História I Want You - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Kim Jong-in (Kai), Park Chan-yeol (Chanyeol)
Tags Chankai, Chanyeol! Top, Kai Bottom
Visualizações 258
Palavras 3.144
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


A sinopse não está lá das melhores mas a fanfic ta até bacana sksksk
Quarta Chankai que eu posto, rs um otp desses bicho.
Capa linda d+ e betagem excelente <3

Capítulo 1 - Único;;


Exo havia acabado de fazer um enorme show em Seul: o show de sua volta após inúmeras apresentações no México.

Parte dos membros já se localizava em seus devidos dormitórios compartilhados, sendo eles: Sehun; Chanyeol; Jongdae; Junmyeon e Baekhyun. Todos tinham seus colegas de quarto. Chanyeol dividia com Sehun; Jongdae com Baekhyun; Minseok com Junmyeon e Jongin com Kyungsoo.

Chanyeol, enquanto estava no show, percebeu um certo olhar direcionado a si. Algum membro estava lhe observando, e Park sabia exatamente quem era…

Kim Jongin, o causador de insônias, estresse e excitação em Chanyeol, o lindo moreno, de lábios carnudos e perfeitamente desenhados, fazia Park se arrepiar e soltar vários suspiros sempre que se esbarravam ou, até mesmo, quando Kim ia até o dormitório de Park e Oh apenas para dar-lhes um breve ‘boa noite’.

Talvez seja coisa da cabeça de Chanyeol. Ou talvez não.

Talvez ninguém tenha percebido quando Jongin sentou no colo de Chanyeol e — propositalmente — começou a rebolar discretamente. 

    Talvez, ninguém tenha visto Jongin se esfregar em Chanyeol no meio de um show, enquanto dançavam ‘Monster’. Confuso, não?

    Mesmo depois das transas que Chanyeol já teve com Sehun, ou até mesmo com Baekhyun, nada parecia o aliviar. Kim ainda era o motivo das punhetas de Park e, só de pensar em foder o mais novo, Chanyeol já se excitava.

    Jongin sempre ia no quarto dos meninos, lá pelas 22:30 da noite. Porém, já passava das 22:45 e nada do moreno. Se Chanyeol estava ansioso? Bem…

    Chanyeol havia acabado de sair de seu banho. Voltou ao quarto apenas com sua toalha enrolada na cintura, e encontrou Sehun encarando o teto.

    — O que foi, Sehun?

    — Junmy me chamou para dormir com ele, essa noite.

    — Hm. Ele brigou com o Jongdae?

    — Não, ele apenas quer a minha companhia. Só não entendo o porquê.

    — Pelo visto, você se deu bem. — Sorriu, sarcástico. O ruivo, logo em seguida, se desfez da toalha, ficando completamente nu. Seus cabelos úmidos estavam grudados na testa. E seus lábios róseos, secos por conta da temperatura, o deixavam, de certa forma, muito atraente.

    — Pare com isso e vá se vestir.

    Chanyeol respirou fundo e colocou uma cueca e um short; não estava com vontade de usar camiseta, naquela noite.

    — Vai me dizer que não quer ter uma “noite especial” com o Junmyeon? — Debochou. — Eu não reclamaria, caso acontecesse. — Sehun mordeu o lábio inferior para conter um risinho.

— Então, vai lá e sai logo daqui. Estou cansado. — Riu, encarando o mais novo a sua frente.

    — Ok. Acho melhor eu ir agora, mesmo. Vai ficar bem aí, sozinho?

    — Sim. Mas me diga: cadê Jongin?

    — Deve estar dormindo.

    — Ele nem passou aqui. — Chanyeol se sentou na cama.

    — Amanhã você conversa com ele.

    Chanyeol murmurou um ‘ok’, e Sehun saiu do quarto após se despedir do colega.

    — “Amanhã você conversa com ele”. — Ele resmungou, praguejando Jongin.

22:59

“Onde está você, Jongin?”, o ruivo se perguntava.

Enquanto andava pelo dormitório, ele até pensou em ir visitar Kim, porém, mudou de ideia e decidiu dar ouvidos a sua preguiça. Nem Park sabia o motivo de estar tão ansioso para ver seu colega de quarto; mal fazia sentido todo aquele alvoroço.

