1. Spirit Fanfics >
  2. I Hope You Don't Leave Me. >
  3. Come Togheter.

História I Hope You Don't Leave Me. - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


gente, esse é o último capítulo deles no colegial, daqui pra frente vai ser vida adulta aaaa

me digam o que estão achando, qualquer comentário é bem vindo.

Capítulo 24 - Come Togheter.


Pov Sabina.

Eu sentia um leve conforto naquele momento. Não sentia mais aquela ardência em meu peito ao ver elas duas juntas. Sentia meus sentimentos calmos. Mesmo que depois de todos esses meses eu já estivesse tentado superar.

Sina estava deitada no sofá de minha casa com Heyoon deitada em seu peito, apenas eu e Any estávamos ali. No começo do dia, elas tinham se acertado e depois, tínhamos levado Lisa para o aeroporto. Choro pra todos os lados. Mas sabia que em breve, a veria. Lisa e Rosé estavam no caminho de suas vidas adultas, e aquilo, era incrível, eu torcia pra tudo dar certo para elas.

Any estava ao meu lado segurando uma vasilha de pipoca. Meus olhos fixos discretamente para as duas. Mais especificamente, em Sina.

A mudança dela drástica foi gigantesca. Sina e eu tinhamos passado um tempo juntas, mas, nossa amizade foi mais forte e aquilo não chegou a dar certo, mas nada pra mim havia mudado, mesmo que no fundo, eu sabia que ela só queria minha amizade e me via como uma irmã.

Minha melhor amiga, por quem eu nutria uma paixão que nunca se apagou, e ela estava perdidamente apaixonada por Jeong Heyoon. E perdidamente apaixonada nunca foi o estilo de Sina. Justamente por esse fato em particular, a situação toda se tornava mais complexa, muito mais complexa. E depois de ver como Heyoon fazia bem para ela - bem de um jeito que eu nunca fui capaz de fazer -, concordei comigo mesma que deveria começar a aceitar o fato de que Sina jamais seria minha. Jamais. Ou me olharia como olhava para Heyoon.

Seria uma árdua trajetória que, mesmo depois de tantos anos, eu nunca consegui terminar de trilhar. Nunca, porque Sina nunca se envolveu mais intensamente com ninguém, e eu sempre tive esperanças de que um dia eu poderia ser a pessoa a qual ela se envolveria. Mas naquele momento, vendo Sina toda apaixonada observar Heyoon dormir, era o suficiente para eu saber que a pessoa que levaria mudanças para a vida de minha amiga já havia chegado. E que não era eu.

Eu tinha me conformado que tudo aquilo não iria pra frente, e que, mesmo namorando Krystian, Sina assombrava meus pensamentos mesmo sem saber vez ou outra.

- Você parece conformada.

- O que? - Perguntei confusa.

Any me analizava, falando tudo baixinho, seus cachos abertos e bonitos em seus ombros.

- Você não está com todos os tiques que tem quando falamos delas, ou quando as ver juntas.

Abri a boca para falar alguma coisa, mas preferi me calar. Ela riu baixinho, deslizei meu olhar de volta para elas duas. Sina, agora, fazia uma carícia nos cabelos da outra. O rosto de Heyoon escondido no pescoço de minha amiga.

- Não sei do que está...

- Você é apaixonada por ela. - Ela tocou na minha mão.- Eu sempre soube. Sempre percebi tudo, e está tudo bem.

Sorriu me confortando, sorri junto. Naquele momento eu não precisava falar mais nada. Any me entendia de uma forma melhor do que qualquer um, não muito diferente de Sina. Eu tinha namorado, eu tinha uma pessoa que me amava intensamente e que dava todo o amor do mundo pra me fazer feliz.

Sina merecia ser feliz, e eu também.

Pov Heyoon.

