História If - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias R5
Personagens Personagens Originais
Tags Ross Lynch
Visualizações 18
Palavras 1.661
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ok ok como prometido cá está mais um!! Pessoalmente é o meu preferido até agora, espero que gostem tanto quanto eu!!!🦄🦄🦄🦄

Capítulo 6 - Sweet Fragance


 

 27 de Outubro, 12h06

 

POV Violet

 

Tinha tocado à 20 minutos, todos os alunos já se encontravam na sala no entanto não havia sinal do Professor Hinks , o segundo toque soou, o professor tinha faltado. Ouviram-se pequenos gritos de alegria e os alunos apressaram-se a sair. Peguei na mochila colorida que estava no chão, coloquei-a aos ombros e saí da sala.

 Ia chegar mais cedo a casa , o que era ótimo visto que estava cheia de fome. Nessa manhã saí de casa sem tomar o pequeno-almoço, o que era muito raro, porém adormeci então não tive tempo. Como ainda tinha que passar pela biblioteca para devolver um livro apressei-me.

[...]

A funcionária rabugenta tinha o livro nas mãos e deu-me um comprovativo para assinar. Saí biblioteca enquanto  procurava o meu telemóvel para ver as horas, encontrei-o no fundo da mochila. Liguei a tela para ver que era 12h33, senti alguém contra mim e o telefone escorregou-me das mãos.

-Não! Não, não ,não, por favor que não esteja partido.- agachei-me para apanhar o telefone que estava no chão, que, para minha sorte, não tinha riscos.

-Desculpa!-Olhei para cima ao ouvir a voz e vi que Ross se encontrava à minha frente.

-Vê por onde andas, Lynch.- disse seca.

-Tu é que não estavas a olhar para a frente!

-Então se não estava porque é que não te desviaste?

-Já pedi desculpa. -revirei os olhos e continuei a andar, senti passos atrás de mim.

-Estás bem? Hmm... depois do que aconteceu na festa.

-Agora estás preocupado se eu estou bem? - ele ficou a olhar para mim sem resposta, tinha-o atingido.

- Nunca te tinha visto assim... foi por isso que perguntei.

-Estou ótima, agora adeus.

- Só isso?- ele disse espantado.

-Queres o quê? Que desabafe contigo? Só podes estar a gozar.-disse deixando um sorriso falso sair dos meus lábios.

-Sim, era uma boa ideia.- parei e virei-me para ele ,o mesmo estacou.

-Ouve Lynch, levaste-me a casa e eu agradeci. Mas que fique claro que não somos amigos.- dito isto continuei a andar mas senti-o puxar o meu braço.

Fiquei de frente para ele, os nossos rostos demasiado perto e senti-o fuzilar-me com olhar.

-Eu preocupo-me contigo.

-Vieste tarde de mais.-respondi prontamente sem fraquejar.

Soltei-me dele e andei para a frente mas apenas consegui dar dois passos. Não me estava a sentir bem, as minhas pernas começaram a tremer, senti os olhos fechar e deixei-me cair, mas antes de apagar completamente consegui ouvir a voz dele.

-VI!

 

15h34

Abri os olhos lentamente, a parede branca em frente tinha prateleiras com alguns livros e prémios. Sobressaltei-me, não estava em casa.

Olhei para a cama, estava em cima de uns lençóis pretos com os pés descalços. Os botins, que tinha calçados naquela manhã ,estavam no chão e o meu casaco estava pendurado na porta juntamente com a minha mochila. Senti uma porta abrir-se e vi o loiro sair da casa de banho que tinha no quarto com apenas a toalha enrolada na cintura e o corpo molhado.

-Clearwater! Acordaste!

-Ahm... s-sim eu ahm... sim...- os meus olhos percorriam o seu corpo e pararam na barriga onde os abdominais brilhavam por causa das gotas de água que lhe escorriam pelo corpo.

- Sentes-te bem?-ele disse enquanto se sentava ao meu lado.

-Sim eu estou bem, mas onde estou? E o que é que aconteceu?-tentei desviar o olhar dele um pouco confusa.

-Ahm nós meio que discutimos e tu desmaias-te então trouxe-te para minha casa. -olhei para os lençóis enquanto me tentava recordar do que acontecera -Fiquei mesmo preocupado, já comeste alguma coisa hoje?- ele aproximou-se de mim.

-Não.-disse baixo enquanto me esforçava por não olhar para o seu corpo despido.

-Eu vou-me vestir e trago-te alguma coisa ok?

-Não é preciso, eu tenho que ir para a casa, a minha mãe hoje saiu mais cedo e já deve estar preocupada.

- Sim ela ligou-te ,mas eu atendi e disse que estavas comigo.

-Contaste-lhe o que aconteceu?

-Sim, a parte importante, ela pediu-me que cuidasse de ti porque ela tinha que ir ter com a tua avó, e ,para que quando te sentisses melhor que te levasse a casa.

-Pronto eu já estou bem!-levantei-me rapidamente à procura dos sapatos.- senti um peso nos meus ombros, Ross pousou as suas mãos em mim, virando-me para ele.

-Podes ter calma, acordaste agora. Tens que comer alguma coisa primeiro.

-Eu já te disse que estou bem.-disse enquanto me soltava dele, senti as suas mãos na minha cintura e o meu peito embateu no dele.

-Eu não mordo.-ele disse com a voz baixa.

-E-eu sei.-gaguejei, ele sorriu para mim e senti-o aproximar-se.

-É melhor te vestires, e seca o cabelo vais ficar constipado.- disse rapidamente enquanto punha as mãos no seu peito para que se afastasse.

-Ok, vai descendo eu encontro-te na cozinha.

