1. Spirit Fanfics >
  2. I love you >
  3. Não era para ser assim

História I love you - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Não era para ser assim


Uma agonia tomou conta de todo meu corpo quando finalmente chegou a hora de me deitar, diferente das outras vezes não é o pensamento do que aconteceu no hospital que ronda meus pensamentos e sim o que aconteceu naquela noite, o pedido de Marcus em minha cabeça me impede de adormecer, pela primeira vez minha agonia não é da minha perda e sim da perda que ele possivelmente irá sofrer.

Minha cabeça somente voltava a todo instante para as palavras de Marcus, parecia marcar minha mente com o pensamento de duas crianças indefesas sozinhas, acabaram de perder a mãe e agora iram ser afastadas do pai por insensibilidade dos avós maternos, não considero isso correto. Quem no mundo pode considerar que esse afastamento é saudável para dois pequenos raios de Sol.

Eu rolo novamente pela cama, jogo minha coberta no meu lado direito do corpo a mesma cai no chão, me sento na minha cama olhando minha janela, eu passo as mãos em meus cabelos para poder me arrumar nem que seja um instante.

Eu quero ser mãe, ter um filho e ser médica, sei que isso pode durar anos para se realizar, Marcus está me oferecendo um caminho mais rápido e algo está me freando, talvez meu bom senso seja o responsável por tanta recusa.

Mas ele está me propondo casamento por desespero, seus filhos seram tomados de seus braços por pessoas que julgam fazer justiça e o melhor para ambos os bebês, o que eu irei fazer para impedir se não me entregar a um casamento por conveniência, não seria diferente do meu com Edward, eu só não sabia na época.

Saio da cama pegando meu roupão para cobrir meu pijama para lá de sensual, eu não tenho pijamas simples pelo fato de estar a todo instante com Edward e sempre seduzia ele com meus look tanto que ficamos vários anos juntos.

Chego na cozinha vendo a luz do quarto de Débora acesa ela está acordada, eu pego uma garrafa de água para beber, me sento na mesa, colocando um pouco em um copo levo até meus lábios, eu limpo minhas lágrimas. Eu estou muito abalada recentemente, tudo que eu perdi em tão pouco tempo agora está cobrando seu preço, minha alma está em pedaços e agora tenho essa decisão em minhas mãos, como posso fazer isso? Acabei de conhecer Marcus, mas achei que conhecia Edward e deu nessa profunda dor.

Eu olhei para o meu reflexo no espelho da parede da cozinha, eu fiquei encarando minha cara de perdedora, até que suspiro saindo da cozinha sem guarda absolutamente nada.

Eu preciso tentar dormir nem que seja um pouco, afinal a dias não durmo como alguém descente, me deito na cama, me embrulho com minha coberta olhando para o céu bem longo, até finalmente cair no sonho dos justos, eu dormi pensando em Marcus e acordei pensando nele também. Eu olho para o espelho em meu quarto assim que o Sol nasceu magnífico em meu quarto, sentia tanta saudade de um belo Sol que chega a doer em minha alma.

Eu olhei para os lados vendo que minha roupa que eu escolhi ontem ainda está sobre a cadeira ao meu lado, me ergo para tomar um banho bem gostoso e depois coloco meu vestido, pretendo sair um pouco hoje, passear pela rua e somente existir por um instante apenas, sem pensar e ter que decidir as coisas na minha vida. Queira poder voltar a ser criança e deixar meus pais decidirem o que é necessário para mim, mas não posso fazer isso por mais que eu deseje.

Eu coloquei um vestido simples, com um florido bonito e um cinto para marcar minha cintura, coloco um salto muito confortável para poder caminhar.

Eu saio de casa pela manhã para poder lanchar, pego a minhas chaves na gaveta e saio pelo portão, caminhado pelas ruas.

Foi quando fui atingida por um corpinho bem pequeno, eu olhei para baixo vendo Alec me abraçando, eu sorrio para mesmo pegando ele no colo. Logo em seguida um corpinho chegou estendendo a sua mão para mim, Jane parecia muito feliz em ver, eu peguei sua pequena mãozinha caminhando.

Foi então que uma senhora que aparenta ter a idade para ser minha mãe chegou bem perto, Marcus começou a acelerar os passos para segurar o braço da mulher.

__ Ágata não é bem assim, parece de ser dramática __ Marcus falou tocando o braço da mulher que se virou para ele irritada.

