1. Spirit Fanfics >
  2. I Hate U - FACK >
  3. Sixteen - I Don't Love u

História I Hate U - FACK - Capítulo 16


Escrita por:


Capítulo 16 - Sixteen - I Don't Love u


Em um selinho demorado Noah envolveu os lábios de Grazer, que estava estático e nervoso com a tal situação. Ele não tinha sentimentos pelo Noah, nada além de amizade e atração sexual.

Aquilo de certa forma deixou o moreno com medo de como lidaria com aqueles sentimentos de seu melhor amigo... Separaram-se do breve beijo e os olhos claros de Noah estavam fixos com o do moreno que tanto amava.

-Não quero que se apavore, sei que não me ama... Só queria te falar os meus sentimentos da forma mais sincera, não se sinta pressionado em me amar. Mas saiba que não vou desistir de você.

Noah tomou coragem para proferir tais palavras e em um sorriso tímido por estar se expondo de maneira tão intensa, colou sua testa com a de Jack vendo o rapaz apenas assentir com o corpo totalmente imóvel.

Rapidamente os labios macios de Noah tocaram os de Jack com destreza e total aptidão. Sentiam a leveza naquele beijo e Grazer podia desvendar todos os sentimentos que o rapaz queria transpassar através daquele ósculo. A língua aveludada de Schnapp tocava todos os cantos da boca de Grazer enquanto as mãos de Jack seguravam o loiro pela cintura com firmeza, para que ele não escapasse, Grazer adorava sentir os lábios de Noah.

Em meio ao beijo quente e apaixonado, porém não recíproco, Noah agarrou os cabelos do menino entre os dedos e deixou que fosse empurrado às cegas até a cama do moreno.

Jack em seus profundos sentimentos não sentia nada mais do que atração física por Noah e uma convicção de que eram apenas bons amigos. Grazer tentou que o seu consciente disesse ao seu coração naquele momento, que Noah é o rapaz perfeito para si, pois com certeza não despedaçaria o seu coração e poderiam viver uma história linda de amor.

Aliás Noah era um bom menino, nunca havia se relacionado amorosamente, mas Jack sabia o quão era sincero em tudo e não seria diferente em um relacionamento. Mas infelizmente seu consciente e o seu coração não estavam em harmonia, pois naquele momento o seu coração queimava em faíscas eufóricas e era tudo culpa do moreno Wolfhard... Ele mexia com o coração do menor de uma forma inexplicável.

Se separaram minimamente assim que as costas do loiro se encontraram com o tecido macio que cobria a cama de Jack. Grazer com a mão na cintura do loiro observou aqueles lábios tão gostosos e levou a sua boca até o pescoço lívido de Noah, analisou por alguns segundos antes de abocanhar aquela pele tão macia e Schnapp parecia um rapaz tão puritano, não aparentava ter todos aqueles artifícios para enlouquecer Grazer e deixá-lo cheio de tesão.

-J-Jack, a gente vai-aaaahn... Se atrasar...

Em meio a arfares Noah dizia com dificuldade, a vontade de ter Jack dentro de si era enorme. Schnapp tinha a vontade de se sentir amado e naquele momento com aqueles toques tão especiais, sentia o seu coração disparado, mesmo tendo ciência de que Jack não o amava na mesma intensidade.

-Vai ser por uma boa causa... Cameron.

Com os olhos brilhantes Jack encarou o loiro de olhos brevemente claros, sussurrando seu sobrenome de uma forma extremamente maliciosa, deixando que aquele momento de luxúria o levasse. Grazer via nitidamente que o prazer já lhe tomava e fazia aquele quarto queimar, estava tão quente que Noah podia jurar que Grazer havia o levado para o inferno... Tais sensações que só Jack causava em Schnapp.

Grazer não acreditava que estava ali em seu próprio quarto trocando carícias totalmente libidinosas com Noah, talvez a sua consciência o culparia mais tarde por esses momentos assim que olhasse nos olhos do loiro, mas ele precisava viver o momento, sentia que precisava aproveitar a sua vida ao máximo.

Aliás qual a graça de se guardar tanto já que a vida foi feita para ser explorada?

