História If I Never Love You (Sugamon - NamGi) - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys (BTS), Namgi, Romance, Vkook
Visualizações 78
Palavras 3.405
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Festa, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiie, como vocês estão? Trouxe um capítulo só para matar a saudade e dizer que daqui para frente as coisas vão ficar mais agitadas 😁😎
Enfim... desculpem os erros 🙏
Obrigada pelos favoritos e comentários ❤️

Capítulo 11 - Eleven


— O QUE?! EU NÃO ESTOU ACREDITANDO NISSO! É AQUELE CARA QUE ESTAVA AQUI? EU VOU ACABAR COM A IDA DELE! — Taehyung estava exaltado, andando de um lado para o outro, como de costume eles estavam todos reunidos na casa do Min antes de irem para a escola, e o acinzentado no momento estava choroso mas ainda sim preparado para ir para a escola.

— Você não vai fazer nada! Vai ficar quietinho na sua, não podemos arrumar confusões, além do mais, é só fazer o que você sempre faz, ficar colado no Yoon o dia inteiro que ele vai estar seguro — Jimin alertou e ambos ali concordaram, embora Taehyung ainda quisesse ir lá e socá-lo. — Agora vamos logo para a escola! O Hoseok está me mandando mensagens desde ontem.

Os três saíram de casa, caminhavam levemente apressados pela rua, não podiam chegar atrasados, passaram o dia como sempre faziam, Hoseok e Yoongi tinham treino, e os amigos estavam lá torcendo, passaram toda a manhã juntos, mas apenas no final do horário escolar que Taehyung caminhou até Jungkook e finalmente lhe dirigiu a palavra.

— Jungkook! Não quero botar pressão, mas por um acaso você sabia que o seu cunhado estava querendo ir na casa do Yoongi para beijar ele à força? — perguntou cruzando os braços, e logo os outros o alcançaram.

— TAEHYUNG! — Jimin e Yoongi chamaram-lhe a atenção ao mesmo tempo.

   — Não tem problema. — acalmou os dois. — Eu não sabia, quem veio atrás de mim foi só o Jin e minha irmã, disseram que o Namjoon tinha negócios para resolver, e eu não o vi até agora — respondeu calmo, era verdade, dava para ver.

   — Me desculpe por isso, Jungkook — o acinzentado disse acariciando os ombros do moreno enquanto encarava o Kim com o olhar de quem dizia "Eu te falei para não fazer isso!".

   — Não tem problema, a propósito, me desculpe pelo que aconteceu na sua casa, quando eu saí bravo, eu não quis te ofender, mas é que eles estavam falando coisas que não eram verdades, eu gosto de você como amigo, você é um ótimo amigo, mas... — Yoongi o cortou.

   — Eu entendi — riu divertido. — Não se enrole assim — o acalmou, mas logo quem estava ansioso era ele mesmo, quando viu o carro preto parado em frente à escola, e encostado no mesmo estava a figura alta e loira que esteve em sua casa na noite passada, ele estava usando uma calça preta, levemente justa, uma camiseta branca simples, e um sobretudo bege que ia até o meio de sua coxa. — A-acho que tem alguém te esperando — apontou para o mais velho, um erro já que Taehyung também o viu.

   — Eu vou ir lá — disse já caminhando pisando duro.

   — Hoseok segura ele! — Jimin gritou e o namorado o obedeceu rápido o suficiente para evitar um possivel escandalo.

   Jungkook ao ver que o castanho estava realmente bravo, correu para que Hoseok não precisasse o segurar por muito tempo, e entrou no carro esperando que Namjoon desse a volta e também entrasse no veículo, assim que o mais velho entrou e se sentou, o moreno decidiu por seu sermão para fora.

   — Você nunca me espera do lado de fora do carro! Por que decidiu fazer isso hoje?! — perguntou cruzando os braços.

   — Você gosta do garoto alto que estava vindo em minha direção, não é? — perguntou ignorando totalmente a questão de antes.

   — Você não respondeu o que eu perguntei! E já que você quer tanto saber sobre a minha vida pessoal, sim! Eu sinto algo por ele! Mas eu não faço nada que vá deixá-lo com raiva de mim — uma leve indireta fora lançada no mais velho.

   — Eu saí porque queria ver o Yoongi — disse simples e Jungkook queria poder acertá-lhe um soco.

