1. Spirit Fanfics >
  2. I HATE YOU — Yoonkook >
  3. 021

História I HATE YOU — Yoonkook - Capítulo 21


Escrita por: MMistress e Vagabundix

Capítulo 21 - 021


07:00 

- Sente e coma, Jungkookie. - Jeonghyeon disse lasciva usando um tom mais amável que o normal,  assim que viu o Jeon passar rapidamente e parar assim que ouviu sua voz.

Hyunjin e Aisha que comiam quietos, levantaram o olhar e encararam sua mãe; Era estranho ao ponto de Jeonghyeon estar a carregar um sorriso meigo no rosto enquanto cortava seu pão.

- Como? - Jungkook estreitou os olhos e se aproximou dois passos da mesa. 

- Não quer tomar café da manhã com sua família? - A mulher questionou calma deixando o pão sobre o prato e logo tomando um gole do café amargo. 

Jungkook não respondeu; Apenas aproveitou a "gentileza" de Jeonghyeon para comer o café da manhã que havia saído de seu bolso e então se sentou ao lado de Hyunjin. 

Aisha apenas ignorou tudo a sua volta e começou a mexer em seu celular por cima da mesa e Hyunjin voltou a comer prestando atenção no que sua progenitora estava a aprontar pois, conhecia a mais velha muito bem para saber que não era atoa a mesma acordar tão 'amorosa com todos.

- Me passe a jarra de suco, filho. - Jungkook 'cutucou brevemente o mais novo ao seu lado.

Jeonghyeon sorriu de canto olhando a interação entre ambos a sua frente; A relação de Hyunjin e Jungkook era seu pilar, Jimim não podia estragar isso de maneira alguma.

- Estou tão cansada dessa cidade...- Jeonghyeon começou enquanto comia seu sanduíche. - Não cansam das mesmas coisas todos os dias? 

Hyunjin a encarou por segundos tentando decifrar a expressão de sua mãe, mas logo desviou quando Jungkook sorriu para si pediu o queijo no meio da mesa.

- Eu estou cheia daqui, mamãe. - Ainda disse sem desviar os olhos de seu celular. - Tudo está começando a ficar sem graça, principalmente o shopping. - Bufou pegando um morango e o mordendo em seguida. - minhas amigas sempre viajam e compram coisas novas, enquanto eu tenho que comprar aqui, nesse lugar. - Contou em tom invejoso.

- Certo. - Jeonghyeon desviou o olhar de Aisha, pois não era a opinião da garota que lhe interessa naquele momento. - E vocês dois? Não pensam em morar em outro país? 

Hyunjin arqueou uma sombracelha voltando a olhar para a mais velha; Então era isso, Jeonghyeon queria simplesmente ir para outro país? 

- O que irei fazer em outro país? - Jungkook questionou em tom ignorante; Sua origem não era em outro país. 

- Oras ampliar os conhecimentos.  - Jeonghyeon retrucou não gostando do tom de Jeon, mas respirou fundo tentando manter algo calmo em si. - Seria também algo bom para nossos filhos, teriam diversas oportunidades e conheceriam pessoas essenciais. - Apontou para Hyunjin. - Nosso filho teria porcentagens maiores com a fotografia, e não só virar um garoto que tira fotos para pouca coisa. 

Jungkook suspirou e então virou o rosto olhando para Hyunjin com sua expressão neutra. 

- Você gostaria de morarmos no exterior, filho? - O Jeon perguntou apoiando a mão no ombro do outro ao seu lado. 

O mais novo sentiu o olhar de Jeonghyeon lhe queimar esperando uma resposta que iria a agradar; mas Hyunjin não iria negar que ir para longe era sua vontade. 

- Eu iria gostar...

[...] 

O Min se jogou no tapete felpudo da sala, suspirando cansado sentindo o frescor do banho que havia acabado de tomar. 

Sung Yoon dormia tranquilo no quarto, com as cortinas fechadas e um escuro agradável apenas com uma casta iluminação do abajur no canto do quarto. 

Abriu os olhos rapidamente quando a campanhia soou uma vez por todas casa. 

Se levantou rapidamente para atender a porta e não a tocarem novamente e acordar seu bebê que com muito custo dormiu.

Abriu a porta se deparando com um homem de vestes aparentemente caras e o cabelo bem penteado para o lado; Era sem dúvidas um homem bonito. 

- Posso ajudar? - Yoongi questionou com as sombracelhas frangidas, pouco confuso com a visita de um estranho em sua porta. 

- Não se assuste. Min Yoongi, certo? - O homem de lábios grossos perguntou com um sorriso pequeno para passar algo mais confiável ao Min. 

