História I miss you (Nighthate) - Capítulo 9


Escrita por: e LimoKing_

Postado
Categorias Undertale
Personagens Personagens Originais, Sans
Tags Hate, Nighthate, Nightmare, Sad, Yaoi
Visualizações 46
Palavras 2.068
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Heya, turu paum

Aqui eh a @BlueColor

Esse cap eu e a Limo fizemos meio q um RPG, uma parte eu e ela fizemos juntas, e o resto eu que completei, e a Limo fez a gentileza de melhorar o cap pra mim. Mais uma vez, vlw Limo (*-*

Dito isso...

Boa leitura.

Capítulo 9 - Primeira valsa


Faz tanto tempo desde o dia que eu te beijei — Hate pensava alto. A leve brisa colidia com suas bochechas fumacentas, era agradável, o cheiro fresco da natureza invadindo suas narinas, tão fascinante, sentia-se invólucro de "esperança". Tudo isso, o lembravam de Nightmare. — Amor, você sabe, eu sinto sua falta.

**Lembranças on**

Hate e Nightmare mais uma vez estavam a sós, isolado de todos, basicamente na AU do Hate, ambos no antigo estabelecimento abandonado do Grillby's.

— Então... Hate, por que você quis que eu viesse para cá? — Pergunta Nightmare sentado no balcão, confuso ao lado de Hate.

— Sério isso? — Indagou retórico. Hate subiu em cima do balcão e passou para o outro lado, foi até uma prateleira e retirou de lá uma embalagem de "chocolate", esticou a mão. — Toma, eu sei que você gosta... na minha AU não tem muito o que comer...

— Valeu. — Responde Nightmare pegando a embalagem de chocolate e abrindo a mesma dando uma mordida no alimento. — Você quer? — Ofereceu estendendo o braço – que segurava o doce – na direção de Hate.

Hate manteve-se em silêncio, apenas negou balançando a cabeça negativamente. Hate sentou-se no balcão e fitou Nightmare, De fato havia seus motivos ocultos, porém não era a Hora de revelá-los -pelo menos não agora- , deixaria que tudo fluísse como a chuva de flocos de neve, no seu devido tempo.

— Sobra mais então hehehe. — Diz Nightmare dando outra mordida no chocolate.

Hate apenas faz uma cara de "é sério isso?" mas continuou fitando o de tentáculos.

Hate se perdia quando ficava olhando Nightmare, às vezes, pensamentos impuros surgiam em sua mente. Quando Nightmare percebeu que Hate o fitava, o primeiro citado diz:

— Tira foto que dura mais. — Diz Nightmare dando outra mordida no doce.

Hate revirou as órbitas e ergueu seu dedo indicador — 1: eu não tenho câmera ou celular.  — Ergueu 2 dedos. — 2: a Câmara quebraria. — Hate sorria de canto.

— Claro, desleixado do jeito que você é hahahaha. — Responde Nightmare tirando sarro.

— não me compare a você amoeba. — retrucou alargando o sorriso. — não sou eu que sempre "perde" contra o Dream.

— Amoeba é a tua bunda. — Diz Nightmare mostrando o dedo do meio. — E agora tu pegou pesado seu viado.

— eu não tenho bunda seu Animal. — Hate soava com indignação. — Senta e gira no meu pau. Melhor do que esse seu dedinho... — Hate desceu do balcão. — você quem começou, não vem dá uma de coitadinho.

Nisso, Nightmare cora.

— S-seu filho de uma..... Melhor nem comentar 7-7 — Diz Nightmare mega corado.

— Nem importa, eu não tenho pais. — Hate sorriu travesso ao notar o rubor de Night. — ora, ora... Suas bochechas estão coradas?

— NÃÃÃÃOO, é que eu me bati feito um demente. — Disse Nightmare sendo sarcástico.

— Haha sério? Vc acabou de admitir... Eu realmente não esperava isso de você Mare — Finalizou sorrindo de canto.

— Uh.... Cala a merda da boca vai 7-7 — Responde Nightmare dando outra mordida no chocolate.

— vem calar polvo, vou te comer no jantar! — Retruca maliciosamente. Hate sorria de forma maliciosa para Nightmare fazendo com que o mesmo ficasse corado.

— Wtf, se ta drogado cara? — Disse Nightmare corando mais uma vez.

— eu fiz proerd filho da puta — Riu baixo.

— Já tomou no cu hoje? — Diz nervoso.

— não, mais eu posso tomar no seu... — pausou. — se você deixar •u•

— É O QUÊ? Se bem que não é uma má ideia.... A não pera.... — Pausou. — EU NÃO FALEI NADA NÃO 0/////0

Hate corou levemente, porém logo um sorriso malicioso elevou-se em seus lábios ósseos. — vc quer Mare?