Dirigi-me à porta e fui para baixo. Ainda não tinha tido tempo para apreciar o luxo da casa,era grande, não gigante, mas era espaçosa, tinha poucas fotografias e a paleta de cores permanecia nos neutros. Avistei a cozinha e ia-me sentar quando vi a porta da frente abrir-se ,uma mulher baixa com o cabelo apanhado tinha acabado de entrar, não parecia muito velha, trazia um vestido cinzento rodado e uns brincos compridos.

-Ai desculpe menina, não sabia que o menino Ross tinha companhia. Eu vou só deixar isto na cozinha e saio já para os deixar à vontade.

-Não, não é preciso! Eu já estava de saída.

-Ah ok então é mais uma das raparigas que ele traz aqui e que se vai logo embora.- ela disse revirando os olhos.

-Não, não é isso que está a pensar!-disse isto e corei um pouco, não sabia como explicar à mulher o estava ali a fazer.

-Sabes a Rose ainda não chegou das compras mas deve ter alguma coisa para comer no frigorífico!- ouvi a voz de Ross vir das escadas enquanto o mesmo aparecia já vestido e com o cabelo seco.-Rose?

-Boa tarde menino, estava aqui a falar com a sua ahm.. amiga?

-Sim, a Violet sentiu-se mal a caminho de casa e achei por bem trazê-la para aqui.

-Ah ok!Peço desculpa menina, não sabia, não tencionava ofendê-la , muito menos compará-la a uma das galdérias que o menino costuma trazer.

-Não faz mal...-respondi baixo não sabia bem como reagir numa situação daquelas, só queria ir-me embora.

-Rose importasse de preparar algo para comermos?

-Não claro que não, só um momento.

Ross guiou-me até à sala de estar e sentei-me no sofá, ele ligou a televisão e fingimos os dois que estávamos a ver o que quer que fosse o que estava a dar, para que aquilo não fosse tão constrangedor.

-Desculpa pela atitude da Rose, ela fica chateada quando vê raparigas aqui em casa porque o meu irmão não gosta que eu faça isso.

-É compreensível sabes? Se fosse eu também não gostava de ver uma rapariga diferente todos os dias a sair da casa onde passo o meu dia.

-Não é todos os dias, é mais tipo uma vez por semana.

-Não preciso de pormenores sobre a tua vida sexual, obrigada.-disse com um sorriso irónico no rosto.

Vi-o sorrir pelo canto do olho e continuamos a ver o programa chato que estava a dar.

[...]

Rose tinha posto a mesa na sala, colocou nela algumas sandes, um bolo que fizera naquela manhã e 3 tipos diferentes de sumo.

-Ela sabe que somos só dois certo?

-Não queiras ver quantidade de comida que ela faz no Natal.- o loiro disse e eu ri-me do seu comentário, fazia tempo que não passávamos tempo juntos daquela maneira.

Comemos e senti-me muito melhor, a fome ainda não se assentara no meu estômago até ver toda aquela comida. Ajudei Rose a colocar tudo de volta na cozinha e voltei para a sala onde Ross já tinha as chaves do carro na mão.

-Ross, antes de irmos posso utilizar a casa de banho?

-Sim claro, usa a do meu quarto.

-Obrigada.

Subi as escadas e entrei na porta pela qual tinha saído algum tempo antes. Fui à casa de banho e quando saí reparei numa caixa preta que se encontrava no chão. Aproximei-me e vi inscritas na tampa as iniciais R.L. Sabia que não devia abri-la especialmente porque não era minha, mas não consegui resistir à curiosidade e levantei a tampa.

Descobri imediatamente que as iniciais não eram uma abreviatura de Ross Lynch. Remexi na caixa e à medida que fui pegando nos objetos ,memórias distantes reapareciam na minha mente.Peguei num perfume cor-de-rosa que tinha um pompom branco e peludo agarrado à tampa, pressionei a peça pequena e o cheiro espalhou-se pelo quarto. Imagens dela vieram-me à cabeça ,o sorriso, os olhos, o cabelo, a voz, e com elas um calor inexplicável fez-se sentir no meu coração. Fechei os olhos com força enquanto conseguia sentir a fragrância agradável mas já não restava quase nada, o cheiro desvanecia, e assim senti o frio, o medo e a escuridão, sentia-me só. Leves lágrimas saíram dos meus olhos fechados, senti a água salgada a tocar-me nos lábios e uma mão limpou-as de seguida. Abri os olhos e senti a respiração pesada, os olhos castanho-esverdeados fixaram-se nos meus e encostei a minha testa à dele.

-Podes ficar com ele se quiseres, tenho mais coisas dela e não é justo que tu não tenhas nada.

Senti a testa dele descolar-se na minha e os lábios dele pousaram-se nela. Não me queixei, apenas murmurei um obrigada e ele ajudou-me a levantar do chão.Pegou-me numa mão e com a que restava segurei o perfume nas mãos, desci as escadas com a minha mão ainda pousada na dele, Ross pegou na minha mochila ,pousou-me o casaco sobre os ombros e assim saímos de sua casa.

22h00

Estava deitada na cama e coloquei um pouco do perfume na parte de cima da minha mão, senti o cheiro e adormeci enquanto pequenas gotas escorriam dos meus olhos já fechados.


Notas Finais


Estoy moriendo. Sorry foi uma tentativa de falar espanhol.... Anywaysssss espero que tenham ficado OMG com este capitulo porque eu fiquei!!!! Tou mesmo ansiosa por escrever o resto.
MEU DEUS ROSS NÃO PODES SER ASSIM TÃO CUTE OK?
*estou falando com a personagem que "criei", nada estranho*
Ps:🦄🦄🦄🦄🦄🦄🦄 e comentem!!!!! É sempre bom ter opiniões!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...