História I just need a chance - Capítulo 6


Escrita por: e EsterAndJimin

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Taehyung (V), Personagens Originais
Tags Atlantys Fanfics, Bangtan Boys, Bts, Kim Taehyung, Love, School, Taehyung
Visualizações 306
Palavras 5.257
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, meus amores! Voltamos com mais um capítulo fresquinho! Desejamos a vocês uma boa leitura e esperamos que gostem! Nos dedicamos muito pra isso!
E não se esqueçam de comentar ao final! É de graça e não dói! ♥

PS: Aos que estão cogitando a ideia de que Tae e Lyn ficarão juntos, aconselho vocês a lerem a sinopse novamente.

Capítulo 6 - Please, don't be sad


Fanfic / Fanfiction I just need a chance - Capítulo 6 - Please, don't be sad

      Depois da última conversa rápida que tive com Taehyung enquanto ele quis se isolar, acabei não tendo mais outra oportunidade como essa. Sim, estávamos juntos dentro da sala o tempo todo, mas ali não nos falávamos, pois não era o momento. E quando saíamos, ele ficava com seus amigos e eu ficava com os meus.

      Ainda animada com o lance de ir à sorveteria na sexta feira depois das aulas, eu fiquei contando os dias para chegar o marcado. Mas, por não ter conseguido falar com Taehyung desde então, pensei que tudo ainda estaria em aberto. E foi nesse instante que eu tive uma ideia.

      Peguei uma das folhas de meu bloquinho que eu sempre levava comigo e arranquei-a. Com a caneta dourada que eu assinei os desenhos, escrevi ali o endereço da sorveteria e o horário. Disse que estava ansiosa por isso e que estaria aguardando-o no lugar marcado. Assinei meu nome e na primeira oportunidade, eu coloquei em seu armário.

      Ele não teria como responder. Não sabia qual era o meu armário para fazer o mesmo e já que sempre estávamos com os nossos amigos, não iríamos nos separar. Confiei que ele iria, acreditei em sua palavra e apenas esperei o dia chegar.

      Já na sexta feira, tive que despistar meus amigos que sempre iam até o ônibus comigo – já que eu era a única a ir sozinha. Estavam indo atras de mim como sempre e isso me deixou preocupada, pois eu não iria pra casa e não queria contar isso a eles – muito menos que eu iria ver Taehyung.

      Aproveitei que eles já sabiam que no outro dia a diretora tinha me chamado para falar das notas e falei que eu teria que ir lá novamente. Falei que ela tinha conversado comigo, que me deu um tempo para pensar e que eu teria que voltar lá para dizer se eu aceitaria ajuda – como as aulas de reforço.

      Expliquei isso pra eles quando inventei tudo na hora, e sendo assim acho que consegui convencê-los. Falei que iria demorar e que eles poderiam ir embora. Fui para a diretoria e até fiquei na recepção enquanto eles foram, porém logo depois disso eu coloquei a mochila nas costas novamente e fui apressada até a sorveteria.

      Era bem perto da escola e eu não tive que andar muito. Ansiosa, eu quase corri até lá enquanto criei expectativas para a ida de Taehyung. Ele não tinha respondido ou ao menos me dado um sinal de que tudo estava certo, mas mesmo assim eu decidi acreditar em sua palavra.

      Chegando a sorveteria indicada, abri a porta e saí entrando depressa. Assim que cheguei, arrumei a mochila no ombro e logo passei o olho pelo lugar. Procurando Taehyung de longe eu fiquei a olhar para todas as mesas, até que na mesa do canto, perto da janela, eu o vi de costas.

      Ele estava com os braços apoiados na mesa e de cabeça baixa. Parecia estar escondendo o rosto e só o que eu vi foi o uniforme igual ao meu e seu cabelinho sempre bem arrumado. Fiquei sorridente, porque ele realmente cumpriu sua promessa. E foi aí que sem demora, eu resolvi ir até ele.

      – Olá! – Apareci ao seu lado, sorridente e feliz por ele estar ali.

      – Oh! – Levantou a cabeça rapidamente como se tivesse se assustado e rapidamente ele arrumou seu óculos no rosto. – Olá, Marilyn!

      – Leu meu bilhete a tempo? – Puxei a cadeira de frente pra ele e me sentei, ainda sorridente e animada.

      – Sim. – Falou, totalmente triste e sem me mostrar seu sorriso quadrado.

      – Está tudo bem?