- Sim, sou eu. 

- Sou Park Jimin. - Sorriu mais grande estendendo a mão em direção ao mais baixo. 

Yoongi encarou por alguns segundos a mão cheia de anéis prateados e véias aparentes. 

- Prazer, Park Jimin. Eu acho...- Apertou a mão do mesmo ainda confuso. 

- Sem formalidades, por favor. - O Park fez a cortesia de pegar a mão de Yoongi e puxa-la delicadamente deixando um beijo no dorso. - Pode me deixar entrar? Não irá se arrepender e não sou alguém perigoso. 

- Entre, pode sentar no sofá. - Yoongi deu espaço e manteve um olhar desconfiado sobre Jimim que entrou. 

Por breves segundos enquanto fechava a porta, olhou sua mão que ficou com o dorso marcado pelo gloss labial do Park. 

- Não irei fazer nada ruim, Yoongi. - Riu observando o outro sentar em uma certa distância de si. 

- Desculpe, eu não lhe conheço para confiar. - Yoongi apontou. 

Jimin achou graça no outro, mesmo não confiando em si, deixou entrar em sua casa. 

- Mas, eu conheço você. Com as informações que tenho, claro. Não pessoalmente. - Deu de ombros pensativo.  

- Como? 

- Eu vim conversar e propor algo, Yoongi. 


[...] 

Taehyung se sentou no sofá confortável de tom bege e sorriu pequeno para Namjoon que lhe observava. 

Logo Seokjin veio e entregou para ambos um café com leite.

- Tomem cuidado, está muito quente. - Avisou se sentando na poltrona ao lado do sofá. - Fico feliz que tenha vindo nos visitar, Taehyung.

- Desculpem, eu sei que não tenho intimidade para isso. - Disse em tom baixo assoprando o café na xícara em suas mãos. - mas, senti que podia vir. 

- Não se preocupe, você é bem vindo em nossa casa. - Namjoon apontou sorrindo brevemente. 

Taehyung assentiu pela gentileza e logo encarou Seokjin que devolveu o olhar. 

- Ficar na casa da minha mãe, ficou um pouco sufocante essa tarde. Então vim me refugiar aqui. - Riu sem humor tomando um gole do café logo sentindo a ponta da língua queimar, mas ignorou a dor pouco chata. 

- Sufocante? 

- Mentir é sufocante. - Taehyung respondeu com um tom neutro, queria esvaziar o que tanto pesava em si. - Eu vejo que posso confiar em vocês dois...

- Taehyung, você não nos conhece tanto. - Seokjin afirmou cruzando as pernas e logo apoiando as mãos ali. - Mas, o que eu escuto, sem permissão, eu não digo para mais ninguém.

- Eu...- O Kim colocou a xícara com as mãos pouco trêmulas em cima da mesinha de centro, para não a deixar cair. - Quero contar algo que me sufoca, e quero a opinião de vocês para saber se sou bom para Yoongi, mesmo depois do que eu fiz e me arrependo amargamente. 

- Nós não decidimos quem é bom ou não para Yoongi, Tae. Damos conselhos a ele, e apenas ele sabe o que faz. - Namjoon apontou com sinceridade em seu tom. - Mas, saiba que se arrepender de verdade é um passo bom.

Seokjin observou as expressões do Kim; Parecendo tanto conturbado com algo, mas o deixaria falar se o mesmo precisava tanto como aparenta. 

- Você parece desesperado para contar algo. - Seokjin comentou passando os dedos pelo próprio cabelo o alinhando.

- Porque é difícil quardar isso...- Taehyung soltou com a voz trêmula e aguda, não suportando impedir o proprio choro logo deixando sua lágrima escorrer pela bochecha. - Eu estou me apaixonado por Yoongi, mas meu passado parece me acorrentar...eu penso que serei rejeitado...

Seokjin se levantou rapidamente e Namjoon se aproximou, ambos tentando reconfortar o Kim que se desmanchou em choro rapidamente dizendo frases cortadas com a voz embargada. 

- Respire comigo, Tae. - Namjoon ditou ganhando a atenção do mesmo. 

- Se acalme, tente não atropelar suas próprias palavras. - Seokjin disse segurando o braço do outro e passando a mão pelo cabelo do mesmo para acalma-lo. - Estamos aqui, temos todo o tempo do mundo. Vamos escutar você, não se preocupe.

Taehyung respirou fundo tentando engolir os soluços que lhe subiam pela garganta, sentindo a mesma querer rasgar.

- Yoongi me acharia sujo, eu não queria isso...- O Kim retorceu os lábios e apertou os olhos querendo não chorar novamente.