— Uuuuhh melhor não 7////7 — Diz Nightmare corando levemente. — O que é aquilo? — Diz descendo do balcão e indo para um canto do local abandonado.

— O que foi? — Perguntou curioso.

— Não lhe interessa fumaça de chaminé. — Responde Nightmare na maior ignorância.

— Se não me interessasse eu não estaria perguntando, lula com TPM. — Responde Hate retrucando a patada de Nightmare.

— Filho da puta! — Disse já impaciente e pegando o tal objeto que estava jogado no estabelecimento abandonado. — Que porra é essa?

— É um CD não tá vendo? — Diz Hate na maior grosseria.

— Jura? — Diz soando com indignação. — Achei que era um unicórnio.

Hate simplesmente revira as órbitas e diz:

— Tá tá, me deixe ver isso. — Diz tirando o CD que estava na mão de Nightmare a força. — está bem intacto, não possui riscos ou algo do tipo, com o tempo que deveria estar aqui ele deveria ter alguma marca ou algum arranhão, mas parece novo em folha.

— Tá, e o que a gente faz? — Questiona Nightmare. — tem algum Jukebox ou algo do tipo que funcione nesse fim de mundo?

— Tem um Jukebox ali, mas eu não sei se está funcionando ou não.

— Então, por que não testa? — Questiona Nightmare cruzando os braços.

Hate apenas lança um olhar de "cê tá brincando?", suspira e vai até a um jukebox velho e empoeirado que já estava conectado na tomada, mas Hate tinha certeza de que não funcionaria, o objeto era muito velho e empoeirado, possivelmente não funcionaria, mas por que não tentar? O maior simplesmente aperta um botão verde cujo em cima dele estava escrito "on" e o jukebox por incrível que pareça ligou. Hate se surpreendeu com o funcionamento do antigo objeto, pelo fato daquele aparelho ser velho e o local onde Hate e Nightmare se encontravam não possuir algum tipo energia elétrica, então meio que aquilo funcionou como algum tipo de magia, milagre e etc.

— O quê?! — Questiona Hate com uma certa indignação. — Mas... Como? Aqui não tem energia elétrica e isso tá velho demais pra funcionar.

— Milagres acontecem. — Responde com tranquilidade.

Hate suspira e coloca o CD dentro do jukebox e aperta o botão que dava play na música, e a mesma começa a tocar uma calma e bela melodia de um piano. A melodia era calma, a bela música entrava nos ouvidos inexistentes de Nightmare e Hate fazendo ambos relaxarem. Hate se direciona até Nightmare, e quando chega perto do mesmo, Hate diz:

— Aceita dançar comigo, "Cinderela"? — Questiona Hate oferecendo sua mão para "dançar".

— Mas é claro, "príncipe encantado"! — Aceita segurando a mão fumacenta de Hate.

Assim que Nightmare segurou a mão de Hate, o mesmo rapidamente puxa Nightmare para mais perto de seu corpo e em seguida coloca a outra mão livre nas costas de Nightmare que se surpreendeu com o ato repentino de Hate, mas logo colocou sua mão livre nas costas de Hate, então, ambos começam uma calma e lenta dança. Nightmare e Hate dançavam em sincronia, ambos concentrados sentindo o calor de seus corpos esqueléticos. Enquanto dançavam, Hate tira sua mão das costas de Nightmare colocando-a na bochecha do de tentáculos, em seguida, ambos aproximam seus rostos a ponto de sentir a respiração de um do outro, até que enfim juntaram seus lábios ósseos formando um beijo calmo, Nightmare se assusta com o ato de Hate mas logo acaba cedendo ao beijo. Logo, Hate pede passagem passando a "língua" sobre os dentes de Nightmare que imediatamente abre passagem, Hate explorava cada região da boca do de tentáculos que soltou uma das mãos de Hate e colocou sua mão no peitoral do maior. Hate põe uma de suas mãos fumacentas nas costas inexistentes de Nightmare a alisando, enquanto a outra mão ia rumo a bunda inexistente do menor que gemeu baixo ao sentir a mão de Hate apertar um pouco sua bunda e trazer seu corpo para mais perto do maior. A língua de ambos brigavam por espaço formando uma dança viciante, mas Hate sai vitorioso e explora cada região da boca de Nightmare novamente com a "língua". Então, são separados pela falta de ar.

*huf* *huf* Então, quem é o seu príncipe encantado agora, cinderela? — Disse Hate corado e arfando por causa da falta de ar.

*huf* acho que *huf* você *huf*  hehehe. — Responde Nightmare também corado e arfando.