00:15

    Nada de Jongin.

    Estava tarde. Chanyeol estava cansado e morrendo de sono. Talvez Sehun tivesse razão: amanhã ele fala com Jongin, não é mesmo?

02:29

    ‘Toc toc’.

    

Chanyeol acordou no susto com alguém batendo na porta. O que se repetiu, mais uma vez.

— Puta merda. — Pegou seu celular para ver a que horas da madrugada seu sono estava sendo interrompido. — Duas e meia da manhã, caralho. — Ele xingou baixo.

Ao abrir a porta, pôde ver Kim Jongin sem camisa, com seus cabelos castanhos grudados em sua testa. Suado; lábios entreabertos; ofegante; usando uma calça de moletom. E, por último mas não menos importante: seu membro ereto em suas mãos, enquanto se masturbava.

— Chan… — Ele chamou baixinho.

Chanyeol o olhou, incrédulo. Vez ou outra, abria a boca para tentar falar algo, porém não conseguia.

— Chan… — O moreno gemeu.

Chanyeol puxou o mais novo para dentro do quarto. Fechou a porta e o empurrou até que suas costas estivessem em contato com a parede.

— Ficou maluco, Jongin? O que pensa que está fazendo?

Jongin aumentou o movimento com a mão.

— E-Eu tô quase lá. Você pode me ajudar com isso?

Chanyeol não conseguia acreditar.

— Me acordou duas e meia da manhã. — Aproximou-se do ouvido alheio para sussurrar. — Ficou a semana todinha me provocando. Hoje, mal falou comigo, e ainda acha que é só chegar assim, sem me dar nada em troca? — O ruivo riu. — Sua inocência é impressionante, Jongin.

— Eu faço o que quiser… — Ele sorriu. — Só preciso que você me toque, enquanto me fode com força, Chan. Não é isso o que você quer? — Ele sussurra. — Acha que pode fazer isso por mim? Ou é difícil demais para você?

— Acho que você devia ter ficado no seu dormitório, Jongin.

— Eu me sinto bem aqui.

— Mesmo com futuras consequências? — Disse, empurrando o moreno na cama, até que Kai estivesse deitado. E logo subiu em cima dele.

— Acho que no momento eu não ligo muito para isso. Só quero que você para de enrolar tanto.

— Está com pressa?

— Acho que você me deve essa. — Sorriu leve.

— Jura? E por quê?

— Por ser tão fodidamente gostoso.

Logo, Park juntou seus lábios com os de Kim, em um beijo afoito. O ósculo era apressado e continha desejos escondidos de ambas as partes. Kim não conseguia guardar para si os gemidos contentes por finalmente ter a boca de Park junto da sua. Toda vez que o mais alto se remexia sobre si, esmagando seu membro descoberto, Kim sentia como se tocasse um pedacinho do céu. Estar com Chanyeol era como ter seu paraíso particular, e Jongin não queria dividir isso com mais ninguém. Quando a falta de ar se fez presente, Chanyeol passou a dar beijos suaves nos lábios inchados de Kim. Aos poucos levantando-se de cima do moreno, para então se sentar na beirada da cama.

— Vem cá. — Ele chamou Kim, que ainda estava perdido em seus devaneios. Porém, não demorou até que Jongin estivesse ajoelhado no chão, de frente para o membro ainda coberto de Park. — Eu quero que chupe.

Kim assentiu e aos poucos desceu a cueca do mais alto, logo revelando o membro grande que Park possuía. O moreno trouxe o pênis para mais perto. Colocou a língua para fora e lambeu o pré-gozo que escorria pela fenda rosada. Devido a necessidade que sentia no momento, Kim não exitou em colocar o membro inteiro na sua boca. Jongin poderia até não ser mestre em fazer um oral, mas tentou ao máximo dar prazer ao Park. Assim, ignorando a ardência em sua garganta; não era hora para reclamar. Jongin tentou continuar daquela forma, mas, mesmo que quisesse deixar todo o falo ereto em sua boca, suas habilidades não eram das melhores; portanto se contentou em chupar uma parte e masturbar a outra. Park não era muito grosso, mas seu membro era grande demais para que a cavidade bucal de Jongin pudesse aguentar por muito tempo.

