História I Wanna Be Yours - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Arctic Monkeys
Personagens Alex Turner
Tags Alex Turner, Arctic Monkeys, The Last Shadow Puppets
Visualizações 9
Palavras 2.212
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - XVIII


Fanfic / Fanfiction I Wanna Be Yours - Capítulo 18 - XVIII

POV Alex
 

Precisava vê-la, depois da nossa troca de desejos por mensagens o que já era urgente se tornou incontrolavel, comprei passagem para o Brasil assim que li a mensagem, precisava dela, pedi para Matt dar conta de uma entrevista que tinhamos na sexta se eu ainda não tivesse ido encontra-los no México,
-Você está totalmente apaixonado por ela, faz tempo que não vejo esse Alex.
-Pois é, eu não o vejo faz tempo também.
-Vou indo, boa sorte e divirta-se Al. -Matt se despede, eu fico até a noite no hotel, meu voo para o Brasil é as nove da noite.
Após dormir durante todo o voo, acordo com a comissária me acordando.
-Oh, me desculpe.
-Sem problemas Sr. obrigada por voar conosco.
Faço tudo o que tenho que fazer na imigração, malas e etc, e vou buscar o carro que reservei na locadora dentro do aeroporto, segundo o gps três horas e quarenta minutos nos afastavam, só conseguia imagina-la abrindo a porta surpresa com aquele lindo sorriso no rosto demonstrando toda sua felicidade em me ver, mas não foi assim que aconteceu, após exatas quatro horas o gps apontou que tínhamos chegado, e quando olhei para o lado tinha certeza que aquela, era a casa dela, ela tinha me descrevido com perfeição, com todos os detalhes que agora eu veria, decido ir para o hotel que eu havia reservado fazer o check-in ali perto, deixo as coisas na suíte, e parto imediatamente para a casa de Isa,e a observo saindo da casa passando pela rua e entrando ao lado, na confeitaria, saio do carro lentamente, e entre pela porta de vidro, mas ela não me nota pois está de costas atrás do balcão cantarolando "Never Tear Us Apart" que ecoava pelo ambiente, noto que ela canta muito bem na verdade, poderia ficar ali até que ela resolvesse virar e dar de cara comigo, mas estou muito ansioso pelo seu toque e digo:
-Good Morning.- Ela se vira com o olhar de surpresa que eu havia imaginado, mas o sorriso nem em um milhão de anos eu conseguiria reproduzir em minha mente, poderia pular o balcão que nos separava e esmagar seus lábios com os meus.
-Fuck - é a única coisa que ela consegue dizer antes que uma criança loirinha toda fofinha entrasse, pelas fotos que vi deduzo que seja sua filha do meio, elas conversam em português, e logo em seguida o irmão menor também apareceu, eu imagino que ela tenha mandando-os brincar no jardim da frente, quando as crianças estão saindo uma senhora entra, e conversa com ela, decido sentar na mesa próximo ao balcão, ela prepara o café expresso da senhora que está encostada no balcão, o tempo todo com os olhos nos meus, e um sorriso no canto dos lábios, fico estonteante em saber o que o sentimento de felicidade é reciproco. Ela sai de trás do balcão vem ate minha mesa, ela está com um vestido leve de algodão cru na altura do joelho, cabelos em um rabo de cavalo
-Senhor quer alguma coisa? -ela pergunta como se eu fosse um cliente, nós adoramos esses joguinhos.
-Você! E uma xicara de café. - Ela volta para o balcão para preparar o café, um pouco depois ela me traz o café, e volta para atrás do balcão, parece ocupada, vou até o balcão vejo que ela está mexendo uma panela no cooktop com um cheiro maravilhoso.
-O que é isso?
-Brigadeiro.
-hummm me recordo de algo que envolvia brigadeiro e uma cama se não me engano.
-Você não tem uma boa memória, envolvia também bons filmes.- Ela sempre me dava um fora, no som começa a tocar "A Little Death" e ela canta baixinho como se estivesse dublando a musica olhando sedutoramente para mim "Touch me yeah, i want you touch me there, make me feel like i am breathing... a glimpse of the silhouettes, a night that they never forget, touch me... She sought death on a queen-sized bed.. touch me yeah, i want you touch me there..."
-Stop it! -Ela estava me enlouquecendo e seu olhar era divertido. -Isso vai ter volta.- Digo, ela despeja o conteúdo da panela em um bowl, passa o dedo na colher e lambe, em um gesto totalmente inocente que na minha cabeça foi transformado completamente em indecente.
-Você vai deixar eu provar também?
-Claro. - Ela responde e passa o dedo na colher e da para eu lamber, chupo o dedo dela passando a língua em volta dentro da minha boca para não deixar nenhum vestígio de chocolate, e dessa vez acho que fui eu quem a provocou.
-Como você veio parar aqui? - Ela pergunta tentando desviar o foco.
-De avião.. brincadeira, eu decidi vir depois de ler suas palavras para mim, espero que não seja metaforicamente o que você escreveu.
-Não, era literal, é o que eu estava e estou desejando. - Ela era direta e sincera, eu gostava disso
-Eu peguei um avião, aluguei um carro com gps, e aqui estou.
-Você acabou de chegar?
-Não, passei no hotel antes deixar as coisas.
-Qual hotel você está?
-DPNY.
-É ótimo, já fiquei hospedada lá. Minha mãe está indo viajar com as crianças daqui a pouco, vão passar a semana fora, então se você estiver precisando de um guia turístico eu posso retribuir a sua gentileza de Paris.
-Estava esperando você falar algo.
-Eu tenho essa entrega para fazer, e depois vou para o continente buscar a lancha do meu tio-avô, você pode ir comigo e depois te levo para umas praias bacanas via mar, o que acha?
-Perfeito, vou para o hotel me arrumar e nos encontramos onde?
-Eu passo lá em uma hora. -Queria muito beija-la antes de ir, mas com as crianças ali na frente podendo ver, nem arrisco.