__ Você está jogando meus netos contra mim, eu percebo isso cada vez mais __ A mulher falou vindo em minha direção, as crianças não quiseram ouvir ou ver a mulher se encolheram contra meu corpo.

__ Eu não fiz nada, você que fica falando coisas que eles não gostam e colocam a merda dessa culpa em mim __ Marcus falou parando bem perto ao meu corpo, ele tinha um tom de voz muito pouco alegre.

__ Você não tem a menor capacidade de tomar conta dos meus netos com essa sua atitude, por isso irei levar eles comigo __ Ágata falou para o Marcus que somente fez uma cara de quem tinha tomado um tapa.

Eu recupero um pouco de minha coragem caminhando poucos passos até chegar em Marcus, com a cara e a coragem inclino meu corpo para cima e para frente e lhe deixo um leve beijo nos lábios.

Foi como tocar um Marshimello com meus lábios, foi um leve selar mais para deixar claro a minha intensão.

__ Vocês já tomaram café? Eu estou com tanta fome __ Falei para ele soltando a mão de Jane e alisando seus cabelos, ele se voltou para mim.

__ Eu estava prestes a pedir o café quando Ágata chegou, então as crianças te viram e saíram correndo, como foi sua noite? __ Ele falou envolvendo minha cintura com seus braços __ Ágata essa é a minha noiva que eu tinha comentado.

Eu olhei para mulher a minha frente, analisando um pouco sua imagem, ela não me parece uma pessoa de ruim coração, mas não julgue um livro por sua capa, ela tem olhos olhos incrivelmente azuis e os cabelos em um bem escuro de castanho que se assemelha ao preto, sua estatura não é baixa, mas também não é alta.

__ Finamente pude te conhecer, eu acabei de chegar a Volterra, estava fazendo uma especialização __ Falei estendo minha mão para cumprimentar ela que me olhou de cima a baixo.

__ Você recaiu de seu pedestal, depois de ter minha filha decidiu que o melhor é ficar com uma versão mais feia dela __ A mulher falou me olhando, eu recolho minha mão olhando seriamente para a mulher.

__ A senhora não é muito educada pelo que eu pude observar, meus bebês teram muita sorte em não conviver com alguém muito mal amada como você __ Falei colocando o pequeno Alec no chão, eu olhei para ele alisando seus cabelos __ Vão se sentar na mesa, Marcus e eu já estamos indo.

Eles me olharam sorrindo e correndo em direção a mesa, eu olho para mulher que segurou meu braço com força, eu me soltei.

__ Eu vou ficar com as crianças, você quer que eu peça seu café da manhã? __ Eu falei beijando seu rosto antes de olhar para as crianças.

__ Eu quero um café forte com um pão a francesa, peça para as crianças coisas não muito doces e não deixem elas tomarem outro suco __ Marcus falou com carinho antes de me puxar para um leve selinho.

__ Eu estarei esperando você, não demore temos que falar sobre nosso casamento __ Eu falei limpando os lábios dele que se sujou com o batom.

__ Você só pode estar de sacanagem com minha cara, quem essa mulher é e porque raios está fingindo estar em relacionamento com você? Você sabe que minha filha foi assassinada por se casar com ele? __ A mulher me falou com uma voz ácida de raiva, eu olhei para ela percebendo que ela atingiu bem no ponto fraco ele, Marcus recuou um pocluco atrás.

__ Eu sei toda a história, lamento por sua filha, mas não estou nesse relacionamento obrigada e se irei me casar é porque eu desejo me casar, e ninguém está fingindo um casamento, iremos nos casar __ Eu falei irritada com a petulância dessa senhora em me desafiar dessa forma.

__ Vocês dois iram cair com esse teatro, irei provar que não é real essa merda e irei ficar com meus netos __ Ela falou dando as costas e saindo andando como se nada tivesse acontecido, eu fiquei ali parada ao lado de Marcus vendo ele ir embora.

Eu toquei seu braço com delicadeza, ele se voltou para mim ainda um pouco pálido pelo que aconteceu, eu seguro seu braço com todo carinho. Eu puxei seu corpo em direção aos meus braços e abracei o mesmo que devolveu com carinho.

__ Eu sei que doi muito ouvir que foi sua culpa, mas não foi Marcus, eu jamais me casaria com um assassino, está tudo bem, vamos ficar nos quatro juntos __ Eu falei tocando seu rosto nesse momento de sua fragilidade apresentada pelas palavras de sua ex sogra.

