1. Spirit Fanfics >
  2. IDFC >
  3. Jantar de noivos

História IDFC - Capítulo 44


Escrita por:


Notas do Autor


Oi goxxxxtosos.
Nessa quarentena vou tentar postar mais capítulos das minhas histórias pra vocês. Espero que gostem e deixem comentários do que acham, isso ajuda muito a que eu continue a postar.
Aliás, estou pensando em dar um nome pra S/N. 🙆 qual nome vocês gostariam que ela tivesse?
Desculpe caso haja erros. Boa leitura. 💓💓

Música do cap. ( parte da S/N com Yugyeom) https://youtu.be/zE4z13Lqtlk

Capítulo 44 - Jantar de noivos


Sorrio com a mensagem de Jisung. Eu estava aliviada por ele estar bem. Começo a repensar no que manda para meu pai.

- S/N?! - Jimin bate na porta depois de já ter entrado.

- Nossa - olho para ele. - nem precisava bater.

- Desça, rápido! - ele fala e corre para as escadas.

Entro em desespero e começo a pensar ser mais um sequestro. Pego meu bicho de pelúcia e tento calçar meu sapato. Por não conseguir colocar um dos pés, carrego um em meus braços. Pego meu carregador e desço.

- Vamos, vamos logo. - grito para Jimin, logo após escorregar na entrada. Me levanto e em meio a tropeços tento colocar a chave na porta para abri-la.

- O que está fazendo?

- Como assim o que eu estou fazendo? Fugindo? - olho para sala.

- Fugindo de mim? - Jin sorri e abre os braços para uma abraço.

- Aí, meu Deus! Que saudades!- corro em sua direção. - Como você está?

- Bem melhor, e você? - Jimin começa a andar de um lado para o outro para chamar minha atenção.

- Estou melhor, apesar dos fer... - Jimin começa a tossir descontroladamente.

- Desculpem é só um pigarro. Não contei DELE, para NÃO preocupar NINGUÉM.

- Filho, para de drama. É só um pigarro. Então, continue, S/N.

- Ah, então... - olho para Jimin e ele está fazendo várias mímicas, uma delas, um xis com os braços enquanto balança a cabeça em negação. 

- Nada. Estou bem.

- Me conte sobre o acampamento. Foi legal?

- É, foi sim. - falo sem jeito, mantendo meu olhar em Jimin enquanto ele sorri constrangido.

- Caramba, perdi muita coisa. E sinto muito pelo seu amigo. Sei que gostava muito dele. - olho para o chão.  - Eu sempre soube que esses taxistas noturnos eram perigosos. Já vi vários que cheiravam mais a álcool do que a própria bebida.

- Taxistas?

- Ele sofreu um acidente de carro, certo? - um silêncio toma conta da sala.

- A conversa está ótima, ou melhor, não está. E eu queria muito animar vocês agora, mas precisamos aprontar tudo logo.

- Aprontar? Quer dizer arrumar?

- Dããrn.

- Está tudo limpo.

- Quis dizer a comida.

- Hoje teremos companhia.

- Quem vem? - Jimin e Jin trocam olhares.

- Você sabe que por mim não faríamos, mas ele insistiu.

- Ele quem?

- Yoongi, seu noivo e o pai dele.- Jimin fala e se joga no sofá, relaxando seu corpo.

- Me desculpe, querida. - Jin se senta, derrotado. - Se não quiser ficar, eu entendo.

- Tudo bem.- me ajoelho ao seu lado e pego em uma de suas mãos. - Eu escolhi isso, lembra? Então, vou ajudar na cozinha. - me levanto e vou para cozinha para não mostrar minha infelicidade e deixa-los chateados.

POV JISUNG

- Você? - falo boquiaberta.

O indivíduo levanta os braços em louvor.

- Acho que alguém me descobriu.

- Por que?

- Sem tempo para perguntas, criança.

- Por que? - grito e agarro seu braço.

- Se eu fosse você, não gastaria a energia que resta de seu corpo. Me solte!

- Se não? - o mesmo sorri de lado por alguns segundos. O sorriso virou um olhar psicopata de ameaça. Ele aperta um botão que aciona um alarme por todo local. Ecoando estrondosamente. - O que é isso?

- O som da vitória. - ele começa a gargalhar. Sem entender, arregalo meus olhos.

- Está maluco de vez? Como pô... - antes que eu pudesse finalizar, sou atingido na nuca. Minha visão fica turva e começo a cambalear. Antes que eu consiga fixar meu olhar em quem me atingiu, desmaio.