Rapidamente levou suas mãos para sua camisa e as tirou rapidamente, fazendo a mesma coisa com Noah em seguida, que sorriu tímido mas Grazer conseguiu retribuir apenas com um sorriso totalmente sensual, aliás já estava totalmente exposto sexualmente para Noah, estava nítido quais eram suas intenções.

Abaixou o seu tronco, com os olhos fechados, com o coração acelerado, sentindo o prazer tomar conta de si novamente como na noite anterior, levou a sua língua até o abdômen marcado do rapaz, passando a língua vagarosamente se intercalando a beijos molhados que no final sempre acabavam com um ruído totalmente erótico excitante para os dois.

Abriu os olhos e implorou pelo contato visual que foi concedido, escorregou lentamente sua língua até o cós da calça de Noah sem antes distribuir alguns beijos pela linha marcante em forma de "v" no abdômen do rapaz. Após alguns gemidos manhosos, Jack finalmente tirou a cueca de Noah revelando o membro totalmente grande e grosso do rapaz, não era tão grande quanto o de Finn mas deixou a boca do moreno salivando para tê-lo em seus lábios.

Quando o tomou em suas mãos em uma masturbação lenta, exibindo o seu sorriso mais promíscuo possível, ouviu batidas estridentes na porta. Rapidamente os garotos olharam em direção à mesma e Jack suspirou aliviado vendo que a mesma tinha o seu trinco acionado, mas não tirava o fato do seu coração ter disparado.

Noah rapidamente vestiu sua peça íntima novamente, logo depois a sua camisa e com o cenho franzido Jack murmurou um palavrão inaudível.

-Filho, vocês vão se atrasar para a escola queridinhos... Aliás, já estão bastante atrasados. -Angela alertou sem pretensão nenhum de atrapalhá-los em uma foda, mas sentia a sua obrigação de mãe de avisar ao filho que estava meramente atrasado.

-Droga, droga, droga. -Jack passou as mãos árduas sobre o cabelo jogando a cabeça pra trás, sentiu-se imponente por mais uma vez ter sido interrompido com Noah. -Mãe eu já vou! -Gritou o filho por trás da porta.

Schnapp abaixou a cabeça tímido e encolheu as pernas na cama tentando disfarçar a sua ereção, a de Jack também era totalmente visível e aquele momento tinha sido totalmente constrangedor para ambos.

-Não se lamente, nós vamos ter mais momentos como esse.

Noah um tanto acanhado se aproximou até o canto do quarto aonde Jack se encontrava totalmente frustrado enquanto vestia suas roupas típicas.

-Noah, não quero te iludir. Eu não te amo, mas talvez possamos tentar algo.

Deixou que as palavras saíssem como verdadeiras bombas e acertaram em cheio o alvo, pudera... Já era de se esperar, pois Noah tinha o co ração frágil, sentiu os seus olhos marcharam mas por um fio de esperança analisou a frase e sorriu minimamente com a parte que poderiam tentar algo.

-Tudo bem Jack.

Foi a única coisa que conseguiu dizer sem gaguejar e sem deixar que a voz ficasse trêmula. Sem nenhum contato visual, ambos se arrumaram sem muita pressa pois já estavam atrasados e juntos saíram para seus destinos. Ambos não trocaram palavras e estavam em um silêncio totalmente constrangedor.

O vento da Califórnia estava brevemente gélido e bagunçava mais que o normal os cabelos de Jack, a brisa estava mais gélida que o normal mas com o lindo e alaranjado sol que nascia timidamente, os rapazes tinham a expectativa de talvez o dia esquentar. Adentraram o carro e a única coisa capaz de quebrar o silêncio que os constrangida, foi o rádio, a música da vez era Another one bites the dust, tal música que tocava os dedos de Jack em forma de eletricidade, o que fazia os mesmos se remexerem no volante tamborilando no ritmo envolvente da música.

Em meio a viagem trocava olhares mas rapidamente o contato visual era quebrado. Noah se arrependida amargamente de ter falado tão facilmente dos seus sentimentos e Jack se arrependida de os ter aceitado, talvez se o rejeitassse os sentimentos de Noah não seriam alimentados. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...