1. Spirit Fanfics >
  2. I Need U >
  3. A serious conversation

História I Need U - Capítulo 120


Escrita por: e Bryhanny


Notas do Autor


Oie gente
SraScamander aquiiii
Desculpem kkk eu esqueci de atualizar a fic semana passada eu estava tão leve e descansando minha cabeça do concurso que eu simplesmente esqueci.
Desculpe vou tentar atualizar essa semana meio q bastante...
Sabem né quarentena e filho em casa e olha q o meu tem 4 anos 😅😅
Espero q gostem do capítulo.
😘😘😘
Bjo&Chero

Capítulo 120 - A serious conversation


Fanfic / Fanfiction I Need U - Capítulo 120 - A serious conversation



Pdv Ray

Se as minhas amigas me vissem agora, certamente fariam algum comentário malicioso sobre eu estar entrando no quarto do Jin a esta hora. Isto porque elas não conhecem o meu namorado...

Se bem que eu também não o conheço muito bem a ponto de saber o que exatamente ele quer falar comigo que não pode esperar até amanhã.

—Se for sobre o Jason eu quero que saiba que eu também fiquei muito surpresa com tudo... -eu começo, mas ele apenas levanta a mão para que eu me cale e depois bate no lugar na cama ao seu lado onde eu desconfiadamente me sento. —N-não é sobre o Jason?

Ele suspira ruidosamente antes de levar uma das mãos ao cabelo.

—É e ao mesmo tempo não.

—Agora fiquei confusa. -eu retruco tentando entender seu desconforto atual.

—Ray... não se trata desta ou daquela pessoa, mas a forma como tudo tem se desenrolado desde que embarcamos em Seul e que tem me deixado incomodado. 

—Desde Seul? 

Ele não parecia nada incomodado em Seul, eu penso, mas opto por deixa-lo explicar.

—Amor, eu juro que estou tentando levar numa boa, mas parece que você ainda não entendeu que estamos namorando e que é estranho vê-la de guarda baixa perto de outros homens. 

Estranho eu achar essa conversa familiar? 

—Tente entender o meu lado... -ele se levanta e caminha até a janela enquanto eu apenas o sigo com os olhos. —O que você sentiria se me visse de sorrisinhos com a minha ex ou me derretendo para a Dove Cameron...

—Espera! Do que você está falando e por que está mencionando a Dove Cameron? 

—É apenas uma comparação! -ele cruza os braços e faz um bico por minha infeliz interrupção. —O que eu quero dizer é que me incomoda ver você cercada por um monte de caras babando por você.

—Oppa, eu não fiz nada! -eu insisto. —E não tinha nenhum homem me cercando e muito menos babando por mim. 

—E o Jason? -ele pergunta.

—Amor da minha vida, como eu posso fazê-lo entender corretamente? -eu levo as mãos ao rosto lembrando que ele tinha dito que esta conversa não tinha nada a ver com o Jason. —Ele é casado, tem filhos e fez questão de mencionar isso para todo mundo ouvir. 

—Ele te pegou no colo! -ele continua teimando. —Não parece muito adequado para um homem casado.

—Você viu o tamanho dele? -eu me jogo de costas na cama com a paciência já chegando a zero. —Ele provavelmente me confundiu com uma criança. E ele te pegou no colo também, mas eu não estou nem um pouquinho enciumada.

Meu último argumento o desestabilizou já que ele soltou um pigarro e deu as costas para mim. 

—Amor, tem certeza que é isso mesmo que está te incomodando? -eu insisto. —Se quer mesmo saber a minha opinião sobre os hábitos dele, acho que ele pega no colo todo mundo com quem simpatiza. Ele praticamente rodopiou com a Sarah lá no cenário na frente de um monte de gente. Não sei porque essa neura.

—Hum... E as tatuagens? Você ficou lá admirando as tatuagens dele.

