História I Never Let Go - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias TVXQ (DBSK) (Tohoshinki)
Personagens Max Changmin, U-know Yunho
Tags Changmin, Drama, Homin, Maxchangmim, Romance, Tvxq, U-knowyunho, Yaoi, Yunho
Visualizações 26
Palavras 1.848
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie, bem não vou falar muito, só quero dizer que assim que defender meu TCC irei retomar as fics paradas, prometo U.U
Essa OS surgiu em um momento de descanso da escrita do TCC e cá está ela!
Dani, para você! Com muito carinho! Espero que goste! E todas as cassies lindas do meu kokoro também!!!
Musica sugerida para o capitulo I Never Let Go – DBSK álbum Tri-Angle/2004(Vou deixar o link nas notas finais como de costume)

Capítulo 1 - Capitulo único: I Never Let Go


Fanfic / Fanfiction I Never Let Go - Capítulo 1 - Capitulo único: I Never Let Go

Um ano!

Exatamente hoje faz um ano que tudo aconteceu, um ano sem você, um ano de solidão, dor, lágrimas e muita saudade de nós, do que já fomos um dia um para o outro! Tantos momentos felizes juntos, tanta coisa construída, tantas palavras ditas, tantas conquistas e promessas, que no fim tornaram-se apenas lembranças. Lembranças unicamente minhas, que somente a mim machucam e fazem ter a cada dia mais vontade de poder voltar ao tempo e não permitir que tudo acontecesse.

Sinto pingos caírem em meu rosto e abro os olhos constatando que o tempo mudou e que se iniciava uma fina garoa que tornar-se-ia  uma forte chuva vinda de nuvens escuras e densas, que refletiam como meu coração estava. Olho mais uma vez para o cruzamento onde aquele acidente que me tirou você aconteceu, respiro fundo, limpo uma lágrima solitária que teimosamente cai de meus olhos e caminho em direção ao café ao qual íamos juntos sempre. Depois de muito tempo, hoje me permitiria vivenciar uma última vez as nossas lembranças, por uma última vez ocuparia a mesa que era a nossa preferida, tomaria nosso capuchino acompanhado por uma fatia de bolo de chocolate e me deixaria levar por todas as lembranças felizes que aquele lugar me trazia de nós dois, hoje e apenas hoje como forma de despedida, uma dolorida e sofrida despedida, me permitiria, pois no final do dia estarei partindo dessa cidade, desse pais que em cada canto me fazia querer o ter novamente ao meu lado. Não tinha mais volta, partiria dali deixando-o ser feliz com suas novas lembranças, com sua nova vida, para que fosse feliz.

 

 

 

----------

 

 

Escuto a buzina de um carro e o barulho de batida e olho para frente vendo dois carros, um deles virado no meio da rua e o outro estava parcialmente dentro de uma cafeteria. Rapidamente uma pequena aglomeração de pessoas se fez no local e as sirenes das ambulâncias e dos carros de polícia se aproximavam anunciando o atendimento que seria feito. Vejo um outro carro parar próximo ao acidente e de dentro dele alguém sair em disparada para perto de um dos carros parecendo estar desesperado e observo essa pessoa passar por entre os curiosos que se aglomeravam ali e se ajoelhar no chão chamando o meu nome. Me assusto ao ouvir meu nome, como aquela pessoa estava me chamando como se eu estivesse ali no interior daquele carro virado no meio da rua se eu estava aqui olhando de longe em segurança tudo que acontecia a minha frente? Continuava a escutar meu nome sendo chamado alto, e sem nem perceber caminhei me aproximando da cena e me surpreendi ao me ver dentro do carro. Mal pude acreditar ao ver aquela cena, eu estava desacordado, com sangue em meu rosto, senti um leve desconforto e me aproximei ainda mais me ajoelhando ao lado da pessoa que me chamava e chorava ao mesmo tempo, direcionei meu rosto para ver quem era essa pessoa e ao ver quem era senti como se minhas forças fossem drenadas de mim, não consegui mais me segurar e cai sentado no chão, não acreditando no que via a minha frente. Aquilo não era possível, nada disso era possível.