   — Você deveria sossegar esse seu fogo, eu passei o dia com ele, e o Yoongi não está nem um pouco disposto a te desculpar ou falar com você — falou e encarou o lado de fora dando sinal de que a conversa estava encerrada, e por isso não pôde ver a tristeza surgir no rosto do maior.

   •

   •

   •

   — Olá Lisa! Como vai hoje? — cumprimentou a mais velha com um sorriso grande em seus lábios.

   — Estou muito bem, e você pequeno Min, está preparado para trabalhar? — perguntou divertida aproveitando que não precisava recepcionar nenhum cliente.

   — Estou mais preparado do que nunca! — disse num tom baixo para não chamar a atenção, e logo foi se trocar, colocando o uniforme, estava finalmente empregado.

   Yoongi estava dedicado a aprender, por isso, estava direcionado à todas as tarefas que tinham lá, quando Lisa precisava de uma folga, ele cobria seu lugar, ajudava na cozinha, servia mesas, limpava o chão, estava dando duro porque a todo momento, a única coisa que passava por sua mente era seu irmãozinho deitado naquela cama de hospital, ele pensava em todas as coisas que sua mãe poderia estar dizendo para o pequeno ChinHwa, isso só o deixava mais decidido.

   (Um mês e meio depois)

   Yoongi e todos os outros continuavam rotineiros, escola, momento de tensão quando Namjoon buscava um dos integrantes, o trabalho de meio periodo, ou ficar em casa nos fins de semana com os amigos, essa fora a rotina de Yoongi durante um mês e meio, até que ele finalmente conseguiu uma deixa, sua mãe precisara viajar para ajudar uma amiga, e por isso ChinHwa estava somente com o pai no hospital, o que se tornava a chance perfeita para visitar o menor.

   — ChinHwa! Eu senti tanto a sua falta! — disse se jogando em cima do menor.

   — Yoon! Você veio me ver! A mamãe sempre dizia que você não vinha porque não me queria mais como irmão — abaixou a cabeça tristonho.

   — Já disse que isso era mentira filho — o mais velho do lugar começou a falar. — O seu irmão está trabalhando agora, ele está dando duro, então não dê ouvidos ao que sua mãe lhe diz de ruim.

   — ChinHwa... se eu conseguir a sua guarda, você vem morar comigo? — perguntou sentando-se ao lado do irmão, esse que o olhou com os olhos esperançosos.

   — Você quer mesmo me levar para morar com você? — perguntou com um pequeno sorriso em seus lábios.

   — Eu acho que essa é a melhor ideia que eu já ouvi aqui dentro desse quarto — mais uma vez o mais velho da familia falou incentivando os filhos. — Ele já vai receber alta semana que vem, então vai voltar para casa, mas você pode contratar um advogado, e ele vai te ajudar com isso.

   — Obrigado por me apoiar com isso pai — disse sentindo-se, pela primeira vez em anos confortavel junto à sua familia. — Eu vou hoje mesmo procurar alguém para me representar.

   •

   •

   •

   — VOCÊ PEDIU PAR EU FICAR LONGE DELE, E AGORA ELE PROVAVELMENTE NEM SE LEMBRA DA MINHA EXISTÊNCIA ENQUANTO EU FICO AQUI PENSANDO NELE FEITO UM IDIOTA! — Namjoon gritava com o cunhado, sequer se lembrava porque começaram a discussão.

   — VOCÊ É MESMO UM IDIOTA! ELE SEMPRE FICA NERVOSO NA SAÍDA PORQUE VOCÊ SEMPRE ESTÁ LÁ! E AGORA QUE VOCÊ CONSEGUIU SE TORNAR MODELO, E COMEÇOU UM TRABALHO SÉRIO, POR QUE NÃO ME DEIXA VOLTAR SOZINHO PARA CASA?! — questionou fazendo Namjoon lembrar-se do motivo da discussão.

   — PORQUE É O ÚNICO MOMENTO EM QUE EU POSSO VÊ-LO! EU NÃO POSSO FICAR SEGUINDO ELE FEITO UM MALUCO!

   — VOCÊ JÁ ESTAVA FAZENDO ISSO, POR QUE AGORA É DIFERENTE?!

   — PORQUE AGORA EU SEI QUE EU ME IMPORTO DE VERDADE! — gritou deixando Jungkook surpreso afinal, o mais velho nunca foi de demonstrar sentimentos, e sabia o quanto seria dificil para ele admitir que realmente está sentindo algo pelo acinzentado e não um simples tesão momentâneo. — Eu não vou mais te buscar na escola, não se preocupe — disse sério e em seguida entrou para o seu quarto trancando a porta logo em seguida.

