História I matter - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Blásio Zabini, Draco Malfoy, Harry Potter, Hermione Granger, Pansy Parkinson, Ronald Weasley
Tags Drarry
Visualizações 131
Palavras 1.397
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi Bebês, desculpem a demora.
Estava muito atarefada, mas agora o ritimo de postagem vai voltar.
Espero que gostem do capítulo.
Boa leitura ❤

Capítulo 11 - Vermelho


Já era vinte de dezembro, Harry e Draco estavam na casa dos Potters, ouvindo música, sentados, um do lado do outro, no chão da sala, encostados no sofá, dividindo o fone, estavam sozinhos também.

O recesso de natal já tinha começado e os dois pararam um pouco para refletir. 

Depois do encontro que tiveram, viviam trocando selinhos escondidos, além de darem as mãos sempre que podiam. 

Harry se sentia um idiota. Estava derretendo pelo Malfoy, mas o loiro continuava sendo desprezível. 

Muito até. 

Mas os quando os dois ficavam sozinhos...Era sempre uma discussão acalorada ou um silêncio confortável, sempre acompanhado de pequenos beijos inocentes que os deixavam leves e bobos. 

Ou imbecis. Como Draco gostaria de caracterizá-los. Dois imbecis. Afinal, Malfoy gostava do moreno já fazia bastante tempo. Bastante tempo...desde a primeira vez que eles se viram. Mas aquilo era detalhe. E o loiro ficava com raiva. Ele tentou por todo aquele tempo chamar atenção do Potter e o garoto nem ligava e era só um trabalho ridículo para fazê-lo cair em seus braços. Os dois ainda formavam uma boa dupla, Remus, os parabenizou muito depois que apresentaram o trabalho sobre Edgar Allan Poe. E tudo ficava melhor quando o loiro podia encostar seus labios no moreno. 

Tudo bem que ele e Harry não tinham avançado tanto… Nem beijar, beijaram direito. E Draco queria mudar aquilo. 

-Você vai amanhã?-Potter perguntou ao Malfoy. 

-O que?-Respondeu confuso. 

-Viajar com seus pais. -Disse. 

Ah. -Murmurou. -Vou sim. Volto no dia que termina o recesso. 

-Entendi. -Harry sutilmente entrelaçou sua mão com a dele e sorriu. -Queria te ver no ano novo, na casa dos meus padrinhos. 

-Você sabe que eu não posso. -Retrucou. 

-É. -Olhou para os olhos azuis. -Desculpe tocar nesse assunto. 

-Tudo bem. -Draco olhou para a janela da sala. -Está nevando muito esse ano. 

-Uhum, ainda bem que aqui está quentinho. -Harry comentou. 

-É verdade. -Malfoy se aproximou do outro. -Vem cá. -Soltou a mão de Potter e o abraçou de lado, fazendo o garoto deitar em seu peito. -Fica melhor assim. 

Harry sorriu e começou a brincar com a mão de Draco. 

O loiro decidiu, então, mudar de música, já que eles estavam ouvindo Surfjan Stevens há muito tempo. 

Pegou o celular e colocou a música "I wanna be your girlfriend" da Girl in Red. A letra falava sobre uma garota que confessava a uma amiga seus sentimentos. Ela não queria apenas ser amiga dela, queria beijá-la até perder o fôlego. Draco esperava que Harry entendesse o recado. 

-Música legal. -O moreno disse. 

Malfoy queria socá-lo. E depois deslizar sua língua por ele. 

-É. 

Potter olhou para cima e encontrou os olhos do outro. Não entendia muito bem, mas parecia que o sonserino esperava algo dele. Que estava ansioso. 

Harry tentava entender. 

Mas nesse tempo, quando a música acabou, Malfoy simplesmente arrancou os fones de seu ouvido e também do ouvido do moreno e se levantou, guardando o celular na mochila que havia trazido, pegando um pacote de balas coloridas. 

-Quer?-Perguntou, balançando o saquinho. 

-Quero sim. 

Então, os olhos verdes de Harry presenciaram Draco se sentar novamente e ele sentiu algo diferente. Como um soco abaixo do ventre. Malfoy era muito bonito. Muito. 

-Abre a boca, Potter. -A voz arrastada do loiro se fez presente. 

O moreno obedeceu e o loiro colocou a bala vermelha na boca dele. Harry sentiu vontade de mordê-lo, mas não o fez. 

Sentiu que a bala tinha sabor morango e viu Draco pegar uma vermelha mais escura em sua boca. 

O doce manchava as mãos e a língua. 

E o loiro fez questão de lamber os lábios. Deixando-os vermelhos sangue, como se fosse um vampiro. 

Harry queria subir pelas paredes naquele momento. Então ele percebeu que sua boca também estava vermelha. 

Queria falar algo, mas sua voz morreu quando o loiro chegou perto de seu ouvido. 

-Você é bem lerdinho, Potty-Sussurrou. 

Draco já não tinha paciência e desceu os lábios pelo pescoço de Harry, manchando-o de vermelho. 

-Malfoy…-Chamou e ele o olhou imediatamente, ainda com a boca presa em sua pele sensível. -O que você está fazendo? 

O outro se afastou. 