 

Senti mãos me balançarem e abri meus olhos, vendo minha mãe a minha frente com o semblante assustado.

 

- Você estava sonhando, foi apenas um sonho, está tudo bem! – a ouvi falar e senti me envolver em seus braços e eu institivamente a abracei de volta, sentindo a segurança que seu abraço me passava, meu coração estava acelerado e senti as lágrimas que molhavam meus olhos molharem a camisa que minha mãe vestia, mas porque eu estava chorando afinal? Depois de alguns minutos minha mãe rompeu o abraço e acarinhou meu rosto depositando em minha bochecha um longo e carinhoso selar – Quer conversar sobre o que estava sonhando meu menino? – ela me perguntou e eu respirei fundo contando a ela tudo o que havia sonhado e ela escutava cada uma das minhas palavras sem parecer se assustar com nada e antes que conseguisse perguntar qualquer coisa ela me interrompeu falando – Já está na hora de você saber o que realmente aconteceu, você finalmente se lembrou, então é meu dever como mãe lhe contar a verdade meu amor!

Olhei sem entender para ela e apenas perguntei – Que verdade a senhora está falando Omma?

Ela olhou em meus olhos, acarinhou novamente meu rosto e levantou indo ao meu closet e voltou de lá com uma caixa azul, que eu a um bom tempo não via, mas me lembrei que era nela que eu guardava minhas fotos, meu diário e outras coisas que julgava importantes para mim. A vi sentar novamente na cama ao meu lado, abrir a caixa e tirar uma fotografia e me entregar. Ao olhar a foto em minhas mãos eu fiquei sem reação, era ele, o mesmo homem que estava chamando meu nome no sonho, senti a mão de minha mãe segurar as minha e a ouvi me perguntar – Era ele no seu sonho? – eu apenas afirmei com a cabeça sem retirar meus olhos daquela foto em minhas mãos e ela voltou a falar – Você lembra dele meu filho? – lembrar? Porque ela me perguntava isso? Olhei para ela confuso e ela riu minimamente e pegou mais uma fotografia me entregando, dessa vez eu também estava ali, eu e ele em pé, eu segurava uma bicicleta e ele estava ao meu lado com as mãos no bolso de seu short, ambos sorriamos e parecíamos felizes, olhei atentamente para nós dois naquela foto e fui tomado por inúmeras lembranças vindo como uma enxurrada na minha cabeça, sentia lágrimas banharem meu rosto ao me recordar de cada momento que estive ao lado dele, de cada sorriso, de cada palavra, cada mínimo detalhe de nossa vida juntos. Eu havia esquecido, mas agora estava retomando minhas lembranças, aquele sonho não foi apenas um sonho, mas sim uma realidade, uma fatalidade que me fez apagar uma parte muito importante da minha vida, uma parte que enchia meu coração com felicidade. Olhei para minha mãe limpando as lágrimas que molhavam meu rosto e mesmo com dificuldade falei.

- Eu me lembro agora omma! Eu me lembro de tudo, onde ele está omma? – ela também chorava assim como eu, me abraçou e respondeu minha pergunta.

-Meu menino, bem vindo de volta! – ela segurou meu rosto entre as mãos, limpou as lágrimas que ainda caiam de meus olhos e falou calmamente tentando escolher as palavras – Meu menino, um ano já se passou, por todo este tempo ele lhe esperou, todos os dias ele tentava se aproximar de você, ele lhe acompanhou de perto, mesmo sabendo que você não sabia quem ele era, ele continuou todo esse tempo cuidando de você e te Amando da mesma maneira, mas eu sinto muito em lhe falar que ele está indo embora de Seoul hoje – a intensidade das minhas lágrimas aumentaram em meus olhos e meu coração bateu acelerado em meu peito machucado com aquela última frase pronunciada pela minha omma e prevendo meus questionamentos ela continuou a falar – Ele veio aqui mais cedo saber como você estava e para se despedir de mim, pediu para que cuida-se bem de você e falou que desejava que você fosse feliz, sinto muito meu amor!