   Jungkook suspirou pesado e se jogou no sofá, odiava discutir com Namjoon, porque mesmo que ele desse a entender que não se importava, o Jeon sabia que não era verdade, que ele sentia, afinal, via Jungkook como um irmão mais novo, pegou o celular e discou o número de Jimin.

   — Jungkook? Oi, está tudo bem? — o rapaz do outro lado da linha falou.

   — Oi Jimin, bem...eu discuti com o Namjoon de novo por causa do Yoongi — disse, saber que essa não era a primeira vez o deixava ainda pior.

    — O Yoon também não está lidando bem com isso, e quando ele vê o Namjoon fica todo confuso, se gosta dele, mas sempre diz que mesmo se gostar, ele não vai se dar a chance de ter o coração partido de novo — suspirou do outro lado da linha.

   — Nenhum dos dois merece isso — disse e sentiu um sinal de concordancia vindo do outro. — Mas e o Taehyung, quando ele volta?

   — Pelo que as mensagens dele dizem, ele volta em duas semanas e meia, ele vai perder muitos conteúdos das aulas — suspirou mais uma vez e se perguntou desde quando se tornou o pai dessa turma de pirralhos encrenqueiros.

   — Eu já estou anotando tudo para ele — respondeu tão rápido que quase cortou a fala do Park.

   — Ah, isso é tão gentil de sua parte, mesmo ele sendo um mala com você na maioria das vezes você ainda se importa com ele — riu divertido com a situação.

   — Eu não o culpo por isso, na verdade ele ainda acha que eu sabia que o Namjoon estava fazendo aquilo — entendia mesmo o lado do castanho, afinal, se fizessem isso com a pessoa que ele gosta, isso o deixaria louco.

   — De qualquer forma, o único jeito para ajudar é deixar o tempo passar e ajeitar esses caras...

   Depois disso os dois conversaram sobre assuntos aleatórios relacionados à escola, até que a ligação finalmente fora encerrada, Jungkook, agora mais calmo decidiu que iria conversar com Namjoon para resolver, dizer que eles não podem ficar brigando por isso, e que devem parar logo com a palhaçada, mas ao ver que a porta do mesmo não estava trancada, e o quarto estava vazio, sentiu vontade de ir atrás do mais velho, feito um pai furioso, e bater nele até que se ajeite na vida, afinal, Jungkook que era o adolescente ali, e ele não fazia essas coisas.

   •

   •

   •

   — O que eu estou dizendo é que se você gosta de alguém, tem de ir atrás dizer para ela, e não ficar se escondendo e esperar que ela te note do nada — Namjoon tinha a voz embargada, segurava uma garrafinha do tão famoso soju de maçã verde, a sétima...ou oitava, depois da décima, somando tudo são... treze? Foi isso o que o mais velho concluiu.

   — Cara, seu celular está tocando, vem, eu te ajudo — o rapaz com quem o Kim falava pegou o aparelho e atendeu logo colocando na orelha do desconhecido de quem já sabia praticamente toda a vida.

   — Namjoon! Onde você está?! era Jungkook, desesperado com o rélogio marcando mais de duas da manhã.

   — Ah! Hoje é sexta pode parar de pegar no meu pé?! — quase caiu ao tentar se levantar para dar aquela sensação dramatica de gritar no celular enquanto caminha de um lado para o outro, por sorte o homem com ele o segurou.

   — Você precisa voltar para cá! Você está bebendo, não está?! — perguntou bravo.

   — Estou sim! Eu enchi a cara, mas ainda consigo falar muito bem! Eu...só não consigo ficar de pé — disse jogando os braços em volta do homem que o apoiava.

   — Kim Namjoon! Entre já num táxi e venha embora! — disse batendo o pé como se o outro pudesse ver sua raiva.

   — Não! Eu vou dormir na casa do Chad! — se esforçou ao máximo para conseguir afastar a cabeça e desligar o telefone na cara do cunhado, jogando o celular no balcão encarando o novo amigo.

   — Meu nome é Suho — disse confuso sobre quem era esse tal Chad, não sabia se estava falando dele ou não.

   — Isso! É isso mesmo! Suho! Eu sabia, só estava te testando — disse batendo palma como se tivesse pegado alguém no flagra.