      – Só estou sonolento. – Disse não me convencendo muito.

      – Está triste? – Perguntei ao ser seus olhos úmidos.

      – Não dormi bem esta noite, sendo assim estou a sentir sono e tenho meus olhos a lacrimejar quando bocejo. – Falou, parecendo muito estranho.

      – Tudo bem. – Falei, porém não acreditei. – E então? Já decidiu o sabor de sorvete que vai querer? Aqui podemos escolher sabores variados!

      – Vou querer de morango. – Disse sem nem olhar pra mim.

      – Venha! Vamos lá! – Levantei-me e o peguei pelo braço quando vi que ele estava tão desanimado.

      Taehyung levantou-se totalmente sem reações e sendo assim, foi comigo por ver minha animação e toda a minha alegria ao estar com ele. Segurando-o pelo pulso, fui nos aproximando do balcão e olhando a tabela dos sabores na parede, eu fiquei a escolher os que eu iria querer.

      – Próximo! – Ouvimos chamar.

      – Olá! Eu quero um sorvete de copinho de duas bolas! – Falei animada, pois fazia tempo que eu não tomava sorteve. – Quero uma de napolitano e uma de creme com cookies!

      – Aqui está! – O rapaz me entregou logo que montou tudo no copinho.

      – Agora é a sua vez! – Falei com Taehyung.

      – Um de morango, por favor. – Ele falou, como se estivesse no mundo da lua, totalmente distante da realidade.

      – Copinho ou casquinha?

      – Copinho. – Ele respondeu.

      Enquanto ele era atendido, fui ao caixa e paguei o meu de acordo com o que eu pedi. Comecei a comer ali mesmo enquanto esperei Taehyung vir, e quando ele acertou o pagamento do seu, é que voltamos a mesa onde tinhamos deixado nossas mochilas.

      – Já tinha vindo aqui antes? – Perguntei enquanto arrumei meu fone no ouvido direito, ao qual eu estava ouvindo Avril bem baixinho.

      – Não. – Respondeu.

      – E não foi difícil para achar o endereço?

      – Pedi informações no caminho. – Respondeu.

      – É bem legal, não é? – Passei o olho pelo lugar e fiquei sorridente com o copinho na mão. – É a maior sorveteria que eu conheço por aqui! A maior, a melhor e a que tem mais sabores diferentes!

      – Concordo. – Falou sem olhar pra mim.

      – Está realmente tudo bem?

      – Já falei sobre isto, Marilyn. – Me deu uma breve bronca.

      – Certo, eu prometo não perguntar mais. – Falei um pouco sentida por sua resposta quando eu me preocupei.

      Me calei depois que ele disse isso, porém fiquei a fitá-lo. Taehyung simplesmente parecia estar com os pensamentos longe. Estava ali, porém parecia não estar. Estava calado, não estava sorridente e até me tratou diferente do que antes.

      Fiquei fitando-o, porém senti incômodo ao fazer isso. Ele realmente parecia triste ou decepcionado. Comia o sorvete sem emoção e sequer parecia o mesmo Taehyung de antes. Eu sabia que algo estava errado, mas já que ele não queria falar, eu pensei em não insistir.

      Nesse momento, começou a tocar uma outra música da Avril pelo meu fone. A música da vez era “Wish you were here” e essa era totalmente sentimental e bonita. A letra era linda e sendo assim eu gostava muito dela. Fiquei sorridente quando ouvi a introdução e por ter um fone sobrando, tentei oferecer a Taehyung.

      – Quer ouvir música comigo?

      – Estou bem assim. – Respondeu.

      – Ora, não seja chato! – Sorri. – Olha só, eu tenho um fone sobrando e há uma bela música tocando agora! Não quer mesmo?

      – Tudo bem. – Disse ele, estendendo a mão para pegar o fone.

     Nesse momento, a música se aproximava do refrão. Era uma boa melodia que eu gostava muito, uma das minhas preferidas. Entreguei o fone pra ele e assim que ele colocou no ouvido, sentiu-se incomodado. Parecia saber qual era a música e pelo que a letra dizia, ele pareceu ter ficado mais triste.

      Eu estava sorridente por estarmos nos aproximando, mas ao fazer isso eu o notei mais ainda chateado ou triste. Taehyung ficou a ouvir, porém a cada frase dita ele parecia ficar incomodado. Ficou de cabeça baixa, passou a mão pelos olhos e isso tudo eu observei enquanto fiquei sem entender.

