História I Hate You, I Love You - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Tags Bts, Got7
Visualizações 16
Palavras 1.387
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


▫Decidi colocar apenas gifs nos capítulos.
▫Espero que continuem acompanhando a história até o final, caso estejam gostando recomendem para amigos. Isso ajudaria e muito!
Boa Leitura! ^•^

Capítulo 3 - Morte de Bae Kung


Fanfic / Fanfiction I Hate You, I Love You - Capítulo 3 - Morte de Bae Kung


Just stop your crying

It's a sign of the times
Welcome to the final show
Hope you're wearing your best clothes
You can't bribe the door on your way to the sky
You look pretty good down here
But you ain't really good


  Com o barulho que Jackson havia feito antes de sair Sohyun acaba acordando. Yon permanecia parada em frente aos seus pais, Sang leva sua mão esquerda até seu peito começando a ficar ofegante. Era a quarta vez essa semana, os remédios para seu pai estavam acabando e o dinheiro não era suficiente para comprar mais. 

 Youra se recusava a vender suas jóias que tanto amava. Sohyun sai de seu quarto ficando no corredor, logo ouviu o grito de Yon e decidiu descer para poder ajudar. 

 —PAI! — a menor vai até o mesmo que já não conseguia se manter em pé. Youra não sabia o que fazia. Ela o leva até o sofá tentando ficar calma, o que era impossível. 

 —Ligue para Harry, faça alguma coisa! — a menor diz a Youra que rapidamente pega o telefone aflita. Suas mãos tremiam um pouco, ainda não estava acostumada com isso. 

[Fazenda de Jonghyun, 8:40 P.M] 

 Jungkook, o peão preferido de Jonghyun. Estava a arrumar algumas coisas no grande jardim até que Julie chega. 

 —Jungkook, parece que o padre Thomas quer falar com você. 

—Ela estava um pouco desnorteada, podia ver seu nervosismo. Um arrepio se estendeu por todo seu corpo fazendo com que ficasse com medo. 

 —É sobre o que? — perguntou a encarando. —Eu...eu não posso te falar, Thomas está te esperando! — Ela saiu correndo entrando no casarão.

 Ele respirou fundo caminhando até a entrada, colocou a mão na maçaneta à rodando e abrindo a mesma. Thomas estava andando de um lado para o outro, Jungkook se aproximou colocando a mão esquerda no ombro do padre. 

—O que tem para me dizer? — Jungkook estava curioso, também estava com medo. 

—Sente-se filho, é algo muito sério que precisa saber. — Jungkook se senta assim como Thomas, o menor esperava o padre contar. — Jonghyun é...seu pai...

 Por segundos Jungkook sente como se tudo estivesse se desfocado, ele pisca várias vezes tentando processar o que havia ouvido. Porque nunca ficou sabendo disso antes? 

—Como? — ele engoliu seco levando as duas mãos até a cabeça. 

 —Eu queria que soubesse dias, mas não desta maneira. — Padre Thomas dá um longo suspiro. 

 —Onde está ele? — Jungkook agora sente a raiva tomando conta do seu corpo. Jonghyun nunca foi alguém bom, nunca foi adorado por todos por sua generosidade. Era alguém muito arrogante, algo que Jungkook sempre odiou. 

 —É...Jonghyun faleceu agora pouco! — Thomas estava com medo da reação de Jungkook, era demais receber toda essa informação de uma vez só.

—DESGRAÇADO! — Jungkook se levanta saindo da casa e batendo a porta. Agora Jungkook é o único herdeiro legítimo de Jonghyun. Jeon Jungkook. Nunca ninguém imaginou que Jonghyun tivesse um filho, todos no vilarejo já estavam sabendo do parentesco de ambos antes mesmo do próprio filho saber. 

 [...] 

 A manhã de sábado estava sendo calma, estava. Poucos ainda sabiam da morte de Jonghyun. senhor Sang já estava melhor, o acontecido não havia passado de um susto. Sohyun e Yon caminhavam no vilarejo. Namjoon havia ligado mais cedo perguntando de sua filha, ficou mais calmo em saber que ela estava bem. 

A curiosidade fez com que Yon perguntasse o que estava acontecendo. Ela sempre achou que isso seja um defeito seu. 

—Bem, mas o que realmente aconteceu? — Olhou para Sohyun que parecia tentar se lembrar de tudo. 

 —Eu só me lembro de acordar na sua casa...— Mentiu Sohyun mas acabou convencendo Yon.

 —Eu não te vejo muito pelo vilarejo, ou em ocasiões especiais, tipo as que seu pai faz. — Sohyun para de andar. 

 —Eu não gosto muito de participar dessas coisas e...prefiro ficar em casa com a minha mãe do que vir ao vilarejo! — Aquilo incomodava Yon, não deveria estar se intrometendo na vida de alguém. Sohyun estava um pouco desconfortável, se animou quando passou por uma loja de roupas femininas. 

