História I kissed a stranger. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Comedia, Drama, Fuffly, Jikook, Kookmin, Romance, Vmin, Yoonmin
Visualizações 50
Palavras 1.307
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello babys.
Essa é minha primeira fanfic (na verdade não é primeira, mas...)
Desculpe se estiver ruim.
Mas me digam criticas construtivas. E eu acho que é isso.
Boa leitura.

Capítulo 1 - Situação Constrangedora.


Olá sou Park Jimin, um garoto de 17 anos que ainda é BV. Eu sou uma vergonha para o mundo, enquanto uns se orgulham por ter levado a primeira garota para cama, eu me orgulho de ter chegado à esquina antes do carro. Mas pensando pelo lado positivo, isso é um grande feito.

Poucos conseguem chegar antes do carro. Às vezes eu penso o quanto eu sou fracassado por estar pensando em coisas irrelevantes como essa.

Os meus dois amigos ainda são mais idiotas que eu, por acreditarem nas histórias que eu conto. Na semana passada eu disse a eles que tinha feito uma orgia com cinco garotas.

Ou talvez eles finjam que acredita nas minhas babaquices, o Yoongi disse que eu sou gay. Mas isso não é verdade.

Eu acho.

Taehyung concordou com o mais rabugento do trio, pois ele disse que na única festa que eu fui, ele me viu agarrado com outro garoto, rolou até beijo.

Sinceramente, não me recordo disso. Eu tinha ingerido uma grande quantidade de bebida alcoólica, só me lembro de ter acordado no banheiro da casa do Yugyeom.

Aquele banheiro fedia mais que as meias do meu irmão mais velho.

Hoje minha querida mamãe veio ao meu quarto dizer-me para me arrumar, pois eu iria acompanhá-la até a casa da amiga dela.

Eu como um excelente filho, inventei várias desculpas, mas nenhuma funcionou. Resultado; vou ter que aturar as amigas da minha mãe lendo um livro chato de romance. Sempre aos finais de semana elas marcam de se encontrarem para ler algum livro. Não tenho nada contra livros, até por que eu amo ler, mas livros românticos não é minha praia.

Estou agora em frente ao espelho, vendo meu reflexo.

Não vou a nenhum evento importante, mas quero estar apresentável. Peguei uma das minhas melhores roupas e decidi vesti-las.

Até que estou gostoso, se eu fosse outro alguém, me comeria.

- Jimin! Você só vai me acompanhar e não se casar. – Gritou, batendo na porta.

- EU SEI DISSO! – Gritou de volta, indo abrir a porta. – Como estou?

- Gostoso. – Disse a mulher rindo em seguida sendo acompanha pelo filho.

- A senhora também tá uma gata, estou desconfiado dessa produção toda. – Pôs a mão no queixo.

- Me respeita seu filho de chocadeira, eu amo seu pai e nunca o trairia. – Repreendeu, mas logo soltou uma gargalhada ao ver a expressão engraçada que o filho fez.

- Sabia que a senhora está lhe chamando de chocadeira?

- E quem disse que eu sou sua mãe? Você é adotado, Jimin. – Falou, dando meia volta e saindo do quarto.

- É sério, mãe? – Disse tristonho. – Volta aqui! Quem são os meus pais de verdade?

A senhora saiu andando pela casa, tentando conter o riso. O desespero do seu filho estava sendo hilário a seu ver. Mas logo se lembrou de que tinha um compromisso a ir.

E acalmou logo o pobre Jimin, que ficou furioso ao ver a sua própria mãe rir do seu desespero. Sem delongas, os dois saíram de casa e foram até o carro, quem dirigiu foi à senhora Park Yoora. Pois Jimin ainda não tinha idade suficiente para dirigir.

(•••)

Após ambos chegaram ao destino, ainda tiveram uma pequena discussão, pois o garoto queria estacionar o carro, e a mulher não queria deixá-lo, recusando-se a entregar a chave.

Quem olhasse os dois pensaria que fossem dois irmãos discutindo, sendo que na verdade era mãe e filho.

- Por favor, mãeeee... – Implorou Jimin.

- Tá bom, garoto. – Entregou a chave ao garoto e andou até a entrada da residência da Haneul.

- Pensei que não iria vir. – Disse a mulher de cabelo curto que abriu a porta.

