1. Spirit Fanfics >
  2. If I >
  3. Are you okay?

História If I - Capítulo 11


Escrita por:


Capítulo 11 - Are you okay?


[Terça-feira]


Pela manhã, Junhui e Wonwoo caminharam juntos até a faculdade. Ao chegarem lá, viram Joshua sentado em um dos degraus da escada. Ele levantou seu olhar e acenou para ambos, levantando-se em seguida para abraçá-los. 

Joshua queria perguntar se algo havia acontecido para ele ter chegado com Junhui ou se ele havia se resolvido com Mingyu, mas preferiu ficar em silêncio e deixar que Wonwoo contasse quando quisesse.

Eles subiram conversando sobre coisas casuais e depois se sentaram à mesa que havia no segundo andar. Wonwoo estava um pouco mais quieto que o normal, o que chamou a atenção de seus amigos. Se Soonyoung estivesse ali, provavelmente teria feito alguma pergunta direta, mas os outros não sabiam se deveriam falar algo ou não, pois não queriam invadir sua privacidade e preferiam esperar até que ele ficasse confortável para contar.

–Por que vocês estão me olhando assim? –Ambos desviaram o olhar de Wonwoo, que riu com o ato nada discreto de seus amigos. –Vocês são péssimos quando tentam fingir alguma coisa. Sabem disso, certo? –Eles riram e assentiram, pois, de fato, não sabiam agir de forma discreta.

–Você está bem? –Joshua perguntou e Wonwoo suspirou.

–Eu achava que estava.

–Não conseguiu se resolver com o Mingyu?

–Sim e não –Joshua parecia confuso.

–Eles conversaram e aí o Mingyu se declarou. O Wonwoo achou que seria melhor ficar um tempo longe de casa e ele está comigo desde sábado.

–O quê? Como assim ficar longe de casa?

–Ah... Como eu posso explicar...

–Ele não sabe o que sente pelo Mingyu.

–Meu Deus...

–Okay, vou contar o que aconteceu de forma mais clara.

Wonwoo contou – mais uma vez – tudo que havia acontecido, menos a parte de ter encontrado outra pessoa em sua casa, pois Joshua já sabia sobre isso. Ele ficou um pouco surpreso com o ocorrido e ficou em silêncio por alguns segundos antes de pensar no que ele deveria falar.

–Certo. O Mingyu gosta de você –Wonwoo assentiu. –E você gosta do Mingyu –Junhui riu e fez que sim com a cabeça, deixando Wonwoo indignado.

–Não! Eu não gosto dele. Qual parte do “eu não sei o que sinto por ele” vocês dois não conseguem entender? –Ele disse, levantando um pouco o tom de sua voz.

Wonwoo podia negar o quanto quisesse, mesmo que nem ele fosse capaz de acreditar no que dizia, mas seus amigos o conheciam muito bem e sabiam que a possibilidade do ômega estar gostando de Mingyu era extremamente alta e achavam isso ótimo, visto que ambos pareciam se entender bem juntos.

–Wonwoo, vou ser sincero.

–Okay...

–Eu não acho que você não saiba o que sente por ele. Eu acho que você está tentando se convencer de que não gosta dele, entende?

–Claro que não –a voz de Wonwoo tremeu um pouco. Ele não queria admitir que talvez seu amigo estivesse certo.

–Desde o começo disso tudo, nós fazíamos algumas piadas sobre você se apaixonar pelo Mingyu... e você sempre nos dizia que isso jamais aconteceria.

–Joshua definitivamente tem um ponto. Você alguma vez se permitiu pensar que gostar do Mingyu não é algo ruim? –Wonwoo ficou em silêncio, com os braços cruzados.

–Eu sei que as circunstâncias em que vocês se conheceram foram péssimas, mas... talvez você realmente sinta algo por ele, mas prefere dizer a si mesmo que não.

–Eu não queria me casar com ele, nem com ninguém... 

E então, após algum tempo, lágrimas rolaram pelo rosto de Wonwoo. Mesmo que ele fizesse forças para que isso não acontecesse, era inevitável. Ele havia guardado algumas coisas dentro de si e estava exausto e estressado.

–Eu achei que fosse vencer minha mãe e fazê-la engolir as próprias palavras... Eu jurei para mim mesmo que não iria me apaixonar por alguém com quem fui forçado a me casar só para que os meus pais tivessem mais dinheiro...

Junhui e Joshua trocaram olhares rápidos. Ambos sabiam da pressão que Wonwoo sofria desde que era mais jovem. Sabiam o quão desconfortável seu amigo se sentia por não saber o que fazer para convencer sua mãe de que um casamento arranjado não era apropriado e nem a vontade dele. 

O ômega havia escutado coisas ridículas da boca de sua própria mãe e casou-se apenas para finalmente ter sua liberdade e não escutar nada vindo de seus pais que fosse relacionado aos alfas ou a casamentos.

–Won, você não precisa vencer sua mãe. Pode ter certeza que tudo de ruim que ela fez você passar, irá voltar para ela –Joshua disse, pegando a mão direita de Wonwoo. –Nós estamos aqui com você, okay?

–Sim. Não precisa guardar nada para si mesmo, você tem a gente ao seu lado.

Wonwoo assentiu e secou seu rosto com as mangas de seu casaco. Ele sorriu para os seus amigos e notou o quão sortudo era por tê-los.

–Talvez eu realmente tenha dito para mim mesmo que eu não deveria me apaixonar pelo Mingyu... Agora eu estou confuso e não sei o que fazer –ele deitou sua cabeça sobre a mesa e suspirou.

–Continue na casa do Junhui, tente organizar seus pensamentos e decida o que é melhor para você.

–Não quero perdê-lo... –ele disse em um tom baixo.