 —Vamos entrar? — Perguntou animada, Yon não conseguiu responder pois foi puxada por Sohyun que adentrou a loja. 

 Jungkook caminhava pelo vilarejo, agora é vizinho dos Lee. Todo o ocorrido o atormentava. Os cabelos, a pele pálida. Jungkook só podia estar sonhando, a mesma garota que tinha visto na noite em que foi a praia. Os olhares se encontram, Yon rapidamente para de andar fazendo Sohyun parar também. Jungkook começou a caminhar em direção a menina, seu coração estava em disparado. 

 —O que está olhando? — Sohyun perguntou seguindo o olhar da amiga. 

 —N-não é nada, vamos! — Yon se apressa puxando Sohyun. 

 Jungkook é parado por uma mão que segura seu antebraço, era Samuel. Seu melhor amigo desde criança, estudavam na mesma escola até que Samuel teve que se mudar para Itália. 

 —Hey, Samuel quanto tempo! — Jungkook sorriu feliz ao ver seu amigo.

 [Fazenda de Bae Kung, 10:50 A.M] 

 Jaebum estaciona o carro em frente a casa de Kung, sempre que queria dinheiro era para Kung que vinha pedir. Porém acabou vacilando, perdendo uma aposta e tendo que entregar a escritura de sua casa para Kung. 

Ele pega seu revolver que estava no banco do passageiro, o colocou na calça tampando com a blusa.

 —Esse desgraçado vai se ferrar… — Jaebum havia bebido na noite passada, a ressaca o atrapalhava um pouco. Ele adentrou a casa de Kung, logo vê JinYoung e sua mãe kyung-Soon. 

 —Bom dia! — Jaebum força um sorriso, beijando as costas da mão de JinYoung assim como a de sua mãe. 

 —Bom dia! — JinYoung responde um pouco indiferente ao maior. 

 —Veio ver Kung? — Kyung-Soon pergunta vendo Jaebum concordar com a cabeça. 

— Sinta-se a vontade! Jaebum entrou e já tinha tudo planejado em mente. Kung logo apareceu na sala, abriu um pequeno sorriso ao vê-lo. 

 —Não parece estar feliz por me ver...— Jaebum sorri ironicamente. 

 —Claro, estou muito feliz por estar com a escritura da minha casa. — Jaebum se senta no sofá de Kung, colocando os pés na mesinha próxima.

 —Eu não tenho culpa por ser tão imaturo. Se quer dinheiro, vamos fazer trocas, como sempre fizemos! — Kung joga uma almofada em Jaebum fazendo com que ele levantasse de imediato.

 —Eu não estou de brincadeira, quero a escritura da minha casa! — Jaebum pegou no colarinho da camisa de Kung o pressionando contra a parede. 

 —E-eu não vou devolvê-la...— Jaebum jogou Kung no chão tirando a arma de sua calça. Mirou na cabeça de Kung que gemia de dor.

 —Não faça isso! 

 E essas foram as últimas palavras de Kung, a arma caiu no chão. Jaebum havia matado Kung. E agora? 

Suas mãos tremiam e seu corpo suava, não imaginou que chegaria a esse ponto. Ele saiu da casa levando a arma consigo, entrou em seu carro acelerando. Taehyung pode ouvir o barulho de um tiro vindo da fazenda de Kung. 

Seu carro passava pela estrada que dava entrada para a mesma então decidiu verificar o que havia acontecido. Ele estaciona seu carro saindo do mesmo, decidiu entrar pelos fundos. Estava tudo em silêncio, verificou os cômodos da casa até chegar na sala, o corpo de Kung estava ensanguentado no chão. 

—KUNG! — Taehyung se ajoelha ao lado de Kung. 

 A empregada da casa entra com algumas comprar e acaba derrubando tudo, acabou se assustando com a cena.

 —Por que fez i-isso?? — Ela entrou em desespero, aparentemente Taehyung era o culpado. Foi pego por ela na cena do crime. 

—Não, senhora não fui eu...me deixe explicar! —A empregada sai correndo, Taehyung estava com suas mãos sujas de sangue por ter encostado no corpo do falecido. Ele saiu da casa rapidamente. 

[Fazenda dos Lee, 03:26 P.M] 

 Youra havia acabado de saber da morte de Jonghyun. O homem para quem se entregou, agora tinha em mente tentar tirar todo o dinheiro que achava que lhe pertencia. Jonghyun sempre foi procurado por Youra, para ele era sempre uma diversão tê-la em mãos. Agora toda a herança é do “bastardo”, como Youra se referia a Jungkook.

If we never learn, we been here before
Why are we always stuck and running from
The bullets?
The bullets
We never learn, we been here before
Why are we always stuck and running from
The bullets?
The bullets

Harry Styles—Sign of the times.


Notas Finais


•O capítulo não ficou como eu queria mas mesmo assim espero que tenham gostado.
•Me desculpem por qualquer erro!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...