-E não é óbvio?-O olhou nos olhos. -Tô afim de te beijar… 

-Até perder o fôlego. -Harry completou. -Aquela música era uma indireta? 

Malfoy revirou os olhos. Ele precisava de paciência. 

-Sim, Potter, era. -Falou suspirando.

-Desculpa por ser lerdo. 

Draco o olhou de novo. 

-Me agarra então. -Respondeu. -Me beija logo Potter. 

Harry o olhou incrédulo. 

-Quer que eu te agarre então? -Draco chegou muito perto dele, seus narizes já estavam se tocando. 

Logo o moreno posicionou as mãos na nuca de Draco e aproximou sua boca da dele. 

O beijo começou lento, como os selinhos que eles davam, mas logo Harry abriu a boca e deu passagem para a língua de Malfoy. 

O loiro era habilidoso em explorar a boca de Potter. 

O moreno estava derretendo. Era como se Draco fizesse carinho na língua dele com a sua própria. 

Os movimentos foram ficando cada vez mais intensos, mas os cessaram em busca de ar. 

O loiro deslizava as mãos pelos braços do moreno, que mantinha seus dedos no peito do outro. 

Os lábios vermelhos, com as cores vermelhas misturadas, junto à respiração ofegante deles deixava tudo ainda mais intenso. 

E eles repetiram. 

Harry lambia o queixo de Draco, que suspirava. 

E os dois voltavam a boca um do outro. 

Os primeiros beijos deles estavam tão incríveis, que parecia que eles já faziam aquilo há anos. 

As línguas continuaram dançando por muito tempo até Draco precisar ir embora. 

-Foi mal ser lerdo. -Potter falou sorrindo. 

-Da próxima vez…-Começou Malfoy, falando baixinho. -Perceba quando eu estiver com fogo. 

Harry se esticou um pouco para beijar o outro. Que o retribuiu. 

-Feliz Ano Novo!-Disse o moreno. -Promete uma coisa para mim? 

-O que?-Respondeu o loiro. 

-Quando for meia-noite, no dia trinta e um, me manda uma mensagem? Promete? 

Malfoy nunca pensou que Harry seria tão sentimental com ele. 

-Mando sim. -Sorriu para ele. -Mas e nosso acordo? De não usar internet? 

-Vamos estar longe…

-Tudo bem, eu mando então. Mas vc tem que me responder, rapido. -Advertiu. 

-Eu vou. 

Eles trocaram um último beijo e Draco foi embora. 

Deixou Harry sorrindo como sempre. 

Foi tomar um banho e tirou as manchas do  corante da bala de Malfoy. 

Quando desceu para sala encontrou seus pais e Prongs, que tinham ido fazer compras. 

-Olha Harry, compramos roupinhas para o Prongs, olha que fofa essa de Rena. -Lily falou sorrindo. 

-Oi mamãe, ele vai ficar tão fofooo. -Disse pegando seu cachorro no colo. 

James e a esposa perceberam que o filho estava diferente. 

-Aconteceu algo? -Seu pai perguntou. 

-Nada. -Deu de ombros. 

-Draco veio aqui?-A mãe o olhou. 

-Sim. 

-Hmmm-Os dois adultos murmuraram. 

-Aaah parem com isso. Vocês trouxeram bolacha! -Pegou a sacola de compras. -Vou comer… 

Lily e James se olharam felizes. 

Seu filho estava trilhando o próprio caminho. 

**** 

Trinta e um de dezembro chegou rápido. 

Malfoy estava na tradicional festa de ano novo que era obrigado a estar todos os anos com seu pai. 

O tal Tom Riddle estava lá também. Ele tinha revertério só em olhar para o aliado de Lucius. 

-Draco?-Pansy apareceu.-Vamos pro telhado? Daqui a pouco já vai dar meia-noite. 

O loiro assentiu. 

Os dois subiram e encontraram Goyle, Crabbe e Zabini no terraço da mansão. 

-Essa festa é um surto maior a cada ano. -Blaise comentou. 

-É mesmo. -Parkinson se juntou a eles no parapeito. -Eu não aguento mais. 

-Pelo menos a comida é boa. -Vince riu. 

-É verdade. E dá pra ver os fogos. -Malfoy apontou para o céu. 

-Tomara que todos os cachorrinhos estejam protegidos. 

-Eles estão Pansy. -Draco abraçou a amiga. -Eles estão. 

E logo começaram a contagem regressiva. 

Ao dar meia-noite, o loiro logo escreveu sua mensagem. 

E abraçou os amigos. 

Desejando-lhes um bom ano. 

-Pior que esse, não vai ser. -Zabini riu. 

-Eu espero. -Greg completou. 

E na casa de Sirius e Remus, Harry abraçava os pais, Ron, Hermione, Teddy e seus padrinhos. E sorrindo muito, viu a mensagem de Draco. Se sentindo feliz e completo. 

"Feliz ano novo, Potty. 

Tomara que você quebre a perna e não jogue no próximo período. 

Ou talvez você fique bem mesmo, para poder vir me agarrar quando quiser. 

Espero que sua noite seja boa. 

Mas nem tanto. " 

É, seria um bom ano. 







Notas Finais


Bem, é isso. Oq acharam? Harry e Draco mereciam, não? Me digam nos comentários.
Até o próximo ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...