História Idas e Vindas do amor - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Ayame, Bankotsu, Ginta, Inu no Taishou, Inuyasha, Izayoi, Jaken, Kaede, Kagome Higurashi, Kagura, Kikyou, Kohaku, Kouga, Miroku, Myouga, Naraku, Personagens Originais, Rin, Sango, Sesshoumaru, Shippou, Souta Higurashi, Toutousai
Tags Caos, Comedia, Drama, Hentai, Inugome, Inuyasha, Kagome, Miroku, Mirsan, Novela, Rin, Romance, Sango, Sesshoumaru, Sesshrin, Sexo, Takeda, Yuka, Yukeda
Visualizações 74
Palavras 6.160
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ficou enorme! Eu espero que compense todos os capítulos atrasados que postei recentemente >.<

PS: Gente perdoem a miope aqui porque o capítulo não foi totalmente corrigido.

As aspas " no meio do texto indica pensamento e reprodução de fala de outro personagem.

Bjos de caramelo espero que gostem

Capítulo 25 - Love is Madness


Fukuoka tarde de segunda feira

A mulher de cabelos negros com aparência abatida brincava com o canudo no copo vazio enquanto sua amiga tagarelava sem parar, seus pensamentos estavam bem longe, num certo prateado que havia terminado um namoro de mais de sete anos sem um motivo claro lhe restando apenas supor a traição, seu olhar era vago e triste deixando a fiel amiga que até então falava despreocupadamente aflita:

- Kikyo o que aconteceu com você? Desde que voltou de Tóquio anda com uma aparência abatida e um olha entristecido - Midoriko se aproximou

- Nada de mais, apenas o fim do meu relacionamento com o Inuyasha- Midoriko se abalou com o que ouviu - E o pior é que eu nem sei porque estou sofrendo, aquele idiota não merece - estava magoada e queria respostas

- Querida porque você não disse isso antes - a abraçou - Vem vamos pra casa encher a cara de sorvete e conversar sobre isso - Midoriko chamou o garçom para que pudessem pagar a conta

- Não, eu não quero chorar mais passei dois dias inteiros nisso. Me sinto traída, enganada e ainda vou tirar essa história a limpo, por hora eu preciso esquecer tudo o que sinto por ele ai sim depois eu vou me concentrar no que ele omitiu - rachou a conta com a amiga e ambas saíram do restaurante,kikyo estava tão distraída quem nem percebeu quando esbarrou no homem de cabelos negros

- Kikyou... achei que não viria hoje - sua voz grave a despertou do transe e por um minuto lhe ocorrera que se o mesmo havia lhe jogado aquela maldita indireta a semanas atrás deveria saber de algo mais - De qualquer forma, te vejo mais tarde é claro se você for a festa - Naraku virou de costas e saiu andando calmamente

- Eu te encontro no dormitório Midoriko, eu preciso falar com aquele idiota - antes que a mulher pudesse responder Kikyo ja havia corrido em direção ao homem de olhos vermelhos e segurou gentilmente em seu braço - Naraku nós precisamos conversar - o homens sorriu de escárnio com tais palavras

-  Quem diria que eu iria viver pra ver Kikyo Hasegawa correr atrás de um homem - cruzou os braços

- Deixe de sarcasmo, eu estou falando sério

- Me diga o que quer e verei se posso te ajudar - se encostou na parede de um prédio qualquer

- Você sabe porque o Inuyasha terminou comigo não sabe? 

- Oh, então ele terminou mesmo com você? Finalmente ele percebeu que você é muita areia pro caminhãozinho dele hu hu - kikyo estava furiosa com o sarcasmo do homem

- Naraku, não seja idota! Você jogou aquela indireta e não foi atoa

- E eu fui bem claro quando disse que você viria a mim de bom grado - sussurrou as palavras de modo sensual o que deixou a mulher envergonhada - Bom agora eu preciso ir, se quiser mais algumas coisas nos falamos mais tarde - observou o Yamada seguir em frente

- Espera! Você disse que eu viria de bom grado e aqui estou, então me diga de uma vez o que você quer de mim?  - ela não viu mais o sorriso malicioso dele se estendeu com perfeição e depois  olá encarou com seu olhar possessivo 

- O que eu sempre quis, que tal me da a honra de comparecer a festa hoje a noite?

- Você sabe muito bem que eu não estou em clima de festa

- E nem de fossa, você é uma mulher muito interessante. Enfim faça como quiser, se mudar de ideia vou deixar o endereço no meu escritório, acho que você conhece muito bem o caminho - piscou de forma sexy antes de ir embora deixando a mulher de cabelos negros abalada com tal atitude.

