1. Spirit Fanfics >
  2. I Was Born to Love You >
  3. Troubles - part.2

História I Was Born to Love You - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Oi Froggies!

Já de começo eu quero me desculpar com vocês ;-; Pois como as minhas aulas voltaram hoje, eu vou ter que me dedicar ao máximo à escola (até porquê, não dá para ficar sem estudar, né?). Infelizmente, eu não vou ter o mesmo tempo de antes para escrever, o que vai doer muito em mim (já que eu tô amando escrever), mas... por enquanto, eu vou continuar postando a fanfic normalmente, por mais que eu demore para soltar os capítulos.

Enfim, fiquem com a segunda parte do capítulo anterior <3

Boa leitura à todos <3

Capítulo 9 - Troubles - part.2


POV AUTORA

Àquela altura do campeonato, Brian já entendera que alguma coisa de errado tinha acontecido com Élise, por mais que ela se recusasse a contar. E mesmo que todas as suas suspeitas anteriores de que a garota estava triste tivessem se confirmado, o rapaz jamais poderia imaginar que se tratava de algo muito maior do que pensava.

Ele olhou assustado para Lise, por conta da reação da mesma só de pensar na possibilidade de contar ao irmão que estava com problemas. O medo e a dor em sua voz eram muito evidentes, enquanto a garota gritava. O coração do guitarrista simplesmente se partiu com a cena. Ele sabia que, mesmo que ela estivesse mal, a garota não queria alarmar ninguém, especialmente Freddie.

Quando Élise voltou a chorar, Brian se aproximou, colocou a mão no ombro da garota e a conduziu até o jardim, para que ela pudesse respirar. A medida em que a porta deslizava e o vento ia batendo em seu corpo, Élise sentiu um alivio imediato quando o aroma forte das flores penetrou seus pulmões. Ela respirou fundo várias vezes, fazendo com que aquela tristeza que a sufocava durante todo esse tempo fosse eliminada aos poucos com cheiro da natureza. Depois de um tempo em que eles caminharam ao redor do canteiro circular, no centro do jardim, Brian para por um momento e fala:

Brian: - Olha, não precisa contar para ninguém, se não quiser. Mas, assim vai ficar impossível te ajudar. E não adianta falar que não precisa de ajuda, porque você precisa! – exclamou, vendo que ela já abrira a boca para debater.

A garota apenas abaixou a cabeça e acariciou uma margarida.

Brian: - Eu sei que está com medo. Só que você não precisa passar por isso sozinha.

Élise: - Eu não quero envolver ninguém nisso...

Brian: - Só que, Lise... se você continuar guardando para si mesma...

Ele não conseguiu terminar seu pensamento, não conseguia e nem queria imaginar no que ela poderia ser capaz de fazer, se deixasse aquela angústia a dominar.

Élise o fitou por muito tempo, e se entristeceu por ver a expressão preocupada do amigo. Porém, Brian estava certo: se ela continuasse daquele jeito, poderia acabar se autodestruindo, e isso só machucaria ainda mais quem estava a sua volta, e ela não queria isso! A única coisa que Lise queria era recomeçar a sua vida do zero e cuidar de sua família. Foi com esse pensamento que ela tomou coragem e desabafou:

Élise: - Uma pessoa me machucou! Não vou dizer quem, mas ele fez coisas terríveis comigo e não quero dizer para não ter que reviver tudo de novo! – chorou fraquinho.

Brian ficou horrorizado ao ouvir isso. Como alguém ousaria fazer mal a uma menina tão doce e tão incrível como ela? Será que isso aconteceu durante a faculdade? Se sim, ele não queria nem imaginar a dor que ela deveria estar sentindo em fingir estar feliz, só para não preocupar os pais e a irmã, e ainda conseguir acompanhar a nova vida de Freddie e aprender tudo sobre a banda.

Brian: - Eu sinto muito. – ele a abraça de novo.

Élise: - Por favor, não conte ao Freddie, Brian! Eu não quero nem pensar no que ele pode fazer se descobrir isso, ou o que ele vai pensar de mim por ter escondido dele.

Brian: - Lise, o Freddie te ama muito! Duvido muito que ele fique bravo com você, sabendo que você foi machucada, só porque não contou para ele antes.

Ela concorda silenciosamente e abaixa a cabeça.

Élise: - Brian. – ela o chama.

Brian: - Sim?

Élise: - Me desculpa...

Brian: - Pelo o que? – perguntou, meio confuso.

Élise: - Por tudo isso! Não queria que a nossa tarde fosse assim.

Brian: - Não se desculpe, Élise! Você não tem culpa de nada.

Élise: - Eu tenho sim! Poderíamos estar fazendo mil coisas divertidas agora! Conversando, rindo, vendo o céu, regando as plantas. Só que não, eu tinha que estragar tudo por causa... – ela hesitou.

O cacheado sorri para a amiga.

Brian: - Não se preocupe com isso. Eu estou aqui para o que você precisar, tudo bem? Para qualquer momento! – e tira um papelzinho e uma caneta do bolso, anotando o número do celular dele. – Não precisa ter vergonha. Pode ligar a hora que quiser, mesmo que seja de noite! - ele entrega o papel.

