História IDFC - Capítulo 41


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7, Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope), Kim Seokjin (Jin), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Ten, Yugyeom
Tags Bangtan Boys (BTS), Fanfic, Got7, Nct
Visualizações 22
Palavras 2.584
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Galera, tenho um aviso importante. Recentemente perdi meu celular com os capítulos das fanfics, videos...( Até mesmo a conta do Spirit, por isso demorei para postar) eu consegui recuperar a conta, mas mesmo assim será difícil de postar os capítulos já que estou sem aparelho móvel. Tentarei postar o mais rápido possível os capítulos das minhas histórias. Peço desculpas e espero que atendam.
Enfim, espero que gostem do capítulo. Boa leitura.

Capítulo 41 - Capítulo 41


POV YUGYEOM

O clima estava levemente pesado no funeral. Ten foi um de nós e, quem diria que grupos de amigos totalmente diferentes, ou aparentemente diferentes, se juntariam por causa de uma única garota.

- Ele vai embora?- Jisung me cutuca ao ver Kang pegar alguns papéis e passar rapidamente pelas pessoas.

- Kang?! - corro na direção dele.

- Fala? - o mesmo abaixa a cabeça para arrumar seus papéis.

- Quer carona até em casa?

- Eu não vou para casa.

- Então quer carona seja lá pra onde esteja indo?

- Por que se importa? - ele me olha.

- Somos amigos.

- Não somos amigos, Yugyeom. Nenhum de vocês é meu amigo. Meu único amigo está a sete palmos, ou mais, abaixo da terra.

- Kang...

- Vocês só estão juntos pela frustração. Isso não faz de vocês amigos de alguém. - ele começa a andar e eu seguro-o pelo braço.

- Ok, meu não amigo. Não se meta em confusão. As coisas já estão...

- Não vou ser seu fardo, não se preocupe. - ele tenta andar novamente.

- Espera! - puxo - Eu não vou te impedir de ir, mas é sério. Toma cuidado. Preciso que fique bem. Não falo isso pela S/N, falo por mim. - por um segundo, vi seu olhar entristecer. - Quando chegar em casa me avise.

- Eu vou embora. Não posso mais ficar nesse lugar.

- Kang..? - eu queria impedir ele. Queria segurar ele pelos ombros e sacudir ele até seu cérebro ficar ao contrário. Mas quem eu queria enganar. O pior é que eu entendia ele, e faria o mesmo. - Me dê notícias, ok? - eu abraço ele, pegando-o desprevenido. E ele, por incrível que pareça, retribui.

- Ele está bem?- Jisung se aproxima enquanto Kang se vai.

- Ele precisa de um tempo. Ele vai sair da cidade.

- Corajoso. Esse seria um ótimo momento para vocês ficarem todos juntos. Correm menos risco em maior número. - o celular dele vibra e ele olha o aparelho. - Preciso ir.

- Ok. Até depois.

QUEBRA DE TEMPO

POV S/N

Pus o café na mesa e fui em direção ao meu quarto. O enterro já havia acabado e eu precisava espairecer.

-Jimin, você sabe onde está o meu vestido violeta? - Jimin aparece na porta. Ele aperta os olhos por alguns segundos, concentrado, e veio me ajudar.

- Procure na roupa suja.

- Mas eu não usei.

- Eu sei. Eu lavava suas roupas. - ele me olha, envergonhado. - Eu sentia que você estava aqui quando eu fazia isso. Não me julgue

- Tudo bem. Não está mais aqui quem falou. Vou usar outra coisa. Me empresta seu celular?

- Cadê o seu?

- Acho que o perdi

- Eu empresto. - Jisung aparece.

- Que diabos. Como entrou? A porta está trancada. - Jimin se assusta.

- Não está mais. - Jisung diz enquanto caminha para dentro do quarto.

- O-o que? - Jimin se retira, provavelmente para checar a porta.

- Oi, Jisung! - volto a procurar uma roupa.

- Como está hoje? - ele começa a andar pelo quarto.

- Bem, e você?

- Hm... - ele dá de ombros.

- Hm...? - me viro para ver seu rosto e ele estava indiferente com a pergunta.

- Viu o Kang? - ele se senta na cama.

