História I Need U... - Park Jimin - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Mistério, Narração, Park Jimin
Visualizações 164
Palavras 1.664
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, pessoal. Peço desculpas por andar meio sumida (meio? Rsrs). Eu estive ocupada com um concurso de desenho no qual participei e, felizmente, ganhei em segundo lugar! Estou muito feliz por isso, mas, é claro, eu não me esqueci da história. Vou continuar ela devidamente agora. Então, aqui está mais um capítulo. Espero que gostem.

Capítulo 42 - Sea - O Fim Está Próximo


Fanfic / Fanfiction I Need U... - Park Jimin - Capítulo 42 - Sea - O Fim Está Próximo

1 de Fevereiro, 9:51 da manhã 
P.O.V Sophie 


Sophie: Mãe... 

Ela me olhava, sem reação. 

Elize: Liz... 

Liz... Aquele apelido era muito familiar para mim. 

Sophie: S-sou eu... Eu... Estou aqui. 

Ela me olhou por alguns segundos, me estudando. Então, logo um sorriso surgiu-se em seu rosto. 

Elize: Eu sonhava com isso. Todos os dias. _ disse ela, com tamanha calma. Seus olhos se encheram de lágrimas _ Eu não estou louca. 

Eu simplesmente a abracei. Senti como se estivesse em casa naquele momento. 

Depois de alguns segundos, eu a soltei. Ela me olhou. 

Elize: Mas como? Como isso é possível... Que você esteja aqui, na minha frente...? _ perguntou ela, incrédula, com sua voz calma. 

Jimin: É melhor entrarmos. Temos muita coisa para contar. 

 [...] 


Eu e Jimin estávamos sentados em um sofá na sala, enquanto minha mãe estava na cozinha, preparando café para nós. Minha mãe realmente era bastante parecida comigo em algumas coisas. Por exemplo, o fato de achar que café é o tempero de um longo assunto. 

Sophie: Esse lugar... É tão... Familiar. 

Jimin olhou ao seu redor, observando a sala.

Jimin: Entendo. Você vinha para cá sempre que tinha uma folga na agência e sua mãe não estava ocupada com coisas do trabalho. Ás vezes, você me chamava para vir também. _ ele olhou para um quadro na parede das escadas com uma pintura de um campo de flores e sorriu _ Sabe... Ás vezes eu tinha medo... De que sua mãe não gostasse disso. Tinha medo de que ela não gostasse de mim e, por  isso, eu era meio atrapalhado perto dela. Ela era bastante séria quando eu estava por perto, [Risos]. Depois que você... Foi embora, ela passou á me tratar melhor... Como... Como se eu fosse... Da família. 

Eu fiquei pensativa. 

Jimin: Está vendo aquele quadro? _ disse ele, apontando para o quadro na parede das escadas. 

Eu observei o quadro. 

Sophie: Sim. 

Jimin: Sua mãe o pintou. 

Eu olhei para ele, surpresa. Ela era realmente MUITO boa com pinturas.

Sophie: Não pode ser... 

Jimin riu. 

Jimin: Ela tem bons talentos artísticos. Te ensinou alguns, mas de acordo com ela, você não teve tanto interesse em melhorar, [Risos]. 

Sophie: [Risos], bom, eu realmente sei desenhar um pouco... Mas acho que não tenho tanto interesse nisso. 

Jimin riu. 

Jimin: Parece que você não mudou mesmo.

Ele sorriu levemente. Senti sua mão tocando a minha e, em seguida, minhas bochechas queimando. Eu sorri e abaixei a cabeça. 

Logo minha mãe apareceu com uma bandeja com 2 xícaras de café nas mãos. Nós rapidamente distanciamos nossas mãos. 

Elize: Peguem. _ disse ela, sorrindo levemente. Sua voz era incrivelmente calma.

_ Obrigada. _ eu e Jimin agradecemos, quando pegamos as xícaras. 

Ela colocou a bandeja em cima de uma pequena mesa de vidro em nossa frente e se sentou em um pequeno sofá ao nosso lado.