Chanyeol gemeu baixo. Tal ato fez o ego de Jongin ir nas alturas; ele estava fazendo um bom trabalho.

Jongin retirou o membro de Park de sua boca, apenas para lhe dar um sorriso e abrigar somente sua glande. Oh, Chanyeol iria perder o juízo, dessa forma.

Kim já estava cansado de comandar ali, então apenas parou de se mover e direcionou seu olhar para o mais velho, como se buscasse algum tipo de comando. Park não demorou para perceber as intenções de Kim, então, em uma fração de segundos, sua mão direita já estava posicionada no couro cabeludo de Jongin, a fim de ditar os movimentos de sua preferência.

Park costumava ser um cara muito verbal na hora do sexo, porém, no momento, o ruivo decidiu apenas curtir as sensações que Kim lhe proporcionava. Não queria correr o risco de estragar as coisas com uma simples frase.

Jongin não negaria que seu maxilar estava dolorido demais, ou que seu pescoço já estava cansado dos movimentos; mas a sensação de finalmente ter Chanyeol para si, o fez aguentar até o último segundo.

Visto que estava perto de chegar ao seu limite, Chanyeol retirou-se da boca de Jongin e fitou os olhos marejados por conta do esforço. Não deixou de sorrir de leve ao ajudar o moreno a se levantar, para então distribuir beijos molhados e até mesmo carinhosos pelo pescoço imaculado de Jongin. Kim parecia estar bem necessitado naquele momento, e Park já não queria perder tempo. Apressou-se em retirar a boxer do mais novo; ele merecia um agrado depois daquilo.

— Você foi ótimo, sabia? — Sussurrou no ouvido alheio. Jongin soltou um murmúrio contente. — Deita aqui na cama, ok? Vou te recompensar.

Após Kim se deitar, Chanyeol começou a beijar seu torso exposto, descendo aos poucos para dar atenção às coxas torneadas do outro; e permitiu-se soltar uma piadinha sobre a academia estar fazendo bem ao moreno. Quando chegou no membro duro, Park deu uma lambida experimental na glande inchada, para então acomodar a extremidade molhada em sua boca.

Jongin gemeu baixo e sorriu fraco. Park estava superando toda sua expectativa para aquela noite.

O jeitinho que os gemidos ecoavam pelo quarto deixava Chanyeol cada vez mais excitado; Jongin estava tão entregue naquele momento. Park não imaginou que seria tão bom.

Chanyeol largou o membro de Jongin e desceu os lábios até a entrada dilatada. Estava um pouco vermelha, denunciando que Kim havia feito coisas, antes de estar ali.

Park lambeu com um certo cuidado a abertura, e aos poucos inseriu sua língua áspera ali. Jongin gemia baixo, e seu corpo, em um curto intervalo de tempo, tinha espasmos. As mãos do moreno agarraram o lençol até que as falanges estivessem esbranquiçadas por conta da força.

Enquanto Jongin se ocupava em gemer manhoso, Chanyeol o fodia com a língua o mais fundo que conseguia. Naquele momento, os dois queriam que tudo aquilo durasse para sempre.

Kim estava tão perto de chegar ao seu limite, porém Chanyeol não iria lhe deixar gozar tão rapidamente assim. Então, se afastou e sorriu para o mais novo.

— Vira. — Pediu. Mas soou como se fosse uma ordem.

Jongin lhe obedeceu e ficou de bruços na cama, com o torso deitado e o traseiro o mais empinado que conseguia. Park soltou um risinho, antes de encher sua mão com a carne farta, para depois soltá-la e lhe dar tapas. Conforme as nádegas ficavam cada vez mais avermelhadas, Jongin se encontrava mais excitado do que pensou que ficaria. Porém, queria passar logo para a parte mais divertida, e Park parecia não entender isso.

— Yeol? — Chamou baixinho.

— Sim?

— Pode andar logo com isso?

Chanyeol sorriu.

— Você está mesmo com pressa hoje, não é? — Começou a dar beijos na nuca de Jongin, deixando o moreno arrepiado da cabeça aos pés. Desceu os lábios até as costas de Kai, selando levemente cada partezinha.

