História I Love Vodka - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Álcool, Festa, Hentai, Naruto, Sasusaku, Universo Alternativo
Visualizações 516
Palavras 3.600
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Hentai, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, gente! Essa é minha primeira história SasuSaku e, também, minha primeira tentativa de fazer algo do estilo comédia, então não estranhem se não tiver tanta graça assim. (até pq não tenho o melhor senso de humor, mas nois tenta, né)

Boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único


One-Shot SasuSaku

I Love Vodka

Capítulo Único

Escrito por: Pankpretts

 

Estávamos eu e Ino em uma festa que fomos convidadas e, sinceramente, nem sei quem foi que nos convidou ou de quem é essa bagaça, mas que as bebidas daqui são ótimas, elas são!

Ino tinha sumido nos primeiros cinco minutos que entramos aqui. Devia estar na pista de dança ou, então, deve estar se agarrando com algum bofe gostoso por aí.

Eu, pessoalmente, voto na segunda opção. Aposto cinquentinha que eles já devem ter passado das preliminares.

Virei mais um copo de vodka na boca que desceu rasgando minha garganta, embora não estivesse lá tão bêbada, não posso dizer que estou 100% sã! Até porque esse era... era, hã... tá! Eu não faço a mínima ideia de quantos copos já tomei, o último que lembro de ter contado era o sétimo, mas eu ainda estou muito lúcida, ok?

Bati o copo vazio no balcão, chamando o barman, que veio, pegou o copo e encheu de novo. Olhei pro lado, na direção que ficava a entrada do lugar e... certo! Talvez não esteja tão sóbria assim.

Que seja só um delírio da minha pessoa extremamente embriagada, por favorzinho!

Oh, não! Lá vem ele! Ele tá vindo, ele tá vindo e com um sorrisinho filho da mãe que vou te contar, hein.

— Olá, Sakura... — porra, cara! Fala baixinho com essa voz rouca no meu ouvido não, é muita maldade.

Droga! Acho que preciso de uma calcinha...

— Sasuke — cumprimentei, virando o copo de vodka com limão garganta a baixo de uma vez só.

— O que você está fazendo aqui sozinha, hein? — perguntou e senti o cheiro de álcool vindo da sua boca.

— Não tá vendo que eu tô bebendo, idiota? — respondi, chamando de novo o barman — Por quê? Queria que estivesse acompanhada? Isso não é um problema. Tem um gatinho sentado ali naquela mesa que não para de me olhar — sorri, acenando para o gatinho gostoso, e ele ergueu seu copo de tequila com limão e gelo como resposta.

Estava admirando a bela visão daquele homem sentado todo largado em cima daquela cadeira, segurando o copo com a ponta dos dedos, quando uma massa de músculos vestidos e apertados por uma blusa social vermelha, perfeitamente abotoada, entrou na frente.

— Minha cara é aqui em cima, Sakura, mas se quiser pode continuar olhando, fique à vontade... — ouvi Sasuke falar e não consegui desviar o olhar daquele tanque de lavar calcinhas molhadas. Eu já sabia que ele tava olhando pro carinha de antes com aquele puta sorriso convencido se achando o próprio vencedor da mega sena.

— Vou aceitar a proposta — babei naqueles gominhos deliciosos durante uns bons quarenta minutos e enquanto eu o comia com os olhos, ele tomava uns drinks.

Que visão, senhor, muito melhor. Esse só pode ser filho de Afrodite, porque, meu deus, socorro, vai ser gostoso assim lá no quinto dos infernos!

— Já posso até sentir o fogo... — sorri ao sussurrar isso, continuando a olhar para o corpo de Sasuke.

Ahm... quer saber? Deixa o serzinho com a tequila lá que eu fico com o serção aqui. A vista tá perfeita! E ficaria ainda melhor sem a camisa...

Dona Mikoto tem uma santa de uma vagina abençoada, sai só deuses de lá de dentro! Isso que é fábrica de qualidade, viu.

Tudo bem! Ele é o Sasuke, meu ex-namorado meio perseguidor e stalker, com uma leve obsessão estranha e maluca, mas o cretino é gostoso e eu tô bêbada então; FO-DA-SE! Me arrependo amanhã e qualquer coisa tenho a desculpa de ter bebido muito.

— Sasuke, vamos dançar! — falei quando reconheci a música que iria começar e nem esperei resposta, comecei a arrastá-lo pra pista de dança com ele vindo em silêncio atrás de mim.