Será que esta discussão algum dia vai acabar? Para cada explicação que eu dou, ele arranja outro motivo para retrucar! O que exatamente ele quer? Pelo visto, não é apenas por causa do Jason, mas tem algo muito mais sério inflando o ciúme dele.

—Todo mundo estava lá, amor. Todo mundo falou alguma coisa.

—Eu vi. -ele suspira de novo e eu volto a me levantar e caminhar até ficar ao lado dele. —Mas não gostei.

—Do que exatamente? De eu elogiar a tatuagem dele?

—De você ter uma e eu nem saber. 

Desta vez o seu tom parece mais triste do que no começo da conversa. 

—Mas...

—Pode parecer besteira, mas quando eu vi o Tae e o Kookie lá com a maior intimidade falando sobre algo que você tem, eu fiquei incomodado porque como seu namorado é esperado que eu soubesse, você não acha?

—É tão pequenininha, oppa! Nem vale a pena uma D.R. 

—Será que não? -ele me encara com o cenho franzido. —Quanto mais eu devo guardar antes de poder abrir o jogo com você? 

—N-não precisa guardar. -eu seguro em sua mão, um pouco nervosa. —Se te incomoda, você deve sim, falar. Mas não acho que algo tão corriqueiro como esse mereça tanta atenção. 

—Eu sei... só que... pensa comigo, Ray. Pensa em como eu me senti ao ver que os meus hubae sabem mais de você do que eu! 

—Jinnie, estamos namorando há pouco menos de uma semana! - apesar da nossa diferença de altura eu levo o indicador até a sua testa e o deixo repousando lá. —Você vai ter muito tempo para saber tudo sobre mim. Tenha paciência!

—Quanto tempo o Kookie levou?

Eu devia achar engraçado a forma como ele perguntou, enquanto encarava vesgo o meu dedo em sua testa como se fosse um gatinho se preparando para caçar, mas aquela pergunta me incomodou bastante.

—Está com ciúmes do Kookie? -eu pergunto. —Então este é o motivo número três desta conversa, não é?

Estamos juntos a tão pouco tempo e já temos todos estes pontos para discutir? Ou eu desaprendi como é que se namora ou o Jin não entende nada de namoros.

—É... é claro que... n-não. -ele gagueja e segura o meu dedo entre suas mãos tentando disfarçar. 

Ele está com ciúmes, sim. 

—E você não respondeu à minha pergunta. Quão rápido vocês caminharam?

Ele é muito cavalheiro para perguntar isto de forma mais coloquial, mas eu entendi onde ele quer chegar.

—Rápido o bastante para descobrirmos que foi um erro. -eu lhe respondo soltando o meu dedo de suas mãos. 

Não tenho obrigação de dar-lhe explicação alguma.

—Então se formos rápidos também será um erro? -ele me surpreende com essa pergunta. 

—Eu não entendi. Você acha que eu te amar é um erro ou você me amar é um erro? Ou estarmos juntos é que é um erro? 

Como uma crise leve e fofa de ciúmes nos faz atirar espinhos um no outro desse jeito? E logo eu que estava levando tudo numa boa para que ele não se estressasse? Será que ele teve esse tempo todo para pensar esse tipo de coisas? 

—Eu só queria encontrar o ritmo certo para caminhar com você sem me preocupar em não estar fazendo direito e acabar te perdendo para outro. 

Mais uma vez ele caminha até a janela e suspira. Eu não aguento e caminho até ele abraçando-o pelas costas. 

—Você não vai me perder, oppa! -eu lhe digo e beijo-lhe as costas enquanto o aperto em meus braços. —Eu te amo e agora estamos juntos. É só isso que importa, não é?

—Não para mim. -ele me surpreende.

Ele não devia apenas se virar em minha direção e dizer que também me ama e pronto? Ou dizer-me que já está tarde e não é legal que eu fique em seu quarto? Custa ele ser o meu príncipe encantado agora? 

—Não quanto o seu ex está tão perto e tão intimamente ligado a você.

—C-como é? Está mesmo com ciúmes do Kookie?