__ Obrigado, você não sabe o quanto eu sou grato por você ter feito isso por mim, eu estava quase perdendo esse embate com ela __ Ele falou com tanta intensidade em sua voz que eu quase me dereto em seus braços.

__ Você é um bom homem, ama seus filhos e eu não vou deixar tomarem seus filhos de você, me casar com um desconhecido nunca foi meu sonho, mas eu sempre sonhei me casar então tudo bem __ Eu falei contornando seus lábios com meu polegar, ele me puxou para seu corpo, eu sinto meu coração disparar em meu peito.

__ Eu te farei feliz, te darei filhos e viveremos todos juntos __ Marcus prometeu tocando minha cintura, eu puxei seu corpo para ter mais de seu toque __ Vejo que apesar de achar estranho, nosso casamento não será de fachada.

Eu sorri para ele me erguendo do chão um pouco para poder colar meus lábios no dele, desejo saber se beijar ele é como estou pensando, passei minha viagem inteira pensando em como seria beijar outro homem, ele passou sua mão direita da minha cintura para meu pescoço, meus pelos começam a se arrepiar, molho meus lábios com desejo de fechar meus lábios em volta do seu.

__ Você deseja que eu te beijei aqui? __ Marcus falou apontando para o ambiente na qual estamos, eu virei meus olhos colando nossos lábios.

Ele me empurrou para trás encostando meu corpo em um muro ao nosso lado, sinto meu coração disparado, minhas mãos grudam em seus cabelos para aprofundar meus beijos, seus lábios são macios como nunca tinha provado, ele desceu sua mão para minha cintura.

__ Eu estou perto de perder o controle então vamos tomar café da manhã __ Ele falou soltando meu corpo olhando para trás.

Eu respiro fundo uma vez, outra vez tentnaod controlar minha respiração, ele puxou meu braço pelas mãos em direção a cafeteira onde as crianças nos estão esperando. Eu tento controlar o tremor de minhas pernas enquanto começo a andar, quando chegamos nos bancos, me senti pegando o cardápio. Ele me olhou com minhas mãos levemente trêmulas e começou a rir.

__ Eu não sabia que tinha esse efeito nas mulheres, mas é bom saber __ Ele falou rindo um pouco da minha personalidade nada dominante.

As crianças começaram a comer assim como nos dois em um silêncio quase absoluto, eu pedi um cappuccino bem preparado, com panquecas, as crianças ficaram com os ovos mexidos e iogurte natural.

__ Ela te atormenta dessa forma sempre? __ Perguntei levando mais uma colher até meus lábios, ele suspirou colocando seu garfo na mesa.

__ Você não viu nem a metade, você parou ela bem no meio de sua ameaça diária, ela sempre quer encontrar as crianças, dizer que eu matei a mãe deles e que irá levar eles __ O mesmo comentou tocando os cabelos de seu filho que está ao seu lado.

__ Isso não foi culpa sua, ninguém tem o controle sobre as outras pessoas, principalmente as malucas, eu lamento pela sua perda de verdade __ Falei estendendo minha mão para envolver seus dedos dentre os meus, ele sorriu apertando meus dedos com os seus.

__ Eu não poderia ter escolhido pessoa melhor para estar ao meu lado, meus filhos tem uma boa intuição __ Ele falou antes de ouvirmos seu celular tocar, ele olhou para o mesmo vendo o despertador tocando na sua tela.

__ Você tem que ir trabalhar? Quer que eu fiquei com as crianças? __ Perguntei me erguendo da cadeira, ele me olhou sorrindo.

__ O meu horário de começar a me arrumar já chegou, você pode ficar com as crianças até meu irmão chegar? __ Ele perguntou se erguendo e pegando a pasta que estava no chão, eu asenri com minha cabeça.

__ Eu fico aqui até seu irmão chegar, qual deles vem buscar as crianças? __ Pergunto arrumando um pouco sua gravata que estava desarrumada, ele somente me olhou.

__ Caius vem pegar as crianças, ele vai gostar de saber que agora sou um homem comprometido __ Me informa antes de deixar um beijo em minha testa antes de me olhar nos olhos e dizer __ Serei eternamente grato pelo que aconteceu.

