História Icarus! - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Autoajuda, Dramafamiliar, Fantasia, Mpreg, Originais, Romance, Sobrenatural
Visualizações 43
Palavras 1.462
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, Magia, Orange, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá eu smp fico anciosa para postar mais um capítulo para vocês e quero q vocês não tenham vergonha de conversar comigo, qualquer dúvida eu posso e devo esclarecer se me pedirem...pois mesmo q alguns não comentem eu agradeço por visualizar
Já vale muito, mesmo q eu não saiba quem é, saiba q vc é muito importante pra mim

E sobre esse capítulo eu só digo uma coisa "PROERD É O PROGRAMA, PROERD É A SOLUÇÃO" kkkkkk flw

E bem eu fiz esse desenho pra vcs esperem q gostem 😙

Capítulo 10 - My friends...


Fanfic / Fanfiction Icarus! - Capítulo 10 - My friends...

Já passava da meia noite e o som do  ambiente durante a noite era relativamente calmo, o falatório das poucas pessoas que passavam por aquela rua cessava durante o período que a hora de dormir começava.

A rua estava intensamente vazia a onde nenhum moribundo ousava passar entre um grupo de garotos colegiais do ensino médio estavam, malcriados e arrogantes que causavam desordem por onde colocassem seus pés, então definitivamente era má ideia cruzar caminhos com aquele tipos de adolescentes. Naquele momento dois deles se divertiam bebendo algo alcoólico comprado por meios ilegais ou simplesmente roubado da casa de algum amigo, pois menores de dezoito de anos não poderiam consumir legalmente, porém se divertiam brincando violentamente entre si. 

 —.  Vocês fazem muito barulho! 

 Tama chiou, estava apoiado com as costas na parece juntamente ao lado de Aniki, ambos ascendiam um cigarro os tragando em sequencias totalmente diferentes. Tama ao contrario de Aniki se embriagava com algo mais letal para o pulmão a nicotina perversa era o nome que ele dava, sabia que fazia mau porém nem assim parava, achava um jeito de punir seu corpo constantemente. Seu amigo seguia totalmente inebriado e sereno com cigarro de erva que oscilava como um sino em sua mente, e Aniki não era um completo drogado  mas gostava de se drogar em certas ocasiões quando achava a vida um tédio, mas nunca perdia o equilíbrio completamente ao ponto que o estagio de transe tomasse conta dele de vez, assim seus pais acabariam notando.

E ver Din e Kawã se empurrando constantemente até o copo de álcool na mão quase tombar derramada um pouco o líquido e de segundos a minutos ficavam irritados um com o outro, era divertido de se ver e os distraiam de momentos inoportunos. Mark e Tae seguiam sentados na calçada de bobeira jogando pedrinhas no meio do beco pouco iluminado, riam discretamente até o primo de Tama levantar sorrateiramente em direção a Aniki. 

  —. Eu quero!  —. Falou, pedindo uma tragada do cigarro de maconha de Aniki.

O garoto loiro ao seu lado não negou só o deu para o garoto da mesma altura que ele, apesar da aparência diferente e o modo de agir pois aquele grupo de seis garotos tinha pouca diferenças de centímetros, uns mais outros menos, porém mal se notava.

 Mark não exitou e pegou o cigarro de papel e o pôs entre os lábios e sugou a fumaça que era expelida para dentro de si, logo em seguida ouvia um leve chiado dos outros cinco garotos preenchendo a rua e leve esbravejo e cheio de risadinhas do tipo "Eca! Beijo indireto!". Um ar malicioso se espalhou no rosto de cada um que tentava provocar, Mark  sorriu e revirou os olhos logo e em seguida nem um pouco ofendido e Aniki muito menos e foram simplesmente ignorados.

  —. IIIH!  —. Todos murmuraram aflito de um jeito engraçado como se aquele ato houvesse causado um calafrio.

  —. Vocês não vão namorar aqui? Não é?  —. Kawã disse um pouco enjoado.

  —. Sai fora!  —. Aniki grunhiu dando um ponta pé na coxa de Mark que só tropicou para o lado sorridente.

 —. Já é tarde, e eu não quero ser surpreendido pelos canas, e muito menos pelo meu pai! Ele faz turno hoje. —. Tama olhou para os lados, que era proibido menores de idade ficar até mais tarde na rua, porém caras como eles não respeitavam essas regras.  No entanto Tama não queria levar um sermão de quinhentas horas seguidas de seu pai, era um saco e preferia não vê-lo naquela madrugada e saber que ele estava fora de casa naquele momento era mais preocupante. 

  —. Relaxa, não estamos fazendo nada de errado! —. Tae comentou, em seguida de um leve sorriso irônico. —. Para variar...além de álcool e droga...

Todos riram depois de um segundo, geralmente quando estavam juntos causavam muita confusão e bancavam um jeitinho rebelde de uma gangue de meninos renegados que afrontavam as leis de seres exemplares contra o governo opressor. Era tudo tão frustante, bufaram continuamente durante anos até se rebelar na oitava série, saíram da caixinha e resolveram causar desordem, sufocante era a palavra, viver preso a uma sociedade capitalista que os espremia desde cedo e os fazia ser como brinquedos controláveis, de alguma forma machucava constantemente e fome de finalmente desprender do jeito certinho que a escola ensinava e quando tomaram consciência de muitas coisas tiveram a atitude se encorajaram a correr para fora do muro branco e respirar o ar livre.