      A música estava quase no refrão e foi nesse momento que eu vi seus olhos perdendo o foco totalmente. Ele parecia magoado, incomodado. Eu notei isso, mas não perguntei. Pensei que se zangaria e me calei. Mas foi quando tudo começou a ser dito na parte mais importante da música, que ele não aguentou mais.

      “Eu lembro de todas aquelas coisas malucas que você disse. Aquilo tudo ainda não saiu da minha cabeça. Você sempre esteve lá, sempre esteve em todo lugar. Mas agora, eu só queria que você estivesse aqui. Droga! Mas que droga! O que eu posso fazer pra ter você aqui? O que posso fazer? Droga, mas que droga! O que posso fazer pra ter você perto? Eu gostaria que estivesse aqui.”

      Ao ouvir Avril cantar essa parte, Taehyung levantou-se de vez da mesa onde estavamos. Tirou o fone de seu ouvido, me deu as costas e saiu da sorveteria numa velocidade que nem eu acreditei. Fiquei totalmente sem reação e com os olhos arregalados. Não entendi o que houve, mas ao ver isso tudo acontecendo, eu quis fazer alguma coisa.

      Pendurei minha mochila no ombro e sem pensar duas vezes eu me levantei e fuz atras dele. Meu fone estava pendurado, eu tinha na mão o copinho de sorvete junto com os guardanapos e com a mão livre eu abri a porta para sair daquele lugar.

      Coloquei os pés do lado de fora da sorveteria e quando olhei pra frente, vi Taehyung caminhando totalmente rápido enquanto estava com a mão nos olhos. Ele foi seguindo em frente enquanto eu o chamei, e como eu imaginava ele não me deu ouvidos.

      Fui correndo atras dele por mais que minha mochila, o sorvete e minha saia tentassem me impedir de fazer isso. Fui veloz e assim que cheguei perto dele, o segurei pelo braço mais uma vez. E quando estavamos perto de uma pracinha, é que eu o fiz parar de andar. Caminhei até a sua frente e foi nesse momento que eu me surpreendi.

      – Oh, meu Deus! Você está chorando? – Arregalei os olhos.

      – Eu preciso ir embora, Marilyn! – Disse ele, passando a mão pelos olhos enquanto tentou secá-los.

      – Espere aí! Mas o que houve? Você está aos prantos! Fique calmo, por favor! Eu... Eu fico nervosa quando isso acontece! – Falei totalmente desestabilizada ao vê-lo.

      – Por favor, me solte! – Pediu sem forças enquanto chorou. – Quero ir pra casa e não quero estar a chorar em tua frente!

      – Vem! Vamos nos sentar aqui! – Falei ainda preocupada enquanto segurei ele pelo braço.

      – Marilyn... Por favor... – Lamentou.

      – Pare de chorar! Fique calmo! – Pedi enquanto fiz ele sentar-se num dos banquinhos da praça e me sentei ao lado.

      – Eu não consigo...

      – Não quer me contar o que houve? Hum? Eu estou morrendo de preocupação em ver você assim! O que aconteceu? – Perguntei enquanto segurei sua mão e olhei atenta pra ele.

      – Becky e eu terminamos, Marilyn. – Desabafou em lágrimas.

      E foi nesse momento que tudo fez sentido. A música falava sobre isso e era esse o motivo dele estar triste. O seu incomodo era por causa de seus sentimentos e isso era algo que eu não sabia. Ele não estava namorando mais, e esse foi o motivo de estar com os pensamentos longe ao estar chateado.

      É, agora ele está solteiro.

      E sabe minha reação ao saber disso?

      Eu não consegui ficar feliz, e tomei sua tristeza pra mim.

      Nunca pensei que ficaria assim. Eu de fato nunca pensei que passaria por esse tipo de situação, mas quando passei, reagi totalmente diferente. O garoto que eu amo estava solteiro a partir de agora e isso poderia ser bom. Mas, ele estava em lágrimas e com o coração partido.

      Como ser feliz com a infelicidade dele?

      Não, eu não me alegrei. Taehyung fazia um biquinho ao tentar não chorar e isso acabou comigo. Eu estava segurando sua mão e tentei lhe dar apoio ou algum conforto, porém quem eu era pra conseguir isso? Ele chorou mesmo assim e isso me fez querer chorar junto.

      – Oh, Tae Tae... Eu sinto muito! – Senti um amargo na garganta.