-" Que desgraçado, ele esta jogando comigo" - com seus pensamentos contidos retornou ao caminho costumeiro até o apartamento que dividia com Midoriko, passou pela porta trancando-a e retirou os saltos, soltou os cabelos e seguiu para o sofá se jogando em seguida, sua respiração profunda deixava transparecer toda a frustração que sentia no momento.

- Amorzinha você esta muito mal, pega esse é de chocolate o seu favorito - Midoriko sentou ao seu lado com duas colheres e um pode de 3L de sorvete - Agora comece a falar, não precisa ser sobre o termino se não quiser mas me diga o que esta te deixando tão incomodada

- Eu fui trocada Midoriko, o Inuyasha terminou comigo e achou mesmo que eu fosse engolir aquele papinho de que o amor acabou do nada, eu so quero descobrir o que e por quem ele me trocou, mesmo que isso me machuque mais eu preciso saber. Me sinto usada, não posso perdoar e muito menos permitir isso!

- E o que  pretende fazer? 

- Bom o Naraku sabe de alguma coisa, mas não quis me contar. Então hoje nós vamos a uma festa 

- Pera, que festa? A festa da Kagura?

- Sim, você sabe onde vai ser? Porque o Naraku acha que eu sou burra, deixou o bilhete no escritório dele e eu só vou passar la em ultimo caso

- Vai ser na mansão dele, você está como medo de passar no escritório dele e cair na tentação de novo? - Midoriko perversamente encarou a amiga

- Não comece com isso, nós vamos aquela festa e ai eu vou finalmente descobrir o que o Inuyasha estava escondendo!

- Isso ai, ai eu aproveito pra pegar o Bankotsu e ainda te dou apoio. Seria bem interessante se você pegasse o Naraku ou Suiokotsu não acha? Quer dizer, os dois estão afim de você então aproveita boba e pega os dois. Se você realmente não quer curtir fossa nada melhor do que beijar dois gatos numa noite ou ate mesmo algo a mais - piscou para a amiga que estava com o rosto estupidamente vermelho

- Sua pervertida, eu não vou fazer isso

- Kikyo para, eu sei muito bem porque você não quer ir ao escritório do Naraku, só não sei o porque de você ter resistido se na época estava solteira - as palavras da amiga ecoaram na cabeça dela, amava tanto o prateado que nem nos momentos de briga em que se separavam tinha a vontade de aproveitar o tempo livre ao lado de outro homem, exceto no dia em que Naraku se aproveitou de tal fragilidade para beija-la o que deixou a mulher confusa e entristecidos pois em todo o seu ser sentia que havia traído o amor de sua vida.

- Chega desse assunto Midoriko, preciso de um banho e terminar a revisão do trabalho de amanhã, já que a noite estaremos ocupadas - Kikyo deixou o sorvete em cima da mesa de centro e segui para o quarto, retirou as roupas e entrou no box deixando a água quente relaxar seus músculos enquanto o flasback do escritório do homens de cabelos cacheados negros invadia a sua mente.

 

FLASHBACK ON

Kikyo já estava cansada daquelas brigas sem fundamentos, perdera a conta de quantas vezes se separaram so neste ano, entrou em seu escritório e a contra gosto começou a fazer o trabalho que tanto amava:

-  Droga Inuyasha, só você não percebe que essa atitude é infantil: " Você poderia deixar FUKUOKA e voltar pra Tóquio" " Sabe que a culpa é dessa distância né, eu nunca vou aceitar isso" - relembrou das palavras do mesmo durante a discussão - Idiota machista presunçoso! Eu é que não vou desistir de tudo porque você não quer aceitar a distancia entre nós, não quis nem se dar o trabalho de vir aqui, dessa vez e definitivo eu não volto com aquele estúpido! - lágrimas escorreram por sua face e sem perceber a mesma rabiscos involuntariamente o contrato - Ah não, eu não acredito que deixei meus sentimentos interferirem no meu trabalho agora preciso de outra cópia, espero que o Naraku ainda esteja no escritório- se olhou no espelho que possuía em sua mesa, limpou as lágrimas e seguiu até a sala de seu colega de equipe: Toc-Toc-Toc - Bateu três vezes antes de ouvir um sonoro entre, respirou fundo e abriu a porta, odiava esta naquele escritório sozinha pois sabia dos sentimentos e desejos que aquele homem possuía.

