História I Really Like You, Taro - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Yandere Simulator
Personagens Ayano Aishi, Budo Masuta, Taro Yamada
Tags Assassinatos, Ayano Aishi, Budo Masuta, Budo X Taro, Romance, Taro Yamada, Terror, Yandere Simulator, Yaoi
Visualizações 74
Palavras 1.233
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Crossover, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Droubble, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


oi
atualizei finalmente
e obrigada pelos favoritos <3

Capítulo 3 - Ele estava no nosso caminho...


.Taro Yamada.


Eu estou numa floresta escura. Olho pros lados; ninguém. Começo a andar, com medo 

Afinal, onde eu estou?!

Eu vejo uma pessoa...essa pessoa é...Budo?! Espera, tem mais alguém. É aquela garota. Ayana? Não! É Ayano!

Ela avança nele, e o atinge na cabeça com uma faca, fazendo o meu corpo paralisar. Lágrimas deslizaram sobre o meu rosto e eu caí de joelhos

O meu melhor amigo, assassinado.

Ela me vê, e dá um sorriu maligno. Ayano vem até mim, e segura o meu queixo. Logo, também me matando.


Acordei com o quarto escuro. Budo ainda estava dormindo, como um anjo. Esse garoto é lindo demais. 

Minha respiração está acelerada. Minhas mãos tremem e a minha mente ainda está processando. 

Olhei meu celular e vi que ainda eram 04:30. 

Sento na cama e coço os olhos. Me levanto e ando até a porta, mas ouço uma voz rouca me chamar. 

- Por que tá acordado? - Budo perguntou, sentando no colchão e coçando os olhos com as costas das mãos. 

Eu me segurei para não pular nele e apertar suas bochechas. 

- Eu acordei do nada. Por causa de um pesadelo... - Sussurrei como resposta - Vou comer. Você vem?

Budo assentiu e se levantou. Nós descemos juntos para a cozinha, e eu abri a geladeira. 

- Você sonhou com o que? - Budo perguntou, quebrando o Silêncio

- Hum... - Pensei se deveria dizer a ele - Não é nada. Depois de conto, sei la.

- Tá - Foi tudo que ele respondeu 

Fizemos um pão para cada um e comemos em silêncio. Eu queria dizer algo, mas parece que a minha voz tinha sumido. 

- Taro... - Budo Finalmente Disse algo - Você gosta de alguém?

- Hum...não - Respondi rápido 

- Ah... é que eu tô gostando de uma garota, mas ela só tem olhos para você - Ele disse com um ar triste

- Budo...desculpa - Pedi

- Não, tá tudo bem. Aliás, você quer entrar em algum clube? - Budo perguntou e eu me levantei.

- Vou pensar. Até o final da semana, eu te respondo - Respondi e subi, com Budo atrás de mim.

Acho que entrar num clube seria legal. Aliás, eu poderia passar mais tempo com ele....

Deito de novo e vejo Budo fechar a porta e também se deitar. E em minutos, eu adormeci. 


- Taro?! - Ouço me chamarem 

Viro e vejo Budo todo ensanguentado, enquanto uma garota estava atrás dele. Era a mesma garota, Ayano Aishi.

- A-ayano?! Fique l-longe de mim! O-o que você fez com o B-budo?!

Ela sorriu e se aproximou. Ayano colocou uma de suas mãos na minha bochecha, na qual ficou vermelha. 

- Ele estava no nosso caminho...


.Budo Masuta.


Acordo no meio da madrugada com Taro tendo um pesadelo. Ele estava suando e se debatendo, então tentei o acordar.

- Taro! Taro acorda! - Pedi o chacoalhando - Acorda!

Do nada, ele agarrou o meu braço e abriu os olhos. Taro sentou na cama, com a respiração ofegante e todo suado. O abracei forte.

- B-budo? E-eu... - Ele estava chorando 

- Shiu. Calma... - Pedi antes dele terminar 

Ficamos abraçados por um tempo, até o despertador de Taro tocar. Já eram 06:00. Me levantei, mas Taro me puxou novamente. Sorri e o abracei novamente.

- Só um pouco...- Taro pediu ainda no abraço.

Ficamos mais um pouco abraçados, e então ele foi tomar banho. Depois dele tomar o banho dele, eu tomei o meu. Me vesti e fui pegar a minha mochila. 