Depois de ter passado a noite em claro, eu precisava dormir, e nada melhor do que dormir nos braços da pessoa que você ama, não é mesmo? Nada poderia me separar dela, não mais. Nosso relacionamento não era a prova de nada, mais cada partícula do meu corpo clamava pelo amor que sentia por aquela garota, eu só me sentia segura naqueles braços que me rodeavam quando estava acordando.

Me mexi abrindo os olhos aos poucos, abraçando ainda mais a cintura que eu me apoiava, seu cheiro me acalmando e os braços ao meu redor me impedindo de levantar ou tentar sair daquele abraço gostoso.

- Acordou, minha gatinha.

Sua voz calma me fazia querer voltar a dormir. Era tão bom poder tê-la daquele jeito novamente. Depois da noite terrível que passamos longe uma da outra, nada melhor do que ficar ali, abraçadinhas.

- Não deveria ter me deixado dormir tanto.

Resmunguei apoiando meu queixo em seu peito. Adorava aquela tonalidade dos olhos dela, verde água. Sorri me derretendo. Any e Sabina tinham os olhos fixos na televisão.

- Você está cansadinha, tem que dormir.

Sua mão tocou meu rosto, acariciando. Voltei a deitar minha cabeça contra seu peito.

- Sabe, eu estava pensando... Daqui uns anos, irmos embora.

- Embora? - Perguntei baixo, fechando os olhos para apreciar o carinho em meus cabelos.

- Sim. Sei que você tem vontade de voltar para a Coréia. E também, tem seu sonho de abrir o seu estúdio de dança. Podemos fazer isso na França... Ou na Coréia. Paris tem grandes empresas de fotografia também, íamos conseguir as duas nossas coisas lá. Fora que, daqui há menos de um mês você está indo pra lá.

Senti uma leve tristeza em seu tom de voz na sua última frase. Era verdade. Em semanas eu estaria arrumando minhas malas para a grande Paris, rumo a minha faculdade de psicologia. Havia passado numa prova dias antes e tinha recebi a carta, Sina também, mas em outra faculdade.

- Você também vai. Nós já escolhemos nosso apartamento juntas, não quero ficar lá sozinha. Não fale como se não fosse comigo.

Eu mal teria terminado as aulas na escola, e teria de ir embora, pois iria me adaptar a língua e tudo mais. Como bati o pé que iria para França, meus pais financiaram um apartamento para mim e mãe de Sina entrou com uma boa parte, já que ficaríamos juntas lá.

- Eu vou, mas também penso em irmos pra Coréia daqui há uns anos. Depois que tudo isso passar, entende?

- Sim...

- Imagina daqui um tempo, ter um serzinho igual a você pela nossa casa. Com seus traços, seus olhos, suas manias...

Ela sussurrou para mim, um sorriso lindo enfeitava os lábios que eu tanto amava mostrando o quanto ela queria aquilo. Seus olhos fechados, observei que ela imaginava tudo aquilo em sua cabeça. Suspirei apaixonada.

- Só nós três em algum lugar do mundo, será perfeito. Queria que o tempo passasse mais rápido para eu viver tudo isso com você.

Mordi o lábio imaginando tudo o que ela falava no meu ouvido, suas promessas me deixavam numa expectativa tão grande para o nosso futuro. Nosso amor sendo a base de qualquer sonho nosso.


Sexta-feira, 20 de dezembro.

Durante toda aquela, eu fiz diversas coisas naquele lugar, eu tinha coisas para resolver na escola. Pequenas reuniões com a direção para passar o grupo para os alunos novos, eu queria continuar aquilo, mesmo não estando mais ali. 

Eram nossos últimos dias de aula, nosso baile de final de ano já tinha acontecido na sexta-feira que se antecipou. Então, só tínhamos aquela semana de aula. Aquele era nosso último dia naquele lugar. Mesmo estando extremamente feliz, eu estava um tanto quanto melancólica. Deixar, Hina e Shivani para trás, me doía no peito. Por anos, elas foram minha única fortaleza, não muito diferente de Josh e Noah, que eram praticamente meus irmãos. Mas, eu teria de abrir mão se quisesse ser tudo aquilo que sempre quis.