      – Terminamos, porém eu ainda a amo, Marilyn! Becky é tudo pra mim e eu não consigo superar isto tudo! Eu estou a elonquerer com esta situação! – Chorou com a mão no rosto.

      – Quer me contar o que houve? Quer desabafar? Sei que não sou a mais indicada pra isso, sei que te conheço a pouquissimo tempo, mas posso ser uma boa ouvinte! Confie em mim! – Falei quase chorando junto com ele.

      – Tivemos uma briga. – Disse ele, soluçando e com uma expressão de tristeza no rosto enquanto derramou lágrimas. – Brigamos e depois disto, Becky veio a terminar comigo! Eu não tive como não aceitar, pois isto era o que ela estava a desejar!

      – Não chore mais, por favor! Eu vou acabar chorando junto e não quero fazer isso em sua frente! Assim não consigo ajudá-lo! – Falei com as mãos trêmulas.

      – Ainda estou a usar nosso anel de compromisso. – Ele me mostrou em sua mão que eu segurava. – Há o nome dela gravado no lado de dentro deste anel e eu não consigo não estar a chorar só de lembrar disto!

      – Fique calmo! – Passei a mão em sua testa e arrumei sua franja. – Por favor, se acalme! Ficar desse jeito não adiantará nada, Tae Tae!

      – O que faço para tê-la de volta, Marilyn? O que posso fazer? Estou a enlouquecer sem Becky ao meu lado e isto dói demais! Eu a amo! Foi um mal entendido! Porém ela não esteve a acreditar em mim!

      – Pega! – Lhe estendi uma toalha de mãos que eu levava na mochila. – Seque o rosto e se acalme! Por favor, tente ficar mais calmo!

      Nesse momento, peguei seu copinho de sorvete e coloquei no banquinho ao meu lado. Aos poucos e sem muita reação, Tae Tae aceitou minha pequena toalha e logo tirou seu óculos. Eles estavam embaçados e totalmente molhados. O deixou em seu colo e logo passou a toalha em suas lágrimas.

      Tive vontade de chorar junto com ele. Taehyung estava com uma expressão horrível ali naquele momento ao falar de sua ex-namorada e isso me deixou totalmente destruída. Seus lábios estavam trêmulos e seu rosto estava molhado. Ele estava devastado e isso me fez querer abraçá-lo.

      – Obrigado. – Me devolveu.

      – Quer água? Eu posso ir até a sorveteria comprar uma garrafa pequena pra você! Está com sede?

      – Não te preocupes, estou bem. – Disse respirando fundo.

      – Fique calmo! Posso não significar grande coisa pra você, mas estou aqui! Não quero vê-lo chorando!

      – Me desculpe por isto, estou totalmente envergonhado. – Desviou o olhar.

      – Fique bem, por favor! Não volte a chorar assim! Eu... Eu fiquei muito preocupada e sem saber o que fazer! – Falei ainda trêmula.

      – Foi mais forte do que eu, Marilyn. – Respirou fundo. – Eu não sei se conseguirei superar tudo isto, meus sentimentos são muito fortes e isso eu não estou a conseguir dominar.

       – Quando isso tudo aconteceu?

       – Há quase um mês. – Disse ele. – Sei que eu deveria estar a começar com a superação, porém não estou a conseguir. Eu a amo demais, Marilyn! Estavamos juntos há quase dois anos! Isso tudo não foi pouca coisa!

       – Eu sei e concordo com você. – Falei. – Mas precisa se acalmar! Precisa pensar no que fazer para consguir conversar com sua ex!

      – Ela não quer estar a me ouvir. Não quer conversas, não quer ver-me e não atende quando estou a ligar! Eu estive a tentar muitas vezes, porém Becky está irredutível! Está com raiva!

      – Ora, mas o que você fez para ela pensar assim?

      – Eu estive a dizer coisas na hora em que estive zangado e isso a magoou. Não foi por mal, eu estou arrependido. Ela fez o mesmo comigo e eu superei. Porém ela não consegue estar a fazer o mesmo comigo.

      – Precisa colocar a cabeça no lugar antes de fazer algo! Não deve fazer algo agora assim como está! Precisa pensar no melhor jeito de ir até ela!

      – Eu não consigo pensar em nada que não seja sobre a saudade que sinto dela, Marilyn. – Disse ele. – Eu a amo muito e não consigo ficar bem! Eu não consigo!

      – Está assim, pois está recente! Com o tempo vai se acalmar e vai saber o que fazer! Acredite em mim!