Eu não tinha percebido antes, mas, quando olhei melhor para minha mãe, percebi que ela era realmente bonita. Ela estava razoavelmente em forma, seus cabelos eram mais escuros que os meus e alcançavam um pouco abaixo do ombro. Sua característica física que mais se parecia com a minha eram os olhos. Eram olhos bem evidentes, talvez até mais bonitos que os meus. Era o que mais me chamava atenção nela.

Elize: Mas... Me expliquem. Como... Como isso é possível? O que aconteceu...? Como... [Suspiro], há tantas perguntas á se fazer. 

Jimin: Entendemos, Sra. Kim. Nós também ficamos confusos no início. 

Sophie: Antes de contar... Queremos que saiba que... não temos certeza de tudo isso. _ falei, um pouco triste _ É uma possibilidade. 

Elize: Mas... O que é? 

Jimin contou desde o início, quando cheguei na Coréia. Cortou algumas partes que, receio que seriam bastante... Vergonhosas. Contou sobre sua teoria e sobre minhas visões. Minha mãe parecia mais tranquila, como se tudo aquilo estivesse certo e não a deixasse nem um pouco confusa. 

Quando Jimin terminou de contar, ela ficou pensativa por alguns segundos, quando de repente... Ela pareceu surpresa. 

Elize: Isso não é possível... Não pode ser... 

Eu e Jimin ficamos sem reação, tentando entender. 

Minha mãe se levantou e foi em direção á uma estante. De lá, ela pegou 3 livros de cor azul marinho. Em seguida, voltou, vindo em nossa direção. 

Elize: Desde que... Desde que Lizzie... Foi embora... Eu passei á ter sonhos. Todas as noites os mesmos sonhos. _ disse ela, virando algumas páginas de um dos livros. 

Lizzie: Que tipo... Que tipo de sonhos? 

Ela colocou dois livros na pequena mesinha de vidro em nossa frente, e me entregou o livro que ela verificava. 

Elize: Vejam. 

Eu abri o livro que ela me entregara. Na primeira página, eu e Jimin vimos um desenho. 

Elize: Resolvi desenhar o que via em meus sonhos 8 dias depois que você... Foi embora. Esse foi o terceiro sonho que tive.

O desenho era de uma pequena menina usando um longo vestido. Por algum motivo, minha mãe havia pintado apenas o vestido, com a cor vermelho. Ela estava de olhos fechados, como se estivesse triste. No chão, havia uma caixa completamente quebrada, com uma plaquinha que dizia "memórias".

Sophie: Esse desenho... Eu o entendo. A menina de vestido vermelho... Sou eu. A caixa são minhas memórias. 

Jimin: Isso faz sentido. Mas e o vestido? O que representa?  

Elize: Morte. 

Nós olhamos para minha mãe. 

Elize: Lizzie... Passou á beira da morte. Por isso o vestido vermelho. As memórias em troca da vida. 

Fiquei pensativa. 

Sophie: Seu sonho... Tentou avisar de que eu... Estava viva?

Elize: Depois desse sonho... Por algum motivo... Passei á sentir que um dia você voltaria. 

Nesse momento, ouvimos uma voz lá fora. 

_ Elize!

A porta se abriu. Um homem entrou e a fechou. 

_ Cheguei mais cedo do trabalho. Todos foram liberados para ir para casa mais cedo. Que desculpa as pessoas não arrumam por um feriado, não é? "É feriado amanhã, vamos emendar!". 

Ele se virou, nos olhando, surpreso. 

Sua aparência e seu jeito de falar me deixou a impressão de que ele era bastante justo. Ele era um homem alto, razoavelmente em forma. Sua pele era clara e seus olhos eram uma fusão entre verde e castanho. Até que era bem vestido. Os cabelos eram curtos e castanhos e sua barba o deixava com uma aparência séria. 

Embora parecesse surpreso, logo surgiu-se um sorriso em seu rosto.

_ Ah, [Risos]. Por que não me avisou que teríamos visitas? _ disse ele, com sua voz grave. 

Eu e Jimin olhamos para minha mãe, confusos, enquanto ela nos olhou com uma expressão de "O que vou explicar para ele?". 

Elize: Meninos, esse é Aidan Clarke... Meu marido.