- A culpa de eu ter me atrasado é do meu filho. Enfim, só faltava a minha presença? – Haneul confirmou, e logo deu passagem para a mãe de Jimin e o próprio entrarem.

- Cadê a chave Jimin? – Perguntou ao garoto que estava sentado ao seu lado no sofá.

- Está aqui. – Entregou a chave para Yoora.

- O seu filho é muito bonito. – Comentou uma mulher que usava um vestido com um enorme decote.

- Ah, obrigado. – Agradeceu Jimin com as bochechas ruborizadas.

- Vamos começar a ler o livro? – Sugeriu a dona da casa.

Jimin sabia que acompanhar a sua mãe até o local seria ruim mais estava sendo pior que ruim, o tédio e cansaço do pobre garoto era visível. As nádegas já doíam de ficar sentado naquele sofá que parecia duro como pedra, e os seus ouvidos pareciam querer sangrar a cada palavra ouvida.

Estava sendo uma verdadeira tortura está ali.

E surgiu uma ideia de sair dali nem que seja apenas por uns minutos.

- Mãe, eu quero ir ao banheiro... – Choramingou só pra mulher escutar.

- Espera aí já estamos terminando. – Repreendeu Jimin com o olhar.

- Você disse isso há uma hora e ainda estamos aqui. – Disse irritado. – Por favor... Ou eu vou fazer...

- Tá bom demônio, vai logo, antes que eu te bata na frente de todo mundo.

O garoto deu uma risadinha e comemorou mentalmente por ter conseguido sair dali. A vontade de ir ao banheiro era só uma desculpa, mas como não poderia ir embora sem sua mãe, resolveu andar pela casa que parecia ser enorme.

Andou, andou e andou. Jimin nunca tinha visto uma casa tão grande assim, ou talvez, ele seja sedentário demais por estar cansado. E foi com esses devaneios que ele notou que a porta de um cômodo estava entreaberta.

Ele poderia apenas ignorar, mas a curiosidade falou mais alto, como sempre.

Aproximou-se da porta e deu uma olhada dentro do quarto. Tinha um garoto deitado na cama assistindo alguma coisa na grande tevê. Iria sair dali quando escutou a voz do mesmo se pronunciar.

- Eu sei que você estava me observando. Posso saber quem é? – Puta merda o cu do baixinho tinha trancado e nem agulha passava, não sabia por que, talvez fosse à voz grossa que lhe causou esse medo.

E que voz grossa.

- E-Eu não estava lhe observando. – Gaguejou.

- Ah, é? E o que fazia tão próximo a porta do meu quarto? – Perguntou de modo intimidador.

O garoto só queria enfiar a cabeça em um buraco, deveria estar com as bochechas da cor de um tomate. E o rapaz a sua frente não ajudava em nada, pois estava sem camisa.

E aquela barriguinha toda definida estava deixando as pernas do Jimin bambas.

- Ah, eu não estava fazendo nada, tá bom? – Falou já se irritando.

- Calma, não precisa ficar irritado.

- Se não quer me ver irritado, não me pergunte coisas bobas. – Disse de modo simples arrancando uma risada do mais alto.

- Eu acho que conheço você de algum lugar. – Começou a analisar bem o outro garoto que corava cada vez mais com aquilo.

- Para de me olhar assim! Credo. Parece que vai me comer com os olhos.

- Já sei! – Estalou os dedos, deixando Jimin confuso. – Você não é aquele garoto que me agarrou na festa do Yugyeom? 

Ao escutar a pergunta que foi direcionada a si, o garoto de cabelos pretos quase caiu, mas conseguiu se equilibrar, então o tal garoto que ele tinha beijado na festa era real oficial? Pensava que era só uma invenção do Taehyung para irritá-lo, mas aquilo realmente tinha acontecido.

- Por que você tá fazendo essa cara? – Perguntou vendo a cara de assustado do Jimin.

O garoto nem sabia o que ia responder, mas agradeceu mentalmente por sua mãe ter o chamado para ir embora. Não pensou nem duas vezes antes de sair correndo pelos corredores daquela casa, só escutou o outro garoto o chamar diversas vezes até sumir de sua visão.

Depois daquela situação constrangedora Jimin teria que beijar os pés de sua mãe por ter o salvado.


Notas Finais


O Jimin só sabe se lamentar mds.

E quem será esse menino que o Jimin beijou?

Vamos saber no próximo capítulo.

Bjs! Nos vemos no próximo capítulo, então.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...