      – Acontece que não me agrade essa ideia de esperar! Eu quero tê-la comigo o quanto antes! Eu sinto saudades! E sei que ela também!

      – Eu gostaria de poder ajudar, porém eu não sei o que dizer. – Falei confusa e ao mesmo tempo contrariada.

      – Preciso ir embora. – Disse ele, arrumando a mochila nas costas.

      – Se acalme totalmente antes de ir! Por favor!

      – Até logo, Marilyn! – Disse cabisbaixo.

      – Tenha cuidado! Não faça nada de imprudente! – Falei com receios.

      – Me desculpe por isso. – Disse ele, me dando as costas e indo embora ao deixar seu copinho de sorvete ao meu lado.

      Fiquei totalmente sem chão quando eu vi ele indo embora. Minha vontade era de tê-lo ali perto de mim por mais um tempo, queria vê-lo bem e mais calmo. Porém, ele se foi ainda com o coração partido e triste. Eu quis ir atras novamente, mas ele queria estar sozinho e tinha vergonha, então eu decidi não procurá-lo.

     Sentada no banco, finalmente eu desliguei a música que tocava no fone. Guardei os fones de ouvido, guardei o celular no bolso de minha saia e fiquei ainda sem entender como tudo aconteceu. Meu sorvete derreteu dentro do copinho e o de Taehyung – que tinha ficado ali do lado – já estava completamente liquido.

      Me perguntei se tudo aquilo aconteceu.

      Triste, eu me arrependi amargamente de tê-lo feito lembrar de tudo com a música. Eu não sabia, não foi de propósito, mas foi assim que mais uma vez eu provoquei as lágrimas de Kim Tae Tae.

      E o que dizer sobre o seu término?

      Eu fiquei completamente arrasada e isso me fez ficar surpresa comigo mesma. Eu jamais pensei que iria me sentir assim caso acontecesse, e quando aconteceu eu fiquei surpreendida comigo mesma. Eu fiquei triste ao vê-lo com coração partido. Eu fiquei nervosa com a situação e fiquei completamente em lamentos por pensar que ele tinha saudades.

      E foi aí que eu vi que nem com Taehyung solteiro, eu teria chances. Ele a amava e deixou claro isso pra mim em seu desabafo. Ele tinha saudade dela e disse que sabia que ela se sentia igual. Eles estavam juntos há muito mais tempo do que eu imaginei e isso fazia tudo ser mais intenso.

      Nem assim, eu o teria pra mim.

      Fiquei muito abatida por tudo que houve. Ver Taehyung em lágrimas novamente por estar sofrendo, me fez lembrar de mim mesma. Me fez lembrar de quantas vezes eu chorei por ele. Já no ônibus eu parei para pensar nisso, mas o que acontece é que havia uma diferença.

      Taehyung era correspondido.

      Eu nunca seria.

      Foi assim que eu decidi não contar pra ele o que eu sentia. Pensei que com a nossa aproximação com minha intenção de ir ao baile, tudo que eu tinha em meu coração ficaria aparente. Ficaria claro que eu gostava dele e isso foi algo que eu já tinha mente. Confesso que até pensei em contar caso ele me questionasse.

      Mas, sendo assim, eu não falaria jamais. Taehyung sofria por sua ex e ela certamente sofria por ele. Ele estava mal e eu não queria incomodá-lo com meus sentimentos que ele jamais se importaria. E pior, sabendo o que eu sentia, ele poderia querer se afastar de mim – e desse jeito, seria meu adeus ao baile.

      Taehyung estava solteiro, porém ainda amava a tal Becky e isso eu queria respeitar. Meu coração se partiu após o dele por saber disso, mas eu não tinha o direito de interferir no romance deles. Não iria atrapalhar. E essa, foi a minha certeza maior e absoluta de que nunca ficariamos juntos.

Quarta feira

Cinco dias depois

      Fiquei observando Taehyung para onde quer que ele fosse. Eu queria falar com ele o quanto antes, porém não tive a oportunidade. Já tivemos aulas segunda e terça, porém isso não foi o suficiente. Ele de fato ficou com vergonha de mim e sendo assim, não procurou me cumprimentar como fazia antes.

       E foi só na quarta feira que toda aquela situação na biblioteca voltou a acontecer. Eu fiquei olhando pra onde ele iria e sendo assim, eu o vi indo até lá. Não tinhamos trabalhos pendentes e como ele poderia estudar algo em casa se fosse a questão, eu notei que ele estaria indo dar aula de reforço a alguém – como sempre fazia.