Pov Isa

Estou nas nuvens. sem acreditar que Alex estava ali, assim que ele saiu eu sentei e precisei de alguns minutos para colocar as ideias no lugar.
-Isabel, Isa!- Minha mãe está me chamando - Você esta aonde menina?
-Desculpe, o que disse?
-Os documentos das crianças?
-Ah, estão no porta luvas do meu carro, vou lá pegar.
-Está tudo bem com você?
-Está sim mãe, estava pensando na encomenda.
-Ok, eu já vou indo, divirta-se sozinha, cuidado no mar hein Isa, não vai mergulhar sozinha, meu tio já me falou que emprestou o barco para você, com quem você vai mergulhar? você sabe que não deve ir sozinha né?!
-Sei mãe...
' -Sabe mas não obedece. - Ela me da uma bronca me abraça se despedindo, vou até o carro pego o documento das crianças, me despeço deles,
Em saio para entregar a encomenda antes do horário combinado, e passo no hotel para buscar Al, ele entra no carro, e me puxa para um beijo cheio de vontade, vontade de ambos, nossas línguas se enroscam em perfeita sincronia, eu lembrava que nossos beijos eram bons, mas não lembrava o quão bom eles eram. Alex pousou sua mão na minha coxa durante todo o percurso, hora ou outra ele traçava formas irregulares com as pontas dos dedos na minha pele, despertando sempre meus pensamentos mais lascivos, conversamos basicamente sobre o que fizemos nas ultimas semanas no caminho. Chegamos na Marina em São Sebastião, deixo o carro no estacionamento, e assim que saio do carro, eu puxo Al para um beijo, precisava mais daquela boca na minha, suas mãos seguravam meus pulsos do lado dos nossos corpos, conforme o beijo vai ficando mais intenso o aperto das mãos de Ak ficam mais firmes, eu mal podia esperar para sermos totalmente um do outro, abro a porta de trás do carro afim de pegar minha bolsa de praia, e percebo que a deixei em casa
-Merda- resmungo em português.
-O que foi? - Al pergunta pegando minha mão para irmos andando juntos
-Esqueci minha bolsa de praia.
-Eu trouxe protetor - ele diz brincando
-Não era só protetor, tinha a parte de cima do meu biquíni também...
-Isso também não é problema
-Você tem uma parte de cima sobrando para me emprestar? - Ela responde sarcasticamente, ela tem um senso de humor
pego a chave com o funcionário e nos encaminhamos para o píer, ele olha para mim com uma fisionomia confusa, com a típica sobrancelha esquerda levantada:
-Você é quem vai pilotar?
-Sim, porque?
-Então seremos só nós dois? - Ele pergunta em tom com segundas intenções - Eu tinha imaginado que ia um marinheiro conosco, você tem arrais e tudo?
-Sim, na categoria de Mestre-Amador.- Digo orgulhosa.
-Bonito barco- Ele diz assim que chegamos na lancha, e realmente é uma lancha bacana, nada luxuosa, mas ela é bonita com uma cabine bem confortável, ele como sempre cavalheiro me ajuda a subir e sobe em seguida, guardo o conteúdo da sacola de comidas e bebidas na geladeira, pelo menos essa eu não esqueci, ligo o motor, puxo a âncora e manobro para fora do cais, dia está lindo, calor, o mar está com um tom azul maravilhoso com o sol refletindo. Coloco no piloto automático, esta muito quente e eu queria tomar uma cerveja, curtir o trajeto, curtir o Alex, que está com a camisa aberta tomando uma cerveja pego a garrafa da mão dele dou um gole, enquanto Al ascende um cigarro ligo o som.
-Tá com fome, quer comer alguma coisa?