- Naraku, eu preciso de outra cópia do contrato sobre os aparelhos respiratórios 

- Boa noite Kikyo, sente- se, vou ver se consigo pegar pra você pôr que sinceramente não faço a menor ideia de onde coloquei - apontou para a pilha de papéis amontoados na mesa ao lado

- Francamente Naraku, você deveria ser mais organizado principalmente com a papelada do hospital! - ele achava uma graça quando ela começava a lhe chamar a atenção

- São muitos papéis, todo dia chega pelo menos quinze contratos ou pedidos para serem analisados, acaba não dando tempo de arrumar isso tudo

- Ótimo, pelo jeito você esta livre e eu também, preciso desse contrato pra hoje. Vamos catalogar tudo - se levantou e foi ate as pilhas aquilo seria ótimo para distrair a sua mente, Naraku a ajudou com felicidade, afinal não é todo dia que Kikyo Hasegawa vinha o procurar. Levaram cerca de três horas para terminar tudo, os fios dela já estavam fora do lugar assim como seu jaleco amassado, devido ao tempo que passou jogada no chão em meio as pilhas - Vê se da valor ao meu trabalho e não bagunça mais isso, se sentou em cima da mesa se servindo do chá que o homem havia preparado

- Eu dou valor a tudo quando se trata de você, seria ótimo se percebesse - andou ate ela e se serviu do mesmo chá, desabotoou dois botões da camisa social enquanto observava a mulher de pernas cruzadas sentada na sua mesa

- Não comece com isso Naraku!

- Você sabe que digo a verdade, não acredita porque não quer - encarou aqueles olhos e a mulher que apenas se levantou da mesa e começou a andar ate a porta - Espera esquentadinha, você esqueceu o contrato que veio buscar - com um sorriso malicioso ele esperou, a mulher dar alguns passos em sua direção e o mesmo apenas pegou o papel em cima da mesa e esperou que se aproximasse mais, assim que os dedos dela encostaram no papel seu braço foi puxado e sua cintura agarrada, os olhos alarmados indicaram surpresa e com o mesmo sorriso canalha Naraku a beijou, no começo ela pensou em recusar mais a posse daquele homem e seu corpo quente a despertaram então apenas agarrou aquele cabelos negros e deixou que o mesmo a beijasse da forma que quisesse, seu corpo foi suspenso e pousado em cima da mesa e as mãos que antes estavam em sua cintura agora apertavam suas coxas os lábios do homem desceram ate seu pescoço onde marcas foram deixadas, uma de suas mãos arranhou de leve aquela nuca masculina e o homem apenas abriu sua camisa e arremessou longe, suas mãos foram de encontro aos seios femininos e com agilidade a camisa social branca foi aberta, aqueles seios grandes dentro daquele sutiã de renda branco, uma visão que o excitava  sem demora arrastou seus lábios pela clavícula da mulher que agora não tinha mais controle sobre si, sua mente procurava na pouca sanidade que havia restado faze-la sair dali. Nenhuma palavra foi dita apenas se permitiu sentir aquelas mãos quentes em seu corpo, seus lábios tomados com luxúria enquanto as hábeis mãos de Naraku  a exploravam e num frenesi de consciência o empurrou para longe,  abotoou a camisa e abaixou a saia saindo da sala sem dizer uma palavra apenas com o contrato em mãos.

- Droga o que foi que eu fiz? - lágrimas pecorreram pelo seu rosto enquanto a sensação de culpa a dominava.

Flashback off

 

- Naraku  você vai me contar tudo que eu quero saber ou não me chamo Kikyo Hasegawa - com esses pensamentos, a mulher saiu do banho e depois de descansada se propôs a revisar o trabalho esquecendo completamente dos problemas a sua volta, definitivamente se afundar naquilo que amava era o que lhe fazia bem.

Se passaram cerca de seis horas e Kikyo agora dormia tranquilamente em sua cama, Tsubaki bateu na porta diversas vezes e a mesma não escutou então abriu a porta e encontrou diversas folhas espalhadas pelo chão e sua amiga estirada na cama arfou com aquilo pois sabia que essa era a forma dela de enterrar seus sentimentos, com muito carinho catou todos os papeis do chão e de cima da cama e os depositou sobre a escrivaninha, se sentou na cama e por dois longos minutos acariciou os cabelos negros desgrenhados:

- Kik acorda... acorda amiga, ja estamos atrasadas para a festa - balançou de leve a mulher que despertou com calma

- Nossa você esta bem vestida - a mulher de cabelos claros vestia um tubinho azul com saltos na cor azul

- É claro querida é uma festa na casa dos Yamada, essa é Á Festa de despedida da Kagura, todos vão esta bem elegantes mesmo que o tema seja balada. O que você pretendia vestir ?