POV YOONGI

Bato na porta da S/N, esperando que ninguém abra. Esses tempos tem sido cansativos, e eu só queria sair dali.

- Qual o motivo de estar tão disperso?

- Pra não ficar olhando para a sua cara.

- Quanta falta de educação. Te dei uma noiva maravilhosa.

- Ela não é um objeto e, também não é a oportunidade de você se tornar um bom pai.

- Não é? Mas eu a comprei por você, ingrato

- Mas não com seu dinheiro.... você a comprou com a bondade dela. Enfim, não fale comigo se não for necessário. - A porta é aberta exatamente no momento eu que eu estava prestes a explodir de ódio.

- Entrem! - Jimin abre, logo se virando.

- Ele realmente parece ser sem educação como falou. - Meu pai diz, logo entrando.

- Chegaram?! - S/N se levanta, logo colocando a mão sob sua costela machucada, mas algo parecia errado. Ela parecia estar disfarçando.

- Olá, nora!

- Sente-se. - Jin fala.

- Como se sente S/N?

- Eu estou bem, obrigada.

Eu não sabia por onde começar uma conversa civilizada, já que nunca tenho uma á anos. Queria ir embora, o que seria um ato de caridade para eles.

Se passaram 2 horas de um silêncio ensurdecedor.

- Podem nos mandar embora - quebro o silêncio. - Apenas tente não pensar em falar mal de mim quando eu partir, certo S/N?

- Não pensarei e nem penso agora. - Ela dá mais uma garfada, logo em seguida fixa seus olhos em mim e abre um sorriso triste.

- Bom estava uma delícia. Os noivos podem ir para outro lugar. Gostaria de falar com o pai da noiva.

- E eu que não sou pai nem noivo? Me mudo? - Jimin cruza os braços.

- Apenas suba, filho. - Jimin se levanta com total desprezo por aquela noite e sobe.

- Vem Yoongi - ela se direciona para um pequeno Jardim na frente da casa.

- Me fale sobre seu pai. - Ela se senta em uma balança branca, com flores em volta.

- Acredite, você deve saber mais dele do que eu. Não somos próximos quanto aparenta.

- Entendo. - Ela olha para o céu e, eu posso ver nitidamente os seus machucados, mesmo cobertos por maquiagem. Mesmo não dando para vê-los nitidamente, eu havia gravado as feridas dela.

- Eu queria te dizer tantas coisas, mas por agora... só posso pedir desculpas por aquela noite. Eu não deveria ter te deixado.

- Tudo bem. Não lembre o que já não me fere mais. - Ela dá de ombros. Eu odiei ouvir a frustração na sua voz. Eu não queria me importar. Sabia que se eu falar o que eu realmente sinto e tentar me reaproximar, isso à frustraria mais... acabaria mal. Eu sabia que se qualquer um dos garotos demonstrasse amor o suficiente para ela, se tornaria uma pessoa incrivelmente feliz. Então o porque? Qual o motivo de eu estar impedindo a mim mesmo?

-S/N?... - chamo-a, e ela me olha.

- Yoongi, vamos! - meu pai me chama. Me levanto e vejo o seu olhar completamente vazio.

- Hm... tchau.

- Tchau Yoongi.

Jin nos leva até o carro.

POV JISUNG.

Ainda tonto abro meus olhos. Minha visão turva me impedia de ver, mas era nítido que é estava sendo arrastado. Uma coisa era certa. Eu estava sendo sequestrado.

POV MINHO

-Seok, falou com o Jisung hoje?

- Não, porque?

- Ele parecia estranho.

- Ele é estranho, Minho.

- Verídico, mas dessa vez. Eu não sei, parecia que ele ia aprontar, como quando era criança.

- Agora ele cresceu, Minho. As vezes ele foi usufruir das necessidades que todo homem precisa em um motel.

- Com os documentos do tribunal da S/N? Que tipo de fetiche é esse?

- Documentos?

- Ele me pediu, e depois não me respondeu mais.

- Bom, de qualquer forma se algo estivesse errado, seremos os primeiros a saber. Ele nos avisaria caso soubesse de algo.

- Sim, certo? - rodo a caneta em meus dedos, pensativo.

POV S/N

- Está tudo bem? - Jimin se senta.

- Defina tudo bem. - eu o olho. - Estou brincando. Eu estou bem.

- Yugyeom vai vir aqui hoje.

- Qual o motivo de estar me dizendo isso?

- Não sei... depois daquele noite vocês parecem querer falar sobre muitas coisas.