Sex with me, so amazing

All this all work, no vacation

Stay up off my Instagram, pure temptation

Hit a switch on a fake nigga like a station

— Sex with me, so amazing! Sex with me, so amazing! Vodka and water, and a lemon and a few other things I can not mention — cantei de costas para ele, seu rosto estava encaixado em meu pescoço, sua boca roçando na minha pele e suas mãos em minha cintura enquanto eu rebolava e pressionava meu traseiro contra sua pélvis.

— Você não presta... — sussurrou, juntando mais nossos corpos.

É, eu tô sabendo.

— Eu sempre soube e isso não é novidade para você também. Agora, reclame menos e aproveite mais — sussurrei de volta — You know I got the sauce, you know I'm saucy and it's always wet, a bitch never ever had to use lip gloss on it! I'mma need you deeper than six, not a coffin! We're not making love, tryna get nasty! — cantei novamente e sorri ao ouvir seu arfar. — I know, I know, I make it hard to let go! Tonight, all night, I'mma roll. Even if I'm alone! — continuei, escorregando um pouco para baixo, encostada em seu corpo e sentindo seus músculos abdominais em minhas costas.

Viu, jovem? Se quer ter seu namorado, ficante, marido ou amante na palma da mão, aprenda a ser sexy comigo que sou uma profissional!

Ps: Funciona com os exs também!

Sex with me, so amazing

All this all work, no vacation

Stay up off my Instagram with your temptation

Hit a switch on a fake nigga like a station

 — Sex with me, sex with me, sex with me! So amazing, so amazing, hm... — quando já estava quase na altura da barra de sua calça, me virei ainda abaixada, ficando em frente ao fecho e olhei para ele, que tinha os olhos negros cravados em mim. — Sex with me, so amazing! Sex with me, so amazing — beijei a ondulação em sua calça, na região de seu sexo, vendo-o trincar os dentes, então cantei o final — This is the best there is...

Pronto! Ganhei uma noite de sexo muito quente, que vai ser muito longa e extremamente prazerosa, digo por experiência própria.

Sasuke me puxou pelos cabelos para cima e me tascou mó beijão! E, xente, que beijo, viu? Juro que quase tive um orgasmo, me tirou o fôlego todo!

— Pro carro, agora! — ordenou e dessa vez ele que me arrastou até a saída e da saída, até o carro. Ele abriu a porta e me tacou lá dentro.

Cadê a delicadeza? Mandou pro espaço? Se for, ela deve estar tomando chá junto com a minha consciência e vergonha na cara, por que elas estão faltando aqui.

Ele entrou dentro do carro em menos de um milésimo de segundo! Sério, foi mais rápido do que o Flash! Vou pedir pra ele me ensinar depois... quem sabe assim eu passo a chegar na hora no trabalho e paro de me atrasar?

Missão impossível, eu sei. Não deveria me iludir assim, mas já estou acostumada.

O motor roncou quando Sasuke ligou o carro e saiu a 200km por hora, derrapando os pneus no asfalto e levantando um pouco de poeira.

Viu o que uma noite de sexo comigo faz com um homem? Eles ficam loucos, perdem a cabeça de cima. A de cima, hein!

Em poucos minutos, chegamos no prédio que ele morava, ele dirigiu até o estacionamento e parou o carro em uma vaga qualquer. Desligou o carro e abriu a porta, saiu apressado de dentro, fez a volta e abriu a porta do passageiro e me puxou pra fora do automóvel.

Gente, esse homem é muito agressivo. E eu gosto disso!

Ele bateu a sua boca na minha em um beijo faminto e desesperado e assim fomos caminhando para dentro do hotel, passamos pelo saguão, entramos no elevador, saímos do elevador e paramos em frente a porta do apartamento dele.

Xente, eu tô tontinha, tontinha. Tá tudo dando voltas e voltas e voltas e voltas e voltas, etc. Acho que meu coração vai sair pela boca e meus pulmões estão sequinhos, quase caindo murchos de tão mal tratados. Tadinhos, mas eu não tenho culpa se o Sasuke faz questão de tirar todo o meu ar com aquela boca tão gostosa que ele tem! Deveria ser crime um homem ter uma boca tão gostosa assim!

Tente manter um beijo tão longo assim, quero só ver se vocês conseguem aguentar.

Ele pegou as chaves e abriu a porta, me empurrando/jogando pra dentro com ele logo atrás de mim. Ouvi ele fechar a porta e em segundos senti seu corpo colado em minhas costas.

Senti seus lábios na pele do meu pescoço distribuindo beijinhos molhados e deliciosos até meu ombro esquerdo, ele entrelaçou sua mão na minha e me girou, me deixando de frente para ele. Seus olhos passearam pelo meu corpo com um brilho malicioso e faminto.