-  Pretendia? Eu vou de jeans e camiseta oras - Midoriko gargalhou com aquilo

- Mas não vai mesmo passar essa vergonha, você vai é colocar aquele vestido preto bem sexy que eu vi no seu armário

- Que vestido é esse que eu não me lembro de ter comprado?

- E não comprou mesmo, foi o meu presente de aniversário pra você, já que suas roupas comportadas são terríveis. Você fica parecendo uma executiva gostosa o tempo todo mas se quer arrancar algo de verdade do Naraku que não seja as roupas você precisa entrar no jogo dele e vestir algo estupidamente provocante que ele ou qualquer outro homem nunca viu faz parte - Kikyo por um tempo pensou nas palavras dela, sabia que ela tinha razão então tirou a camisola e foi até o armário onde pegou o micro vestido de veludo preto e com muito desgosto o vestiu soltou a trança que havia feito nos fios molhados os deixando levemente ondulados  e se maquiou rapidamente encerrando a produção com um par de sandálias de salto preto, pegou a bolsa e  andou em direção a sua amiga.

- Uou! Você poderia se vestir assim sempre né, se eu fosse um homem eu iria querer pegar você - esse era o jeito dela dizer que a amiga estava deslumbrante, ambas saíram do ap em direção ao taxí que as esperava e assim seguiram para a mansão de Naraku, o lugar estava lotado a musica alta e todos dançavam animadamente, Kikyo entrou de braços dados com Midoriko pois ambas não queriam se perder naquele lugar.

- Nossa Kik, como nunca viemos aqui antes olha o tamanho dessa casa, ja quero vir a mais festas e cadê os gatos?

- Midoriko se concentra, viemos aqui com um propósito - Kikyo percorria seus olhos pelo lugar atrás de Naraku que apenas a observava de longe, andaram até o meio da festa onde kikyo olhou Kagura acompanhada do exército dos sete, apelido dado aos irmãos de Bankotsu, segurou com força o braços da amiga que estava desesperada para pegar o moreno.

- É hoje Kik, ninguém me segura, vamos ate la ai você pergunta sobre o Naraku e eu pego o gostoso do Bankotsu -  arrastou a amiga ate la, a mesma se manteve seria o tempo todo - Boa noite pessoal! A festa esta linda Kagura - Midoriko era um doce de pessoa quando queria

-  Boa noite meninas! Eu espero que estejam se divertindo, principalmente você kikyo - Kagura a abraçou o que a deixo desconfiada - Serio o meu irmão é muito melhor do que aquele canalha, na verdade os irmãos Taisho são dois cretinos! - Kagura estava bêbada e antes que pudesse dizer mais alguma coisa Naraku apareceu  e a interrompeu com um abraço carinhoso

- Kagura, esta bem bêbada. Boa noite garotas, Kikyo creio que temos assuntos a tratar não?

- Sim achei que havia esquecido do nosso acordo  - saiu andando acompanhada pelo homem que vestia uma roupa despojada que o deixava extremamente sexy, o homem abriu a porta da casa que até então estava vazia e ambos andaram até o segundo andar o que fez Kikyo estranhar ja que a conversa poderia ocorrer em qualquer lugar - Onde vamos, espero que não seja ao seu quarto

- Hu hu, bem que eu gostaria de leva-la até la mas estou atrás de umas fotos que Kagura tirou pra mim, entrou no escritório e percebeu que a mesma continuou na porta, um sorriso malicioso brincou em seus lábios - Eu não vou te agarrar aqui se é isso que esta pensando, além do mais a sua recusa em ficar num lugar escuro comigo significa que gostou daquela noite - continuou mexendo na papelada até que encontrou as fotos que tanto queria.

- Você é muito convencido Naraku, deveria saber que eu não caio tão facilmente nas suas armações - cruzou os braços enquanto o homem passava por ela, o seguiu até a um cômodo bem parecido com uma sala,entregou o envelope nas mãos dela e se sentou - Naraku porque estamos aqui?

- Antes de mais nada Kikyo eu quero   que saiba eu jamais tive o propósito de te me machucar - abriu o envelope e assim que viu a foto ficou sem entender nada.

- Naraku, porque você tem uma foto da Kagome? 

- Eu descobri que o irmão dela anda interessado na Kana, como bom irmão que sou mandei revirar a vida dela e nesse rolo eu acabei descobrindo o que não me interessava - os olhos de kikyo demonstravam o mais profundo interesse. 