Eu somente confirmo com minha cabeça, eu toquei seus lábios com todo carinho do mundo, ele me beijou novamente antes de sair, tudo bem isso demasiadamente rápido, muito rápido mesmo, até pouco tempo estava namorando com uma pessoa totalmente diferente de quem irei me casar, não tinha responsabilidade e vivia na margem da vida, somente olhando o lago. Agora irei me casar, ter dois filhos e tentar reconstruir minha vida como médica, terminar minha especialização e ser pediatra, bom eu preciso ser mais do que um medo bobo, eu tomei pela primeira vez uma decisão impulsiva, pode não dar certo, mas decisões pensadas também pode não dar certo.

__ Quero brincar __ A voz de Alec soou ao lado apontando para o parquinho na minha frente, eu peguei as mãos deles indo em direção ao mesmo.

Ficamos ali por um bom tempo, eu deixei minha bolsa em um banco junto com as mochilas dos meninos, focamos brincando nos balanços e no gira-gira por um bom tempo, eles pareciam estar se divertindo bastante, em determinado momento Jane se sentou no chão com um balde do caixa de areia e começou a brincar com os objetos sendo acompanhanda por Alec. Eu me sentei no banco olhando para os dois que estavam se divertindo, essa é uma cena que eu desejo ver por um bom tempo, eu fiz a escolha que meu coração mandou então que se lasque meu cérebro, ele nunca me impediu de fazer a coisa errado, não vai me impedir de tentar acertar.

__ Você deve ser Isabella? __ Uma voz soou ao meu lado, eu me levanto um pouco assustada olhando para o homem a minha frente.

Não demoro a reconhecer a pessoa a minha frente sendo o irmão de meu atual investimento amoroso, quando Débora me contou como era a família Volturi me descreveu Caius é descrito como tendo "pele tão branca que é quase translúcida", comparável à pele de uma cebola. Seus olhos são azuis escuros, embora nublados ou leitosos como os de Aro e Marcus. Seu cabelo branco como a neve é ​​na altura dos ombros, muito próximo da cor do tom de pele e mede 1,80m de altura. Ele é muito elegante: quase parecendo estar flutuando quando ele se move. Como um dos líderes da familia Volturi, ele raramente é visto fora de seu trabalho em um momento de lazer.

__ Sou sim, você deve ser o irmão mais novo de Marcus? __ Falo me erguendo do lugar para estender as mãos em sua doação, ele apertou delicadamente.

__ Marcus tem razão, você parece lhe dar muito bem com meus sobrinhos, esperava encontra eles aos gritos, mas não, eles estão se divertindo __ Caius falou se sentando no banco ao lado das coisas de seu sobrinho, eu somente me sento novamente.

__ Alec me pediu para vir até o parque brincar, então eu os trouxe __ Falei olhando para ver o que estão fazendo.

__ Você quer dizer Jane pediu, Alec não fala uma palavra desde que a mãe morreu __ Caius falou me olhando espantado, eu neguei com a cabeça.

__ Alec falou que queria brincar, eu trouxe eles para cá, Jane só concordou em vir __ Eu explico olhando novamente para o homem em minha frente, ele tinha os olhos em um tom de curiosidade me olhando.

__ Onde foi que meu irmão te achou? __ Ele perguntou tocando meu queixo com seus dedos compridos, eu desvio de seu toque.

__ Para dizer a mais pura verdade, ele não me encontrou, eu encontrei ele __ Falei puxando minha bolsa para meu colo verificando meu celular que marcava quase a hora do almoço.

__ Você se parece com a antiga esposa de Marcus, não em sua aparência, Didyme tinha uma beleza incomparável, mas sua personalidade grita que são muito parecidas __ Caius falou se erguendo do banco e eu o acompanho __ Marcus com certeza percebeu isso.

__ Você está insinuando que eu fui escolhida por ser parecida com sua antiga esposa? Porque tome cuidado, eu sou muito sensível quando pendem para esse lado __ Eu falei pegando minha bolsa do banco e colocando na dobra do meu braço.

__ Não estava insinuando que foi escolhida por isso, na verdade Marcus não te escolheu, quem o fez foi seu filho Alec que nunca se deu bem com nenhuma das mulheres que ele tentou __ Caius falou me olhando enquanto escora na árvore atrás de seu corpo.

__ Bom, fico feliz afinal eu sou uma verdadeira sortuda, irei construir minha família __ Falei antes de subir as minhas mãos para meus cabelos arrumando os mesmo em um rabo de cavalo __ Alec e Jane venham, vamos almoçar?

