tentam conseguir com ações. É diferente com ele, tudo é diferente com Shawn Mendes. Meu coração age de forma diferente, meu corpo, minha cabeça... Está tudo ligado ao que ele faz comigo, ao efeito que ele tem de me deixar nesse limbo, nessa indecisão entre amor e ódio, entre me entregar por completo e talvez me ferrar ou ficar na defensiva e me culpar todo dia por nunca ter tentado.

Eu odeio tanto ser tão vulnerável sentimentalmente à você, Mendes...

 


Notas Finais


É isto! Espero que vocês gostem do começo do baile, ainda tem mais, muito mais... S2 S2 S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...