-Não, quero só você, vem cá - ele chama me puxando delicadamente para um beijo, senti um suave toque em minhas mãos, seus dedos percorreram elas e as entrelaçaram, meus dedos se fecharam em seus cabelos, apertando ele contra mim, meus lábios se abriram enquanto eu respirava, dei pequenas mordidas em seus lábios e na sua mandíbula, o gps avisa que chegamos na Praia das Caveiras, é uma praia totalmente deserta, um lugar bacana para ficarmos a vontade, conto para ele a historia do naufrágio que teve ali, por isso do nome. Tiro a camisa de Alex e começo a passar protetor nele, o sol está alto e Al é muito branquinho, estava me deleitando deslizando minhas ágeis mãos pelas suas costas e tórax, ele terminou de passar nas outras áreas, eu também passei no meu rosto, nos braços...
-Vamos. -Digo tirando o vestido de costas para ele ficando somente com a parte de baixo do biquíni pulando em seguida na água. Ele olha de cima do barco e eu falo - Vem... - Ele tira os óculos e pula vestindo um shorts curto de praia. Nado em direção a ele e sou recebida em seus braços, nossos corpos se colam sem nenhum obstáculo transpondo o toque de nossas peles, estávamos no fundo então estávamos o tempo todo com as pernas balançando para nos mantermos na superfície, e esse roçar nas nossas peles estava me excitando a um nível indescritível, aos poucos vamos indo em direção da praia, até que conseguimos apoiar os pés no chão, Al começa a boiar de costas para a água, começo a mergulhar em volta dele, o sol está no alto o que faz as aguas ficarem mais cristalinas, nado em baixo dele olhando para ele através s da agua com o céu ao fundo, gostaria de estar com uma câmera para registar a imagem, gosto do corpo dele, homens magros sempre me chamaram atenção, volto para a superfície do lado dele, ele continua boiando de olhos fechados, e eu fico ao lado dele admirando o cintilar do reflexo do sol em sua pele pálida, não conseguia apenas olhar, começo a passar a ponta dos meus dedos em seu tórax, desço para sua barriga, seu braço envolve minha cintura, enquanto uma de minhas mãos está na coxa dele e a outra nos seus cabelos sob a água, de repente Alex fica em pé e me beija com desejo, retribuo o beijo com a mesma excitação, as mãos do Alex dançam nas minhas costas, cabelos, nádegas, até que minhas pernas envolvem sua cintura, ele me aperta mais contra seu corpo descendo beijo dos meus lábios para o meu colo, ele agarra meus seios com as mãos delicadamente e seus lábios continuam a descida até meus seios, solto um gemido baixinho, Alex grunhiu em excitação, voltando para meus lábios, até que avisto um barco vindo em direção a praia que estávamos, quebro o beijo,
-Vamos pra minha casa? - digo com ele ainda em meus lábios, em tom provocador,
-Yes! - Ele diz da maneira mais humanamente sexy possível, com seu tom de voz rouco, olhando para mim com um olhar perverso, e nadamos por baixo da agua em direção ao barco, afinal eu estava de top less, chego no barco primeiro e coloco o vestido, Alex sobe em seguida me beijando, nós simplesmente não conseguimos desgrudar mais nossas bocas.
-Estava com tanta vontade dos seus beijos. - digo entre os beijos
-Eu não consegui parar de pensar neles desde a última vez que nos vimos. -Ele diz.
-Vamos?
Piloto o barco ansiosa para chegarmos logo e tirarmos o sal do corpo, e poder experimentar o gosto de sua pele sem o mar participando, meu corpo ainda queimava de excitação, podia sugerir para descermos na cabine do barco, e saciarmos nossa vontade ali mesmo, mas eu queria aproveitar cada pedacinho dele com calma...


Notas Finais


aaaahhhh


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...