Depois de sair da sala do diretor com Josh, ele me acompanhou até meu armário, pois depois dali, já íamos embora.

- Onde Sina está?

- Ela estava resolvendo as coisas do passaporte pra poder ir pra Paris.

Disse calma, pegando meu livro e o dele, que havia ficado em meu armário dias atrás.

- Você vai mesmo, né?

Seu tom chateado, me abalou, me fazendo fechar o armário para olha-lo. Josh sorriu triste, me puxando para um abraço que prontamente cedi. 

- Vai ser estranho abrir as janelas do meu quarto e não ver mais você todos os dias.

Ele disso me abraçando, acariciando meus cabelos. Rodeei sua cintura, enterrando meu rosto em seu peito. Josh, Lisa e eu éramos amigos desde criança. A "perda" dela para nós foi horrível, mas uma hora todos aqueles laços seriam soltos, isso não significa que iríamos parar de se falar. Apenas seguir caminhos diferentes.

- Eu vou voltar para ver você, eu prometo.

- Que nada. Você vai comer croissant todos os dias lá e vai esquecer de mim.

Gargalhamos juntos enquanto ele me abraçava um pouco mais. Ficamos naquele abraço por longos segundos. Como eu sentiria falta daquele calor que sempre me puxava, como sentiria falta dele.

- Você fala como se fosse ficar preso aqui para sempre.

Nos soltamos depois de um tempo. Ele segurou em minha mão e entrelaçou nossos dedos, começando a caminhar para fora da escola, onde as meninas nos esperavam.

- E você fala como se eu fosse virar o maior dançarino da história pra ir pra onde quiser, a hora que eu quiser. 

- Mas você vai! Só escreve.

Ele riu, me abraçando de lado.

- Sentirei sua falta. 

- Também sentirei sua falta, Joshua.

Sorrimos um para o outro, descendo calmamente os degraus que davam acesso para fora da escola, encontrando nossos amigos. Senti meu peito se aquecer ao ver todos juntos, Sina já estava ali, ela não tinha vindo para escola pois iria pegar seu passaporte para podermos ir.

- Você está bem?

Ela se aproximou me perguntando, depois de me soltar de Josh. Seus olhos captaram naquele momento o quão eu estava triste aquele momento, mas a felicidade falava mais alto.

- Estou. Juro. - Ela assentiu, beijando minha cabeça.

- Então, vadias. - Sabina se sentou no capô do carro de Krystian, colocando os óculos escuros nos cabelos. - Temos uma despedida para aproveitar.

- Despedida?

Sina perguntou curiosa a olhando, me abraçando por trás. 

- Isso mesmo, ou vocês acham que vão embora esses dias e não vamos beber até ficar loucos uma última vez? 

Krystian comentou todo animado, se apoiando em seu carro. O interessante deles dois, era que Sabina e Krystian pareciam um casal rico de qualquer filme de máfia. 

- Fora ser nosso último dia de aula antes de todo mundo bater asas pra longe um do outro. 

Foi a vez de Any falar, se encostando em Josh.

-  A maioria de nós viaja semana que vem, temos que aproveitar nossos últimos dias juntos.

A voz de Sabina voltou a soar.

- Vão mesmo pra Espanha? - Hina perguntou a ela.

- Vamos, Krystian vai continuar administrar três restaurantes lá. A faculdade de medicina que eu quero só tem lá, vai ser bom para nós dois. E eu tenho que continuar a ser bonita em outro país, não é? 

Gargalhamos todos juntos com sua fala. Aqueles últimos dias ao lado de todos eles seriam inesquecíveis, pois todos estariam guardados em minha memória para qualquer lugar que eu fosse. Eles eram parte da minha história. 


 




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...