Sonhos que fora plantados em suas cabeças não eram seus na realidade e sim de outras pessoas que não eram eles, sabiam que deveriam crescer, estudar e ter um ótimo emprego...era claro que era essencial ter um chão firme, mas até onde isso impedia a felicidade? Talvez no momento em que esse plano de vida interferia no sonho fora do padrão imposto pela sociedade. 

Mas até onde isso trazia felicidade mesmo? Havia muitas perguntas, mas nenhuma resposta!

A revolta era tão grande que os influenciavam de muitas maneiras tanto social quanto estudantil, tanto  que estavam fazendo hora na rua mesmo sabendo que teria aula amanhã que aliás era hoje já que passava da meia noite, tudo porque Aniki e nem Mark não queriam voltar para casa ainda. Tama sabia que seu amigo ficava totalmente sozinho quando seu irmão caçula de criação ficava com a avô, e seu primo por parte de pai tinha uma mãe jovem e festeira que vivia saindo para a balada e bares e sempre arranjava mais de dez namorados por ano, ele tinha mais padrastos que que os filhos do Fabio Junior tinha de madrasta. 

Eles eram amigos, mas não eram diferentes um do outro, cada um tinha sua história assim como Tae que não ligava de ficar até altas madrugadas com seus amigos, ele era um playboy de uma família cheia de grana, e seria uma vida perfeita se a um ano atrás o irmão mais velho tivesse morrido em um acidente horrível de moto com um amigo, então não achava graça em ficar em casa e Kawã tinha um irmão mais novo e morava com os avós porque a mãe não dava conta ao contrario de Aniki que havia perdido a mãe em um acidente de carro quase que nem a fatalidade trágica de seu amigo Tae, a obra do acaso ou destino como preferir, era realmente cruel e fugia do controle quando não sabia que hora ou outra viria a morte, não era uma mentira e sim uma verdade de que todos morreriam no final de um jeito ou de outro. E como Din era adotado junto com seu irmão gêmeo não se lamentava de perdas mas sabia que ele sentia um vazio por não saber quem era seus pais de verdade e o porque de te-los deixados, tentava não se importar mas o peso na consciência que não deveria ser dele latejava constantemente.

 Tama não gostava de pensar sobre sua infância, havia muitos fatos cruéis que se escondiam em sua memoria que ele juraria que não contaria a ninguém e nem continuaria pensando sobre o assunto polêmico em questão mas fora isso tinha sua mãe na qual ele amava muito e a muitos anos atrás teve um pai falso que achava que era seu pai de sangue até que ele resolver colocar sua mãe seus três irmãos para fora de casa assim que ficou com uma outra mulher qualquer, então tiveram que arranjar outro lugar para morar, porém sua tia lhe deu um lar no sobrado em que morava. Se lembrava vividamente e era agradecido mas ali naquele local a onde havia nascido no continente da América do Sul havia passado por maus bocados na qual nunca iria comentar com ninguém pois era constrangedor lastimar sua memória de criança e sim deveria lembrar de ter conhecido seu pai aos nove ou dez anos e depois de um tempinho fora obrigado a morar com ele na X-Gravitation, a cidade das nuvens para ter uma vida melhor, não que o odiasse seu pai biológico, mas era estranho na época e gerava muita indiferença.

Eram muitas histórias diferentes mas que sempre levavam ao mesmo ponto dramático, queriam parar de frequentar as aulas do conselheiro da escola para crianças com passado conturbado e esquisitas, era um saco de fato pois de qualquer jeito eram seus destinos seguir a partir disso tendo ideia de quem eram na realidade, e todos os acontecimentos em suas vidas pacatas faziam parte deles formando um ser vivo com tudo que ele deveria ter sendo bom ou ruim, isso era a história e não tornava alguém totalmente vazio. Tama sabia que seu coração era em parte sombrio e só havia escuridão e nada se escondia tão facilmente, só faltava achar essa luz perdida e acender novamente aquele lugar. 


Notas Finais


Ola novamente, nesse capítulo tem tentei abordar a vida pessoal do meu protagonista pois os dois são em especial, mas então vem os protagonistas de apoio pois há um compilado de outras histórias q vão de outros personagens comuns até secundários desse enredo, o chão de Icarus vai firmar a partir desses outros personagens, pois a história não é só Tama e Ícaro digo desde de já.
É claro q eles são os principais mas como eu já disse em meio a minha história pessoas são cheias de lembranças e histórias q devem ser contadas que relaciona os dois q fzm parte da vida deles pois Icarus é repleto de tragédias. E espero que sejam fortes para compreender o q eu quero mostrar e incentivo vcs a continuarem lendo e escrevendo suas histórias.
Pois todas as histórias devem ser contadas!
Até a próxima e obrigada por tudo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...