—E você não estaria se me visse entrando com a minha ex no banheiro de um avião na frente de todo mundo? -ele explode e sai do enlace dos meus braços. 

—Você sabe muito bem o que nós dois fizemos lá dentro! -eu insisto tentando não me estressar ainda mais. —Ele só queria pintar o cabelo. Aqui está a prova! Sem falar que, até onde eu sei vocês dois já conversaram sobre esse assunto. É caso encerrado, Jin! Não há mais nada entre o Kookie e eu! 

—E o Taehyung? -ele lança e apesar de eu saber que é só uma indireta isso me desestabiliza. —Não há mais nada entre vocês dois?

—O-o que o Taehyung tem a ver c-com essa c-conversa? -eu me exaspero com a sua ousadia. 

—Gaguejou tanto... -ele ironiza. —Eu percebi que você ficou bem nervosa quando ele falou da sua tatuagem. 

—E daí! 

—Você acha que eu acredito mesmo naquela sua explicação de que a sua blusa levantou? 

—M-mas é claro que...

—Ray, eu sei quando você está mentindo. -e agora ele muda do irônico para o triste em um passe de mágica. —Pelo menos nesse ponto eu te conheço. 

—Por que essa pressão toda? Eu não fico exigindo que você me conte sobre os seus casos passados nem sobre o seu lance com a... como era mesmo o nome dela? Ah sim! Dove Cameron! Como saber detalhes dos meus ex vai nos ajudar no nosso relacionamento? Entenda, o que está no passado fica no passado. Esqueça-o e vamos viver o presente, ok?

—Então... você admite que o Taehyung é seu ex?

Puta merda! Esse tom de voz de me irrita de tal maneira que... Aish! Eu o encaro perplexa. Quer dizer que de tudo o que eu falei ele só ouviu isso?

—Você quer a verdade? -eu explodo já sem saco para aquela lenga-lenga. —Eu fiquei com o Tae, sim. Uma vez e isso não mudou em absolutamente nada na minha vida. Foi um momento de fragilidade meu, não que isso seja da sua conta já que na época eu não tinha nada com você. Na verdade, o Tae apenas me consolou depois de você ter me falado um monte de asneiras naquele dia. E está fazendo exatamente o mesmo agora. Quer saber do que mais? Eu gostava de você naquela época tanto quanto gosto hoje e se não fosse pela sua babaquice de homem medieval nós dois estaríamos juntos a muito mais tempo. 

Ele encara os pés sem dizer mais nada. Um pedido de desculpas seria uma boa ideia, não é? Mas ele é orgulhoso demais para fazer isso. Uma pena porque eu prometi que não me culparia mais por coisas que eu não fiz e não rastejaria de forma alguma mendigando o amor de ninguém. Se ele não é capaz de me aceitar do jeito que eu sou então eu não tenho mais nada que fazer aqui.

—Eu vou voltar para o meu quarto. -eu declaro e me viro em direção à saída.

Caramba! Eu disse que não mendigaria o amor dele, mas naquela hora eu tenho certeza de que se ele só chamasse o meu nome eu voltaria correndo para os seus braços, mas nem isso ele teve coragem de fazer. 

Eu já estava na porta quando ele enfim me chamou:

—Rayane... eu... esta conversa ainda não acabou.

O que mais ele ainda tem para dizer? Que não confia em mim? Que eu devo deixar de falar com os meninos só para ele se sentir à vontade? 

—Não precisa dizer mais nada. -eu o interrompo já com a mão na maçaneta. —Se não acredita na sinceridade dos meus sentimentos então não precisa nem vir atrás de mim e muito menos lembrar que temos alguma coisa. No fim das contas, você está dando a entender que quer a todo custo sabotar este relacionamento só porque não quer admitir que é inseguro demais para ter uma namorada. Eu sinto muito por você.