- Ah... Não. - me viro para o guarda-roupa.

- Então acho que não o verá tão cedo.

- Não exagera. Ele vai me desculpar quando perceber que eu não fiz nada. Eu entendo a raiva dele, mas...

- Ele foi embora.

- Da cidade? - me viro, espantada.

- Talvez do país. Eu não sei.

- Não sabia que ele estava tão chateado comigo.

- Não me leve a mal, mas não acho que foi literalmente, exclusivamente e necessariamente por sua causa.

- Eu vou atrás dele. - começo a pegar qualquer roupa.

- Dê um tempo para ele. Ele perdeu o melhor amigo dele e você deveria entender isso melhor do que ninguém. Aliás, o que é isso no seu braço? - ele se aproxima.

- O que? - começo a procurar e ele me fura com uma seringa. - Aí!!!!

- Não se mova.

- O que é isso?

- Uma seringa.

- E o que está fazendo com ela?

- Tirando seu sangue.

- Não. Para quê está fazendo isso?

- Para um exato teste de gravidez. - ele sorri.

- Você estava todo sério e foi só me furar que começou a sorrir. Uau!

- Eu estava tenso pois não sabia como tirar seu sangue sem te desmaiar.

- Nossa!

- Pronto.

- Era mais fácil eu fazer xixi no palito.

- Não confio. Prefiro sangue.

- E eu preferia não fazer.

- Você não pode dizer isso para mim. Você me meteu nessa. Estou sem dormir desde o dia que você contou. Fiquei pensando se você está mesmo grávida. E... Eu já tirei seu sangue, seria um desperdício. Eu vou indo embora. Depois te dou notícias. - ele guarda a seringa no terno escuro.

- Isso não demora dias?

- Não para mim. Eu sou um nerd, com amigos nerds e aparelhos avançados bem caros.

- Não sei se isso me tranquiliza.

- Te mando mensagem.

- Espera! - grito antes que ele saia.

- Sim?- ele se vira.

- Você acha que ele vai me perdoar, certo?

- Até mais, S/N!- ele dá umas palmadas na madeira da porta e sai.

QUEBRA DE TEMPO

Eu estava prestes a ir a delírio pelo silêncio da casa. Ultimamente, Jimin me persegue até o banheiro, mas ele teve de ir ao hospital ver o Jin.

(Celular toca)

- Podemos conversar? - Yoongi fala do outro lado da linha telefônica.

- Sobre?

- Se eu quisesse falar por telefone ja teria dito.

- E se eu quisesse ter contato com a sua pessoa já teria tido antes.

- É serio.

- Inferno. Estou em casa, onde podemos nos en...

- Estou indo ai. - ele desliga.

Yoongi estava agitado demais para ser uma notícia boa. Eu já não esperava nada e mesmo assim sei que ficaria decepcionada. Eu já não esperava notícias boas em minha vida, então já me preparei para o pior.

(Pego o celular)

- Jisung, você está bem? - envio a mensagem, preocupada.

A campainha toca. Demoro um pouco para perguntar quem é, por medo. Eu estava com muito medo, e isso era nítido até para os seres inanimados.

- Yoongi? - sussurro ao ver uma sombra no vidro da porta.

- Sou eu.

- Certeza?

- Abre logo.

- Ah, estou confortável conversando assim. Pode dizer.

- Está muito frio aqui fora, mulher. Abre, por favor. - Pelo tom de voz, percebo que ele congelaria antes que terminasse de dizer o que queria. Tomo coragem e abro a porta rapidamente, fechando os olhos ao mesmo tempo, para que o impacto fosse menor.

- Porque seus olhos estão fechados?

- Oh, vejamos. É você mesmo. Ufa, né? - começo a mover meu corpo desconfortavelmente. - Pode entrar.

Yoongi entra e começa a perambular de um lado para o outro.

- Sabe, quando eu era pequeno eu pensava que podia persuadir tudo e a todos, mas...mas...

- Não estou entendendo nada. - jogo as chaves no balcão e me aproximo do ser humano quase sem ar. - Vamos lá, respira. Está tendo um ataque de pânico? - seguro em seu ombro e ele me olha, como... como se algo tivesse se tornado nítido para ele.