Eu, hein, juro que se ele arrancar algum pedaço meu, eu mostro pra ele o verdadeiro canibalismo! Tô nem aí se vou pro xilindró depois.

Nos beijamos novamente com ele me guiando até seu quarto, que eu já conheço muito bem, diga-se de passagem. Desgrudamos nossos lábios e ele me fez sentar na cama, ajoelhou no chão em minha frente e se pôs a tirar minhas botinhas de salto alto com toda a calma do mundo.

Depois que terminou de tirar meus sapatos, começou a fazer uma massagem muito bem vinda em meus pés.

Jesus, como estava precisando disso! Esse homem tem mãos de fada. Quase dormindo aqui de tão relaxada, parece até que tem tecido de seda passando pelos meus dedos do pé de tão macias e precisas que são as mãos dele.

Beijos começaram a ser distribuídos, subiu pelas minhas canelas, joelhos, passando pelas coxas e continuou por dentro do meu vestido até a barriga.

Ele parou com os beijos apenas para tirar meu vestido azul e o meu colar, jogou eles em algum lugar do quarto e continuou subindo com os beijos até os meus seios cobertos pelo sutiã que também foi arremessado para algum lugar, me deixando apenas com a calcinha do meu conjunto de lingerie.

Sasuke me derrubou na cama em meio aos travesseiros e lençol macio, levantou, passando a me observar de pé.

Isso aqui tá muito parado. Hora de entrar em ação!

Devagar, levantei uma de minhas pernas e deslizei a ponta do meu dedão do pé em sua perna, subindo por sua coxa, indo em direção ao fecho de sua calça jeans preta, desabotoei o botão de sua calça com o meu pé e desci o zíper sentindo a ondulação na região do seu sexo.

Acredite, eu tenho uma estranha habilidade com os meus pés e consigo fazer isso.

A calça caiu no chão, deixando-o apenas com a camiseta social de botões e com uma cueca box vermelha que, por ser muito apertada, deixava ainda mais visível sua já visível ereção.

Em um movimento rapidamente rápido, circulei minhas pernas em torno de sua cintura e o puxei, fazendo-o cair em cima de mim. Ele estava com suas mãos apoiadas no colchão dos dois lados da minha cabeça e nossos rostos a poucos centímetros de distância.

Sorri, levando uma de minhas mãos até os botões de sua camisa, desabotoei um por um. Quando terminei de abrir sua camiseta, tirei ela apressadamente com ajuda dele e a joguei para algum lugar atrás de mim, do outro lado da cama.

Nos girei na cama e fiquei por cima, Sasuke me olhou com uma ansiedade muito maliciosa. Sorri ainda mais e me abaixei, ficando com o rosto próximo ao seu peitoral. Dei um beijo no meio de seu peito, em cima do coração e arrastei a língua até seu mamilo direito, deixando um rastro de saliva pelo caminho.

Chupei o pequeno botãozinho, puxando um pouco a pele sensível, a soltei e soprei em cima, vendo a pontinha ficar rígida, ouvi seu delicioso arfar meio rouco.

Abocanhei o pequeno botão, o olhei e sorri com seu mamilo entre meus dentes. Soltei o mamilo e o lambi lentamente, dando mais um chupão na pele sensível.

Muitas pessoas gostam de chupar e marcar pescoço, eu tenho mania de chupar, lamber, morder e marcar mamilos.

Não gostou? Dane-se, problema é seu.

Ri ao ouvi-lo suspirar de prazer e escorreguei para baixo, parei quando cheguei em seu umbigo, botei a língua pra fora, o lambi ali, vendo sua pele arrepiar com o contato. Conheço cada parte desse corpo gostoso, sabia que aquela era uma das partes mais sensíveis daquele corpo perfeito.

Desci lambendo seu corpo do umbigo pra baixo, deixando marcas de batom aqui e ali pelo caminho até ficar frente a frente com sua ereção coberta apenas pelo tecido de sua cueca. Esfreguei meu rosto ali, aspirando o cheiro de seu sexo por cima do pano vermelho, ouvindo seus suspiros em meio a sua respiração totalmente falha e sentindo seus olhos queimarem minha pele com todo fogo contido neles.

Depois dizem que quem brinca com fogo pode se machucar, tenho apenas uma coisa a dizer sobre isso; ATA! Acontece, amor, que eu sou o próprio fogo infernal e nem mesmo a mais pura água benta tem chance de me apagar.

Molhei bem meus lábios e beijei o pênis coberto, deixando marcas de roxo na box. Lambi ele logo em seguida, suas mãos seguravam os meus cabelos para ter uma visão melhor do que eu fazia.

