1. Spirit Fanfics >
  2. I Saw The Love In Your Eyes (Short-fic) CLACE >
  3. Whatever our souls are made of, hers and mine are the same.

História I Saw The Love In Your Eyes (Short-fic) CLACE - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Eu espero MUITO que vcs gostem

Capítulo 10 - Whatever our souls are made of, hers and mine are the same.


[flashback do dia 23 de março de 2020 em Malibu]


No momento em que você olha nos olhos da pessoa com quem vai passar o resto da vida, a ficha cai. 


Essa é a última mulher que você vai beijar. 


A última com quem você vai se deitar em uma cama com lençóis macios. 


Aquela que vai seguir a seu lado por todos os dias que te restam neste mundo. 


Há algo muito definitivo nisso. Só que não parece o final. 


É mais um alívio. 


Como se você tivesse trabalhado por um milhão de dias seguidos e finalmente percebesse que alcançou seu objetivo. 


Esse é o objetivo. 


Esse momento é o final feliz. Para nós dois.


Clary. 


Quando ela pisou no deque de madeira, de braços dados com o pai, tudo desapareceu...


O som das ondas do mar... não estava mais lá.


Os convidados olhando para ela, vestida de branco, descendo as escadas descalça e iniciando a caminhada pelas pedras... não estavam mais lá.


Tessa parada ao meu lado... não estava mais lá.


O padre... não estava mais lá.


Não havia nada além da Clary. 


Nunca vai haver nada além dela. 


Ela é a minha razão de existir. 


Eu não estaria aqui hoje se não fosse por ela.


Seus passos eram determinados, acompanhando a música, que eu já não podia ouvir. 


Um passo à frente do outro. Seu vestido era simples e elegante. Digno para um casamento na praia.



Tinha alças finas que delineavam o V do decote e uma linha de cristais nas bordas. Eu amava o porte dela. A forma de ampulheta com curvas suculentas. O vestido se ajustava à cintura fina e descia abrindo, ondulando na brisa de janeiro. 


O tempo em Malibu estava ameno, um dia incrivelmente bonito e ensolarado, com vinte e cinco graus. 


O dia mais importante da nossa vida.


Seus ombros, braços e pés estavam à mostra. Os únicos pontos de cor eram as ondas ruivas do cabelo e o vermelho das unhas e dos lábios deliciosos. 


E, claro, havia os olhos.


Hardin brincava dizendo que era o corpo da Clary que me deixava de quatro, mas não era. 


Eram seus olhos. 


O tom mais claro de verde, como ametista, se eu tivesse que escolher uma pedra para comparar.


Eu não queria viver num mundo em que a Clary não existisse. Ela iluminava os dias sombrios, transformava os difíceis em fáceis e os bons em maravilhosos. 


Não havia nada que eu não fizesse pela mulher que caminhava em minha direção, pronta para me aceitar em sua vida, como seu marido. 


Eu só podia esperar ser tudo que ela precisava. 


Agora e em todos os dias que estavam por vir.


— Jonathan Cristopher Herondale — o padre começou e a minha garota repetiu “Herondale” com os lábios. 


Disfarcei o riso fingindo tossir enquanto o sacerdote continuava.


— Comporte-se — sussurrei, baixo o suficiente para que só ela pudesse ouvir.


Ela piscou para mim quando o padre chegou à minha parte.


— Você aceita Clarissa Adele Fairchild como sua esposa? 


Olhei fixo nos olhos da minha garota e disse a palavra do fundo do coração:


— Aceito.


Assim que terminei, ela me presenteou com um de seus largos sorrisos. Do tipo que não é planejado ou pensado. 


Eu vivia para testemunhar esses sorrisos inesperados e maravilhosos.


— Clarissa Adele Fairchild, você...


— Aceito — ela disse, umedecendo os lábios e mordendo o inferior.


Ouvimos nossa família rir.


— Pois bem, repitam comigo — o padre foi citando as palavras.


Clary e eu falamos juntos:


— ...prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.


— Desde sempre... — ela começa.


O padre nos olha curioso.


— ... e para sempre. 


Todos abriram um sorriso sincero, apreciando o verdadeiro amor que tínhamos um pelo outro.


Sorri conforme o padre continuava falando. 


Meus dedos tremiam de antecipação enquanto eu segurava as mãos dela, esperando a parte que selaria o nosso “para sempre”.


— Pode beijar a noiva.


Ele nem bem terminou de falar e eu já estava segurando as bochechas da minha garota e devorando sua boca. 


Tinha gosto de menta e champanhe. 


Absolutamente deliciosa. 