Eu não podia acreditar que isso tudo era mesmo verdade, eu havia passado um ano sem ele, um ano sem o ter ao meu lado, sem ao menos me lembrar de quem ele era e agora que minhas memorias tinham retornado descubro que ele estava indo embora, que eu ficaria definitivamente sem ele, meu mundo desabava assim como a chuva que cai fora do meu quarto, meu coração e meus olhos choravam na mesma intensidade daquela chuva forte. Eu recuperei minhas memorias no mesmo dia que perderia para sempre aquele que era a pessoa mais importante para mim.

 

 

------

      

 

Sentado ali na nossa mesa eu via a forte chuva pela vidraça da janela, poucas eram as pessoas que se ariscavam transitar na rua com aquela chuva, sorri minimamente ao me recordar de todas as vezes que havíamos tomado banho de chuva, ele amava fazer isso e eu como um bobo apaixonado o acompanhava em suas aventuras e nos divertíamos muito, mesmo depois sendo repreendidos por nossas mães.

Fui tirado de minhas lembranças pelo garçom me chamando atenção, pois estava deixando mais um capuchino para mim, agradeci e ele permaneceu ali por alguns minutos, olhei intrigado para ele e falei – Algo errado? Posso lhe ajudar? – e o ouvi falar e apontar em direção à rua.

- Ali na chuva não é o rapaz que sempre vinha com o senhor aqui? – ao ouvir suas palavras olhei em direção a qual ele apontava e senti meu coração acelerar ao o ver ali na chuva, olhando fixamente para mim, levantei sem nem pensar e sai em direção a ele sem me importar com a chuva forte que cai sobre nós, parei a sua frente e mesmo com a agua que nos encharcava podia perceber que ele chorava. Ele se aproximou de mim e bateu em meu peito falando ente soluços.

- Você prometeu que nunca me deixaria, você prometeu que nunca iria embora, você prometeu e está indo embora, porque Yunho? Porque vai me deixar? -  ele falava e batia em meu peito, eu havia o escutado chamar meu nome? Era mesmo isso que estava ouvindo? Ou seria mais uma das minhas inúmeras fantasias onde ele havia recobrado suas memorias e finalmente poderíamos ficar juntos novamente?

- Changmin? – chamei com dificuldade o nome dele e ele olhou em meus olhos, segurou meu rosto entre suas mãos e respondeu.

- Sou eu meu Amor! Chagmin, seu Changmin! Eu lembrei! Lembrei de tudo e quando a omma falou que você estava indo embora eu não pude acreditar! Eu não sabia onde nem como te encontrar, mas meu coração me mandou vir aqui, então eu vim e achei você! Yunho eu não quero te perder novamente, por favor não me deixa! Não vai embora! Fica comigo por favor! – eu já chorava intensamente como ele e minha única reação a suas palavras foi o envolver em meus braços o abraçando forte, sentindo o meu coração bater acelerado de felicidade novamente, finalmente meus sonhos e desejos tornavam-se realidade e estávamos juntos mais uma vez, então respondi com as mais felizes e fáceis palavras ditas por mim até então.

- Eu não vou a lugar algum! Meu lugar é ao seu lado meu Amor! Obrigado por ter voltado para mim! Eu Amo você! – ele me abraçava forte e nós dois soluçávamos chorando alto, o peguei no colo e rodamos ali mesmo na rua chorando e sorrindo ao mesmo tempo, felizes por estarmos juntos mais uma vez, o coloquei novamente no chão e depois de um ano de muita saudade e vontade de o ter novamente, unimos nossos lábios em um beijo repleto de Sentimentos, Saudades e Amor! A Felicidade novamente nos agraciava e seriamos ainda mais felizes do que já fomos um dia a partir daquele momento até a eternidade!   


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Até nosso próximo encontro!
Xerim!!
Link da musica do capitulo:

https://www.youtube.com/watch?v=FHnvi4QEoZI


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...