- O que você descobriu Naraku? 

- Que o Inuyasha esta apaixonado por ela 

- E como você sabe disso? Kagura ouviu uma conversa, ao que parece ela não esta nem ai pra ele mas o idiota estava apaixonado por ela - omitiu a gravidez, não seria filho da puta ao ponto de estragar a noite da mulher que já estava bastante magoada, por algum tempo o silêncio reinou pelo ambiente ate que uma voz no corredor chamou a atenção de ambos, Naraku  foi até a porta e abriu lentamente dando de cara com sua irmã que assim que o viu empurrou a porta e se jogou na poltrona.

-  Finalmente eu te achei! - olhou a mulher segurando a imagem de Kagome - Então o Naraku já te contou, os irmãos Taisho são dois desgraçados, Sesshoumaru me traiu e Inuyasha desgracou  a vida dessa garota! - Naraku   apenas levou a mão direita ao ombro de Kagura  que viu em seus olhos o mais profundo ódio estava bêbada e nao ficaria calada

- Como assim desgraçou a vida dela?

- Naraku, pelo menos conta a porra da notícia direito, ele engravidou ela Kikyquerida...ele a deixou buchuda! - os olhos e ouvidos da mulher não puderam acreditar no que foi dito

- Kagura vai deitar agora, seu voo sai amanha pela manhã então cala essa boca e vai para o seu quarto! -  O homem se descontrolou

- Deixa de ser chato, Kikyo saiba que pode contar comigo querida. Agora assim irmão eu vou...beber mais afinal preciso esta preparada para dar na cara daquele calhorda do meu exxxx- noivo- bateu a porto deixando a mulher estática.

- Por isso ele mentiu - algumas lágrimas desceram - Mas se ele pensa que isso vai ficar assim esta muito enganado, ele vai me ouvir! - respirou fundo e se levantou. 

- Onde você pensa que vai nesse estado? - o homens segurou seu braço

- Pensei que estivessemos numa festa, você vem ou vou ter que beber sozinha? - puxou o braço de forma rude e voltou para a festa. Naraku parou no bar e passou a observar os movimentos corporais que com o passar das horas so aumentavam, tinha certeza de que a mesma se arrependeria por se portar de forma tão leviana.

- Que mulher difícil! - colocou a bebida na bancada e foi atrás de Kikyo que rebolava em cima da mesa, a puxou de la é a carregou feito um saco de batatas até o quarto de hóspedes localizado no segundo andar da mansão.

- Me sssolta Narku - foi colocada de pé dentro do quarto

- Essa sua forma de curar a traição é péssima 

- Eu mão fui traída, estavamosss dando um tempo - o homem a pegou nos braços e a colocou na cama

- Amanha você me agradece Hesegawa! - Tentou sair da cama mais teve seu pescoço abraçado sendo assim forçado a deitar.

- Obrigada - sussurrou antes de cair num sono pesado enquanto uma de suas pernas passava por entre as dele não restando outra atitude pra ele a nao ser abraça-la, a noite não tinha saído como queria e nem de longe aquilo foi planejado mas estaria mentido se dissesse que não estava gostando. 

O dia na mansão Yamada correu tranquilamente, Kagura foi embora sem se despedir do irmão pois, assim que entrou no quarto e viu a cena sorriu e decidiu não acorda-los, Midoriko por sua vez havia ido embora com Bankotsu e sabia que sua amiga estava bem acompanhada. O dia passou e não casal continuou dormindo profundamente até que o celular de Naraku tocou e a mulher na cama despertou lentamente.

- Bom dia, eu espero que você tenha gostado do meu braço, porque ele esta dormente - brincou enquanto acariciava a s costas dela que se levantou assustada

- Eu dormir com você? - perguntou ajeitando os cabelos

- Sim, dormiu e adorou - sorriu para a mulher

- So para deixar claro Yamada, isso nao vai se repetir, obrigada pela hospitalidade - pegou os sapatos e saiu do quarto sem dizer nada,não queria admitir mas gostava da presença dele porem, tinha que por os pingos nos is com Inuyasha por mais duras que fossem suas palavras Naraku sabia que ela viria até ele e novamente a receberia de braços abertos.

 

Enquanto isso em Tóquio:

Kagome acabara de sair da ultima aula de culinária e reclamava meltalmente por ter matado o dia anterior

- Droga, como eu vou pegar aquela pratica para a prova de semana que vem?