      Pensei muito se esse era o certo a fazer. Eu não costumava fazer isso muitas vezes, eu nunca pensava antes de fazer algo. Mas com ele era diferente. Com ele eu me preocupava e realmente focava no melhor a fazer para não estragar tudo.

      Ele poderia não querer falar comigo.

      Mas eu precisava muito saber dele.

      Tomei coragem e adentrei a biblioteca. Fiquei totalmente tímida de ir até ele naquele momento, mas minha preocupação com meu amor foi maior. Queria saber se ele estava melhor e queria saber se havia novidades quanto a Becky. E eu só saberia, se fosse até lá.

      – Atrapalho? – Me aproximei.

      – Olá, Marilyn. – Falou um tanto sem jeito.

      – Como está? – Me sentei perto dele.

      – Envergonhado.

      – Não há necessidade de se sentir assim, eu já falei que está tudo bem.

      – Diga que irá perdoar-me por ter chorado em sua frente.

      – Isso é importante pra você?

      – Sim. – Disse ele.

      – Eu o perdoo, mesmo achando que não tenho que perdoar nada.

      – Isto faz-me sentir um pouco melhor.

      – E como está em relação a tudo?

      – Do mesmo jeito.

      – Tentou falar com Becky?

      – Ela permanece a não querer ouvir-me.

      – Já pensou em ir até ela?

      – Não quero que ela acabe por se sentir pressionada e tentenda errado minhas inteções.

      – O que acha de buscá-la na saída do colégio um dia? Creio que ela se alegrará em ver essa surpresa!

      – Ela está na faculdade.

      – Uau! – Falei surpresa.

      – É um ano mais velha do que eu, está no segundo período.

      – Entendi.

      – E eu ainda continuo a usar o anel. – Me mostrou.

      – Você deve gostar muito dela. – Falei lamentando por dentro.

      – A amo por demais. – Confessou. – Amo tudo que há nela e ela me faz sentir completo como nunca senti-me com outra pessoa. Eu lamento por tudo, gostaria muito que estivessemos bem.

      – Como acha que ela está se sentindo?

      – Eu a conheço muito bem, é muito sentimental. Ela chorou assim como eu quando brigamos, porém ficou muito decepcionada. Estavamos zangados e tudo acabou do pior jeito. Sei que ela me ama, lutamos muito para começar este namoro anos atras. Sei que sou correspondido, mas no momento ela está muito magoada e quer ficar sozinha.

      – Dê um tempo a ela, se é o que pretende. Ela poderá se acalmar e entender o que sente. Creio que esse término foi um erro, mas vocês poderão dar um jeito nisso juntos.

      – Sim, foi um erro. – Lamentou.

      – Mas enquanto você deixa ela pensar, tente ficar bem. Tenho certeza que Becky não ficaria feliz ao saber que você está assim tão choroso.

      – Ela odeia quando eu choro.

      – Lembre-se disso antes de chorar, assim terá motivos para não fazer tal coisa.

      – Obrigado por suas palavras, Marilyn. – Me fitou. – Você é a única a qual eu contei tudo isto.

      – Sério? – Fiquei totalmente impressionada.

      – Na frente dos meus amigos eu finjo que está tudo bem e sorrio.

      – Não deveria ser assim, Taehyung.

      – Não gosto de falar deste assunto. – Disse ele. – Sendo assim, eu guardo tudo pra mim.

      – Fico feliz que tenha confiado em mim.

      – Vi que por algum motivo tu disse verdadeiramente quando falou sobre estar preocupada comigo. Notei uma preocupação que não noto em todos.

      – Eu fiquei triste por você.

      – Não fique, eu ficarei bem. – Disse ele. – Aos poucos eu consigo.

      – Tenho certeza que ficará. – Sorri e o fitei. – Está aqui esperando alguém ou veio para ler?

      – Tenho que ajudar uma menina com física hoje. – Disse ele. – Porém, cheguei cedo e ela ainda não está aqui.

      – Enquanto isso, podemos continuar conversando aqui?

      – Não quero preocupar-te com meus problemas, Marilyn.

      – Não se preocupe com isso, é que eu queria te fazer companhia. – Disse eu. – Vou incomodar?

      – Não. – Disse ele.

      – E depois disso, será que podemos ir tomar sorvete mais uma vez? –Ousei depois do que houve.