Saio do quarto revoltada com tudo. Quem ele pensa que é para me deixar assim? Ele sabia que eu não sou a donzela virgem e indefesa dos sonhos dele. Eu sou eu com todos os meus defeitos e ele disse que me aceitaria assim mesmo, mas não é isso que está demonstrando. Uma coisinha de nada e ele reage assim? Fala sério! Eu não preciso disso!

Não preciso!

Não preciso!

Se eu continuar repetindo por todo o caminho do quarto dele até o meu, que não preciso de um namorado assim talvez doa menos. Ou será que não?

Tão logo entro no meu quarto sinto a porta ser empurrada antes que eu consiga passar a tranca.

—Rayane, por favor!

É ele.

—Eu não estou falando com você! -eu vou logo explodindo, mas ele não me deixa fechar a porta e nem continuar falando. 

Ele me puxa pela cintura e tenta me beijar, mas minhas mãos vão contra o seu peito e o empurro para longe. 

—O que está fazendo? Eu estou zangada com você!

—Mas eu não quero que o dia termine conosco brigados! -ele insiste.

—Devia ter pensado nisso antes de ter falado aquelas besteiras. Isso machuca muito mais quando vem de quem amamos, sabia?

Eu quero continuar zangada com ele por um milhão de anos, mas ao mesmo tempo quero segurar em seu rosto e beijá-lo até esquecer que brigamos. Essa confusão toda me deixa irritada, sensível, triste... Nem sei como reagir a tudo. Eu só queria um pouco de tempo a sós para esquecer que às vezes até um príncipe age como ogro. 

—Não chora, meu amor! -ele me puxa e eu tento me soltar.

—Quem está chorando? Me solta! 

—Me perdoa, minha princesa! Você tinha razão! -ele me abraça ainda mais forte e eu paro de resistir, mas não o abraço de volta porque ainda estou zangada com ele. —Eu sou um cara inseguro que só sabe procurar motivos para ter ciúmes. Mas eu te amo tanto... eu não sei viver sem você! 

Ele está dizendo que eu venci? Pela primeira vez eu venço uma discussão de casal? E fico inteira até o final? Isso é de verdade?

Eu o encaro e ele, com um sorriso no rosto, aperta as minhas bochechas molhadas. 

—Não vai dizer nada? -ele insiste e aproxima o rosto do meu. 

—Vai embora. -eu lhe digo e por mais que ele esteja sendo encantador eu não tenho porque facilitar as coisas para ele. 

Se certos hábitos forem alimentados, creio que pode terminar muito mal. Não é nada fofinho ter um namorado ciumento e controlador que vê maldade em tudo e por tudo o que é mais sagrado, eu não quero que o Jin se torne esse tipo de pessoa.

—Nós dois precisamos de um tempo. -eu lhe digo e ele arregala os olhos ainda que continue segurando o meu rosto.

—Mas... eu já pedi desculpas! -ele murmura tristemente. —O que mais você quer? 

—Espaço, Seokjin. -eu respondo e seguro suas mãos a fim de soltá-las do meu rosto embora ele insista em resistir. —Para entendermos o que nos aconteceu hoje.

—V-você está... terminando comigo? 

Este não seria o namoro mais curto da história da humanidade, mas também não seria o mais infeliz.

Eu nunca terminaria com ele, mas... Kim Seokjin não precisava saber disso por enquanto. 

Aproximo os meus lábios dos dele, mas quando ele se aproxima novamente tentando me beijar, já guarda baixa, eu o empurro para fora do quarto e o vejo encarar-me confuso. Eu sei que devo me considerar a pior namorada do mundo quando ele faz aquela carinha de cachorro abandonado, mas eu já sou vacinada contra aegyo coreano.

—Amor! Vai ser assim mesmo? -ele fala já no corredor. —Você é má!

—Até amanhã, oppa! 

Não sei quanto tempo ele ainda ficou do lado de fora do meu quarto depois que eu fechei a porta, mas resisti valentemente à vontade de voltar atrás.

But no, not today.







Notas Finais


Espero q tenham gostado...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...