Descemos e fomos para a cozinha, na qual estava Hanako sentada frente da mesa. Sentamos e Taro foi fazer algo para nós comermos.

Nós comemos e fomos. Hanako não desgrudava do Taro, e eu ria a cada revirada de olhos vindos dele. Nós chegamos na escola e trocamos os sapatos. 

Obvio, Hanako voltou para a casa. Afinal, ela não estuda na nossa escola. Enfim, fomos para o pátio, e assim que chegamos... 

O corpo de Osana morta estava em frente a fonte. Ela estava com a barriga sangrando. 

Taro, assim que viu ela, soltou um grito e deu passos para trás. Ele correu até o corpo, chorando. 

- Osana! Osana...como alguém poderia fazer isso com você?! - Ele falava com o cadáver, já morto e fedendo.

- Taro, Vem... - Falei o puxando 

- NÃO! EU QUERO FICAR PERTO DELA! - Taro gritou se deparando nos meus braços. 

O tirei dali, e as professoras vieram ver o que tinha acontecido. Eu fiquei quieto, apenas olhando os policiais entrarem na escola. 

Taro chorava enquanto estava abraçado a mim. Ele me apertava cada vez mais. Eu apenas fazia carinho nos cabelos dele, tentando o acalmar. 

Ayano acabou tropeçando em nós, e caiu. Taro ficou com um medo dela, mas apenas não olhos para ela. 

- me perdoem! - Ayano disse envergonhada. 

Ao ver que Taro a ignorava, ela saiu rápido. Virei para Taro, meio bravo.

- Por que ignorou ela?! - Perguntei alterado 

Aí, percebi que fui muito firme com ele.

- Me desculpa, Taro. Eu só tô um pouco estressado. Nada demais... - Pedi desculpa.

O abracei novamente e passei as mãos pelos cabelos dele, novamente. Taro ainda chorava.

Alguns minutos depois, liberaram os alunos. Eu e Taro fomos embora em silêncio. As aulas do resto da semana foram canceladas, como um luto pela morte da Osana. 

- Posso ficar na sua casa? - perguntei assim que chegamos na casa dele

- Ah, pode - Taro respondeu dando de ombros 

Entrei junto dele, e vi os pais de Taro na sala. Assim que eles me viram, se levantaram.

- Budo! Que surpresa, meu jovem! - O pai de Taro me cumprimentou 

- O que faz aqui? Que almoçar conosco? - A Sra.Yamada perguntou 

- Ah, sim. E é que o Taro tá meio triste, então vim fazer companhia - respondi e eles olharam pro Taro 

- Você está triste, filho? - A mãe dele perguntou - Quer conversar?

- Não, obrigado - Taro respondeu e subiu - Me chamem quando a comida estiver pronta.

Subi atrás dele e entrei no quarto dele. Taro estava na varanda, olhando pro céu. Vou até o seu lado, e fico olhando para a expressão de choro de Taro.

- EU sinto muito - Foi tudo o que eu consegui dizer

Taro me olhou e me abraçou novamente. Não hesitei e retribui. Taro chorou no meu ombro, e eu senti um olhar sobre nós. 

Olhei em volta, mas não vi ninguém. Deve ter sido impressão minha.

Nos soltamos apenas 5 minutos depois. Taro limpou as lágrimas e foi para a cama, se deitando. Deitei ao lado dele.

- Eu sei o que está sentindo - Falei acariciando as costas dele - Mas... Eu tô aqui. Quando eu perdi uma pessoa importante para mim, eu estava sozinho. Mas você não está agora. Eu estou aqui com Você. E seja lá quem for que matou a Osana, essa pessoa não vai fazer mal algum para você. 

- Budo... - Taro virou para mim - Você tem alguma ideia de quem matou ela?

- Hum, não. Por que? - Perguntei passando a mão nos cabelos dele

- Eu tive dois pesadelos ontem. Os dois foram com a mesma pessoa. Essa pessoa matou você nos dois sonhos. 

- Quem? - Perguntei 

- Ninguém importante...


.Ayano Aishi.


Passei pela a casa de Taro e vi Ele abraçado ao Budo. Esse idiota está fazendo o que ali?! 

Passei reto. Tudo o que eu quero é voltar para casa. Não quero saber de mais garotas. Todas idiotas. 

Se eu precisar, eu tiro o Budo do meu caminho. 



Notas Finais


gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...