- Porque ele acharia você sujo? - Seokjin questionou com a voz calma, ajudando o Kim a contar aos poucos o que tanto quardava.

- Eu não sou psicólogo. Eu minto para todos que sou, eu finjo que sou...pago para me deixarem usar um consultório. - Confessou com o tom trêmulo. 

Namjoon encarou Seokjin que continuava com sua expressão neutra.

- Isso não é tão ruim. - O mais velho constatou olhando para Taehyung que tinha o olhar perdido na mesinha de centro, não conseguindo olhar para os outros dois. 

- Não é apenas isso...- Taehyung abaixou o olhar para as próprias pernas, apertando os dedos que tinham as pontas geladas. - Tem algo pior, que fiz por ser um ganacioso de merda quando eu era mais novo. - Contou em um tom raivoso; sentia raiva de si mesmo. 

- O que você fez? 

Namjoon perguntou usando o mesmo tom calmo de Seokjin, incentivando o mais novo. 

- Eu...- Apertou com mais força os dedos sentindo algo ancioso lhe subir para contar de uma vez e acabar com o inferno que era sua mente. - Na época em fui para o colégio militar, Jungkook também foi, aliás. Nossas mães eram melhores amigas. - Engoliu em seco não conseguindo levantar o olhar. - Lá dentro era diferente dos anúncios aqui fora, muito diferente...viamos de perto os criminosos, víamos drogas e armas sendo usadas da pior forma. 

- Sim, eram rigorosos e queriam que os novatos aprendessem a realidade de perto. - Namjoon concordou, pois também foi colocado em um colégio militar. - Nos colocavam olho a olho com corruptos e criminosos, e nos faziam assistir seus "castigos". - Fez aspas com os dedos, fechando os olhos com força ao se lembrar do sangue que os homens cuspiam e o quão deformados ficavam depois de uma 'surra. 

Mas, o pior era assistir quando faziam os estrupadores entre outros, de "moças"; Usando a verbalidade lá de dentro. 

- Eu pensei que não me daria bem lá dentro, os mais fracos apanhavam como zoação por ser fraco. Não tinha porra nenhuma de companherismo entre colegas de trabalho. - Cuspiu as últimas frases, dando um espaço até continuar. - Jungkook sempre foi um bom garoto como eu, mas lá dentro nós mudamos. No dia...

O Kim respirou fundo calculando o que diria.

- Pode contar, Taehyung. Não vamos julgar você. 

- Lá dentro também tem os superiores que tem ligação com corruptos no governo, nem todos mesmo estando no exército, não são bons 'samaritanos. - Passou a mão pelo cabelo o jogando nervosamente para trás. - Jungkook fez amizade com um miliciano lá dentro. 

- O Jeon foi tão bom, como soube ser bem influenciável. - Seokjin riu sem humor; Enxergava o mesmo como alguém que vai pela cabeça dos outros e não sabe fazer amizade tanto como escolher quem estar ao lado. 

- Jungkook fez essa amizade, para se dar bem e não ser alvo de 'porradas. - Respirou fundo novamente encarando Seokjin. - Uma noite, Jungkook me contou que o miliciano estava atrás de garotos novos na prostituição, pois os caras do governo gostam de trair as mulher da melhor forma. - Cerrou os dentes se lembrando de sua decisão quando escutou tal coisa. - Os corruptos estavam a pegar bem e dar o que quisessem em troca do silêncio. - O Kim se levantou e então se sentou na beira da mesa de centro, podendo ter a visão dos outros dois sobre si. - Eu me ofereci...- fechou os olhos força. - Eu quis o dinheiro e a proteção dentro do colégio militar. 

- Tae...- Namjoon arregalou os olhos brevemente e Seokjin apenas continuou firme e neutro, fez um sinal para o outro ficar em silêncio e deixar o mais novo continuar. 

- Jungkook me questionou, mas concordou com a ideia. - Fungou sentindo as lágrimas grossas voltarem a escorrer de seus olhos. - Com a ajuda do miliciano e de Jungkook, eu saia a noite e servia de 'puta para caras sujos. - Abraçou o próprio corpo abaixando a cabeça. - Jungkook começou a me "administrar" quando até os bandidos, caras errados queriam uma noite comigo ou mais...- Riu sem humor. - Jungkook apanhava quando não conseguia colocar um ou outro na minha agenda semanal...- Seu choro se intensificou causando soluços audíveis. - Eu era tão sujo por dinheiro, um verdadeiro puto...com homens velhos até caras tatuados do tráfico...quem pagava mais...

Seokjin se levantou e puxou Taehyung para um abraço; Não o julgaria, não era ninguém para isso.

- Acalma - se, criança.






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...