   — Tudo bem, você quase me pegou mas agora está tarde, e quem quer que seja que ligou para você deve estar preocupado — disse e o ajudou a levantar pela terceira vez, já que a vez que não foi detalhada foi uma ajuda ao banheiro.

   — Você está me expulsando da sua casa? — Namjoon perguntou com a carinha de bichinho fofo e pidão.

   — Não estamos na minha casa, estamos num bar, e o senhor já quer fechar aqui, então vamos de táxi para a sua casa, e você vai entrar, se deitar e dormir — disse parando de pé na calçada, paticamente carregando o Kim.

   Não demorou muito para que um carro aparecesse, Namjoon já tinha aceitado que precisaria ir para casa e não retrucou mais, apenas lhe passou o endereço e deixou-se descansar enquanto terminava sua bebida, o táxi parou, e o Kim desceu cambaleando, mas conseguiu chegar até a porta, em seguida acenou para Suho, num sinal de que ele já poderia seguir seu caminho, e quando girou a maçaneta da porta se surpreendeu com o fato de que a mesma estava trancada, por isso suspirou pesado e bateu na porta, sabia que isso era só mais um truque do Jungkook, já que se precisasse bater na porta o menor saberia que hora Namjoon voltara, afinal, o mais velho estava bebado, não idiota.

   Bateu na porta pela segunda vez, já estava começando a ficar com frio, viu a luz do lado de dentro finalmente se acender e suspirou aliviado, não teria de dormir do lado de fora, já era uma parte boa, escutou passos dentro da casa e pensou em gritar para que o mais novo andasse mais rapido, porém, sabia que se abrisse a boca, colocaria tudo para fora.

   •

   •

   •

   (Yoongi Pov.)

   Seguro a faca em uma das minhas mãos, e deixo o número da policia já discado em meu celular no balcão, caso eu preciso posso correr e discar, confesso que minhas pernas estão tremendo de maneira que nunca vi na vida, minha respiração está ofegante, e quando me aproximo do olho magico, não acredito no que vejo, o que esse filho da puta está fazendo aqui agora?

   — Eu preciso mijar... Jungkoooooook... — murmurou do lado de fora, ele está bebado? Sério?! Idiota de merda.

   Eu tenho duas opções, deixo ele urinar na minha porta ou abro e vejo o estado dele, então, giro a maçaneta e abro a porta, o maior parece sequer notar a minha presença ali, apenas corre desesperado para dentro e ao chegar no meio da sala que ele para e e olha ao redor.

   — Sério, por que está tudo diferente? — esse idiota ainda não me viu?

   — Você não está na sua casa seu idiota! — reclamo já que ele me acordou em plena a madrugada.

   — Yoongi? Oh meu Deus! — agora ele notou? Oh, muito delicado.

   — Você está bebado Namjoon! — digo o encarando e batendo o pé freneticamente.

   — Me desculpa, eu queria passar o endereço... de casa...

   — Passou o meu! Eu vou ligar para o Jungkook — digo caminhando até o balcão e pegando o meu aparelho telefonico, buscando o nome que precisava.

   Antes que eu pudesse dizer alguma coisa, ou mesmo terminar a ação que havia começado escutei um fungar e quando me virei minimamente percebi que o outro estava chorando. O que? O que aconteceu agora? Droga.

   — O que está acontecendo Namjoon? — pergunto chegando perto do outro e olhando o rosto do mais velho que impressionantemente e já estava com o rosto completamente molhado. — O que aconteceu? — por um momento me preocupei com Jungkook.

   — Yoongi você está tão lindo agora... e você quer me mandar embora... e eu não consigo... porque eu não consigo mais mandar no meu próprio corpo — ele está realmente soluçando?

   — Você não está falando coisa com coisa, eu estou de pijama, não estou nem arrumado — digo pensando no que vou fazer com esse ser.

   — Por favor... me desculpa por ter te beijado naquela noite — enxugou as próprias lágrimas de maneira rapida, embolando-se na própria fala.

   — Tudo bem, está desculpado, agora pare de chorar por favor, nem sei porque você está assim — acaricio suas costas, contra a minha vontade, meu corpo está agindo sem que eu possa controlá-lo, e quando seus olhos castanhos me encararam de maneira profunda consigo voltar para mim mesmo, quase que num pequeno susto.

   — Eu...eu, p-por um acaso...quero dizer, sabe...eu queria...tipo, p-posso beijar você? — o encarei como se perguntasse a mim mesmo se isso está realmente acontecendo. — Eu...pedi, dessa vez estou certo...não estou?