- Relaxa Kah, eu te dei cobertura amiga, amanhã nós vamos praticar um pouco agora me conta como está meu sobrinho ou sobrinha – Yuka perguntou com um sorriso nos nos lábios

- Bem, eu estou mais preocupada com o que eu vou fazer em relação a minha atual situação – respirou fundo e baixou o olhar

- Do que se refere?

- A barriga cresce Yuka, uma hora vou ter que deixar o campus e tudo o que eu não queria era isso, eu gosto de morar aqui é mais ratico e rapido para chegar as aulas.

- Relaxa Kah, nós vamos encontrar um ap bem legal pertinho da faculdade e se você esta incomodada com a barriga saiba que atem mais meninas no mesmo estado que você ou seja você não é a primeira e nem será a ultima, a diferença é que você tem o apoio de todos que te amam – sorriu e abraçou a amiga, caminharam em direção ao pátio e havistaram o prateado que vinha em sua direção – Falando em amor… eu vou indo Kah, até mais tarde

- Boa tarde, como estamos? - Inuyasha perguntou beijando sua testa, o que a deixou corada, realmente ele estava controlando suas atitudes impulsivas

- Bem, vamos almoçar?

- Ia te convidar agora, esta afim de comer o que ? Sei que mulheres grávidas sentem muita fome e uns desejos loucos

- Na verdade eu quero que você va comigo a um lugar, podemos almoçar no caminho estou afim de comer lámen com pipoca – sorriu

- Eca! Mas fazer o que né desejos de grávida – revirou os olhos e ofereceu o braço pra ela que aceitou – Vamos no meu carro – sorriu ao lembrar de que quando eram amigos andavam da mesma forma, seguiram para o carro do prateado e assim que acharam o local com o lámen perfeito se sentaram para comer, Kagome já hvia comprado pipoca doce sabor caramelo então apenas acrescentou aquilo ao prato e saboreou, seus olhos chegavam a brilhar cada ve que levava os hashis a boca, as caretas que Inuyasha fazia era a melhor parte do almoço, de fato ambos estavam se divertindo sem preoucupações como faziam antigamente – Você me pediu para ir a um lugar com você, onde seria exatamente? - esperou a mesma acabar de comer

- Eu já decidi o que vou fazer com as posses de meu pai, eu não vou torrar tudo e muito menos devolver, vou dividir igualmente com o meu irmão e vou pegar uma parte do meu dinheiro e comprar ou alugar um apartmento pra mim que seja perto da faculdade, assim vai ser mais facil vir as aulas depois que a barriga crescer – sorriu enquanto esperavam a sobremesa

- E quando foi que você decidiu isso?

- Na verdade estou com isso na cabeça desde ontem mas, decidir enquanto descia as escadas no fim da aula – o prateado a olhou desconfiado, assim que a sobremesa chegou ambos comeram e racharam a conta, andaram por um bom tempo em algumas corretoras e cada a que visitavam Kagome achava algo que a desagradava

- Assim vai ser dificil se você continuar rejeitando todos os apartamentos que encontra! - o prateado já estava sem paciencia

- Cala senhor nervosinho eu vou encontrar um, sei que não precisa ser hoje mas eu quero resolver logo isso! - encarou o relogio de pulso do prateado marcando exatas 18:20 hs, e sua expressão de assustada deixou o prateado preocupado – Droga! Eu esqueci que tenho algo muito importante pra resolver hoje!

- E o que seria Kagome?

- Bom, vou colocar minha vida nos trilhos, podemos voltar para o campus?

- Você anda muito misteriosa desde que saimos do campus – caminharam até o carro do prateado

- É só impressão sua - se acomodou no banco e permaneceu em silencio, não queria e não diria a Inuyasha onde ia pois queria evitar ao máximo brigas entre os dois. O carro estacionou e Kagome desceu do mesmo, agradesceu ao prateado e começou a correr o que o deixou mas extressado.

- Sua louca, pare de correr esta gravida esqueceu? - segurou gentilmente em seu braço

-Gravida, não doente – sorriu – Mas fique despreocupado que eu vou indo – como o mais puro costume que nunca adquiriu depoisitou um beijo no canto dos lábios do prateado antes de ir embora sem perceber o que havia feito, subiu as escadas do dormitorio apressada, largou as coisas em cima da cama e enfiou no bolso as chaves que precisava e o celular, estava decidida a por um ponto final na loucura que sua vida havia se tornado.