Chanyeol saiu de perto de Jongin para pegar, na cômoda, uma camisinha e o frasco de lubrificante. Despejou um pouco do líquido viscoso nos dedos compridos, e enfiou no canal apertado de Jongin, um de cada vez. Kim já havia feito aquilo, mas em momento algum se viu recusando aqueles toques. E sem contar que, mesmo que ele já houvesse feito o seu preparo, Chanyeol tornava isso mil vezes melhor.

Visto que Jongin já parecia “largo” o suficiente, Park retirou os dedos de seu orifício, e abriu o pacote de camisinha. Para, então, deslizar o látex por todo o seu membro duro e gotejante.

Colocou mais lubrificante por cima e aos poucos adentrou o corpo de Jongin. Tudo com cuidado e calma — mesmo que estivessem esperando por muito tempo até esse momento.

Jongin fechou os olhos, aproveitando ao máximo a sensação de finalmente estar sendo preenchido por todo aquele falo. Merda. Estava precisando tanto daquilo.

As mãos de Chanyeol fora até o abdômen de Jongin, buscando os mamilos durinhos para então lhe fazer uma leve carícia. Tal ato fez Jongin soltar alguns gemidos; esses que levaram Chanyeol a apressar-se com os movimentos. Park tinha um jeitinho meio bruto, porém não fazia nada que pudesse machucar Jongin.

Os dois seguiam nesse ritmo. Chanyeol, para descontar suas emoções, agarrava o quadril de Jongin para apertá-lo e deixar em sua pele as marcas dos dedos grossos. Já Jongin, tentava ao máximo não soltar barulhos muito altos. Não queria ser o motivo da noite ruim de todos os seus hyungs; parecia tão injusto. Mas todo o seu esforço foi por água abaixo quando Chanyeol localizou sua próstata. Aquilo, sem dúvida, foi o limite para Jongin. O moreno mal conseguia controlar os gemidos arrastados que insistiam em escapar de seus lábios. Nos momentos em que Park diminuía a velocidade para lhe dar beijos, Jongin sentia as veias de Chan pulsando em seu interior. Estava tudo muito bom.

Jongin não controlou a vontade de levar sua mão até seu membro negligenciado e lhe dar um pouco de atenção, mas foi impedido por um tapa em uma de suas nádegas; algo que lhe deixou sem reação por alguns segundos. Aquilo não poderia ser real; estava tão bom. Jongin tinha medo de tudo não se passar de um sonho.

— Yeol? — Chamou com a voz fraca.

— Sim, Jongin?

— Me deixa… — Gemeu baixo quando o membro de Chanyeol encostou em sua próstata. — Me deixa sentar em você?

Com uma última estocada forte, Chanyeol retirou seu membro da entrada de Jongin, e se sentou com as costas apoiadas na cabeceira da cama. Jongin, com o pouco de força que lhe restava, se levantou para poder acomodar-se no colo do mais alto, encaixando o falo ereto em sua abertura e lentamente descendo, até que todo o membro estivesse coberto por suas paredes internas. Kim não resistiu e gemeu alto quando isso aconteceu.

Jongin era tão lindo. Lindo a ponto de fazer Chanyeol se perder enquanto apreciava sua beleza. Os lábios grossos estavam vermelhos e inchados por conta das mordidas; o cabelo grudado na testa… Chanyeol estava sem saída. Kim definitivamente está bagunçando sua mente.

O interior quente de Jongin apertava o membro de Chanyeol de uma maneira deliciosa. E, mesmo que Kim estivesse cansado, ele não queria parar. Não poderia; não agora. Estava tudo tão bom, e só melhorou quando o membro de Chanyeol entrou em contato com sua próstata sensível. Jongin achava que poderia desmaiar de tanto prazer.

— Yeol. — Gemeu, dengoso. Kim olhou para Park e não segurou a vontade de lhe dar um beijo. Os corpos estavam suados e ofegantes. Os dois estavam cansados, e o quarto quente como o inferno. Mas, mesmo assim, era incrível. — Eu não aguento mais. — Murmurou, manhoso.