Eu chamei atraindo os olhares dos dois pequenos seres que estavam a uma certa distância, Alec se levantou de automático caminhado tirando a poeira de sua roupa, Jane ainda ficou olhando um pouco para o brinquedo antes de se erguer e vir em minha direção.

__ Eles te obedecem, você me surpreende cada vez mais, Débora tem razão ao comentar que você sempre pareceu ser de outro mundo __ Caius falou me olhando com os olhos em um tom de admiração, mas não uma admiração respeitosa que deveria, eu entendo que ele ainda não me consiga me ver como alguém que vai se casar com Marcus, mas o respeito é bom.

__ Batata? __ Alec perguntou estendendo os braços para vir em meu colo, eu olhei beijando sua bochecha.

__ Você quer comer batatas? __ Perguntei arrumando seus cabelos enquanto Jane sobe no colo de seu tio.

Ele me olhou confirmando com a cabeça, eu toquei seus pequenos fios de cabelo com meus dedos, deixei um beijo em sua bochecha.

__ Eu tenho que ir para casa, mas seu tio Caius irá comprar para vocês, eu vejo vocês em breve __ Sussurro para ele com todo carinho antes de beijar sua bochecha novamente.

Eles choraram um pouco quando eu saí para casa, mas tudo aconteceu tão rápido, eu me sinto um pouco sufocada, quando cheguei perto da minha casa pude observar Débora sentada no balanço da nossa casa com o olhar distante. Mas um livro repousa em seu colo.

__ Boa tarde senhorita __ Falei com um tom de galã para cima dela que me olhou meio assustada __ O que aconteceu?

Ela suspirou meio triste, eu me sento ao seu lado no meu balanço me balançando um pouco como nos velhos tempos.

__ Felix está tendo dificuldades com seu divórcio, então as coisas que me disse no carro ficou martelando na minha cabeça, eu perguntei para ele se ele queira somente me iludir, o mesmo ficou com muita raiva __ Ela falou fechando seu livro enquanto balança seu corpo, ela tinha um olhar tão triste.

__ Nem sempre fui uma pessoa bom em conselhos, mas divórcios são complicados, você deveria entender isso __ Eu falei para ela que me olhou serenamente, seu olhar estava distante.

__ Ele pediu um dia para pensar, hoje vamos nos ver, mas não sei se quero saber o que ele tem para me dizer __ Ela falou me olhando, eu peguei sua mão com carinho.

__ A vida não é simples para ninguém, você tem que encarar a vida, um dia você irá encontrar uma boa pessoa e quem sabe não é ele? __ Eu falei me erguendo do meu lugar, ela me olhou sorrindo um pouco.

__ Fiquei sabendo do que fez hoje __ Ela comentou me observando, eu somente dei de ombros para essa questão __ Estava no consultório quando Marcus chegou, como estava sem as crianças eu perguntei por elas, ele disse que estava com você e me contou da sua decisão, fico extremamente feliz em saber que você se casará com alguém tão bom como ele.

__ Não tinha saído de casa com essa intenção, na verdade nem tinha decidido, mas ver a forma na qual ela estava tratando Marcus, ameaçar tomar seus filhos daquela forma, eu tive que fazer alguma coisa para parar ela, a única coisa que me veio na mente foi isso, mas não ter a intenção não significa não aceitar a consequência __ Falei um pouco mais animada com minha decisão, me recordar de seus lábios me deixa ainda mais feliz, ele sabe me fazer arrepiar com seu simples toque.

__ Pelo menos você está feliz, na verdade vocês, Marcus parecia feliz quando chegou no consultórios, todos estranharam um pouco, como eu tinha dito, Marcus se fechou dentro de si mesmo depois da morte dela __ Dey falou me encarnado, eu somente me permite deitar no gramado que nosso jardim tem.

__ Eu fico feliz por isso, nunca pensei que minha vida iria mudar tanto em tão pouco tempo, mas ela mudou e agora estarei me casando com um homem que praticamente desconheço __ Explico com um tom de voz moderado, eu o beijei, sei como ele beija e como seus lábios são cheios e macios, mas não é dessa forma que eu quero passar minha vida, eu preciso conhecer um pouco ele.

__ Você deveria vir comigo para casa dos Volturi hoje, conheceria um pouco da família e ainda me falaria se percebe algo entre Gianna e Félix __ Minha irmã falou se jogando ao meu lado se deitando, eu puxo seu corpo para meu rindo, mas insegura de si do que ela somente eu mesma.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...