      – Não vejo-me muito a vontade pra isto, mas vejo-me em débito contigo depois do fracasso que foi nosso passeio. – Disse ele. – Sendo assim, me esforçarei para fazer tudo diferente.

      – Então vamos poder ir novamente?

      – Sim. – Disse ele. – Depois que eu ajudar a garota com física.

      – Posso ficar por aqui? Vou incomodar?

      – Fique aqui na mesa conosco. – Disse ele. – Quem sabe você não consegue aprender algo com minhas explicações.

      – Não, eu não tenho interesse em aulas de física. – Sorri.

      – Pois deveria ter! É importante!

      – Vou ficar, porém prefiro não participar da aula. – Falei. – Fico melhor assim, eu juro!

      – Como quiser. – Ele assentiu.

      Me ajeitei ali na cadeira pertinho da mesa onde ele estava e logo uma garota apareceu. Se eu não estava enganada, ela era do segundo ano e parecia tão perdida quanto eu nas matérias – talvez por isso, estaria na aula de reforço.

      Aproximou-se, cumprimentou Taehyung e logo falou comigo também. Sorri pra ela enquanto peguei meus materiais de desenho para passar o tempo e sendo assim, eles logo começaram os exercícios enquanto eu comecei a desenhar o que eu vi pela janela da biblioteca.

      Eu nunca tinha visto Taehyung ajudando alguém, aquele momento ali foi a primeira vez. Ele falava feito um professor e ensinava da maneira mais fácil. Ele era paciente e parecia dominar o assunto inteirinho. De primeira a menina não entendeu muito, mas a ajuda dele foi tão boa e completa que ela logo começou a ir melhor.

      Eu não sabia quanto tempo a aula duraria quando aceitei ficar ali, mas confesso que quando comecei a me sentir entediada depois de terminar o desenho, notei que seria bem demorado. Levantei, fui até as prateleiras, fu beber água e até fiquei um tempo a olhar pela janela. Estava totalmente um tédio ali, mas quem disse que eu queria sair de perto dele?

      Fiquei ali o tempo todo e até cochilei apoiada na mesa. Taehyung disse que poderiamos marcar um outro dia, já que ele viu que iria demorar e que eu estava entediada. Mas, eu quis esperá-lo. Fiquei ali cobiçando ele por mais bons minutos, até que finalmente eles terminaram a revisão.

      Foi o momento mais feliz do dia.

      A menina logo o agradeceu e recolheu suas coisas de cima da mesa. Colocou a mochila nas costas, curvou-se para nós e logo se foi enquanto eu ainda guardava meus materiais de desenho. Separei tudo e logo Taehyung viu o que eu fiz ao olhar pela janela.

      – Posso ver?

      – Sim. – O entreguei.

      – És muito talentosa! Puxa vida!

      – Obrigada!

      – O que achas de assinar e dedicar a mim? – Sorriu.

      – Será que eu estou vendo você sorrindo?

      – Acho que sim. – Envergonhou-se.

      – Tudo bem! Eu posso te dar de presente! – Sorri.

      Peguei o desenho de sua mão, o apoiei na mesa e com a caneta dourada de antes, eu voltei a assinar meu nome e coloquei o dele na dedicatória. Ao fazer isso, ele o guardou assim como eu fiz com o que faltada do meu material e logo em seguida, fomos a caminho da sorveteria – como prometido.

     Como eu já disse, a sorveteria era perto. Fui até lá com Taehyung enquanto trocamos poucas palavras e sendo assim, ao entrarmos, nos sentamos na mesma mesa da primeira vez. Deixamos ali nossas mochilas e logo fomos fazer nosso pedido.

      Pedi um sabor diferente, enquanto ele pediu o mesmo da outra vez – morango. Recebemos, pagamos e voltamos para a mesa. Juro que lembrei de tudo que tinha acontecido ali, porém tentei esquecer. Tirei tudo de minha mente e torci para que tudo fosse diferente como ele disse que seria.

      – Como está indo nos estudos? Acho que nunca perguntei-te sobre isto antes desde que começamos a nos falar. – Perguntou ele.

      – Desculpe a expressão, mas está uma merda! – Dei risadas.

      – E não fará nada para mudar isto? Ficarás de braços cruzados a espera de um milagre como diz o filme?

      – Sinceramente não há o que fazer. – Falei.

      – Ainda há tempo, não estamos com o semestre encerrado. Poderias correr atras de ajuda para tentar salvar teu ano letivo, isto não parece uma boa ideia?