Que eu me lembre, Jimin havia me dito que minha mãe havia se separado de meu pai. Em meu diário, eu havia escrito que minha mãe havia conhecido um homem de quem ela estava se interessando. Quer dizer que... Nesse tempo que eu estava longe... Ela se casou? 

Ele sorriu levemente. 

Aidan: Entendo um pouco de coreano, graças á Elize. Sou professor de Geografia no colégio Spring. É um prazer conhecê-los. 

_ Igualmente. _ eu e Jimin respondemos, já que ele estava falando em coreano.

Aidan nos observou por alguns segundos. 

Aidan: Eu conheço vocês. Ele não é aquele... Aquele cantor coreano? 

Elize: Sim. Namorado de minha filha do qual eu contei.

Aidan: Nossa. Que bom recebê-lo aqui. 

Quando Aidan ia dizer mais, olhou para mim e seu sorriso desapareceu.

Aidan: Você... Eu conheço você... Lizzie? 

Elize: É uma história complicada, Aidan. Sente-se. 

 [...] 


Nós contamos á Aidan algumas partes da situação, já que minha mãe havia dito que ele poderia ajudar. No final, ele ficou com uma expressão que eu já esperava: surpresa. 

Logo ele ficou pensativo.

Aidan: Deixa eu ver se eu entendi. Estão me dizendo que essa garota, cujo nome é Sophie, tem visões, pode estar vivendo algo que não é real e por isso, tem chances de ser Lizzie? 

Ele olhou para minha mãe, com uma das sobrancelhas levantadas, aparentemente duvidando. 

Logo ele voltou o olhar para nós.

Aidan: Isso... É uma história muito complicada. É coisa demais para se processar. _ disse ele, pensativo. 

Jimin: É por isso que não desistimos da possibilidade. Estamos esperando por algo que possa provar que ela é realmente Lizzie. _ disse Jimin, com uma expressão séria. 

Aidan respirou fundo. 

Aidan: Com todo respeito, rapaz. Não me leve á mal, mas... Como tem tanta certeza de que ela é Lizzie? 

Eu olhei para Jimin, incrédula, enquanto ele continuou olhando para Aidan, com uma expressão séria. Claro, ele não estava errado de certa forma, mas, a forma que ele falou foi como se... Como se eu estivesse me passando por Lizzie apenas para ter Jimin. 

Jimin: Com todo respeito, senhor, mas... Acho que você com certeza saberia diferenciar sua namorada ou até mesmo sua filha... _ ele olhou para minha mãe e depois voltou o olhar para Aidan _ de alguém desconhecido que quer apenas te usar. 

Senti vontade de rir, mas me segurei. Olhei para minha mãe e ela deu um leve sorriso. 

Aidan ficou pensativo enquanto olhava para Jimin. Quando pensei que á qualquer momento ele iria atacar Jimin com uma xícara de café...

Aidan: Certo. Você... É um rapaz esperto. Vamos acreditar em sua teoria. 

Quase deixei escapar um suspiro.

Sophie: Obrigada, senhor.

Elize: Agora, precisamos contar isso á polícia. Eles poderão investigar tudo mais rapidamente.

Sophie: Não. Ainda não. Não podemos fazer isso. 

Minha mãe olhou para mim, confusa. 

Sophie: Se a teoria de Jimin realmente estiver certa... Eles estarão por todo lugar... Disfarçados. Pode haver algum deles na delegacia e, se descobrirem, não vão pegar só eu, mas como todos que sabem. 

Aidan: Tem razão. 

Jimin: Além disso, precisamos pensar na carreira de Lizzie. Se simplesmente chamarmos a polícia, sem nenhum plano, a carreira dela estará arruinada. Todos vão saber sobre o que houve com ela e isso não será bem falado, e muito menos facilmente aceitado pelas pessoas. Vamos resolver isso assim que Lizzie estiver pronta. 

Sophie: Sim. E vai ser logo. O fim disso está próximo.  


Notas Finais


E esse foi o capítulo. Ah, e devo agradecer, pois chegamos á mais de 4000 visualizações. Estou realmente muito feliz por isso. Agradeço muito por estarem sempre presentes, lendo, comentando, favoritando... Isso é muito importante para mim. Muito obrigada.
Logo voltarei com mais capítulos :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...