–Acho difícil o Mingyu simplesmente desistir de você –Joshua disse, sorrindo. –O jeito que ele te olha diz isso por si só.


[...]


Wonwoo chegou à livraria um pouco mais cedo, já que sua aula havia terminado antes do esperado. Jeonghan, que estava atrás do balcão, acenou para ele e sorriu.

–Bom dia.

–Bom dia, Wonwoo. Não teve aula hoje?

–Acabou mais cedo.

Jeonghan, assim como os outros amigos de Wonwoo, também notou como o ômega aparentava estar diferente. Ele havia recebido algumas mensagens do mesmo, contando sobre o que havia acontecido entre ele e Mingyu na noite em que todos foram ao bar, então pensou que talvez esse fosse o motivo.

–Está tudo bem? –O mais velho perguntou, aproximando-se um pouco. 

–Não muito.

–Não conseguiram se resolver?

–Sim. Nós conversamos, mas no meio da conversa ele... se declarou...

–O quê? Ele simplesmente se declarou?

–Sim. Estávamos conversando e aí ele disse que gostava de mim.

–Imagino que você tenha ficado muito surpreso –Wonwoo assentiu.

–Estou na casa do Junhui há alguns dias. Preciso de um tempo para pensar.

–Espero que fique tudo bem. Se precisar conversar, eu estou aqui, okay?

–Obrigado –Jeonghan sorriu e puxou Wonwoo para um abraço.

Eles passaram o resto do dia trabalhando e conversando. Jeonghan fez o possível para distrair Wonwoo e obteve sucesso, pois o mais novo aparentava estar mais alegre durante a tarde. Após fecharem a livraria, eles se despediram e cada um foi para sua casa. O ômega tomou um longo banho ao chegar ao apartamento e ficou no quarto estudando enquanto esperava Junhui chegar do trabalho

Algumas horas mais tarde, ele recebeu uma ligação de Mingyu e pensou em não atender, mas então se lembrou do que seus amigos haviam dito e mudou de ideia, atendendo a chamada.

Ao chegar em casa, Junhui caminhou em direção ao seu quarto, mas voltou para a sala ao ouvir que Wonwoo estava falando com alguém em seu telefone.

–Você já jantou? –Perguntou Mingyu.

–Sim e você?

–Pedi pizza. O Daeho está aqui e também queria comer.

–Ele está aí? –Wonwoo perguntou, animado. –Quero falar com ele.

–Kim Daeho, Wonwoo hyung quer falar com você –Wonwoo permaneceu em silêncio, esperando.

–Wonwoo hyung!

–Daeho! Como você está?

–Estou bem, mas estou com saudades. Por que você não está aqui? O Mingyu hyung disse que você viajou, é verdade?

–Sim... Eu viajei, mas logo vou estar de volta e nós vamos poder sair juntos, okay?

–Sério?

–Sim. Juro de dedinho.

–Você precisa voltar logo. O Mingyu hyung está de mau humor... –ele sussurrou, fazendo Wonwoo rir.

–Daeho! Eu consigo te ouvir, eu estou do seu lado.

–Fale para o Mingyu não se preocupar... Eu vou voltar em breve.

–Ouviu, hyung? Ele disse que vai voltar em breve.

–Isso é ótimo... –Mingyu disse.

–Vou devolver o celular para ele. Tchau, hyung!

–Tchau, meu anjinho.

–Voltei. Não acredite no Daeho, ele está mentindo –eles riram. –Você está bem?

–Sim... só estou um pouco cansado. Tenho prova em alguns dias e estudei a noite inteira.

–Boa sorte. Não estude demais, okay? Descanse também.

Wonwoo sorriu, sentindo uma sensação boa dentro si. Se pedissem para que ele descrevesse aquilo, ele não saberia explicar.

–Okay, senhor Kim –Mingyu riu. –Não trabalhe demais...

–Sim, senhor Jeon.

–Boa noite, Mingyu.

–Boa noite.

Wonwoo suspirou e jogou sua cabeça para trás, sentindo o cansaço tomar conta de seu corpo lentamente. Já era tarde e ele havia passado horas estudando. 

Junhui bateu na porta algumas vezes e entrou logo em seguida.

–Não acredito que bateu na porta do seu próprio quarto –eles riram.

–Escutei você conversando com o Mingyu. Estava conferindo se podia entrar agora.

–Eu liguei para ele.

Junhui parecia surpreso. Ele não imaginava que Wonwoo tomaria essa iniciativa.

Wonwoo levantou-se da cama e organizou seus livros dentro da mochila. Após fazê-lo, sentou-se no chão e suspirou novamente, sentindo seus ombros pesados.

–Está se sentindo bem?

–Estou cansado. Acho que passei muito tempo estudando.

–Você estudou mais depois que chegou do trabalho? –Wonwoo assentiu. –Jeon Wonwoo, você sabe que estudar demais não é bom. Meu Deus, agora eu pareço uma mãe –eles riram.

–Tudo bem, tudo bem. Vou estudar menos amanhã.

–Temos até sexta-feira para estudar, não precisa ter pressa –Wonwoo assentiu e levantou-se do chão.

–Pode trazer água para mim? –O ômega se jogou na cama e abraçou um dos travesseiros que estavam ali.

–Preguiçoso.

Junhui foi até a cozinha e fez como Wonwoo havia pedido, mas ao chegar no quarto notou que seu amigo já estava dormindo. Ele deixou o copo sobre a mesa que ficava ao lado da cama, cobriu Wonwoo e desligou as luzes do quarto, deixando-o dormir e voltando para a sala logo depois.

Talvez aquela fosse a primeira vez em que o ômega estivesse mais contente que o usual e isso deixou Junhui aliviado e um pouco menos preocupado.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...