      – Sim, mas minha situação é muito complicada. Eu já estou indo mal desde o início do ano e não é em pouco tempo que tudo se resolverá. Ou melhor, eu não sei nem se tem solução.

      – Se não tentar, não vai saber. – Disse ele. – Deveria ao menos tentar e assim verias resultados que certamente te deixarias mais animada.

      – E o que eu poderia fazer?

      – Dou aula de reforço todos os dias na parte da tarde. – Disse ele. – Estarei sempre na biblioteca e trabalho com as matérias de física.

      – Está fazendo propaganda de si mesmo? – Sorri.

      – Acho que posso ajudá-la, por isso estou neste assunto. – Disse ele. – Poderíamos marcar uma aula de uma hora e meia de duração, acho que já seria uma boa ajuda para ti.

      – Não tenho tempo, preciso voltar pra casa ainda cedo. – Falei mentindo, é claro. – Minha mãe se incomoda com tudo, ela vai reclamar.

      – Hoje ficastes aqui durante todo o período de aula enquanto ficou desenhando. Se tivesses que voltar para casa como dizes, não terias ficado hoje ao ter interesse no sorvete.

      – Bingo! – Falei ao ser descoberta. – É que eu não me interesso muito, eu realmente não tenho facilidade e isso me deixa desmotivada. Não me vejo assim tão empolgada com os estudos e prefiro não me esforçar.

      – E eu não posso ajudá-la? Mesmo com todas as minhas notas e disposições, isto não lhe deixa convencida de que poderei ser útil?

      – Como fariamos isso? Pode me dizer?

      – Há um formulário na direção que tu precisas preencher e um termo para afirmando que tu comparecerá. Sendo assim, tu me escolhes na hora de falar sobre tua preferencia e a aula estará marcada. – Disse ele. – O que acha? Parece uma boa ideia?

      – Talvez... – Falei ao cogitar. – É que eu realmente não me animo muito com estudos, principalmente com as matérias em que você é bom.

      – Sendo assim, ao menos neste semestre você conseguirá aumentar as notas! Acredite! Vai ser importante essa ajuda! Você irá gostar!

      – E nós podemos tomar sorvete depois das aulas? Será que isso parece uma boa ideia pra você? – Sorri.

      – Isso dependerá de teu rendimento. – Disse ele. – Sendo assim, podemos pensar irás merecer sorvete após os exercícios. E já aviso que não viremos para conversar e sim para estudar. Eu levo muito a sério e quero que entenda isso muito bem!

      – Quantas indicações... Puxa vida! – Sorri envergonhada.

      – E então? O que acha? Lhe interessa as aulas?

      – Bom...

      – Pense em sua aprovação no final do ano, pense em terminar os estudos de uma vez e logo poder ir para a universidade.

      – É, levando isso em consideração... – Pensei. – Seria realmente importante, porém muito difícil.

      – Vai marcar algumas aulas? O que decides?

      – Tudo bem, eu marcarei! Confio em você e sei que poderá ajudar quanto aos estudos!

      – Ótimo! Mais uma aluna! – Sorriu sutilmente. – E para quando marcará a aula? Já sabe o que pretendes?

      – O quanto antes! – Falei e assenti.

      Se isso daria certo, eu não sabia. Se eu iria bem ou se taehyung teria paciencia comigo, eu também  não sabia. Mas como ele disse, eu só saberia se tentasse. E sendo assim, eu resolvi prometer a ele que eu me esforçaria. Estava disposto a me ajudar e sendo assim, sua ajuda seria muito bem vinda.

      Confesso que nunca cogitei essa ideia. eu de fato não estava me importando com tal coisa. Mas ao conversar com ele, pude entender que eu estava um pouco errada. Por mim não tinha jeito, mas se ele disse que poderia me ajudar, eu não seria louca de recusar.

      É, quem diria...

      Justo eu, que nunca quis saber de estudar.

      Agora estava considerando a ideia de ter ajuda em exatas.

      Está vendo o que faz comigo, Taehyung? 


Notas Finais


E então, pessoal? O que estão achando? Acham que tudo dará certo? Acham que Lyn respeitará o término de Tae Tae? Acham que ela irá realmente estudar? Contem pra nós!
Nos vemos em breve! Sigam nosso perfil para acompanhar novidades!
-> @EsterAndJimin
-> @Atlantys
Beijos! E não se esqueçam de comentar! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...