   — Você...você pode — respondo incerto, na verdade, eu esperava que ele fosse ficar surpreso, mas ao invés disso, ele não esperou nem um segundo a mais depois de minha resposta.

   Namjoon selou nossos lábios, eu podia sentir o cheiro e o gosto do alcool invadirem meu ser, ambos estavamos sentados no sofá quando ele me puxou mais para perto, seu braço rodeou minha cintura, senti um arrepio percorrer todo o meu corpo com um simples toque, o beijo se aprofundou de forma necessaria, e quando eu percebi ele já estava se deitando em cima de mim, sentir seu corpo sobre mim fez com que eu relaxasse e o deixasse assumir o controle, estou mesmo fazendo isso?

   Sinto o famoso formigamento em meu baixo ventre, famoso apenas por ser dito em histórias eróticas já que eu mesmo nunca o provei, e então meu corpo fez comigo a maior das traições que eu podia imaginar, meu membro se entregou totalmente ao momento, pressionando-se contra o tecido fino do pijama. Namjoon sentiu isso, e como num passe de mágica senti sua ereção pressionada contra o jeans ser esfregada em minha coxa, já havíamos separado o beijo algumas vezes para recuperar a respiração, mas sequer nos olhamos, apenas voltamos ao beijo, ainda mais necessitado. Estava decidido ia fazer isso, e ia fazer isso com Kim Namjoon.

   Arfei arqueando as costas quando sua mão, de maneira forte, deslizou por toda a minha cintura, até chegar em minha bunda, apertando mais ainda o lugar, o que fez o mesmo sorrir entre o beijo, deixando uma mordiacada em meu lábio inferior. Quando sua mão foi em direção ao meu pijama, na intenção de tirá-lo, meu celular tocou, e só aí lê.brei que havia mandado uma mensagem para Jungkook falando do cunhado irresponsável dele.

   — Preciso...atender — digo entre o beijo e ele volta a se sentar no sofá me dando espaço para sair e atender o aparelho. – Alô?

   (Narrador Pov.)

   — Yoongi, oi, céus me desculpe, o Namjoon deve estar enchendo o seu saco, não é? — questionou já aflito.

   — Bem...ele me assustou bastante, mas agora ele está mais calmo, está sendo educado, então eu acho que ele pode passar a noite aqui — disse respirando fundo, era sua decisão, precisava fazer aquilo, não podia mais negar seus desejos.

   — Tudo bem, mas é sério, qualquer coisa é só me ligar, a hora que for, eu atendo e vou imediatente para aí — disse tentando me acalmar, funcionou de alguma forma.

   — Está certo — me despeço e em seguida me dou conta que posso voltar para Namjoon, ou poderia, se ele não estivesse completamente desmaiado. — Aish, Namjoon, você deu mancada de novo — arrumou o mais velho no sofá de forma que ele ficasse mais confortável, caminhou depressa até o quarto e pegou uma coberta, estava duro, e ainda sim só queria o bem estar do mais velho, talvez a cabeça de baixo tivesse mesmo influência em suas ações, porque se alguém dissesse que isso aconteceria, ele não acreditaria de jeito nenhum, até minutos atrás sabia qual era o seu sentimento por Namjoon, ódio? Acompanhado pelo sinal de interrogação.

   Mas o Min estava com problemas, problemas maiores do que o amor intenso unilateral da infância, seus problemas eram com um assunto muito maior, de jeito que o deixava alienado, e sinceramente, estava se jogando nos braços das pessoas como se tentasse transmitir os seus sentimentos, mas não estava funcionando.

 

   O acinzentado bufou frustrado, apagou as luzes e seguiu para o quarto, estava se perguntando que merda ele tinha na cabeça, porque diabos estava tão entregue à Namjoon? E por que esse foi um sentimento tão bom que ele provavelmente nunca irá esquecer? Estava confuso, se odiava, mas ao mesmo tempo gostou da atitude que ele teve, e estava mais preocupado ainda porque, eram quase quatro horas da manhã, estava com uma ereção no meio das pernas, ele tinha certeza de que não conseguiria dormir, e ainda sim teria de trabalhar no dia seguinte.


Notas Finais


Pessoinhas maravilhosas, será que podem dar uma olhada...

https://www.spiritfanfiction.com/historia/conexoes-de-alma-yoonmin-namjin-taekook--abo-16553226

Não vão se arrepender! ;) até a próxima ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...