História Identidade Dupla - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 14
Palavras 1.056
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


boa noite e espero que tenham um ótimo domingo...^^

-boa leitura!

Capítulo 4 - 'Atentado'


Fanfic / Fanfiction Identidade Dupla - Capítulo 4 - 'Atentado'

S ė B-Sex and Bitches se mantinha em um eterno silêncio.

Todos ali estavam desesperados e prezavam por suas vidas.Alguns choravam abraçados a amigos, outros jogados no chão se balançando de um lado para o outro.Ana Júlia sorria sombriamente por de baixo da máscara horrenda, ela observava cada movimento que das pessoas aprisionadas pelo medo.Apenas uma que se manteve intacto desde o começo, Gabriel.

-Todos vocês que prezarem por suas vidas irão fazer tudo o que eu dizer disser.-Ana Júlia falava alto e andava onde seria a ala do DJ, sua arma estava carregada e visível para todas as pessoas no andar de baixo.-Caso contrário...-Ela apontou a arma para a cabeça do DJ e deu um tiro que despedaçou a cabeça do rapaz.As pessoas tremeram e arregalaram os olhos.-Isso acontece!-Ela continuou chutando o corpo do rapaz, que caiu onde estava um aglomerado de pessoas.

Gabriel estava horrizado com os atos de Killer B.Por que uma pessoa faria tudo isso? Dinheiro?Status?Vontade própria?Ele não sabia responder, mas sabia que a pessoa por trás daquela máscara...Não era 100% normal. Seu pai devia estar louco na delegacia a essas horas, tentando descobrir qualquer rastro deixado pelo "assassino", para o desmascarar a qualquer custo.Gabriel teria que dar o melhor de si para orgulhar o pai, logo agora, que ele estava perto de tentar algo contra o "psicopata".

-Escutem antes que eu perca minha paciência.-Ana Julia murmurou alto.-Peguem seus pertences e tudo o que vocês tem de valor e joguem no palco.-Ela gritou querendo acabar logo com isso e ir embora.-Se alguém me desobedecer...-A assassina balançou a arma com um sorriso ainda maior.

Todos ali começaram a lançar todo qualquer tipo de obejto de valor.Relógios, cordões, dinheiro, cartões de crédito e muitos outros.Ana Júlia podia ver seu salário do mês pela quantidade de dinheiro que aquelas pessoas tinham.Enquanto esperava, ela usou o computador do DJ para hackear o sistema da boate e fechar todas as portas que tinham acesso a saída do local.Tudo o que ela fazia aparecia na grande tela em frente ao palco do local.Gabriel arregalou os olhos e viu o que o assassino tentava fazer ."Ele" iria matar todos que estavam ali dentro, inclusive ele. Tinha que descobrir uma saída da qual não fosse eletrônica, uma passagem secreta.Então, começou a vasculhar todo o local arduamente.

- Muito bem, meus caros!-Ana Júlia disse andando, agora, até o palco e tirando de sua cintura um grande saco preto.A garota recolheu todos os pertences e fechou o saco com um aperto forte.-Espero que tenham se divertido, porque eu enganei todos vocês!-A garota riu descaradamente, vendo o rosto de ambos ali se tornar confuso.Uma luz foi posta em cima da garota e uma passagem no teto da boate fora aberta.O som das hélices do helicóptero do lado de fora era nítido.Uma corda desceu até aonde a assassina estava e ela se amarrou ali, junto ao enorme saco preto.-Digam "Olá" para diabo por mim!Vejo todos vocês lá em baixo!-Ela gritou e riu esteticamente, sendo erguida pela corda até desaparecer e o silêncio reinar novamente.

Depois que o helicóptero se distanciou, uma grande explosão pode ser ouvida de toda a cidade.

(...)

No dia seguinte, ela não pode escapar de acordar cedo e ir a universidade.

Tomou um banho, se arrumou, tomou seu café e foi andando junto de Larissa para a escola.O efeito da explosão estava feito sobre ela ontem, um cansaço pode ser visto de longe do rosto da menina.Era sempre assim, a todo assassinato que ela cometia, era um pesadelo a mais na sua vida.Infelizmente, aquele era seu trabalho.

- Como foi ontem?-Larissa perguntou passando o braço pelos ombros de Ana Júlia e tentando animar a garota, que parecia morta por ter acordado aquele horário.

- Foi horrivel!-Ela soltou um suspiro.-Você sabe que eu odeio esse tipo de coisa...Fingir é muito difícil!-Ela reclamava manhosamente, enquanto encostava a cabeça no peito da amiga.

- Eu sei, Ju.Mas você precisa aguentar. Ainda tem muitas pessoas que você precisa matar.-A mais nova falava calmamente, como se fosse uma coisa normal.-Os "aliados" ainda estão por aí e você tem uma dívida a pagar.-Ela lembrou e Ana Julia bufou alto.

- Ai, nem me lembra!Só queria recuperar o sono perdido...-Ela falou bocejando agora, as olheiras totalmente visíveis e fundas a quem olhasse atentamente.

- Em casa eu te faço uma massagem e você pode dormir o quanto quiser.-Larissa piscou em sua direção e Ana Júlia sorriu satisfeita.

- Valeu, amiga.Não sei o que eu faria sem você.-A mais velha disse abraçando de lado a mais nova, enquanto andavam juntas até a faculdade.

(...)

Tokyo estava fria naquele dia.

Assim que o sino do intervalo tocou e Ana Júlia caminhou para fora de seu prédio, ela pode sentir o vento gelado e a brisa que beijava sua pele.Mais uma vez, ela andou até a cerejeira onde ela e seus melhores amigos ficavam.Gabiriel estava lá, parecendo quieto demais e Larissa, que tentava animadamente puxar assunto com o rapaz mais velho.Ana Julia franziu o zenho mesmo de longe, ela sabia que Gabriel era falante e não perdia uma conversa sequer com suas amigas.

- Bom dia, amores!-Ana Júlia comentou sentado ao lado dos dois, Gabriel se mantinha calado.-O que você tem, Gi? Você não é de ficar quieto.-Ela disse encarando o rapaz e dando um beijo em sua bochecha.

- Não sei se posso contar...-Ele disse baixo, enquanto se aconchegava mais em seu casaco quentinho.Ana Júlia e Larissa estranharam e se olharam, admitindo aquilo tudo estar muito estranho.

- Somos suas melhores amigas não somos, Gi?-Larissa perguntou e o garoto assentiu prontamente.As duas se sentaram em frente a ele, enquanto Ana Júlia segurava sua mão.-Então você pode contar pra gente.Nós vamos tentar te ajudar, Gi.-Ela disse lhe distribuindo um sorriso acolhedor.

Larissa fingia muito bem, Ana Júlia tinha que admitir...

- Vocês ficaram sabendo do atentado que teve em uma boate ontem?-Ele comentou com a voz rouca.As duas assentiram.O sangue de Ana Júlia congelou em suas veias.-Eu estava lá. Eu vi tudo com meus próprios olhos.Eu vi tudo explodir e todos que estavam ali dentro morrerem queimados e agoniados.-Gabriel disse querendo derrubar lágrimas fujonas e dolorosas.

- Então, quer dizer...-Ana Júlia murmurou com uma dor no peito insuportável e que tentava lhe dominar bem ali.

- Sim, Ana Júlia.-Gabriel lhe encarou com os olhos marejados.-Eu fui o único que sobrevivi...-


 


Notas Finais


só pra avisar o menino da foto é o Gabriel...:3
bom fim de noite!^^
espero eu tenham gostado e
até a próxima!
Bjs da tia lari+2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...