Ela pega a folha, agradece e o guarda em seu bolso.

Élise não sabia o que sentir naquele momento. Ela não podia negar que nutria alguma coisa por Brian, e que ele nutria algo por ela. Mas, ela ainda continuava com medo. Medo de que ele fosse virar um monstro, a qualquer momento, e que a machucasse, como o último cara fez com ela.

E se odiava por pensar isso! Ela não queria desconfiar de Brian, e nem de ninguém! E muito menos queria viver com esse fantasma te atormentando e atrapalhando qualquer relacionamento futuro. Até porque, aquilo era passado, de qualquer forma. Ela queria, de coração, ser feliz e viver sua vida em paz, ao lado das pessoas que ama!

De repente, Brian levanta seu queixo, fazendo com que Lise o encarasse.

Brian: - Élise, será que eu poderia ver aquele sorriso que você tinha  no rosto quando eu cheguei?

Ela revirou os olhos e virou o rosto para o lado, corando e sorrindo de canto.

Brian: - É sério! É que ele é muito bonito e... combina muito com você.

E ele mais uma vez puxou o seu rosto em sua direção.

Quando seus olhos se encontraram, eles sentiram algo inexplicável crescer dentro deles, como se uma chama tivesse se acendido, do nada. Então, como se seus corpos estivessem se atraindo um para o outro, começaram a aproximar seus rostos lentamente e, um segundo depois, sentiram pela primeira vez o toque dos seus lábios unidos.

Brian começou a depositar selinhos suaves na boca de Élise, de início, colocando em seguida uma mão na nuca da garota e a outra mão livre nas costas da mesma, puxando-a para mais perto de seu corpo. Lise o retribuiu abraçando suas costelas, já que ele era muito mais alto que ela.

A medida que o beijo ia se intensificando, eles começaram a usar a língua e a explorar a boca um do outro, o que fez com que o beijo, enfim, se encaixasse. E, depois que se encaixou, nada mais importava. Estavam finalmente juntos, depois de tanto tempo em que tentaram ignorar seus sentimentos!

De novo, como em um passe de mágica, a dor de Élise foi diminuindo gradativamente a cada selinho, cada movimento com a língua e cada mordida delicada que Brian depositava em seus lábios. Era uma sensação simplesmente incrível, como se ela estivesse completa novamente.

Da parte de Brian, ele ficava cada vez mais louco com aquele cheiro doce de jasmim, era simplesmente o cheiro mais gostoso que ele já tinha sentido. Os lábios de Élise então... eram doces como mel e mais macios que marshmallow, e ele não resistiu em mordê-los cuidadosamente, arrancando alguns gemidos da boca da companheira.

A medida em que os dois se afastavam momentaneamente, por falta de ar, a garota beijava o queixo e o canto dos lábios do cacheado carinhosamente, implorando pela boca do companheiro. Brian, totalmente enlouquecido pelo ato, correspondeu trilhando um caminho de beijos desde o canto da boca até o pescoço de Élise. Seu maior objetivo se tornou fazer com que ela sentisse o máximo de prazer e amor possível com o beijo. Por isso, ele iniciou leves sugadas no pescoço da menina, arrancando vários suspiros e sentindo seu cabelo sendo puxado pela mesma, que se sentia cada vez mais anestesiada com o prazer que o rapaz estava lhe causando.

Élise: - Bri... - ela geme - me beija...

Brian levanta o rosto e a encara nos olhos:

Brian: - Não precisa pedir duas vezes.

E ataca mais uma vez os lábios da moça.

Quando o beijo terminou e ambos se afastaram (com Brian dando um selinho final na boca de Lise), não conseguiam falar mais nada, apenas deixaram com que aquele silêncio reinasse sobre o momento, para processarem o que havia acabado de acontecer. Ambos começaram a fitar os olhos um do outro, de novo, quando encostaram suas testas uma na outra. Tinha sido o melhor beijo da vida dos dois! Óbvio que, tanto Brian quanto Élise, já tinham beijado outras pessoas antes, mas... esse beijo... esse beijo foi diferente, muito mais especial e muito mais verdadeiro que qualquer outro beijo que tivessem dado em suas vidas!

Brian: - Vamos ter calma com isso, tudo bem?

Élise: - Era exatamente nisso em que eu estava pensando. – disse ela, voltando a abraça-lo – Ainda precisamos de um tempo para nos conhecermos melhor.

Brian a abraçou de volta e sorriu como nunca sorrira na vida, depois que ela dissera aquela frase.

E o silêncio reinou de novo, só que dessa vez por pouco tempo, já que o barulho da porta da mansão indicava que Freddie, John e Roger haviam voltado.


Notas Finais


Do fundo do meu coração, eu espero que vocês tenham gostado.

Confesso que o meu coração deu uma derretida aqui com esse cap :3

O que vocês acharam?

Espero que tenham gostado <3

Até a próxima, froggies <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...