A música ainda tocava, o dois aproveitaram e continuaram a dançar, só que desta vez, Nightmare abraçou Hate e deitou a cabeça no ombro de Hate, e o maior apenas abraçava a cintura de Nightmare que mantinha suas órbitas fechadas, Hate fez o mesmo, apenas fechou suas órbitas e assim ficou abraçado ao de tentáculos ouvindo a melodia que fazia ambos no local ficarem tão próximos naquele momento.

**Lembranças off**

Hate mais uma vez encontrou-se perdido nas memórias onde Nightmare estava incluído, Hate novamente chorava por causa da perda que o mesmo teve, perder Nightmare foi a pior coisa que já lhe aconteceu em sua vida. Nightmare era o único que fazia Hate ter um motivo para sorrir, se divertir e ter um pouco de paz, mas com Nightmare morto Hate acabou por perder a paz que tinha quando Nightmare ficava consigo, grande parte das vezes Hate se pegava chorando pela falta que o de tentáculos lhe causava, queria vê-lo novamente, queria ver o rosto de Nightmare novamente, queria poder toca-lo, beija-lo, abraça-lo, mas o destino acabou separando os dois. Hate geralmente se culpava por não ter protegido Nightmare aquele dia, deveria ter feito mais do que ficar apenas olhando, deveria ter lutado ao seu lado, mas já era tarde. Hate se senta no chão e começa a lembrar da música que ele e Nightmare dançaram juntos, então, Hate simplesmente começa a cantar a música.

— Vim para lhe encontrar,

Lhe dizer que sinto muito

Você não sabe o quão amável você é

Eu tive que te encontrar,

Te dizer que preciso de você

Dizer que te escolhi

Me conte seus segredos

E me faça suas perguntas

Oh vamos voltar para o começo.

Correndo em círculos,

Perseguindo a cauda

Cabeças em uma ciência à parte

Ninguém disse que seria fácil

É uma pena para nós nos separarmos

Ninguém disse que seria fácil

Ninguém jamais disse que seria tão difícil

Oh me leve de volta para o começo.

Eu só estava pensando

Em números e figuras

Colocando os quebra-cabeças separados

Questões da ciência,

Ciência e progresso

Não falam tão alto

Quanto o meu coração

Mas diga que me ama,

Volte e me assombre

Oh, e eu corro para o começo

Correndo em círculos,

Perseguindo a cauda

Voltando a ser como éramos

Ninguém disse que seria fácil

Oh é uma pena nós nos separarmos

Ninguém disse que seria fácil

Ninguém jamais disse que seria tão difícil

Oh estou voltando para o começo

Hate terminou de cantar a música chorando mais ainda. Aquela música também lhe traziam boas memórias de Nightmare, memórias que Hate jamais esquecerá. Lágrimas caiam sem parar das órbitas de Hate e rolavam sobre suas bochechas fumacentas, algumas caiam rápido e outras bem lentamente, aquelas lágrimas não eram de tristeza, mas sim, de dor, de saudade, a falta de Nightmare doía mais do que outra coisa no mundo. No momento de dor, Hate sente uma energia, uma presença, como se alguém estivesse ao seu lado. Quando Hate olha para o lado, ele se depara com a figura de Nightmare sentado ao seu lado, o maior imediatamente entra em choque. — N-Nightmare?! — Hate questiona surpreso e em choque, a figura de seu amado estava sentado bem ao seu lado. A figura de Nightmare apenas vira sua cabeça na direção de Hate e diz:

— Não tenha medo Hany, sou eu, Nightmare, e apenas vim para lhe dizer que eu ainda te amo, e sempre que se sentir sozinho, quero que lembre de que eu sempre estarei ao seu lado. — Disse o espírito de Nightmare fechando suas órbitas, mas em seguida, ele os abre novamente.

— Mas, como? — Questiona Hate. — Como se eu nem posso vê-lo ou lhe tocar, eu estou te vendo agora, mas e depois quando você sumir?

— Ouça Hany, eu sempre estou ao seu lado, observo tudo o que faz, independente se você pode me ver ou não, sinto falta dos teus carinhos, da sua arrogância, dos teus xingos, do seu amor. — Disse o espírito de Nightmare. — Gostaria muito de lhe abraçar e te dar um beijo mas... Infelizmente não posso tocar-lhe, e eu preciso ir agora... Eu te amo Hate, adeus... — Disse a figura sumindo em um piscar de olhos.

— Eu... Eu também te amo Mare *snif* — Finaliza Hate fechando as órbitas ainda sentindo as lágrimas caindo, em seguida, um pequeno sorriso elevou-se em seus lábios ósseos, finalmente pode ver Nightmare, mas não pode matar a vontade de tocá-lo, enfim disse. — Mas mesmo assim... Eu ainda sinto sua falta.


Notas Finais


Música da dança e a que Hate canta.
https://youtu.be/RB-RcX5DS5A

Até a próxima ,_, 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...