Park se levantou, com Jongin ainda em seu colo, fazendo o Kim rodear sua cintura com as pernas. Andou até a parede mais próxima e colou as costas do menor no local. Deu um beijo carinhoso em sua têmpora, e penetrou o falo novamente em Jongin, vendo-o balbuciar algo sem nenhum sentido.

Apenas um “mais forte” foi o suficiente para que Chanyeol o fodesse com toda a força e rapidez que encontrou em seu corpo. Jongin soltava soluços, e já nem se importava com o barulho que estava fazendo. Jongin abraçou o corpo de Park e escondeu o rosto entre o vão do pescoço e o ombro alheio. Assim, deixando beijos na pele branquinha. Coisas que faziam Chanyeol sorrir sem ao menos perceber.

Jongin não aguentou muito mais: estava tendo um agrado tão grande, que foi apenas Chanyeol sussurrar em seu ouvido que chegou em seu ápice, sujando os corpos dos dois.

Park estava adorando a visão de ter seu pênis sendo engolido pelo canal apertado de Kim. Estava adorando ainda mais tê-lo em seus braços, da forma como esse estava agora. Pois, mesmo tendo feito Chanyeol perder a paciência várias vezes, Park não conseguia — e nem tentava — sentir raiva de Kim. Muito menos nas condições atuais. Chanyeol não teria problemas em receber reclamações no dia seguinte por conta do barulho, desde que Jongin se sentisse bem.

Quando foram dormir, já estava bem tarde; mal olharam no relógio. Acordaram 8 horas da manhã, e quando o relógio bateu 8:30, eles estavam na cozinha tomando café. Nesse curto intervalo de 30 minutos, os dois ficaram deitados na cama, trocando carícias e conversando baixinho. Tendo preguiça demais para levantar. Quando desceram, os membros já estavam reunidos na cozinha, apenas conversando.

Chanyeol estava sentado, tomando café puro. Enquanto Jongin estava apoiado no balcão, comendo algum docinho que estava ali. Alguns dos rapazes estavam sentados na mesa; outros em pé, fazendo algo. E uns, mais dormindo do que acordados.

— Então… — Baek começou. — Todos nós tivemos uma noite péssima, mas e vocês? Chanyeol e Jongin, dormiram bem?

Jongin sorriu de canto, e Chanyeol apenas revirou os olhos. Kyungsoo olhou de soslaio para Baekhyun e bufou.

— Espero que a noite de vocês tenha sido incrível, porque a minha foi horrorosa. — Do tomou um gole de seu café. — Vocês são dois idiotas.

— Está com inveja, Soo? — Chanyeol provocou. — Vamos chamar você para dormir com a gente, da próxima vez.

— Deus me livre, Chanyeol. Deixo você apenas para o Jongin. Esse trauma eu não quero ter.

Jongin sorriu, envergonhado.

— Vem cá, Kai. — Chanyeol disse, olhando para Kim. E, logo, o mais novo sentou em seu colo, deitando sua cabeça no ombro alheio. Park abraçou o corpo de Jongin, e começou a fazer carinho em seu cabelo. Kim fechou os olhos e sorriu de leve.

— O Yeol acabou com o pobre coitado ontem. Queria só ver se o manager tivesse escutado tudo. O negócio ia ficar feio pra vocês dois. — Byun comentou. — Mais silêncio da próxima vez, por favor.

— Ou, se possível, façam essa próxima vez bem longe daqui. — Minseok murmurou, mal humorado.

— Mas e aí, Jongin, quer uma ajudinha pra andar? — Sehun debochou.

— O que o Chanyeol fez com você ontem, Kai? Parece tão cansado.

— Deixem o Jongin em paz. — Park entrelaçou seus dedos aos de Kim. — Se querem saber o que aconteceu, da próxima vez coloquem uma câmera no quarto.

— Oh, muito obrigado. Mas como o Kyungsoo já disse, esse trauma a gente não quer ter.

Park apenas sorriu e terminou seu café, com aquele monte de reclamações chatas. Mas ele não ligava; Jongin estava feliz, e ele também. O resto dava para lidar depois.


Notas Finais


Se gostou e quiser me dar opiniões eu adoraria ler os comentários.

Puts olha essa capa


User da capista: @lwcked
User da beta: @jnogin


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...