 

~~x~~

 

Kagome colocou a chave na porta do apartamento luxuoso e o abriu com receio, as luzes estavam apagadas e haviam algumas velas espalhadas pela bancada, a mesma caminhou até la e viu um cartão escrito Siga a luz => e assim o fez, seguiu até a única luz acesa que por sinal era da varanda do quarto do moreno, assim que entrou no comodo sabia que teria que ser sincera com ele.

- Boa noite gatinha – foi surpreendida com um abraço delicado plea cintura e um beijo em seu pescoço

- Boa noite Kouga, o que você aprontou dessa vez?

- Nada, eu juro que só fiz o jantar – encarou a mesa da varanda arrumada e não poderia simplesmente deixar aquilo passar, sabia da dedicação dele quando se tratava de relacionamentos, então se deixou ser conduzida até a mesa se sentou e compartilhou com ele o que seria o ultimo momento como um casal – Kagome, eu preciso conversar algo serio com você – bebeu um gole do vinho tinto

- Então me diga o que é, porque foram poucos os momentos que te vi tão abatido, isso me lembra quando você me falou que iria se mudar para a Islândia – sorriu e percebeu que o mesmo estava desconfrotável

- Kagome eu vou ter que pedir transferência para a Califórnia, vou precisar assumir a empresa o mais rápido possível

- E porque você esta triste Kouga?

- Porque ficaremos distantes, logo agora que estavamos no inicio do namoro – ele sorriu sem vontade, queria ficar com ela.

- Kouga…

- Não Kah, deixe eu terminar, eu não quero ficar longe de você por causa do meu trabalho. Não quero contar com a sorte para decidir o nosso destino juntos, eu quero você, sempre quis e sempre vou querer. - o olhar de tristeza do moreno fazia como que a mulher se corroesse em culpa.

- Kouga… sorriu – eu vim aqui pra conversar com você achando que só minhas palavras importariam e vejo que você está com tantos problemas quanto eu. Quando você vai?

- Na verdade amanha, passei o dia resolvendo a transferencia, Hagaku e Ginta vão dirigir a presidencia do Japão eu espero que eles não destruam o patrimônio,minha mãe vai presidir a de Paris e eu vou ficar na California.

- Nossa imagino como deve ser dificil pra você ter que se separar de toda a sua família

- Mais dificil pra mim vai ser fica longe de você – acariciou o rosto dela – A não ser que você aceite o pedido que tenho a fazer – Olhou alarmada o homem se ajoelhar e nem esperou que alguma palavra saisse de seus lábios:

- Kouga eu não posso

- E porque não? Nós casamos, você termina a sua faculdade la na Califórnia, abre o seu negocio como sempre quis. Podemos montar a nossa vida por la – ele já havia planejado tudo, realmente um apaixonado, um homem decidido.

- Eu acho que o destino conspira contra a gente, as vezes penso que isso é um sinal e por ai vai, eu vim até aqui pra gente conversar agora eu tenho mais certeza do que nunca sobre a minha decisão, Kouga eu gosto de você de verdade, mas eu não posso fazer isso… porque eu não te amo – os olhos dele congelram diante daquelas palavras, talve no fundo soubesse que aquele pedido seria recusado mais tinha esperança que o sentimento fosse mutuo, lágrimas escorriam pelo rosto dela, se sentia culpada.

- Não chora Kagome, você não tem culpa, não manda no seu coração – fechou a caixinha do anel e como um perfeito cavalheiro se sentou de volta a mesa

- Na verdade eu tenho culpa sim, eu não deveria ter começado isso com você – a bomba emocional tambem conhecida como hormonios estava preste a explodir – Fui uma verdadeira cobre inescruulosa.

- E porque diz isso? - bebeu mais um gole do vinho

- Porque… eu estou grávida – teve que se segurar para não cuspir a bebida, a confusão se instalou em sua mente, se ela estava gravida o filho era dele e aquilo era uma despedida então…

- Você me traiu nesse tempo que ficamos juntos Kagome? - o seu semblante mudou para um misto de fúria e dor

- Não eu não te trai… eu já estava grávida quando começei a sair com você – se levantou na intenção de ir embora mas o moreno terminou o copo de vinho de uma só vez e a imediu de sair.

- Inferno! Esse filho é daquele desgraçado do Inuyasha não é? - mesmo assustada ela confirmou – Sabe Kagome eu assumiria de boa um filho que não é meu pois isso jamias feriria a minha masculinidade porque eu te amo o que realmente me deixa revoltado é o fato de você não ter me contado nada antes, você pretendia o que deixar que eu descobrisse quando a barriga aparecesse? Ou pior iria me chutar assim que não conseguisse mais esconder? - as palavras dele doeram no fundo do coração dela.