Inclinei a cabeça e lambi seus lábios, brincando com sua língua na minha. Um gemido suave lhe escapou conforme ela derretia com o beijo, agarrando meus ombros, se aproximando mais. 


Eu vivia para experimentar o momento em que ela me agarrava forte. Provava que cada beijo significava tanto para ela quanto para mim.


Eu não queria soltá-la nunca mais. E a melhor coisa de se casar com a mulher que você ama é saber que nunca vai precisar fazer isso.

[flashback do dia 23 de março de 2020 em Malibu]



Jonathan Cristopher Herondale, 23 de março de 2023, Nova York.



Sorrio encostado nela e olho para cima. Ela agarra os lençóis com força, as costas arqueadas, a boca perfeita aberta. 


— Ah, Jace — ela morde o travesseiro e se contorce embaixo de mim.


Deus do céu, quero tanto meter meu pau dentro dela.


— Vou entrar em você, linda — mordo o lóbulo de sua orelha.


Ela geme baixo para não acordar Anna.


Agarro suas coxas e a trago de volta para mim, mantendo suas pernas no ar. Coloco-me na sua entrada, tão molhada e pronta para mim que não posso evitar gemer um pouco.


– Quero foder bem gostoso sua boceta molhada, linda.


Mordo o lábio e olho fixo para ela enquanto meto. 


Seus olhos se arregalam, não sei se surpresos com as minhas palavras ou se por causa do meu pau entrando nela. 


Para mim, qualquer uma das possibilidades serve.


Porra, ela é uma delícia! 


Não importa quantas vezes façamos amor. Sempre vai ser mais gostoso do que da última vez.


Ela goza primeiro. É lindo. Sua pele, reluzente de suor, parece resplandecer à minha frente, a boca aberta desejosa, gritando meu nome, meu nome que parece tão inacreditável nesse tom tão arfante e sensual. 


Ela estremece com o gozo, superando a sensação, e fico atônito ao ver o quanto é especial. 


Acho que mesmo depois de três anos casados com ela, ainda vai levar muito tempo até que eu me conscientize do que tenho. 


Então, eu gozo, e é como se estivesse me desaguando dentro dela, me entregando de maneiras que nunca poderia nem mesmo começar a ​expressar.


 É, ao mesmo tempo, atordoante e eletrizante, e produz meu maior sorriso.


— Por que você está sorrindo? — ela especula debaixo de mim, com um sorriso satisfeito.


— Por sua causa – digo-lhe, recusando-me a desmanchar o sorriso. — A resposta sempre vai ser você.


-– Nossa, adoro as manhãs — digo, puxando-a para mim.


Ela está tão largada e inebriada com seu orgasmo que parece moldável. Abraço- a com força, sentindo meu suor esfriar no contato com sua pele. Embora tenha toda intenção de me levantar e preparar o café da manhã, o êxtase do pós-sexo é convidativo demais para que eu me mexa.


— Feliz três anos — ela lembra.


— Eu ainda me lembro de como meu coração estava disparado ao ver você descendo descalça por aquela praia, para mim.


— Só pra você.


Ela coloca a mão em minha boca e eu a olho confuso.


— Roupa — ela levanta e me joga uma bermuda.


Clary se veste rapidamente com um blusão preto e volta a deitar na cama.


No momento que eu termino de me vestir a porta se abre e um pequeno serzinho loiro com cabelos bagunçados entra pelo quarto.


— Supesaaaa — ela bate palmas e ri.


Ela corre até o meu lado da cama e se joga em meus braços.


— E como a princesa mais linda do mundo dormiu hoje? — beijo sua bochecha direita.


Anna Fairchild Herondale tinha 2 anos e, hoje completava 7 meses, tinha meus cabelos dourados e os olhos verdes e brilhantes da mãe.


Se eu pudesse voltar no tempo com a opção de mudar alguma coisa nela, eu não mudaria nada.


— Bem bem, papai — ela ri — bo dia, mamãe — ela pula em Clary — Meu Deus, você tá suando. Mamãe, não tá calor — os olhos grandes e verdes se voltam para mim — Papi, mamãe tá doente. Ovo pegar as coisas de médica da Barbie — ela deixa um beijo na testa de Clary e saiu correndo pelo quarto.


Começamos a rir.


— Preciso de um banho — Clary diz.


— Eu também — me deito ao seu lado.


— Vamo examinar a mami — Anna vem saltitando até a cama.


— Bom dia, princesa — Clary deu um beijo em sua bochechinha e a nossa pequena riu.


— Mamãe, hoje eu faço 2 anos e 7 meses — ela mostra o 7 com os dedinhos — Assim ó. Eu meleço um bolo de chocolate glandão.