- S/N eu amo você. Eu amo você e não sei lidar com isso porque eu não deveria te amar. Isso não fazia parte do acordo.

- Acordo? Quer dizer do noivado?

-S/N...- ele segura minha mão. - Talvez eu esteja predestinado a sempre te ajudar, ou talvez eu te ame demais a ponto de não conseguir ser egoísta com você.

- Yoongi... Eu... - ele caminha para o andar de cima e me puxa.

- Não diz nada, por favor. - ele encosta sua testa na minha. - Eu sei que para você eu sou só um cretino, mas isso, isso... - ele coloca a mão sob o peito. - isso é real. Me sinto um pecador por amar alguém como você. Eu sei que é errado mas mesmo assim quero, é literalmente um pecado para mim. Droga, S/N! O que devo fazer? - ele cochicha. Vejo desespero nele. Me sinto culpada por ter causado danos em todos, ate mesmo nele. Yoongi me dá um selinho lento, e eu não recuso.

Segundos depois o mesmo me puxa antes que possamos repensar na questão de se é errado ou não. Ele toma a segurar meu queixo e começa a beijar meu pescoço. Eu não sentia nada grande com a situação. Meu corpo apenas estava alerta. Suas mãos começam a passar pelo meu corpo e pelos meus seios enquanto ele alcança com os lábios a base do meu pescoço. Cada parte estava sendo beijada e mordida delicadamente.

Em meio a tudo só consigo pensar "Talvez eu devesse me entregar? Talvez eu devesse desejá-lo?"

- Você é tão gostosa,S/N.

De repente, ele me senta na cadeira do corredor e se ajoelha aos meus pés, segurando meus tornozelos e abrindo minhas pernas.

- Eu não vou foder você hoje, mas terei você essa noite caso deseje. - ele beija meu tornozelo até meu joelho, parando logo acima. Fecho com força meus olhos. Aquilo era algo muito erótico. - Está tudo bem?

- O que?- abro os olhos - Ah, está sim. - Uma parte minha quer empurrá-lo para longe porque estou envergonhada. Depois de tudo, eu merecia ter uma noite de prazer agradável, mesmo que nunca tenha sido do meu gosto ter relações tão cedo e sem ter relacionamento sério com a pessoa. Sei que meu trauma ainda está aqui, mas eu não quero que permaneça.

Yoongi começa a chupar meu sexo em toda a sua extensão. Ele estava sendo delicado e acabou de se confessar. Por que eu não conseguia sentir um pingo de prazer? Droga!

Yoongi me levanta e se senta, me puxando para cima dele. Começamos a nos beijar novamente. Ele começa a se mexer depressa. Mesmo estando vestido  eu conseguia sentir a sua excitação. Eu sentia, mas não correspondia.

- Eu desejei tanto você. - Sua voz é rouca, dura e áspera em meu ouvido.

- Yoongi?

- Sim?

- Acho melhor pararmos. - o mesmo para e me olha por alguns segundos.

- Pensei que quisesse. Me desculpe.

- Não é isso. Só que... - passo a mão sob meus cabelos, jogando eles para trás. - aconteceu tanta coisa, e...

- Entendi. - o mesmo se levanta e começa a andar.

- Espera!- puxo-o - Eu escutei com atenção o que disse e prometo pensar.

- Pensar...claro.

- É o melhor que posso fazer agora.

- Não precisa se explicar. Tchau.

- Não. Não quer passar a noite aqui?

- Como assim? - ele se vira, nervoso.- Você acaba de me "chutar" e quer dormir comigo?

- Não é isso. Eu tenho medo de ficar sozinha. Jimin colocou outra cama em meu quarto. Ele quem dorme comigo, mas ele não vai passar a noite aqui hoje. Pode dormir lá comigo?

- Certeza? - ele parece perceber meu medo.

- Sim.

Depois de alguns minutos, levo Yoongi para o quarto. Dou á ele uma toalha para que possa tomar um banho e vou deitar.