— Porra...! — xingou me olhando morder aquele pau coberto pelo tecido — Para com essa tortura e me chupa de uma fez, merda! — ofegou, grunhindo alto.

— Menino impaciente. Não me deixa provar do pirulito com calma — resmunguei — Pra sua informação, saiba que preciso avaliar o produto antes de ver se vou querer ele — disse, massageando e apertando-o.

— Que avaliar o que — rosnou — Como se já não conhecesse o produto todo de cor e salteado, assim como tudo que ele pode fazer — resmunguei em resposta ao que ele disse — Agora para com a palha assada e me chupa de uma vez!

Onde está aquela paciência toda que ele vive esbanjando por aí com aquela cara de indiferente? Evaporou-se, só pode!

Revirei os olhos, atendi ao pedido do ser humano necessitado e puxei a box pra baixo, assisti o pênis saltar pra fora balançando e acertar meu rosto. Suspirei, sentindo seu cheiro acompanhado do toque quente e macio de sua ereção crescente. Observei ele por completo, assistindo com atenção ele pulsar com suas veias saltadas, pedindo por mim.

Que saudades eu estava do meu antigo brinquedo amado! Salivei apenas ao lembrar das nossas travessuras safadenhas feitas em lugares inusitados. Oh, quantos sobes e desces nós tivemos juntos... literalmente.

Peguei ele entre minhas mãos, alisando a pele quente com calma, sentindo o corpo de Sasuke tencionar com meu toque. Continuei massageando de leve, aumentando a velocidade aos poucos, intercalando meu olhar entre o belíssimo pau em minhas mãos e o pedaço de mau caminho deitado na cama. As expressões que ele fazia ao receber o prazer que minhas mãos o estavam dando eram deliciosas. Sasuke estava conseguindo me fazer gemer somente com elas.

Papai, que homem é esse? Esse ser magnífico não foi feito por Deus não, tenho certeza que Lúcifer foi o criador dessa tentação, esse espécime único só pode ter sido feito pelo próprio Diabo.

— Sakura...

Minha mente parou, os olhos escureceram e minha calcinha branca ficou transparente, chegando até mesmo a pingar no colchão, de tão encharcada que minha boceta ficou ao ouvir a voz baixa e rouca me chamar em meio à respiração ofegante.

Sasuke arqueou seu quadril para cima, direcionando seu pênis à minha boca, encostando a cabeça inchada e molhada em meus lábios e empurrou contra eles, tentando entrar. Voltei meu olhar para ele, encontrando seu lábio preso entre seus dentes e seus olhos negros semicerrados me olhando como se implorasse para que eu o abocanhasse de uma vez.

Abri um pouco minha boca, chupei a pontinha, bem onde estava o buraquinho, sugando com gosto aquela partezinha, colocando mais de pouco em pouco, ouvindo os suspiros e gemidos baixos que Sasuke soltava.

Parei de abocanhar seu pau quando toda a cabeça estava dentro e me pus a chupar ela, como nunca chupei um picolé antes. Ouvia Sasuke gemendo e via seu corpo remexer inquieto na cama. Ele arqueava o quadril e puxava meus cabelos em meio ao prazer.

Olhei para cima, encontrei seu rosto corado com gotas de suor escorrendo para o pescoço e os cabelos rebeldes completamente bagunçados, seus olhos negros nublados com o prazer que eu lhe dava, a boca suculenta mostrava seus dentes brancos cerrados fortemente, deixando gemidos, grunhidos, rosnados e suspiros escaparem do fundo da sua garganta.

Senhor, que homem totoso.

Parei de chupá-lo e, insatisfeito, Sasuke voltou a olhar para mim com uma expressão irritada em seu rosto, a qual fiz questão de ignorar. Não estava aguentando mais.

— Sasuke, eu preciso de você... — levantei, tirando aquela calcinha que já estava me incomodando.

Queridos e queridas, estas foram as palavras mágicas para o mundo todo se tornar encantado.

Sasuke arrancou minha roupa, quase rasgando como se fosse papel, me derrubou no colchão tão rápido que cheguei a ficar tonta, tanto que pude apenas sentir o ar de sua boca na minha xana antes dele mergulhar a língua lá dentro, mexendo ela de um lado pro outro como se estivesse chapadona na noia. Bem losko e porramente gostoso!

— Mais, Sasuke, mais! Deixa a droga dessa língua ser a minha heroína e me dar um ecstasy!