— Sabe o que você merece? — Clary pergunta e olha pra mim.


Saio da cama e vou até Anna.


— Você merece — jogo seu corpinho com cuidado na cama e ela ri.


— Um banho de cócegas! — Clary e Eu falamos juntos.


Anna arregala os olhos e nega com a cabeça. Mas não adianta.


— PARA... — ela se contorce embaixo de nós — PARA, PARA, PARA — seu rostinho fica vermelho.


Nós paramos e caímos ao seu lado.


— O que você acha de dar um banho na Lilly enquanto eu faço um bolo de chocolate pra você? — Clary diz.


— Eu posso da banho na Lilly, mami? Papai, você deixa? — ela sorri.


O tipo de sorriso que iluminaria uma sala escura.


— Claro, filha. Hoje é o dia da princesa! 


— UHUUUUUUL — ela pula na cama e nos puxa para um abraço em seus bracinhos pequenos — Vocês são os melhores pais do mundo inteiro! — ela ri.



***


— Feliz 2 anos e 7 meses pra menina mais linda do mundo — a voz de Hardin ecoa pela sala.


— Padrinho! — Anna sai correndo e pula em seu colo.


Aproveito o momento e abraço Clary.


— Ela gosta muito deles — a ruiva sussurra antes de me roubar um selinho.


— E eles gostam muito dela.


— Madrinha! 


— Oi, minha pequena. Como vai essa menina que fez 2 anos e 7 meses hoje? — Tessa faz o número com os dedos.


— O papai e a mamãe deixalam eu da banho na Lilly hoje, ela quase me derrubou — ela coloca as mãozinhas na boca e ri.


— Meu Deus — Tessa coloca a mão na boca também.


— Mami, eu quego bolo de chocolate — ela corre para a cozinha — UMA PRINCESA NÃO PODE CANTAR PARABÉNS SEM SUA COLOA — ela volta correndo e passa pelas escadas.


— Sem correr nas escadas! — aviso.


— Disculpa, papai — ela grita.


Nós quatro rimos. 


— Cara, ela está cada vez maior — Hardin senta ao nosso lado.


— Ela está muito esperta — Tessa nos abraça e senta ao lado de Hardin.


— Está mesmo — Clary e eu falamos juntos.


Era assim a maioria dos nossos dias, nos dias de semana Anna ficava na casa de Hardin e Tessa enquanto Clary e eu trabalhávamos.


Tessa adorava Anna, e era mútuo.


— Viemos contar uma coisa pra vocês — Hardin começa.


— OLHA A MINHA COLOA, TIO HARDIN E TIA TESSA — O pequeno ser loiro vem correndo com uma coroa brilhante na cabeça.


— Você é a princesa mais linda do mundo — Tessa diz e puxa a menina para o seu colo.


— Mais linda depois da tia Tessa — Hardin diz e Tessa revira os olhos.


— É vedade, a tia Tessa é linda! — Anna concorda.


— E eu? — Clary pergunta fingindo estar brava.


— Mamãe, você é a mais linda daqui — Anna diz, simplesmente.


Clary cora e puxa a menina para o seu colo.


— Você é perfeita, filha. Eu te amo muito, muito, muito.


— Eu também, mami. Também amo o papai, o tio Hardin, a tia Tessa, o vovô Stephen, a vovó Celine, o vovô Valentim e a Emery.


Tessa e Hardin arregalam os olhos.


— Quem é Emery? — pergunto. 


— O bebê que tá dentlo da tia Tessa, eu disse que si for menina vai ter que chamar Emery igual a princesa do meu livro!


— Que bebê? — Clary pergunta.


— Surpresa — Hardin e Tessa dizem juntos.


— MEU DEUS! — Clary levanta do sofá — Puta merda, você está grávida!


— Puta merda? — Anna entorta a cabecinha para o lado.


— Merda, linda, não repita isso Anna — digo.


— Merda? — ela pergunta.


— Caralho, vocês são muito burros — Hardin ri.


— Caralho? — Anna aperta os olhos verdes.


— Calem a boca — Tessa diz — Anna, essas palavras são feias.


— Percebi — ela fica quieta por um segundo — BOLO DE CHOCOLATE! — e sai correndo para a cozinha.


Depois de tudo, conseguimos o que sempre quisemos.


Uma linda família.


Eu não tenho certeza de muita coisa nessa vida, a única que eu tenho é que Clary foi feita para mim.


Seja lá qual for a matéria de que nossas almas são feitas, a minha e a dela são iguais.


Notas Finais


Essa fic = meu maior orgulhinho

“Não fique triste porque acabou, sorria porque aconteceu”

With all my love

Juh💝


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...