- Eu não estava me divertindo com você, eu realmente pensei que pudessemos ter um relacionamento serio e sim uma hora eu iria contar

- E o que foi que mudou ? - haiva seriedade em suas palavras carregadas de raiva

- O fato de que eu não te amo, eu decidi terminar com você enquanto você viajou, porque eu não queria te magoar!

- Conta outra Kah, eu sei quando esta mentindo, você abriu e fechou a mão três vezes – ele reparava em tudo até nos tiques nervosos que ela possuia quando mentia.

- Eu não estou mentido, eu só prefiri ficar sozinha – as lágrimas escorriam pelo seu rosto pois aquilo era a única certeza que tinha no momento.

- Se essa é a sua decisão então eu me retiro da sua vida, mas saiba que se aquele idiota a magoar novamente eu não o perdoarei assim como não vou perdoar você por ter mentido pra mim – seu tom de voz era ameno e mesmo se portando como um homem maduro que era, se sentia mal por ela não o ter escolhido porem, essa magoa remoeria sozinho e de preferência longe dela. A mulher apenas se levantou deixou a chave em cima da mesa e seguiu até a porta, não pesou que aquela conversa seria tão intensa, sabia que seria dificil mais não imaginava o quanto, entrou no elevador com a certeza de sua decisão, chamou o taxi e assim que o mesmo parou na porta do edificio luxuoso entrou raidamente deixando as lágrimas correrem livremente, se sentia mal não pela decisão afinal amava o prateado mais por não ter feito o necessário antes, quando o taxi chegou a entrada do campus, pagou o que devia e foi embora a passos lentos se arrastou até o dormitório, entrou e fechou a porta, acenceu a luz tirou os sapatos e deu de cara com um prateado sério sentado na poltrona de couro com cara de poucos amigos:

- Inuyasha! O que faz aqui a essa hora? - ele apenas se levantou e entregou a ela o envelope amassado com uma carta dentro, carta que a mesma não havia lido

- Você resolveu brincar com os meus sentimentos Kagome, esperava isso de qualquer uma menos de você – caminhou até a porta mais a mesma bloqueou o caminho com o seu corpo encostado nela – Sai da minha frente, nada que você diga vai compensar o odio que estou sentindo agora

- Espera Inuyasha o que foi que você viu? - ela rapidamente desamassou o papel para o qual ele apontou e leu a carta “droga! porque as coias se comlicam tanto quando eu resolvo tomar uma atitude!” pensou enquanto colocava o papela amassado em cima da mesa – Eu posso explicar, se você ainda quiser ouvir – saiu da frente da porta e esperou rezando que ele aceitasse ficar e escuta-la

- Espero que seja bem sincera comigo – se sentou na cama dela

- Eu fui ver o Kouga, eu precisava dizer a verdade, afinal não podia esconder dele que eu estava gravida

- E…?

- E ai eu conversei com ele e depois nós terminamos – não queria contar os detalhes de seu termino como o moreno, achava a atitude do prateado invasiva já que quando ele terminou com a Kikyo ela não exigiu nada e agora essa situação estava a deixando a ponto de explodir novamente

- Porque você não me contou que ia ve-lô hoje é por isso que estava estranha?

- Porque não achei necessário, uqer dizer quando você resolveu seu termino com a Kikyo eu não fui la te julgar ou exigir que você me contasse o que fez o que falou e por ai vai eu apenas respeitei qualque que fosse a decisão que você tomou e tentei seguir a minha vida ao lado do Kouga mas fazer o que né se a gente não escolhe quem ama!

- Então era isso? - cruzou os braços em tom de deboche – Eu não acredito que você ainda tinha duvidas, francamente Kagome eu percebi que você estava apaixonada por mim antes de você

- E você acha mesmo que o fato de eu ter te escolhido muda alguma coisa entre nós? Princialmente com esse seu temeramento! - com um sorriso nos lábios Inuyasha se levantou e a abraçou

- Muda tudo, você só precisa ver com mais clareza – afagou os cabelos negros com carinho, já sentia vontade de fazer tal ato desde que entraram no carro mais cedo, afastou seus corpos acariciou a face feminina corada e apenas devolveu o beijo de mais cedo antes de passar pela porta a deixando sozinha, realmente aquela decisão fora a correta bastava se olhar no espelho e ver o rosto avermelhado e sentir o coração bater tão forte a ponto de querer saltar de seu peito para ter absoluta certeza de que amava aquele homem que julgava ser infantil e idiota, amava tanto que chegava a doer.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...