- Impressão sua. Não tenho nada a dizer.

- Certo. Então quando ele chegar direi que você não tem nada a dizer com ele aqui na varanda.

Jimin entra. Pego meu celular.

(Vídeo chamada/Kang)

- Como foi seu dia?

- Bom, eu comi.

- Quando você não come?

-Quando durmo.

- Dúvido, só acredito vendo.

(Risos)

- O que aconteceu? Você está estranha.

- Tive um jantar de noivado.

- E por que eu não fui convidado?

- Porque eu também não sabia dele. Fingi estar bem a noite toda. Jimin não contou para o Jin o que aconteceu esses meses e mentiu sobre a morte de Ten.

- Sério. Que barra. Pelo menos sua maquiagem cobriu bem as feridas e não preocupou o Jin.

- Sim, espero que melhorem logo. - passo a mão sobre elas.

Eu queria parecer forte e disposta como antes, mas algo me preocupava. Eu sabia que havia algo errado, mas não sabia o que era, o porquê e como resolver e, isso me frustrava. Queria mostrar que eu era capaz de lidar com aquela situação, mas toda vez que eu estava com os meninos eu ficava vulnerável, tudo se tornava inútil, como eu.

- Kang, vou desligar. Preciso falar com Jimin. - digo quando vejo Yugyeom caminhar para para a varanda.

- Ok. Boa noite. - ele desliga.

Me levanto para entrar e passo por Yugyeom.

- Hey, S/N, espera. - seu lábio estava inchado e seus olhos vermelhos. - Está tudo bem?

Fiquei olhando para ele por alguns segundos. Percebi que ele havia chorado. Olhei para ele segundos o suficiente para meus olhos inundarem. Sinalizo que sim; mas depois que não.

- Na verdade, nem eu sei.

- Está tudo bem, você passou por muita coisa. -ele para á minha frente.

- O que quer, Yugyeom? - passo a mão em meus olhos.

- Bem, eu precisava te ver.

- Bem, estou aqui. - levanto meus braços e abaixo-os, batendo sobre meu quadril.

- Sim, eu sei. - ele me olha por alguns segundos. Yugueom me puxa e me beija.

Eu estava tão frustrada que acabei beijando-o, pois sabia que aquele momento acabaria com a minha tortura.

- Yugueom....- recuo e me viro.

- Espera. - ele me segura pelo pulso. - Porque sempre foge de mim? - eu olho para ele. - sei que essa noite foi tensa.

- Eu nunca fujo de você.  Por que parece péssimo?

- Porque você também está.

-Isso não faz sentido algum.

- Eu sei. - ele sorri, e me abraça. - Mais nada faz sentido pra mim. Eu preciso de v...

-S/N! - Jin me chama. - Minho está no telefone.

- Ele pode esperar, certo? - Yugyeom me olha, sorrindo.

- É sobre Jisung. 

- Jisung? - me viro rapidamente, soltando-me dos braços de Yugyeom. - Desculpe, Yugyeom. Preciso atender.- Ele me olha, sem expressão, se vira e vai embora sem ao menos se despedir.

Olho-o caminhar por alguns segundos e depois corro para o telefone.

- S/N, preciso falar sobre o Jisung. 

- Ele está bem? 

- Era isso que eu queria saber. Teve contato com ele?

- Sim.

- E o que ele disse?

- Disse estar bem.

- Sério? Estou preocupado. 

- Não precisa. Eu também estava. Deve ser por causa dos últimos acontecimentos. Ele me mandou mensagem. Ele está bem.

- Certo. Tentarei ficar tranquilo. Caso fale com ele me avise.

- Ok. Aviso. Tchau. Tenha uma boa noite, Minho.

- O mesmo pra vocês. 


POV MINHO.

- Ela falou com ele? O que ela disse?

- Que falou com ele e,  ele está bem. Não sei, algo não parece certo.

- Relaxa, Minho. Ela já disse que ele está bem. Sei que suas intuições sempre foram de arrepiar, mas tudo parece certo por agora.

- Só acredito vendo. Será que devo procurar por ele?

- E deixar ela aqui, sozinha? Nem pensar.

- Woah, eu devo estar paranóico mesmo por estar tão preocupado com ele.

- Sim, vocês se adiaram.  Relaxa. Ele está bem.

- Vocês estão certos. Ele nos ligará. Vou descansar. Boa noite. - vou para meu quarto. 


Notas Finais


O que acharam? Shippam S/N com Yugyeom?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...