Momentos depois, senti seus lábios em meu clitóris, sua língua molhada lambendo o tecido e pressionando contra o pequeno órgão. Arqueei meus quadris, levando minha mão até os cabelos negros, empurrando sua boca contra minha gruta e gritei bem alto, com a sensação maravilinda que minha xota tava recebendo.

Os vizinhos devem estar me odiando nesse momento... ou não, alguns podem estar tomando um banho.

O morenão gostosão moveu aquela boca para a parte interior da minha coxa, abandonando meu pequeno botãozinho necessitado, distribuindo chupões que com certeza deixariam marcas na minha pele. Filho da P***!

Senti meus músculos internos apertarem quando levantei a cabeça do travesseiro e olhei para ele, pronta para xingar até a décima sétima geração passada e futura desse marcador de cútis alheia, mas a visão de Sasuke com a cabeça enfiada entre as minhas pernas, seus braços circulando minhas coxas enquanto ele as beijava e me olhava, subindo e descendo, indo, de vez em quando com sua língua para perto da minha friend, recuando e então repetindo as mesmas, me provocando.

O que é que eu ia fazer mesmo...? Não importa, voltando.

— Tá na hora, tá na hora, tá na hora de brincar — cantei e Sasuke me olhou estranho — Que isso, gente, Xuxa, a rainha dos baixinhos, nunca ouviu não?

— Sakura, fica quieta, vou me sentir um pedófilo se tu falar mais alguma coisa — resmungou, cobrindo minha boca com uma mão. Vê se pode, Brasil? Não se pode mais cantar Xuxa na hora ‘H’.

Oh! Estou sentindo algo entrando, e entrando, e entrando, e entrando, e saindo, e saindo, e saindo, entrando, entrando, entrando, saindo, saindo, saindo, entrando, entrando, saindo, saindo, tudo de novo e cada vez mais rápido.

Esse homem não é carro, muito menos calculadora, mas têm potência!

***

Perdi a noção do tempo, não sei se o que já se passou foram, minutos, horas, dias, meses, anos ou décadas, só sei que sexo com esse homem é sublime! Esqueçam tudo que dizem sobre o pecado, que mané pureza, pra casa do caralho com a castidade! O que estou tendo nesse momento é a definição do divino. Suas estocadas ficavam cada vez mais rápidas, eu sabia que ele estava próximo ao seu ápice. Agarrei o travesseiro com força, girei a cabeça pro lado e gemi em seu ouvido. Estava quente, muito quente. O suor pingava do seu corpo e escorria pelo meu, também suado.

Arranhei as suas costas quando seus movimentos ficaram mais brutos. O ar quente da sua respiração ofegante batendo em meu pescoço, os sons dos seus gemidos e arfares, acompanhados pelos dos nossos sexos se encontrando de forma rápida me excitava ainda mais. Beijei seus lábios uma última vez antes de sentir que meu corpo está flutuando no ar, sem peso algum pra deixar a maldita física me prender nessa terra cansativa de se viver, onde só tem pessoas invejosas da Diva que sou.

Viajei na sensação esplêndida que só um verdadeiro orgasmo pode dar e esqueci do mundo. Ah, cara! Porquê não posso sentir esse alívio vinte e quatro horas por dia? Essa sensação é extraordinária.

O alívio vai passando, então o peso todo volta e devo dizer que nunca me senti tão gorda na minha vida. Acho que verei uma nutricionista essa semana, academia também pode ajudar.

O sono vem e fecho os olhos, sem conseguir deixá-los abertos. Sinto Sasuke se ajeitar na cama e me puxar para deitar em cima de seu corpo duro. Tava mais confortável no colchão.

Agora, vejamos; fui a uma festa, bebi muito, encontrei Sasuke, meu ex-namorado, tive uma transa perfeita com ele e, amanhã, quando acordar, caso ele queira falar alguma coisa, tenho a desculpa de que estava chapadona. É o plano perfeito!

Vamos, podem falar; sou uma bitch do mal, sei disso, admito e não me importo, e, na verdade, nem você deveria, seu intrometido de plantão.

Ah! Quer saber de uma coisa, caguei! Eu amo bebidas! Adoro ficar chapadona, ter aquela sensação de estar cagando e andando pro mundo, mandando a senhorita sociedade ir se foder e sai gritando na cara de qualquer maluco que venha me dar lição de moral sobre o que faço ou desfaço da minha vida; I LOVE VODKA, PORRA!

Ps: Não sou loka, o mundo e as pessoas apenas não estão preparados para meu modo de vida avançado.


Notas Finais


O que acharam? Deixem um comentário aqui em baixo, criticas construtivas são sempre bem vindas e terei muito prazer em responder.

Betado por: @SmellyKraken!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...