QUEBRA DE TEMPO

Acordo de madrugada em prantos e molhada de suor. Mais uma noite estou tendo o mesmo sonho. Sonho onde vejo o estuprador abusando de mim e Ten assistindo tudo. Mas o Ten já não era o Ten. Ele não estava vivo. Ele estava assistindo morto, entende? O corpo estava direcionado para mim, mas já não havia vida.

- S/N? - Yoongi acorda ao perceber que tive um pesadelo. - O que houve? - ele me abraça. Eu já não estava mais chorando. Meu corpo estava no automático. Me levanto e vou para a cozinha. Começo a perambular pela cozinha, tentando esquecer os dias no cativeiro.

(Celular vibra)

Notificações: 30 chamadas perdidas do Promotor Minho

- Que diabos!- penso alto

(Campainha toca)

-Quem é?

- Sou eu, Minho.

- O que faz aqui ás 3:00? - abro a porta.

- Eu te liguei várias vezes, sua irresponsável.

- Irresponsável?

- É. Não consigo te xingar agora.

- O que houve? É o Jisung?

- Jisung? Por que seria o... Esquece. Preciso te dizer algo. Algo muito importante. E não tem essa de não seguir à risca. Você não tem escolha.

- Yugyeom?- vejo ele na porta.- Quando chegou?

- Agora. Jimin pediu para eu ficar com você hoje.

- Que bom que veio. Vou falar com ela sobre aquilo.

- O que está havendo? - me sento.

- Iremos te explicar desde o começo, mas o importante é que se afaste do Yoongi. - Minho fala, sério

- O que? Por que? - me assusto.

- Achamos que ele é cúmplice do sequestrador.

- Por que acham isso? Isso é loucura!

- Ele viu Ten ser sequestrado, viu Kang ser atropelado e não nos disse nada a respeito. Assim como você estava na cabana dele quando foi sequestrada.

- Ele não faria isso. - digo.

- O que? Não lembra que ele quase matou o Ten? - Yugyeom quase grita.

- Mas ele está diferente. Ele é diferente comigo.

- Mais um motivo para se preocupar, não acha? Por que defende ele? - Yugyeom se aproxima

- S/N? - Yoongi desce as escadas, semi nu.

- Yoongi? - me levanto e olho para ele.

- Ah, entendi. - Yugyeom fecha a cara e vai em direção á porta.

- Espera, não é o que está pensando.

- O que? - ele se vira. - Está me dizendo que ele não desceu semi nu de um quarto, que provavelmente é o seu?

- Não disse isso. Ele só tomou um banho.

- Depois de transarem?

- Yugyeom!

- Não diga meu nome. Quer saber. Esquece que eu existo. - ele se vira e eu puxo ele.

- Você não deve satisfação para ele. - Yoongi para do meu lado.

Yugyeom foi na direção de Yoongi como um raio. Ele começa a socar a face de Yoongi com tanta força que com apenas três socos os hematomas já ficaram nítidos.

- Yugyeom!- grito e tento segurá-lo. Minho puxa Yugyeom e o afasta de Yoongi. - Como quer que eu te defenda sendo que age assim? - começo a bater no peito de Yugyeom.

- Certo. Então não me defenda. Fique com ele. Aliás, Yoongi... Você está fora, entendeu? Não se meta mais. Finja que aquilo nunca aconteceu. Foi um erro eu pensar que faria o certo.

- Tarde demais, Yugyeom. - o mesmo retruca. Yugyeom sorri de lado e se retira, batendo a porta.

(Telefone de Minho toca)

- Alô! Como sabe que estou aqui? Ah, claro! Com licença!- ele coloca a mão sob o telefone e sai.

- Cretinos!- Yoongi reclama enquanto limpa os lábios de sangue.

- Vai embora.

- O que eu fiz?

- Me diz você. O que você fez de tão ruim que eu tenho que me preocupar em ficar longe de você?

- Não entendi.

- Só vai. - o mesmo sobe para pegar as suas coisas. Minutos depois ele volta furioso.

- Só espero que perceba que eu sou uma pessoa boa.

- Isso não é hora, Yoongi.

O mesmo me encara e sai. Me sento e começo a pensar em tudo.

Meu celular vibra. Desbloqueio e era uma mensagem de texto.

Jisung

" teste de gravidez: resultado"


Notas Finais


O que acharam? 😃


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...